Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFPE

2022
Dissertações
1
  • RODRIGO BEZERRA
  • PERFIL CLÍNICO E DESFECHOS DE PACIENTES CRITICAMENTE DOENTES COM LESÃO RENAL AGUDA INFECTADOS PELO SARS-CoV-2: UM ESTUDO OBSERVACIONAL

  • Orientador : JONES OLIVEIRA DE ALBUQUERQUE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ALEXANDRE BRAGA LIBÓRIO
  • GUSTAVO FERNANDES FERREIRA
  • JONES OLIVEIRA DE ALBUQUERQUE
  • Data: 16/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • Os primeiros relatos indicam que a Lesão Renal Aguda (LRA) é comum durante a infecção por COVID-19. Diferentes taxas de mortalidade de LRA por SARS-CoV-2 têm sido relatadas, com base no grau de disfunção orgânica e variando de hospitais públicos a privados. No entanto, faltam dados sobre LRA em pacientes gravemente enfermos com COVID-19. Realizamos um estudo de coorte multicêntrico com 424 adultos gravemente enfermos com síndrome respiratória aguda grave (SARS) e LRA, ambas associadas à SARS-CoV-2, internados em seis UTIs públicas no Brasil. Usamos regressão logística multivariável para identificar os fatores de risco para gravidade da LRA e mortalidade intra-hospitalar. Evidenciamos uma média de idade de 66,42 ± 13,79 anos, 90,3% estavam em ventilação mecânica (VM), 76,6% estavam no estágio 3 do KDIGO e 79% realizavam hemodiálise. A mortalidade geral foi de 90,1%. Encontramos maior frequência de diálise (82,7% versus 45,2%), VM (95% versus 47,6%), vasopressores (81,2% versus 35,7%) (p < 0,001) e LRA grave (79,3% versus 52,4%; p = 0,002) em não sobreviventes. VM, vasopressores, diálise, LRA associada à sepse e óbito (p < 0,001) foram mais frequentes no KDIGO 3. A regressão logística para óbito demonstrou associação com VM (OR = 8,44; IC 3,43–20,74) e vasopressores (OR = 2,93; IC 1,28–6,71; p < 0,001). LRA grave e necessidade de diálise não foram fatores de risco independentes para óbito. VM (OR = 2,60; IC 1,23–5,45) e vasopressores (OR = 1,95; IC 1,12–3,99) também foram fatores de risco independentes para KDIGO 3 (p < 0,001). Concluímos que pacientes criticamente enfermos com SARS e LRA por COVID-19 tiveram alta mortalidade nesta coorte. A mortalidade foi amplamente determinada pela necessidade de ventilação mecânica e vasopressores, e não pela gravidade da LRA.


  • Mostrar Abstract
  • Os primeiros relatos indicam que a Lesão Renal Aguda (LRA) é comum durante a infecção por COVID-19. Diferentes taxas de mortalidade de LRA por SARS-CoV-2 têm sido relatadas, com base no grau de disfunção orgânica e variando de hospitais públicos a privados. No entanto, faltam dados sobre LRA em pacientes gravemente enfermos com COVID-19. Realizamos um estudo de coorte multicêntrico com 424 adultos gravemente enfermos com síndrome respiratória aguda grave (SARS) e LRA, ambas associadas à SARS-CoV-2, internados em seis UTIs públicas no Brasil. Usamos regressão logística multivariável para identificar os fatores de risco para gravidade da LRA e mortalidade intra-hospitalar. Evidenciamos uma média de idade de 66,42 ± 13,79 anos, 90,3% estavam em ventilação mecânica (VM), 76,6% estavam no estágio 3 do KDIGO e 79% realizavam hemodiálise. A mortalidade geral foi de 90,1%. Encontramos maior frequência de diálise (82,7% versus 45,2%), VM (95% versus 47,6%), vasopressores (81,2% versus 35,7%) (p < 0,001) e LRA grave (79,3% versus 52,4%; p = 0,002) em não sobreviventes. VM, vasopressores, diálise, LRA associada à sepse e óbito (p < 0,001) foram mais frequentes no KDIGO 3. A regressão logística para óbito demonstrou associação com VM (OR = 8,44; IC 3,43–20,74) e vasopressores (OR = 2,93; IC 1,28–6,71; p < 0,001). LRA grave e necessidade de diálise não foram fatores de risco independentes para óbito. VM (OR = 2,60; IC 1,23–5,45) e vasopressores (OR = 1,95; IC 1,12–3,99) também foram fatores de risco independentes para KDIGO 3 (p < 0,001). Concluímos que pacientes criticamente enfermos com SARS e LRA por COVID-19 tiveram alta mortalidade nesta coorte. A mortalidade foi amplamente determinada pela necessidade de ventilação mecânica e vasopressores, e não pela gravidade da LRA.

2
  • RENATTA PRISCILLA FERREIRA SILVA
  • ESTUDO DA ASSOCIAÇÃO DE ÓLEO ESSENCIAL E LEVODOPA COMO UMA ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA DOENÇA DE PARKINSON UTILIZANDO ZEBRAFISH (Danio rerio) COMO MODELO ANIMAL
  • Orientador : PABYTON GONÇALVES CADENA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARÍLIA RIBEIRO SALES CADENA
  • PABYTON GONÇALVES CADENA
  • PAULO ROBERTO ELEUTERIO DE SOUZA
  • Data: 24/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • A doença de Parkinson (DP) é mundialmente considerada a segunda doença neurodegenerativa mais comum entre pessoas com idade acima dos 60 anos. Esta causa em seus pacientes à degeneração progressiva e irreversível de células do sistema nervoso central (SNC), provocando uma perda gradativa das funções motoras, fisiológicas e da capacidade cognitiva. Em nosso estudo utilizamos a Rotenona (ROT), uma molécula orgânica natural que em excesso, degenera neurônios dopaminérgicos induzindo sua morte e deformando corpúsculos de Lewy. Esse pesticida é um protótipo de toxina exógena com atributos clínicos de Parkinson-like em modelo animal. Os medicamentos utilizados no tratamento da DP têm por objetivo estimular o aumento da neurotransmissão dopaminérgica, como exemplo, a levodopa (L-DOPA). Seu uso em longo prazo causa em seus pacientes efeitos colaterais como complicações motoras, discinésia induzida, entre outros. Contudo, para neutralizar os efeitos adversos causados pela L-DOPA, existe uma necessidade por alternativas terapêuticas que possam reduzir as doses e minimizar seus efeitos colaterais provocados pelo seu tempo e uso. Diante disso, existe um interesse em encontrar alternativas terapêuticas eficientes na modificação do quadro evolutivo da doença, através da introdução dos bioprodutos de origem vegetal, por exemplo. Dentre as espécies vegetais com potencial terapêutico podemos citar o óleo essencial de pimenta negra, Piper nigrum. Este óleo possui ação neuroprotetora, segundo a literatura, é eficiente no tratamento da Doença de Alzheimer (DA). Diante desse fato, nosso foco é aplicar novas tecnologias farmacêuticas a base de óleos essenciais associados a L-dopa com intuito de utilizá-los como uma inovação para o tratamento da DP. Onde serão utilizados como modelo experimental embriões da espécie Danio rerio, conhecidos como Zebrafish em condições laboratoriais adequadas, os animais serão expostos à ROT e tratados com L-dopa e Piper nigrum em diferentes concentrações e na sequencia alguns parâmetros, relacionados com a eclosão, efeitos teratogênicos, mortalidade, testes comportamentais e de sensibilidade, bem como a morfometria dos embriões, serão avaliados durante o período de exposição dos animais. Assim, ao final do estudo acredita-se que será possível entender os efeitos provocados nos embriões de peixe-zebra no tratamento da doença através da administração das substâncias utilizadas e com isso, identificarmos se o óleo essencial de pimenta negra também é eficiente no tratamento da DP assim como é eficiente no tratamento da DA.


  • Mostrar Abstract
  • A doença de Parkinson (DP) é mundialmente considerada a segunda doença neurodegenerativa mais comum entre pessoas com idade acima dos 60 anos. Esta causa em seus pacientes à degeneração progressiva e irreversível de células do sistema nervoso central (SNC), provocando uma perda gradativa das funções motoras, fisiológicas e da capacidade cognitiva. Em nosso estudo utilizamos a Rotenona (ROT), uma molécula orgânica natural que em excesso, degenera neurônios dopaminérgicos induzindo sua morte e deformando corpúsculos de Lewy. Esse pesticida é um protótipo de toxina exógena com atributos clínicos de Parkinson-like em modelo animal. Os medicamentos utilizados no tratamento da DP têm por objetivo estimular o aumento da neurotransmissão dopaminérgica, como exemplo, a levodopa (L-DOPA). Seu uso em longo prazo causa em seus pacientes efeitos colaterais como complicações motoras, discinésia induzida, entre outros. Contudo, para neutralizar os efeitos adversos causados pela L-DOPA, existe uma necessidade por alternativas terapêuticas que possam reduzir as doses e minimizar seus efeitos colaterais provocados pelo seu tempo e uso. Diante disso, existe um interesse em encontrar alternativas terapêuticas eficientes na modificação do quadro evolutivo da doença, através da introdução dos bioprodutos de origem vegetal, por exemplo. Dentre as espécies vegetais com potencial terapêutico podemos citar o óleo essencial de pimenta negra, Piper nigrum. Este óleo possui ação neuroprotetora, segundo a literatura, é eficiente no tratamento da Doença de Alzheimer (DA). Diante desse fato, nosso foco é aplicar novas tecnologias farmacêuticas a base de óleos essenciais associados a L-dopa com intuito de utilizá-los como uma inovação para o tratamento da DP. Onde serão utilizados como modelo experimental embriões da espécie Danio rerio, conhecidos como Zebrafish em condições laboratoriais adequadas, os animais serão expostos à ROT e tratados com L-dopa e Piper nigrum em diferentes concentrações e na sequencia alguns parâmetros, relacionados com a eclosão, efeitos teratogênicos, mortalidade, testes comportamentais e de sensibilidade, bem como a morfometria dos embriões, serão avaliados durante o período de exposição dos animais. Assim, ao final do estudo acredita-se que será possível entender os efeitos provocados nos embriões de peixe-zebra no tratamento da doença através da administração das substâncias utilizadas e com isso, identificarmos se o óleo essencial de pimenta negra também é eficiente no tratamento da DP assim como é eficiente no tratamento da DA.

3
  • LUANNA DE ÂNGELIS CORREIA DE SOUSA
  • Desenvolvimento e avaliação de nanopartículas revestidas com fucana contra cepa de Mycobacterium tuberculosis sensível e resistente
     
     
  • Orientador : JOSÉ ANTONIO COUTO TEIXEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FABIO ROCHA FORMIGA
  • JOSÉ ANTONIO COUTO TEIXEIRA
  • MARIANE CAJUBA DE BRITTO LIRA NOGUEIRA
  • Data: 25/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • A tuberculose continua sendo um problema grave de saúde pública mundial e uma das principais causas de morte por agente infeccioso. Junto a isso, o crescente surgimento de estirpes resistentes e multidroga resistente (MDR e XRD) dificultam ainda mais a contenção da doença. Novas estratégias como melhoramento farmacológico, podendo até mesmo direcionar uma droga a um alvo especifico, capaz de agir contra cepas MDR , facilitar e encurtar o tempo de tratamento são essenciais para os programas de contenção desta epidemia. Desta forma, o objetivo deste estudo é desenvolver, caracterizar e analisar o potencial in vitro de nanopartículas revestidas com fucana, contra cepa de Mycobacterium tuberculosis sensível e resistente como estratégia para o melhoramento do tratamento da doença. Foram desenvolvidas nanopartículas poliméricas de fucana contendo Rifampicina, antimicrobiano utilizado no esquema terapêutico da tuberculose sensível. As nanopartículas apresentaram tamanho entre 300 e 400 nanômetros, com morfologia arredonda e esférica. O potencial antimicrobiano demonstrou concentração inibitória mínima (CIM) de 0,412µg/ml e 1,238µg/ml contra cepas sensível e MDR respectivamente, onde o CIM da MDR foi melhor que a própria Rifampicina. A toxicidade (CC50) do nanopartículado manteve viabilidade celular entre 70% e 90%. Quando combinado com alguns fármacos utilizados no tratamento da doença (Rifampicina, Etambutol, Amicacina e Levofloxacino) demostrou Indicie de Concentração Inibitória Fracionada indiferente (FIC = 0,5 a 4) contra M. tuberculosis sensível e resistente. Expressou ainda efeito bactericida dependente de tempo em M. tuberculosis. Através destes achados demostramos o potencial da nanopartícula revestida fucana, a ser um nanopartículado candidato a otimização e continuação de ensaios pré-clínicos como proposta a um agente antitubercular.


  • Mostrar Abstract
  • A tuberculose continua sendo um problema grave de saúde pública mundial e uma das principais causas de morte por agente infeccioso. Junto a isso, o crescente surgimento de estirpes resistentes e multidroga resistente (MDR e XRD) dificultam ainda mais a contenção da doença. Novas estratégias como melhoramento farmacológico, podendo até mesmo direcionar uma droga a um alvo especifico, capaz de agir contra cepas MDR , facilitar e encurtar o tempo de tratamento são essenciais para os programas de contenção desta epidemia. Desta forma, o objetivo deste estudo é desenvolver, caracterizar e analisar o potencial in vitro de nanopartículas revestidas com fucana, contra cepa de Mycobacterium tuberculosis sensível e resistente como estratégia para o melhoramento do tratamento da doença. Foram desenvolvidas nanopartículas poliméricas de fucana contendo Rifampicina, antimicrobiano utilizado no esquema terapêutico da tuberculose sensível. As nanopartículas apresentaram tamanho entre 300 e 400 nanômetros, com morfologia arredonda e esférica. O potencial antimicrobiano demonstrou concentração inibitória mínima (CIM) de 0,412µg/ml e 1,238µg/ml contra cepas sensível e MDR respectivamente, onde o CIM da MDR foi melhor que a própria Rifampicina. A toxicidade (CC50) do nanopartículado manteve viabilidade celular entre 70% e 90%. Quando combinado com alguns fármacos utilizados no tratamento da doença (Rifampicina, Etambutol, Amicacina e Levofloxacino) demostrou Indicie de Concentração Inibitória Fracionada indiferente (FIC = 0,5 a 4) contra M. tuberculosis sensível e resistente. Expressou ainda efeito bactericida dependente de tempo em M. tuberculosis. Através destes achados demostramos o potencial da nanopartícula revestida fucana, a ser um nanopartículado candidato a otimização e continuação de ensaios pré-clínicos como proposta a um agente antitubercular.

4
  • ROBERTA CARDOSO DE SIQUEIRA
  • Perfil Clínico e epidemiológico dos pacientes com Hidradenite Supurativa, atendidos no Hospital das Clinicas da UFPE, de abril de 2019 a outubro de 2021

  • Orientador : LUCAS ANDRE CAVALCANTI BRANDAO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • LUCAS ANDRE CAVALCANTI BRANDAO
  • SERGIO CROVELLA
  • CLAUDIA ELISE FERRAZ SILVA
  • Data: 28/04/2022

  • Mostrar Resumo
  • A Hidradenite Supurativa é uma doença crônica do folículo piloso, recorrente e debilitante, caracterizada por lesões inflamatórias dolorosas e profundas em áreas corporais onde há glândulas apócrinas. A patogenia ainda é mal compreendida e até um terço dos casos tem história familiar. Apresenta difícil manejo e o tratamento precoce pode prevenir a progressão para estágios mais graves da condição. Há poucos dados sobre a hidradenite supurativa no Brasil e não há publicações sobre a doença em Pernambuco. O objetivo principal deste estudo é descrever o perfil clínico-epidemiológico de pacientes portadores de hidradenite supurativa, atendidos no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco. Em adição o estudo visa estabelecer a ocorrência familiar/hereditária da doença. Observou-se um predomínio da enfermidade no sexo feminino (61,1%) e maior incidência entre a segunda e a quarta décadas de vida (85,56%). A mediana de tempo entre o início dos sintomas até o diagnóstico foi de 4 anos (Q1 2; Q3 10). As principais comorbidades foram obesidade e sobrepeso (85,9%), ansiedade (42,7%), síndrome metabólica (35,1%) e hipertensão (30%). Não houve relação entre o perfil clínico-epidemiológico com a gravidade da doença. A maioria dos pacientes foi classificada, pelo escore de Hurley, em estágio II (47,8%) e estágio III (44,4%). O comprometimento na qualidade de vida foi moderado a extremamente grande em quase 80% dos casos e se correlacionou positivamente com a gravidade da doença. História familiar foi referida por 15,9% dos participantes, dos quais, um foi selecionado, juntamente com alguns de seus familiares, para a investigação de fatores genéticos associados a hereditariedade. Constatou-se, nesta família, o padrão de herança autossômico dominante e a associação com a doença de Dowling Degos. Além disso, foi identificada uma nova mutação no gene que codifica a proteína nicastrina. Os achados reforçam a importância da qualificação de profissionais de saúde da atenção básica para a identificação e tratamento adequado da doença, precocemente, e do estabelecimento de uma equipe multidisciplinar na assistência aos portadores em Pernambuco. A identificação de nova mutação num caso hereditário pode colaborar com estudos futuros sobre a patogenia da enfermidade e da associação hidradenite supurativa e doença de Dowling Degos.


  • Mostrar Abstract
  • A Hidradenite Supurativa é uma doença crônica do folículo piloso, recorrente e debilitante, caracterizada por lesões inflamatórias dolorosas e profundas em áreas corporais onde há glândulas apócrinas. A patogenia ainda é mal compreendida e até um terço dos casos tem história familiar. Apresenta difícil manejo e o tratamento precoce pode prevenir a progressão para estágios mais graves da condição. Há poucos dados sobre a hidradenite supurativa no Brasil e não há publicações sobre a doença em Pernambuco. O objetivo principal deste estudo é descrever o perfil clínico-epidemiológico de pacientes portadores de hidradenite supurativa, atendidos no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco. Em adição o estudo visa estabelecer a ocorrência familiar/hereditária da doença. Observou-se um predomínio da enfermidade no sexo feminino (61,1%) e maior incidência entre a segunda e a quarta décadas de vida (85,56%). A mediana de tempo entre o início dos sintomas até o diagnóstico foi de 4 anos (Q1 2; Q3 10). As principais comorbidades foram obesidade e sobrepeso (85,9%), ansiedade (42,7%), síndrome metabólica (35,1%) e hipertensão (30%). Não houve relação entre o perfil clínico-epidemiológico com a gravidade da doença. A maioria dos pacientes foi classificada, pelo escore de Hurley, em estágio II (47,8%) e estágio III (44,4%). O comprometimento na qualidade de vida foi moderado a extremamente grande em quase 80% dos casos e se correlacionou positivamente com a gravidade da doença. História familiar foi referida por 15,9% dos participantes, dos quais, um foi selecionado, juntamente com alguns de seus familiares, para a investigação de fatores genéticos associados a hereditariedade. Constatou-se, nesta família, o padrão de herança autossômico dominante e a associação com a doença de Dowling Degos. Além disso, foi identificada uma nova mutação no gene que codifica a proteína nicastrina. Os achados reforçam a importância da qualificação de profissionais de saúde da atenção básica para a identificação e tratamento adequado da doença, precocemente, e do estabelecimento de uma equipe multidisciplinar na assistência aos portadores em Pernambuco. A identificação de nova mutação num caso hereditário pode colaborar com estudos futuros sobre a patogenia da enfermidade e da associação hidradenite supurativa e doença de Dowling Degos.

Teses
1
  • BARBARA BERNARDO RINALDO DA SILVA FIGUEIREDO
  • EFICÁCIA DO TREINAMENTO MUSCULAR RESPIRATÓRIO DE PACIENTES COM MUCOPOLISSACARIDOSE NA CINEMÁTICA TORACOABDOMINAL, FUNÇÃO RESPIRATÓRIA, CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA 

  • Orientador : ARMELE DE FATIMA DORNELAS DE ANDRADE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ARMELE DE FATIMA DORNELAS DE ANDRADE
  • DANIELLA CUNHA BRANDAO
  • ILLIA NADINNE DANTAS FLORENTINO LIMA
  • GUILHERME AUGUSTO DE FREITAS FREGONEZI
  • VANESSA REGIANE RESQUETI FREGONEZI
  • Data: 23/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • As mucopolissacaridoses (MPS) são doenças metabólicas hereditárias raras. Os problemas respiratórios são muitos, sendo a insuficiência respiratória a causa usual de morte na MPS. O treinamento muscular respiratório vem sendo aplicado e mostrando-se eficaz em melhorar a força muscular respiratória e a percepção de dispneia, porém, em pacientes com MPS não existem muitos relatos sobre o treinamento muscular inspiratório (TMI), portanto o objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos do treinamento muscular inspiratório em pacientes com a mucopolissacaridose na cinemática toracoabdominal, espessura e mobilidade diafragmática, função e mecânica respiratória, funcionalidade e qualidade de vida, além de, descrever as variáveis avaliadas comparando com um grupo controle de saudáveis. O estudo foi desenvolvido no Laboratório de Fisioterapia Cardiopulmonar do Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), O estudo 1 foi do tipo transversal (descritivo) foram incluídos 34 indivíduos com MPS, entre 6 e 41 anos, incluindo os tipos: VI, II e IV pareado com indivíduos saudáveis de acordo com sexo e idade (grupo controle) e o estudo 2 foi um ensaio clinico controlado duplo cego apenas com indivíduos com a MPS tipo VI, onde os pacientes foram divididos em dois grupos: grupo intervenção (Grupo TMI) e grupo sham (GS). foram incluídos 24 participantes, entre 6 e 41 anos, sendo 13 no GTMI e 11 no grupo Sham, todos realizaram um treinamento dos músculos inspiratórios com carga ajustada quinzenalmente, com 40% da pressão inspiratória máxima obtida, por um período de 12 semanas, diariamente. Neste estudo foram realizadas três avaliações: pré TMI, imediatamente após a TMI e após um mês do término da TMI para identificação dos efeitos no follow-up. Pacientes que não compreendiam ou não colaboravam (com déficit cognitivo grave), os que realizaram algum procedimento cirúrgico recente em tronco não foram incluídos no estudo. Foram incluídos no estudo 2 somente os pacientes com a MPS tipo VI e excluídos os que não puderam comparecer aos encontros de ajuste a carga quinzenalmente ou as reavaliações. E no estudo 2 (Ensaio Clinico) foram realizados testes espirometricos, manovacuometria, ultrassonografia diafragmática, plestismografia optoeletrônica, teste de caminhada de seis minutos, questionários de qualidade de vida e a classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde (CIF). A análise dos dados foi realizada através do software SPSS Statistics® versão 20.0 e todos os dados coletados foram submetidos a uma análise descritiva e analítica com a aplicação de testes estatísticos pertinentes, para alcançar os objetivos do estudo. Os principais achados do estudo 1 (transversal) onde os pacientes foram avaliados através da pletismografia opto-eletrônica, manovacuometria, espirometria, teste de caminhada de seis minutos, mobilidade diafragmática com uso da ultrassonografia, avaliação da qualidade de vida e balança de bioimpedância, foram que os pacientes com MPS apresentam redução dos volumes da caixa torácica superior em respiração espontânea tranquila, redução da função pulmonar, força muscular respiratória, capacidade funcional e qualidade de vida em comparação com indivíduos saudáveis pareados. Os volumes da parede torácica pulmonar (VT,RCp) e abdominal (VT,RCa) durante a respiração espontânea tranquila são reduzidos nesse grupo (p<0.01) quando comparados com indivíduos saudáveis de mesma faixa etária. O VTRcp no grupo de MPS composto pelas crianças foi de 0.03 ± 0.01 e o VTRca de 0.02 ± 0.02; nos adolescentes o VT,RCp foi de 0.04 ± 0.02 e o e o VTRca de 0.02 ± 0.02; e no grupo dos adultos o VT,RCp foi de 0.04 ± 0.03 e o VT, RCa de 0.03 ± 0.01 A ventilação minuto também foi menor em adultos com MPS (p=0,01). Os principais achados do estudo 2 (ensaio clínico randomizado) onde os pacientes realizaram o TMI e foram avaliados através da pletismografia opto-eletrônica, manovacuometria, espirometria, teste de caminhada de seis minutos, mobilidade e espessura diafragmática com uso da ultrassonografia, avaliação da qualidade de vida, balança de bioimpedância, foram que o TMI promoveu um aumento significativo na força muscular inspiratória (p=0,01) e no pico de fluxo da tosse, da espessura diafragmática (p=0,01), da capacidade funcional submáxima (p=0,01), melhora clínica com a intervenção avaliado com Patients’ Global Impression of Change scale (PGIC) (p=0,01), e da percepção de esforço durante o teste de caminhada (p=0,01). O TMI diário promoveu aumento no pico de fluxo expiratório e nos volumes regionais da parede torácica no grupo das crianças (p=0,01), com aumento da capacidade inspiratória da caixa torácica pulmonar (p=0,01), além do aumento da mobilidade diafragmática no grupo das crianças que fizeram a intervenção (p=0,01). Na prática clínica é importante considerar nos pacientes com MPS VI o TMI no contexto do tratamento fisioterapêutico considerando que esse grupo apresenta altos índices de morbimortalidade por comprometimento respiratório.


  • Mostrar Abstract
  • As mucopolissacaridoses (MPS) são doenças metabólicas hereditárias raras. Os problemas respiratórios são muitos, sendo a insuficiência respiratória a causa usual de morte na MPS. O treinamento muscular respiratório vem sendo aplicado e mostrando-se eficaz em melhorar a força muscular respiratória e a percepção de dispneia, porém, em pacientes com MPS não existem muitos relatos sobre o treinamento muscular inspiratório (TMI), portanto o objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos do treinamento muscular inspiratório em pacientes com a mucopolissacaridose na cinemática toracoabdominal, espessura e mobilidade diafragmática, função e mecânica respiratória, funcionalidade e qualidade de vida, além de, descrever as variáveis avaliadas comparando com um grupo controle de saudáveis. O estudo foi desenvolvido no Laboratório de Fisioterapia Cardiopulmonar do Departamento de Fisioterapia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), O estudo 1 foi do tipo transversal (descritivo) foram incluídos 34 indivíduos com MPS, entre 6 e 41 anos, incluindo os tipos: VI, II e IV pareado com indivíduos saudáveis de acordo com sexo e idade (grupo controle) e o estudo 2 foi um ensaio clinico controlado duplo cego apenas com indivíduos com a MPS tipo VI, onde os pacientes foram divididos em dois grupos: grupo intervenção (Grupo TMI) e grupo sham (GS). foram incluídos 24 participantes, entre 6 e 41 anos, sendo 13 no GTMI e 11 no grupo Sham, todos realizaram um treinamento dos músculos inspiratórios com carga ajustada quinzenalmente, com 40% da pressão inspiratória máxima obtida, por um período de 12 semanas, diariamente. Neste estudo foram realizadas três avaliações: pré TMI, imediatamente após a TMI e após um mês do término da TMI para identificação dos efeitos no follow-up. Pacientes que não compreendiam ou não colaboravam (com déficit cognitivo grave), os que realizaram algum procedimento cirúrgico recente em tronco não foram incluídos no estudo. Foram incluídos no estudo 2 somente os pacientes com a MPS tipo VI e excluídos os que não puderam comparecer aos encontros de ajuste a carga quinzenalmente ou as reavaliações. E no estudo 2 (Ensaio Clinico) foram realizados testes espirometricos, manovacuometria, ultrassonografia diafragmática, plestismografia optoeletrônica, teste de caminhada de seis minutos, questionários de qualidade de vida e a classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde (CIF). A análise dos dados foi realizada através do software SPSS Statistics® versão 20.0 e todos os dados coletados foram submetidos a uma análise descritiva e analítica com a aplicação de testes estatísticos pertinentes, para alcançar os objetivos do estudo. Os principais achados do estudo 1 (transversal) onde os pacientes foram avaliados através da pletismografia opto-eletrônica, manovacuometria, espirometria, teste de caminhada de seis minutos, mobilidade diafragmática com uso da ultrassonografia, avaliação da qualidade de vida e balança de bioimpedância, foram que os pacientes com MPS apresentam redução dos volumes da caixa torácica superior em respiração espontânea tranquila, redução da função pulmonar, força muscular respiratória, capacidade funcional e qualidade de vida em comparação com indivíduos saudáveis pareados. Os volumes da parede torácica pulmonar (VT,RCp) e abdominal (VT,RCa) durante a respiração espontânea tranquila são reduzidos nesse grupo (p<0.01) quando comparados com indivíduos saudáveis de mesma faixa etária. O VTRcp no grupo de MPS composto pelas crianças foi de 0.03 ± 0.01 e o VTRca de 0.02 ± 0.02; nos adolescentes o VT,RCp foi de 0.04 ± 0.02 e o e o VTRca de 0.02 ± 0.02; e no grupo dos adultos o VT,RCp foi de 0.04 ± 0.03 e o VT, RCa de 0.03 ± 0.01 A ventilação minuto também foi menor em adultos com MPS (p=0,01). Os principais achados do estudo 2 (ensaio clínico randomizado) onde os pacientes realizaram o TMI e foram avaliados através da pletismografia opto-eletrônica, manovacuometria, espirometria, teste de caminhada de seis minutos, mobilidade e espessura diafragmática com uso da ultrassonografia, avaliação da qualidade de vida, balança de bioimpedância, foram que o TMI promoveu um aumento significativo na força muscular inspiratória (p=0,01) e no pico de fluxo da tosse, da espessura diafragmática (p=0,01), da capacidade funcional submáxima (p=0,01), melhora clínica com a intervenção avaliado com Patients’ Global Impression of Change scale (PGIC) (p=0,01), e da percepção de esforço durante o teste de caminhada (p=0,01). O TMI diário promoveu aumento no pico de fluxo expiratório e nos volumes regionais da parede torácica no grupo das crianças (p=0,01), com aumento da capacidade inspiratória da caixa torácica pulmonar (p=0,01), além do aumento da mobilidade diafragmática no grupo das crianças que fizeram a intervenção (p=0,01). Na prática clínica é importante considerar nos pacientes com MPS VI o TMI no contexto do tratamento fisioterapêutico considerando que esse grupo apresenta altos índices de morbimortalidade por comprometimento respiratório.

2
  • THAMIRIS PINHEIRO SANTOS
  • EFEITOS TÓXICOS DE MOLÉCULAS COM ATIVIDADE TIREOIDIANA SOBRE OS PARÂMETROS BIOLÓGICOS EM ZEBRAFISH E DESENVOLVIMENTO DE ALTERNATIVAS NANOTECNOLÓGICAS COM ESTAS MOLÉCULAS

  • Orientador : PABYTON GONÇALVES CADENA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • PABYTON GONÇALVES CADENA
  • FABRICIO OLIVEIRA SOUTO
  • LUIZ BEZERRA DE CARVALHO JUNIOR
  • MARIA ADELIA BORSTELMANN DE OLIVEIRA
  • PAULO ROBERTO ELEUTERIO DE SOUZA
  • Data: 23/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • Um dispositivo portátil para determinação da capacidade natatória de peixes pode ser utilizado na determinação da capacidade natatória sob diferentes parâmetros físico-químicos, presença de fármacos ou outros produtos químicos com aplicação no desenvolvimento de medicamentos ou testes toxicológicos. O desenho industrial desse dispositivo foi depositado e concedido, podendo impedir que terceiros produzam, vendam ou importem artigos ou produtos que incorporem ou se assemelhem a esse desenho industrial registrado. Os efeitos tóxicos da tiroxina, levotiroxina e amiodarona foram avaliados isoladamente em concentrações dez, cem e mil vezes maiores que aquelas encontradas em ecossistemas aquáticos. Além disso, também foram avaliados os efeitos tóxicos das interações entre esses compostos, uma vez que é necessário dar atenção ao real risco ecológico na coexistência de diversos compostos no ecossistema aquático. Todos os testes toxicológicos foram realizados em zebrafish (Danio rerio) como modelo animal por representar um modelo ideal para estudos de farmacologia e toxicologia. As concentrações ambientais mostraram um baixo risco para os parâmetros estudados, mas, nas combinações foram detectados efeitos antagônicos. A monoterapia com levotiroxina é o tratamento indicado para o hipotireoidismo. Mas, uma proporção substancial de pacientes que fazem esse tratamento apresenta queixas persistentes, como sintomas de depressão e bem-estar mental prejudicado. No hipotireoidismo, há produção acelerada de radicais livres e baixa disponibilidade de antioxidantes sugerindo que uma formulação de nanoemulsões à base de produtos contendo levotiroxina associada a óleos essenciais com atividade antioxidante possivelmente pode se tornar uma boa alternativa para superar essas limitações. Um processo de obtenção de nanoemulsões óleo/água (O/A) produzidas por um processo de emulsificação sob agitação foi patenteado. As nanoemulsões foram produzidas a partir de óleos essenciais que contenham efeitos benéficos relatados na literatura para o tratamento de disfunções tireoidianas (fase oleosa), associados à levotiroxina (fase aquosa), e ambas as fases estabilizadas pelo uso de surfactantes. Todas as nanoemulsões mostraram-se ativas nos testes antioxidantes. Os resultados do teste toxicológico em Danio rerio sugerem que os surfactantes utilizados nas formulações podem estar relacionados à toxicidade observada, demonstrando a necessidade de estudos adicionais para entender os efeitos desses surfactantes em nanoemulsões contendo óleos essenciais.


  • Mostrar Abstract
  • Um dispositivo portátil para determinação da capacidade natatória de peixes pode ser utilizado na determinação da capacidade natatória sob diferentes parâmetros físico-químicos, presença de fármacos ou outros produtos químicos com aplicação no desenvolvimento de medicamentos ou testes toxicológicos. O desenho industrial desse dispositivo foi depositado e concedido, podendo impedir que terceiros produzam, vendam ou importem artigos ou produtos que incorporem ou se assemelhem a esse desenho industrial registrado. Os efeitos tóxicos da tiroxina, levotiroxina e amiodarona foram avaliados isoladamente em concentrações dez, cem e mil vezes maiores que aquelas encontradas em ecossistemas aquáticos. Além disso, também foram avaliados os efeitos tóxicos das interações entre esses compostos, uma vez que é necessário dar atenção ao real risco ecológico na coexistência de diversos compostos no ecossistema aquático. Todos os testes toxicológicos foram realizados em zebrafish (Danio rerio) como modelo animal por representar um modelo ideal para estudos de farmacologia e toxicologia. As concentrações ambientais mostraram um baixo risco para os parâmetros estudados, mas, nas combinações foram detectados efeitos antagônicos. A monoterapia com levotiroxina é o tratamento indicado para o hipotireoidismo. Mas, uma proporção substancial de pacientes que fazem esse tratamento apresenta queixas persistentes, como sintomas de depressão e bem-estar mental prejudicado. No hipotireoidismo, há produção acelerada de radicais livres e baixa disponibilidade de antioxidantes sugerindo que uma formulação de nanoemulsões à base de produtos contendo levotiroxina associada a óleos essenciais com atividade antioxidante possivelmente pode se tornar uma boa alternativa para superar essas limitações. Um processo de obtenção de nanoemulsões óleo/água (O/A) produzidas por um processo de emulsificação sob agitação foi patenteado. As nanoemulsões foram produzidas a partir de óleos essenciais que contenham efeitos benéficos relatados na literatura para o tratamento de disfunções tireoidianas (fase oleosa), associados à levotiroxina (fase aquosa), e ambas as fases estabilizadas pelo uso de surfactantes. Todas as nanoemulsões mostraram-se ativas nos testes antioxidantes. Os resultados do teste toxicológico em Danio rerio sugerem que os surfactantes utilizados nas formulações podem estar relacionados à toxicidade observada, demonstrando a necessidade de estudos adicionais para entender os efeitos desses surfactantes em nanoemulsões contendo óleos essenciais.

3
  • DENIS ARTHUR PINHEIRO DE MOURA
  • BIOINFORMÁTICA APLICADA: ABORDAGEM MULTIÔMICA NO CONTEXTO DA CALCIFICAÇÃO CEREBRAL FAMILIAL PRIMÁRIA

  • Orientador : JOAO RICARDO MENDES DE OLIVEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GILDERLANIO SANTANA DE ARAÚJO
  • JOAO RICARDO MENDES DE OLIVEIRA
  • JONES OLIVEIRA DE ALBUQUERQUE
  • MICHEL SATYA NASLAVSKY
  • RAFAEL LIMA GUIMARAES
  • Data: 25/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • A Calcificação Cerebral Familial Primária (CCFP) é uma condição neurodegenerativa progressiva causada pela calcificação bilateral e simétrica de regiões do cérebro como núcleos da base, tálamo e cerebelo. Os pacientes apresentam grande heterogeneidade clínica, podendo ser assintomáticos, ou com sintomas neuropsiquiátricos ou neuromotores, como enxaquecas, mudanças de humor, parkinsonismo e/ou dificuldades na fala. A CCFP apresenta duas formas de herança, autossômica dominante (AD), causada por variantes nos genes SLC20A2, XPR1, PDGFB e PDGFRB, e autossômica recessiva (AR), causada por variantes nos genes MYORG e JAM2. Com o objetivo de compreender a relação entre os genes e a heterogeneidade clínica, foram realizados quatro estudos com dados ômicos de genes e variantes relacionados a doença: um estudo sobre perfis de co-expressão gênica cerebral ligada a demência, utilizando a modelos de aprendizagem de máquinas em dados de sequenciamento de RNA (RNA-Seq); uma metanálise sobre condições distintas causadas pelo gene PDGFRB, evidenciando a pleiotropia do gene; e uma análise que utiliza redes moleculares para integrar dados genéticos e regulação por microRNAs (miR). Como resultados, os modelos de inteligência artificial que usam dados de RNA-Seq, que foram capazes de predizer corretamente até 92% dos casos de demência, evidenciaram o envolvimento de uma rede de moléculas centralizadas no UBA52 durante a demência de causa genética ou traumática. A metanálise do gene PDGFRB mostrou seu envolvimento no desenvolvimento de 38 doenças, sobretudo condições proliferativas e neuropsiquiátricas. Por fim, a análise com dados de miRs mostrou que todos os genes de CCFP fazem parte de uma rede interconectada por dezenas de miRs e pelos genes MEIS1, DCN, PTPRM e PDGFRA.
     
     

  • Mostrar Abstract
  • A Calcificação Cerebral Familial Primária (CCFP) é uma condição neurodegenerativa progressiva causada pela calcificação bilateral e simétrica de regiões do cérebro como núcleos da base, tálamo e cerebelo. Os pacientes apresentam grande heterogeneidade clínica, podendo ser assintomáticos, ou com sintomas neuropsiquiátricos ou neuromotores, como enxaquecas, mudanças de humor, parkinsonismo e/ou dificuldades na fala. A CCFP apresenta duas formas de herança, autossômica dominante (AD), causada por variantes nos genes SLC20A2, XPR1, PDGFB e PDGFRB, e autossômica recessiva (AR), causada por variantes nos genes MYORG e JAM2. Com o objetivo de compreender a relação entre os genes e a heterogeneidade clínica, foram realizados quatro estudos com dados ômicos de genes e variantes relacionados a doença: um estudo sobre perfis de co-expressão gênica cerebral ligada a demência, utilizando a modelos de aprendizagem de máquinas em dados de sequenciamento de RNA (RNA-Seq); uma metanálise sobre condições distintas causadas pelo gene PDGFRB, evidenciando a pleiotropia do gene; e uma análise que utiliza redes moleculares para integrar dados genéticos e regulação por microRNAs (miR). Como resultados, os modelos de inteligência artificial que usam dados de RNA-Seq, que foram capazes de predizer corretamente até 92% dos casos de demência, evidenciaram o envolvimento de uma rede de moléculas centralizadas no UBA52 durante a demência de causa genética ou traumática. A metanálise do gene PDGFRB mostrou seu envolvimento no desenvolvimento de 38 doenças, sobretudo condições proliferativas e neuropsiquiátricas. Por fim, a análise com dados de miRs mostrou que todos os genes de CCFP fazem parte de uma rede interconectada por dezenas de miRs e pelos genes MEIS1, DCN, PTPRM e PDGFRA.
     
     
4
  • WLISSES HENRIQUE VELOSO DE CARVALHO DA SILVA
  • FATORES IMUNOLÓGICOS E GENÉTICOS ENVOLVIDOS NA RECONSTITUIÇÃO DE LINFÓCITOS T CD4+ DE PACIENTES HIV-POSITIVOS EM TERAPIA ANTIRRETROVIRAL

  • Orientador : RAFAEL LIMA GUIMARAES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOSE ARTUR BOGO CHIES
  • MARCELO HENRIQUE SANTOS PAIVA
  • PAULA SANDRIN GARCIA
  • PAULO SERGIO RAMOS DE ARAUJO
  • RAFAEL LIMA GUIMARAES
  • Data: 18/07/2022

  • Mostrar Resumo
  • A atual terapia antirretroviral (ART) tem revolucionado o tratamento contra o vírus da imunodeficiência humana (HIV) por suprimir ao máximo a replicação viral, reduzir as taxas de transmissões e de progressão da doença, e melhorar consideravelmente a qualidade de vida dos pacientes. Todavia, apesar da eficiência da ART, um número significativo de indivíduos apresenta deficiência na reconstituição de linfócitos T CD4+, mesmo em supressão viral, sendo definidos como não-respondedores imunológicos (INR). Essa deficiência na recuperação imunológica tem sido descrita como uma condição multifatorial, mas ainda não está claro quais mecanismos determinam precisamente essa condição. Sendo assim, o presente estudo objetivou avaliar o perfil imunológico fenotípico dos pacientes HIV-positivos submetidos à ART e investigar alterações genéticas em genes do sistema imune desses indivíduos. Análises de imunofenotipagem e de genotipagem foram realizadas em amostras de pacientes HIV-positivos sob ART com prolongada supressão da carga viral. Eles foram classificados em dois grupos (respondedores imunológicos – IR e não-respondedores imunológicos – INR) de acordo com as mudanças na contagem de células T CD4+. Dados sociodemográficos e clínicos também foram avaliados a partir dos prontuários médicos. Heterozigose para o alelo CCR5∆32, sexo masculino, contagem baixa de células T CD4+ pré-tratamento que se manteve reduzida mesmo após início da ART, baixa razão CD4/CD8, níveis reduzidos de células T CD4+ recentes emigradas do timo (RTE) (CD45RA+CD31+) e naïve (CD45RA+CD62L+), altos níveis de células T CD4+ de memória efetora (CD45RA-CD62L-) e níveis elevados de morte celular por piroptose em linfócitos T CD4+ RTE (CD31+FLICA-Caspase1+) foram mais frequentes nos INR que nos IR, sendo estatisticamente associados com a deficiência na recuperação imunológica. Esses resultados evidenciam alguns dos fatores genéticos e imunológicos determinantes envolvidos na reconstituição imune dos pacientes HIV-positivos em ART.


  • Mostrar Abstract
  • A atual terapia antirretroviral (ART) tem revolucionado o tratamento contra o vírus da imunodeficiência humana (HIV) por suprimir ao máximo a replicação viral, reduzir as taxas de transmissões e de progressão da doença, e melhorar consideravelmente a qualidade de vida dos pacientes. Todavia, apesar da eficiência da ART, um número significativo de indivíduos apresenta deficiência na reconstituição de linfócitos T CD4+, mesmo em supressão viral, sendo definidos como não-respondedores imunológicos (INR). Essa deficiência na recuperação imunológica tem sido descrita como uma condição multifatorial, mas ainda não está claro quais mecanismos determinam precisamente essa condição. Sendo assim, o presente estudo objetivou avaliar o perfil imunológico fenotípico dos pacientes HIV-positivos submetidos à ART e investigar alterações genéticas em genes do sistema imune bem como diferenças no proteoma desses indivíduos. Análises imunofenotípicas e genéticas foram realizadas em amostras de pacientes HIV-positivos sob ART com prolongada supressão da carga viral. Eles foram classificados em dois grupos (respondedores imunológicos – IR e não-respondedores imunológicos – INR) de acordo com as mudanças na contagem de células T CD4+. Dados sociodemográficos e clínicos também foram avaliados a partir dos prontuários médicos. Heterozigose para o alelo CCR5Δ32, contagem baixa de células T CD4+ pré-tratamento que se manteve reduzida mesmo após início da ART, baixa razão CD4/CD8, altos níveis de células T CD4+ de memória efetora (CD45RA-CD62L-) e níveis reduzidos de células T CD4+ recentes emigradas do timo (RTE) (CD45RA+CD31+) e naïve (CD45RA+CD62L+) foram mais frequentes nos INR, sendo estatisticamente associados com deficiência na recuperação imunológica. Esses resultados evidenciam alguns dos fatores genéticos e imunológicos determinantes envolvidos na reconstituição imune dos pacientes HIV-positivos em ART.

2021
Dissertações
1
  • LUCAS COÊLHO BERNARDO DE MENEZES
  • INTERAÇÕES BIOMOLECULARES DO VÍRUS ZIKA EM PROCESSOS PATOLÓGICOS DE MORTE CELULAR

  • Orientador : LUCAS ANDRE CAVALCANTI BRANDAO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • LUCAS ANDRE CAVALCANTI BRANDAO
  • DANYELLY BRUNESKA GONDIM MARTINS
  • ELISA DE ALMEIDA NEVES AZEVEDO
  • Data: 26/02/2021

  • Mostrar Resumo
  • As glicoproteínas E e M do vírus Zika (ZIKV) participam da infectividade na célula hospedeira por meio da ancoragem aos receptores de superfície celulares e fusão entre membranas. Entretanto, ainda pouco se sabe sobre a interação dessas proteínas do ZIKV com receptores celulares utilizados, por esse vírus, para ligação e/ou entrada na célula-alvo humana. Receptores do TNF tipo 1 (TNFR1), TNF tipo 2 (TNFR2) e Fas destacam-se entre os principais membros nessa família de proteínas transmembrana pela modulação completa da via extrínseca de apoptose. Nesse trabalho, o objetivo foi analisar as interações biomoleculares in sílico e in vitro na relação vírus-célula, avaliando a influência do ZIKV em processos patológicos de morte celular. As análises in silico foram baseadas em estruturas proteícas presentes banco de dados RSCB Protein Data Bank (PDB). Predições de dokcing tipo proteína-proteína foram realizadas pelo servidor ClusPro e a dinâmica molecular foi realizada por meio do software GROMACS. Para as análises in vitro, foram utilizadas as linhagens de células VERO e neuroblastoma humano (SH-SY5Y) para expansão viral da cepa do ZIKV pernambucana e ensaios de morte celular. As células SH-SY5Y foram submetidas a tratamentos com estimulante/inibidor do processo autofágico (Rapamicina®, Cloroquina® ou SBI-0206965®) e incubadas por 0, 24 ou 48 horas. A partir do sobrenadante, foram isolados o RNA de ZIKV e o quantitativo celular dividido em duas amostras para serem realizadas as análises de morte celular para análises de citometria de fluxo. A comparação quantitativa foi realizada por meio da ANOVA two-way. Aqui, a proteína M do ZIKV demonstrou forte afinidade de ligação e formação de interações com os receptores Fas e TNFR2. Além disso, apenas o grupo com Cloroquina® exibiu aumento significativo no quantitativo viral em relação a tempo e autofagia. Nosso trabalho sugere que a proteína M do ZIKV seja um fator de fixação para ancoragem em Fas e TNFR2, bem como, a autofagia atenuada na infecção por ZIKV leva a morte celular neuronal.


  • Mostrar Abstract
  • Glycoproteins E e M of the Zika virus (ZIKV) participate in infectivity of the host cell through anchoring to cell surface receptors and fusion among membranes. However, little is known about the interaction of these ZIKV proteins with the receptors used by this virus for binding and/or entry in human cells. TNF type 1 (TNFR1), TNF type 2 (TNFR2) and Fas receptors are main members in family of transmembrane proteins due to the complete modulation of the extrinsic pathway of apoptosis. In this work, objective was to analyze the biomolecular interactions in silico and in vitro of the virus-cell relationship, evaluating the influence of ZIKV in cell death pathological processes. The silico analyzes were based on protein structures present in the RSCB Protein Data Bank (PDB) database. Protein-protein predictions were performed by the ClusPro server and molecular dynamics were performed using the GROMACS software. For in vitro analyzes, VERO cell lines and human neuroblastoma (SH-SY5Y) were used for viral expansion of the Pernambuco ZIKV strain and cell death assays. SH-SY5Y cells were subjected to treatments with a stimulant/inhibitor of the autophagic process (Rapamycin®, Chloroquine® or SBI-0206965®) and incubated for 0, 24 or 48 hours. From the supernatant, the ZIKV RNA and the cell quantity divided in two were obtained, to be performed as cell death analyzes for flow cytometry analyzes. Quantitative comparison was performed using two-way ANOVA. Here, the ZIKV protein M includes strong binding affinity and formation of interactions with the Fas and TNFR2 receptors. In addition, only the group with Chloroquine® exhibited a significant increase in viral quantity in relation to time and autophagy. Our work suggests that the ZIKV M protein may be an attachment factor for anchoring on Fas and TNFR2, as well as, an attenuated autophagy in the ZIKV infection leads to neuronal cell death.

2
  • MARIA BEATRIZ CALADO DA SILVA
  • Papel do perfil inflamatório e celular na infecção por SARS-CoV-2 e no curso clínico da COVID-19: uma abordagem in silico

  • Orientador : SERGIO CROVELLA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • SERGIO CROVELLA
  • FABRICIO OLIVEIRA SOUTO
  • WILSON JOSÉ DA SILVA JÚNIOR
  • Data: 01/07/2021

  • Mostrar Resumo
  • Em junho de 2021, quinze meses após o reconhecimento da pandemia de COVID-19 pela OMS, o mundo ultrapassou 176 milhões de casos e quase quatro milhões de pessoas vieram a óbito. Desde então, esta doença provou ser um imenso desafio, introduzindo diferenças clínicas que demandam investigações extensas. Até o momento, não há terapias antiviral com alta eficiência e ampla aprovação, tornando o cenário ainda mais dramático, e explica a urgência em entender os mecanismos biológicos envolvidos na progressão da doença. As variações entre os pacientes e a heterogeneidade na recuperação ainda são permeadas por incertezas que precisam ser esclarecidas, exigindo pesquisas cada vez mais complexas. Contudo, foi estabelecido o papel central da inflamação como um fator agravante que leva ao quadro mais severo da COVID-19 e o envolvimento do inflamassoma foi amplamente hipotetizado. Portanto, as peculiaridades entre os indivíduos precisam ser documentadas e amplamente discutas e as moléculas que estão envolvidas nesse processo devem ser melhor caracterizadas. Para essa finalidade, as diferentes técnicas multi-omicas são uma abordagem relevante para determinar fatores genéticos do indivíduo que interferem na susceptibilidade a doença, bem como identificar alvos terapêuticos. Enquanto alguns indivíduos infectados tornam-se assintomáticos ou apresentam apenas sintomas leves, outra parcela desenvolve quadros severos. Esses pacientes graves podem apresentar distúrbios acentuados na coagulação e/ou desenvolver a síndrome da angústia respiratória aguda (ARDS), que levam à morte. Buscando determinar as diferenças entre indivíduos positivo para a COVID-19, foi utilizado dados de transcriptoma disponíveis publicamente no GEO dataset. A partir dos critérios de inclusão estabelecidos, três estudos foram selecionados para compor o presente trabalho. A partir da meta-análise, houve a quantificação dos genes diferencialmente expressos, seguido da análise de enriquecimento de tais genes através do Gene Ontology e posterior definição das vias de sinalização correspondentes aos DEGs utilizando a ferramenta Reactome. Aqui, observou-se o aumento da expressão de quimiocinas como CCL2, CCL8, e CXCL11, fundamentais para conduzir a resposta imunológica. Também foi possível perceber o aumento de genes envolvidos na sinalização do interferon como IFI27, IFI44L, e IFIT3, além de genes importantes para a resposta antiviral, como o OAS3, GBP1 e TRIM6. Adicionalmente, os termos obtidos com o GO expõe a presença interferônica acentuada em pacientes COVID-19, constatando a predominância das vias do interferon entre os processos biológicos exacerbados a partir da infecção por SARS-CoV-2. Tal resultado pode auxiliar no entendimento das peculiaridades dos pacientes COVID-19 e relata perfil desses indivíduos em uma determinada fase da doença. Com isso, é possível a racionalização de novas abordagens terapêuticas.


  • Mostrar Abstract
  • Em junho de 2021, quinze meses após o reconhecimento da pandemia de COVID-19 pela OMS, o mundo ultrapassou 176 milhões de casos e quase quatro milhões de pessoas vieram a óbito. Desde então, esta doença provou ser um imenso desafio, introduzindo diferenças clínicas que demandam investigações extensas. Até o momento, não há terapias antiviral com alta eficiência e ampla aprovação, tornando o cenário ainda mais dramático, e explica a urgência em entender os mecanismos biológicos envolvidos na progressão da doença. As variações entre os pacientes e a heterogeneidade na recuperação ainda são permeadas por incertezas que precisam ser esclarecidas, exigindo pesquisas cada vez mais complexas. Contudo, foi estabelecido o papel central da inflamação como um fator agravante que leva ao quadro mais severo da COVID-19 e o envolvimento do inflamassoma foi amplamente hipotetizado. Portanto, as peculiaridades entre os indivíduos precisam ser documentadas e amplamente discutas e as moléculas que estão envolvidas nesse processo devem ser melhor caracterizadas. Para essa finalidade, as diferentes técnicas multi-omicas são uma abordagem relevante para determinar fatores genéticos do indivíduo que interferem na susceptibilidade a doença, bem como identificar alvos terapêuticos. Enquanto alguns indivíduos infectados tornam-se assintomáticos ou apresentam apenas sintomas leves, outra parcela desenvolve quadros severos. Esses pacientes graves podem apresentar distúrbios acentuados na coagulação e/ou desenvolver a síndrome da angústia respiratória aguda (ARDS), que levam à morte. Buscando determinar as diferenças entre indivíduos positivo para a COVID-19, foi utilizado dados de transcriptoma disponíveis publicamente no GEO dataset. A partir dos critérios de inclusão estabelecidos, três estudos foram selecionados para compor o presente trabalho. A partir da meta-análise, houve a quantificação dos genes diferencialmente expressos, seguido da análise de enriquecimento de tais genes através do Gene Ontology e posterior definição das vias de sinalização correspondentes aos DEGs utilizando a ferramenta Reactome. Aqui, observou-se o aumento da expressão de quimiocinas como CCL2, CCL8, e CXCL11, fundamentais para conduzir a resposta imunológica. Também foi possível perceber o aumento de genes envolvidos na sinalização do interferon como IFI27, IFI44L, e IFIT3, além de genes importantes para a resposta antiviral, como o OAS3, GBP1 e TRIM6. Adicionalmente, os termos obtidos com o GO expõe a presença interferônica acentuada em pacientes COVID-19, constatando a predominância das vias do interferon entre os processos biológicos exacerbados a partir da infecção por SARS-CoV-2. Tal resultado pode auxiliar no entendimento das peculiaridades dos pacientes COVID-19 e relata perfil desses indivíduos em uma determinada fase da doença. Com isso, é possível a racionalização de novas abordagens terapêuticas.

3
  • CAMILA CASSIA SILVA
  • Produção de biolarvicida a base de Bacillus thuringiensis utilizando meio de cultura da fibra do coco verde (Cocos nucifera L.) para o controle de Aedes aegypti
     
     
  • Orientador : ANA LUCIA FIGUEIREDO PORTO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA LUCIA FIGUEIREDO PORTO
  • CAROLINA DE ALBUQUERQUE LIMA DUARTE
  • ROMERO MARCOS PEDROSA BRANDAO COSTA
  • Data: 27/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • O controle de insetos vetores de patologias tornou-se um grave problema e, como consequência imediata na saúde pública, vem se observando o aumento progressivo dessas populações de mosquitos transmissores de patologia tais como: Dengue, Malária, Zika vírus, Febre amarela, Filariose entre outros. Muitas doenças de interesse da saúde pública, são transmitidas por insetos vetores e dentre eles se destaca o Aedes aegypti. Em geral, os países mais atingidos por estas doenças são os tropicais e subtropicais, devido principalmente às suas características climáticas favoráveis à proliferação de insetos. Nessa perspectiva se faz necessário a prospecção de novas cepas que mostrem toxicidade específica pelas espécies dos mosquitos vetores e que sejam cultivadas em meios de cultura constituídos por matérias-primas de baixo custo, características da região. Com o objetivo de reduzir custos e melhorar o rendimento de produção das toxinas, além de contribuir para geração de produtos naturais biologicamente ativos extraídos de micro-organismos, agregando aplicação e valor a um subproduto a fim de minimizar os impactos sociais e econômicos que as patologias transmitidas pelos vetores podem ocasionar. Nesse sentido, foi utilizada a fibra do coco como fonte principal de carbono para o crescimento da bactéria e produção da toxina larvicida. Foram realizados planejamentos fatoriais para melhorar as condições de produção da toxina e suplementar as necessidades da bactéria. Finalmente, a toxina foi testada em bioensaio controlado e a LC50 e 90, foram medidas. Em paralelo, foi publicado um capítulo de livro e escrita uma revisão sistemática relacionadas ao tema.


  • Mostrar Abstract
  • O controle de insetos vetores de patologias tornou-se um grave problema e, como consequência imediata na saúde pública, vem se observando o aumento progressivo dessas populações de mosquitos transmissores de patologia tais como: Dengue, Malária, Zika vírus, Febre amarela, Filariose entre outros. Muitas doenças de interesse da saúde pública, são transmitidas por insetos vetores e dentre eles se destaca o Aedes aegypti. Em geral, os países mais atingidos por estas doenças são os tropicais e subtropicais, devido principalmente às suas características climáticas favoráveis à proliferação de insetos. Nessa perspectiva se faz necessário a prospecção de novas cepas que mostrem toxicidade específica pelas espécies dos mosquitos vetores e que sejam cultivadas em meios de cultura constituídos por matérias-primas de baixo custo, características da região. Com o objetivo de reduzir custos e melhorar o rendimento de produção das toxinas, além de contribuir para geração de produtos naturais biologicamente ativos extraídos de micro-organismos, agregando aplicação e valor a um subproduto a fim de minimizar os impactos sociais e econômicos que as patologias transmitidas pelos vetores podem ocasionar. Nesse sentido, foi utilizada a fibra do coco como fonte principal de carbono para o crescimento da bactéria e produção da toxina larvicida. Foram realizados planejamentos fatoriais para melhorar as condições de produção da toxina e suplementar as necessidades da bactéria. Finalmente, a toxina foi testada em bioensaio controlado e a LC50 e 90, foram medidas. Em paralelo, foi publicado um capítulo de livro e escrita uma revisão sistemática relacionadas ao tema.

4
  • JOÃO VICTOR DE OLIVEIRA SANTOS
  • Purificação, caracterização e avaliação do potencial antimicrobiano da lectina da folha de Guazuma ulmifolia LAM

  • Orientador : ANA LUCIA FIGUEIREDO PORTO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA LUCIA FIGUEIREDO PORTO
  • PRISCILA GUBERT
  • THIAGO PAJEÚ NASCIMENTO
  • Data: 28/10/2021

  • Mostrar Resumo
  • Lectinas são proteínas (hemaglutininas) multivalentes encontradas de forma ubíqua na natureza, as quais podem apresentar atividade catalítica, reconhecimento de modo específico de carboidratos na superfície de microrganismos, bem como atividade citoprotetora frente antígenos e/ou patógenos. O objetivo deste trabalho foi isolar, purificar e caracterizar uma lectina presente na folha de Guazuma ulmifolia LAM (GuaZuL) e avaliar sua atividade antibacteriana. As folhas foram lavadas, secas, trituradas até a forma de pó. O extrato bruto (EB) foi obtido por agitação do pó das folhas (10%, p/v) durante 4h em solução de NaCl 0,15 M, pH 6.8, seguido de centrifugação (6.000xg, 15 min). Em seguida, o EB foi submetido ao fracionamento salino com sulfato de amônio, onde a fração 0-40% apresentou maior atividade hemaglutinante (AH), sendo esta, submetida à cromatografia por troca iônica (aniônica) em DEAE-Sephadex. A amostra foi dialisada e liofilizada e submetida a SDS-PAGE, e a banda proteica visualizada foi denominada de GuazuL Após esse procedimento a proteína foi caracterizada através de análises físico-químicas (temperatura, pH e íons divalentes). A detecção da lectina foi realizada através de testes de atividade hemaglutinante (AH) utilizando eritrócitos humanos (ABO) e sangue de coelho, pelo método de diluição seriada. E os ensaios antibacterianos foram realizados por meio do método de microdiluição em caldo para obtenção da concentração inibitória mínima (CIM) frente a diferentes cepas bacterianas ATCCs. GuaZuL é uma glicoproteína de aproximadamente 35 kDa, que aglutinou eritrócitos de coelho e humanos com maior especificidade para tipo sanguíneo B, e foi inibida apenas por glicoproteínas como Azoalbumina, azocaseína e caseína. Foi termoestável até 100°C, com maior estabilidade em pH 5.0-8.0, e íons divalentes não afetaram sua atividade. Na avaliação da atividade antibacteriana, GuaZuL apresentou atividade bacteriostática e bactericida (CIM: 15,62 µg/mL; CBM: 15,62-62,5 µg/mL), frente a Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter baumannii. Em conclusão, a GuazuL é uma lectina obtida a partir das folhas de G. ulmifolia, termoestável, com amplo espectro de ação antibacteriana e com características relevantes que permitem a sua possível aplicação em diferentes processos biotecnológicos.


  • Mostrar Abstract
  • Lectinas são proteínas (hemaglutininas) multivalentes encontradas de forma ubíqua na natureza, as quais podem apresentar atividade catalítica, reconhecimento de modo específico de carboidratos na superfície de microrganismos, bem como atividade citoprotetora frente antígenos e/ou patógenos. O objetivo deste trabalho foi isolar, purificar e caracterizar uma lectina presente na folha de Guazuma ulmifolia LAM (GuaZuL) e avaliar sua atividade antibacteriana. As folhas foram lavadas, secas, trituradas até a forma de pó. O extrato bruto (EB) foi obtido por agitação do pó das folhas (10%, p/v) durante 4h em solução de NaCl 0,15 M, pH 6.8, seguido de centrifugação (6.000xg, 15 min). Em seguida, o EB foi submetido ao fracionamento salino com sulfato de amônio, onde a fração 0-40% apresentou maior atividade hemaglutinante (AH), sendo esta, submetida à cromatografia por troca iônica (aniônica) em DEAE-Sephadex. A amostra foi dialisada e liofilizada e submetida a SDS-PAGE, e a banda proteica visualizada foi denominada de GuazuL Após esse procedimento a proteína foi caracterizada através de análises físico-químicas (temperatura, pH e íons divalentes). A detecção da lectina foi realizada através de testes de atividade hemaglutinante (AH) utilizando eritrócitos humanos (ABO) e sangue de coelho, pelo método de diluição seriada. E os ensaios antibacterianos foram realizados por meio do método de microdiluição em caldo para obtenção da concentração inibitória mínima (CIM) frente a diferentes cepas bacterianas ATCCs. GuaZuL é uma glicoproteína de aproximadamente 35 kDa, que aglutinou eritrócitos de coelho e humanos com maior especificidade para tipo sanguíneo B, e foi inibida apenas por glicoproteínas como Azoalbumina, azocaseína e caseína. Foi termoestável até 100°C, com maior estabilidade em pH 5.0-8.0, e íons divalentes não afetaram sua atividade. Na avaliação da atividade antibacteriana, GuaZuL apresentou atividade bacteriostática e bactericida (CIM: 15,62 µg/mL; CBM: 15,62-62,5 µg/mL), frente a Staphylococcus aureus, Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter baumannii. Em conclusão, a GuazuL é uma lectina obtida a partir das folhas de G. ulmifolia, termoestável, com amplo espectro de ação antibacteriana e com características relevantes que permitem a sua possível aplicação em diferentes processos biotecnológicos.

5
  • MARIA ERCILIA DE LIMA
  • Efeito do Ultrassom de baixa frequência na atividade catalítica de uma protease purificada de Streptomyces spp: Imobilização em Filme polissacarídico com potencial aplicação biomédica
  • Orientador : ROMERO MARCOS PEDROSA BRANDAO COSTA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JUANIZE MATIAS DA SILVA BATISTA
  • ROMERO MARCOS PEDROSA BRANDAO COSTA
  • THIAGO PAJEÚ NASCIMENTO
  • Data: 16/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • Nos últimos anos, o ultrassom (US) tem sido usado com sucesso em um grande número de Bioprocessos na área da biotecnologia, tais como no melhoramento da hidrólise enzimática (biocatálise). O uso do US no tratamento ou pré-tratamento são supostamente vistos para ativar/acelerar a catálise enzimática e consequentemente melhorar a formação do produto. Tais métodos podem oferecer alta eˡciência de bioconversão enzimática e produção de novos peptídeos biologicamente ativos. Com a aplicação extensiva de reações enzimáticas em diferentes áreas, melhorar a eˡciência atraiu a atenção de empresas com o intuito de reduzir custos. Um desses métodos é o Ultrassom de ondas curtas, o qual utiliza essa técnica como uma nova tecnologia de processamento e melhoramento e assim tem atraído atenção na extração assistida de componentes bioativos. Em reações enzimáticas o ultrassom pode agir alterando as condições do meio, e perturbando as ligações fracas,induzindo mudanças conformacionais na estrutura das proteínas. Isso pode levar a ativação de muitas enzimas, devido às pequenas alterações na estrutura e nas condições ambientais, como temperatura, pressão, tensão de cisalhamento e pH. Colagenases têm sido descritas na utilização em diversos segmentos biotecnológicos e biomédicos, envolvendo áreas como: medicinal, farmacêutico, alimentício, cosmético e têxtil. Quanto à aplicação médica, há relatos na literatura de sua aplicação no tratamento de úlceras e queimaduras, na aceleração da cicatrização de feridas por pressão, na produção de peptídeos bioativos com atividades antioxidante e antimicrobiana, além de possuírem um importante papel no sucesso de cirurgias para transplantes de alguns órgãos. O gênero Streptomyces possui grande vantagem dentre os microrganismos produtores de enzimas colagenolíticas, uma vez que a sua engenharia genética, tem demonstrado grande habilidade em sintetizar esse tipo de protease apresentando características de termo estabilidade e maior rendimento.

     


  • Mostrar Abstract
  • Nos últimos anos, o ultrassom (US) tem sido usado com sucesso em um grande número de Bioprocessos na área da biotecnologia, tais como no melhoramento da hidrólise enzimática (biocatálise). O uso do US no tratamento ou pré-tratamento são supostamente vistos para ativar/acelerar a catálise enzimática e consequentemente melhorar a formação do produto. Tais métodos podem oferecer alta eˡciência de bioconversão enzimática e produção de novos peptídeos biologicamente ativos. Com a aplicação extensiva de reações enzimáticas em diferentes áreas, melhorar a eˡciência atraiu a atenção de empresas com o intuito de reduzir custos. Um desses métodos é o Ultrassom de ondas curtas, o qual utiliza essa técnica como uma nova tecnologia de processamento e melhoramento e assim tem atraído atenção na extração assistida de componentes bioativos. Em reações enzimáticas o ultrassom pode agir alterando as condições do meio, e perturbando as ligações fracas,induzindo mudanças conformacionais na estrutura das proteínas. Isso pode levar a ativação de muitas enzimas, devido às pequenas alterações na estrutura e nas condições ambientais, como temperatura, pressão, tensão de cisalhamento e pH. Colagenases têm sido descritas na utilização em diversos segmentos biotecnológicos e biomédicos, envolvendo áreas como: medicinal, farmacêutico, alimentício, cosmético e têxtil. Quanto à aplicação médica, há relatos na literatura de sua aplicação no tratamento de úlceras e queimaduras, na aceleração da cicatrização de feridas por pressão, na produção de peptídeos bioativos com atividades antioxidante e antimicrobiana, além de possuírem um importante papel no sucesso de cirurgias para transplantes de alguns órgãos. O gênero Streptomyces possui grande vantagem dentre os microrganismos produtores de enzimas colagenolíticas, uma vez que a sua engenharia genética, tem demonstrado grande habilidade em sintetizar esse tipo de protease apresentando características de termo estabilidade e maior rendimento.

     

Teses
1
  • RAYSSA LEAL BORGES DE MEDEIROS
  • Pesquisa de Variantes Digênicas em Genes Relacionados à Herança Autossômica Dominante em Pacientes Brasileiros com Calcificação Cerebral Familial Primária

     

  • Orientador : JOAO RICARDO MENDES DE OLIVEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DANYELLY BRUNESKA GONDIM MARTINS
  • JOAO RICARDO MENDES DE OLIVEIRA
  • MICHEL SATYA NASLAVSKY
  • REGINALDO JOSÉ PETROLI
  • SINARA MÔNICA VITALINO DE ALMEIDA
  • Data: 18/06/2021

  • Mostrar Resumo
  • A calcificação cerebral familial primária (CCFP), amplamente conhecida por doença de Fahr, é uma desordem neuropsiquiátrica ocasionada por variantes patogênicas nos genes SLC20A2, PDGFB, PDGFRB, XPR1, MYORG ou JAM2. É caracterizada pela deposição ectópica de fosfato de cálcio principalmente nos gânglios da base, apresentando-se em padrão bilateral e simétrico. Pacientes com CCFP apresentam amplo espectro de sinais e sintomas, que incluem alterações motoras, cognitivas e psiquiátricas. Entretanto, é bem estabelecido que pacientes com essa doença apresentam alta heterogeneidade clínica inter e intrafamiliar, não identificando-se, ainda, a origem genética capaz de promover tal heterogeneidade. Porém, estudos recentes vêm mostrando que variantes em segundo gene (não associado à CCFP), foram identificadas em pacientes previamente diagnosticados com CCFP, promovendo nos indivíduos afetados um fenótipo complexo e heterogêneo. Nesse contexto, nosso estudo objetivou a pesquisa de variantes patogênicas em um segundo gene relacionado à CCFP e associado à herança autossômica dominante (SLC20A2, PDGFB, PDGFRB e XPR1). A coorte é composta por 13 pacientes brasileiros previamente diagnosticados com CCFP. Após a triagem por sequenciamento de Sanger, foram identificadas 25 variantes de nucleotídeos únicos (SNVs). O rs246391 (c.3137+4A>G), identificado em dois pacientes em heterozigose e dois em homozigose, se destacou por estar localizado próximo a um sítio de splicing. A análise in silico sugere que a variante altere o splicing e, consequentemente, a função proteica. Nosso estudo não conseguiu resultado significativo sobre a análise de expressão do transcrito. Entretanto, pela alta frequência populacional (MAF: 0.30) e por ser considerada benigna por banco de dados, acreditamos que esta variante não atue modulando as manifestações clínicas dos pacientes portadores das variantes. Assim, nosso estudo não identificou nenhuma variante patogênica em um segundo gene relacionado à herança autossômica da CCFP que esclareça tal complexidade fenotípica.


  • Mostrar Abstract
  • A calcificação cerebral familial primária (CCFP), amplamente conhecida por doença de Fahr, é uma desordem neuropsiquiátrica ocasionada por variantes patogênicas nos genes SLC20A2, PDGFB, PDGFRB, XPR1, MYORG ou JAM2. É caracterizada pela deposição ectópica de fosfato de cálcio principalmente nos gânglios da base, apresentando-se em padrão bilateral e simétrico. Pacientes com CCFP apresentam amplo espectro de sinais e sintomas, que incluem alterações motoras, cognitivas e psiquiátricas. Entretanto, é bem estabelecido que pacientes com essa doença apresentam alta heterogeneidade clínica inter e intrafamiliar, não identificando-se, ainda, a origem genética capaz de promover tal heterogeneidade. Porém, estudos recentes vêm mostrando que variantes em segundo gene (não associado à CCFP), foram identificadas em pacientes previamente diagnosticados com CCFP, promovendo nos indivíduos afetados um fenótipo complexo e heterogêneo. Nesse contexto, nosso estudo objetivou a pesquisa de variantes patogênicas em um segundo gene relacionado à CCFP e associado à herança autossômica dominante (SLC20A2, PDGFB, PDGFRB e XPR1). A coorte é composta por 13 pacientes brasileiros previamente diagnosticados com CCFP. Após a triagem por sequenciamento de Sanger, foram identificadas 25 variantes de nucleotídeos únicos (SNVs). O rs246391 (c.3137+4A>G), identificado em dois pacientes em heterozigose e dois em homozigose, se destacou por estar localizado próximo a um sítio de splicing. A análise in silico sugere que a variante altere o splicing e, consequentemente, a função proteica. Nosso estudo não conseguiu resultado significativo sobre a análise de expressão do transcrito. Entretanto, pela alta frequência populacional (MAF: 0.30) e por ser considerada benigna por banco de dados, acreditamos que esta variante não atue modulando as manifestações clínicas dos pacientes portadores das variantes. Assim, nosso estudo não identificou nenhuma variante patogênica em um segundo gene relacionado à herança autossômica da CCFP que esclareça tal complexidade fenotípica.

2
  • AUDES DIOGENES DE MAGALHAES FEITOSA
  • Comportamento da pressão arterial fora do consultório no Brasil

  • Orientador : WILSON NADRUZ JUNIOR
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANTONIO COCA PAYERAS
  • FERNANDO BACAL
  • JOSE LUIZ DE LIMA FILHO
  • LUCIANO FERREIRA DRAGER
  • WILSON NADRUZ JUNIOR
  • Data: 23/06/2021

  • Mostrar Resumo
  • Aferições da pressão arterial (PA) fora do consultório, obtidas por meio de medida residencial da PA (MRPA) ou medida ambulatorial da PA (MAPA), têm sido recomendadas para melhor diagnóstico e manuseio da hipertensão arterial. Contudo, pouco se sabe sobre o comportamento da PA fora do consultório no Brasil. O objetivo geral deste estudo foi investigar o comportamento da PA fora do consultório, assim como a prevalência e os determinantes dos fenótipos de hipertensão [normotensão verdadeira (NV), hipertensão do avental branco (HAB), hipertensão mascarada (HM) e hipertensão sustentada (HS)] em indivíduos brasileiros. Para este fim, foram desenvolvidos 7 sub-estudos que avaliaram indivíduos de 3 coortes independentes: coorte 1 = 5.778 indivíduos que realizaram MRPA em 2 centros de cardiologia pernambucanos entre 2005 e 2018; coorte 2 = 57.768 indivíduos de 719 centros brasileiros que realizaram MRPA usando a plataforma online TELEMRPA entre 2017 e 2020; e coorte 3 = 753 indivíduos de 1 Centro de Pesquisa Clínica alagoano que realizaram MAPA de 2014 a 2016. Os resultados são apresentados nos 7 artigos anexos. Em conjunto, estes dados contribuem para um melhor entendimento do comportamento da PA fora do consultório e dos fenótipos de hipertensão arterial no Brasil e podem ser úteis para o desenvolvimento de políticas públicas voltadas para o controle da hipertensão arterial no nosso país.


  • Mostrar Abstract
  • Aferições da pressão arterial (PA) fora do consultório, obtidas por meio de medida residencial da PA (MRPA) ou medida ambulatorial da PA (MAPA), têm sido recomendadas para melhor diagnóstico e manuseio da hipertensão arterial. Contudo, pouco se sabe sobre o comportamento da PA fora do consultório no Brasil. O objetivo geral deste estudo foi investigar o comportamento da PA fora do consultório, assim como a prevalência e os determinantes dos fenótipos de hipertensão [normotensão verdadeira (NV), hipertensão do avental branco (HAB), hipertensão mascarada (HM) e hipertensão sustentada (HS)] em indivíduos brasileiros. Para este fim, foram desenvolvidos 7 sub-estudos que avaliaram indivíduos de 3 coortes independentes: coorte 1 = 5.778 indivíduos que realizaram MRPA em 2 centros de cardiologia pernambucanos entre 2005 e 2018; coorte 2 = 57.768 indivíduos de 719 centros brasileiros que realizaram MRPA usando a plataforma online TELEMRPA entre 2017 e 2020; e coorte 3 = 753 indivíduos de 1 Centro de Pesquisa Clínica alagoano que realizaram MAPA de 2014 a 2016. Os resultados são apresentados nos 7 artigos anexos. Em conjunto, estes dados contribuem para um melhor entendimento do comportamento da PA fora do consultório e dos fenótipos de hipertensão arterial no Brasil e podem ser úteis para o desenvolvimento de políticas públicas voltadas para o controle da hipertensão arterial no nosso país.

3
  • LAURA DURAO FERREIRA
  • ESCLARECIMENTO DIAGNÓSTICO DE PACIENTES COM CALCIFICAÇÕES CEREBRAIS PRIMÁRIAS E ESTUDOS IN VITRO DO GENE ZBTB20, ASSOCIADO À SÍNDROME DE PRIMROSE

  • Orientador : JOAO RICARDO MENDES DE OLIVEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GAËL NICOLAS
  • JOAO RICARDO MENDES DE OLIVEIRA
  • LUCAS ANDRE CAVALCANTI BRANDAO
  • PAULA SANDRIN GARCIA
  • PAULO ROBERTO ELEUTERIO DE SOUZA
  • Data: 28/06/2021

  • Mostrar Resumo
  • Calcificações cerebrais são um tipo de calcificação ectópica que pode estar associada a processos fisiológicos ou patológicos. Dentre as condições genéticas caracterizadas pela presença deste tipo de lesão destacam-se a Calcificação Cerebral Familial Primária (CCFP), a síndrome de Primrose e a síndrome de Raine, doenças raras e de diagnóstico complexo. A triagem meticulosa de casos suspeitos dessas doenças se torna, portanto, de extrema importância para garantir que pacientes recebam conduta médica adequada e para detalhar os diferentes fenótipos dos pacientes, contribuindo para o diagnóstico diligente de pacientes no futuro. Paralelamente, explorar funções de genes relacionados a essas condições pode ser beneficial a pacientes com inúmeras desordens genéticas que causam lesões similares. Desse modo, este estudo teve como objetivo geral reavaliar casos clínicos de calcificação cerebral primária com diagnóstico em aberto, utilizando informações clínicas, laboratoriais, exames de imagem e triagens genéticas para definir diagnósticos, e realizar estudos in vitro sobre o ZBTB20 e seu papel na formação de calcificações. Além disso, procuramos determinar como a expressão do gene ZBTB20 é afetada pela superexpressão do microRNA mir-9-5p em SaOs-2. Análise de dados clínicos e radiológicos foram feitas, seguidas de triagens genéticas em genes candidatos como MYORG, ZBTB20 e FAM20C. Através dessas triagens foi possível diagnosticar um caso de síndrome de Primrose, um caso de CCFP autossômica recessiva, e um caso de síndrome de Raine. Os estudos relativos ao ZBTB20 foram realizados in vitro, utilizando células SaOs-2 e análise da expressão por western blot. Resultados preliminares indicam que não há alterações significativas na expressão do ZBTB20 durante a indução de calcificação in vitro (p=0,40). A superexpressão do miR-9-5p provocou, por sua vez, aumento significativo na expressão do ZBTB20 (p=0,0035). Se possível, novos testes com cultura celular e qPCR serão realizados no futuro para confirmar os achados relatados acima.

  • Mostrar Abstract
  • Calcificações cerebrais são um tipo de calcificação ectópica que pode estar associada a processos fisiológicos ou patológicos. Dentre as condições genéticas caracterizadas pela presença deste tipo de lesão destacam-se a Calcificação Cerebral Familial Primária (CCFP), a síndrome de Primrose e a síndrome de Raine, doenças raras e de diagnóstico complexo. A triagem meticulosa de casos suspeitos dessas doenças se torna, portanto, de extrema importância para garantir que pacientes recebam conduta médica adequada e para detalhar os diferentes fenótipos dos pacientes, contribuindo para o diagnóstico diligente de pacientes no futuro. Paralelamente, explorar funções de genes relacionados a essas condições pode ser beneficial a pacientes com inúmeras desordens genéticas que causam lesões similares. Desse modo, este estudo teve como objetivo geral reavaliar casos clínicos de calcificação cerebral primária com diagnóstico em aberto, utilizando informações clínicas, laboratoriais, exames de imagem e triagens genéticas para definir diagnósticos, e realizar estudos in vitro sobre o ZBTB20 e seu papel na formação de calcificações. Além disso, procuramos determinar como a expressão do gene ZBTB20 é afetada pela superexpressão do microRNA mir-9-5p em SaOs-2. Análise de dados clínicos e radiológicos foram feitas, seguidas de triagens genéticas em genes candidatos como MYORG, ZBTB20 e FAM20C. Através dessas triagens foi possível diagnosticar um caso de síndrome de Primrose, um caso de CCFP autossômica recessiva, e um caso de síndrome de Raine. Os estudos relativos ao ZBTB20 foram realizados in vitro, utilizando células SaOs-2 e análise da expressão por western blot. Resultados preliminares indicam que não há alterações significativas na expressão do ZBTB20 durante a indução de calcificação in vitro (p=0,40). A superexpressão do miR-9-5p provocou, por sua vez, aumento significativo na expressão do ZBTB20 (p=0,0035). Se possível, novos testes com cultura celular e qPCR serão realizados no futuro para confirmar os achados relatados acima.

4
  • ANA PAULA FERNANDES DA SILVA
  • DETECÇÃO HISTOQUIMILUMINESCENTE DE PROTEÍNAS ASSOCIADAS À PATOGÊNESE DA DOENÇA DE CROHN E RETOCOLITE ULCERATIVA

  • Orientador : LUIZ BEZERRA DE CARVALHO JUNIOR
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FABRICIO OLIVEIRA SOUTO
  • IVONE ANTONIA DE SOUZA
  • LUIZ BEZERRA DE CARVALHO JUNIOR
  • MARIO RIBEIRO DE MELO JUNIOR
  • PALOMA LYS DE MEDEIROS
  • Data: 30/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • A integridade epitelial e da matriz extracelular é fundamental para manutenção da saúde do trato gastrintestinal. No entanto, tanto na DC quanto na RCU, a permeabilidade intestinal é prejudicada, o que resulta na invasão de numerosas bactérias, seguida por infiltração de células imunes no intestino e desencadeamento do processo inflamatório característico dessas doenças. No presente trabalho os anticorpos para os antígenos da calprotectina, ADAM10, ADAM15 e complexo β -catenina e e-caderina foram submetidos a conjugação com éster de acridina para detecção histoquimiluminescente e imunoistoquímica para avaliação da matriz extracelular em biópsias de pacientes com doença de Crohn (n = 49) e retocolite ulcerativa (n = 105). As características histopatológicas das amostras foram descritas através da aplicação das técnicas histoquímicas de hematoxilina e eosina, picrosirius red, tricrômico de Masson, ácido periódico de Shiff e azul de Alcian. O perfil epidemiológico dos pacientes foi estabelecido através de aplicação de questionário sociodemográfico e análise dos prontuários. No estudo histoquimiluminescente os valores de calprotectina, juntamente com a análise dos prontuários permitiu a categorização dos grupos com doença ativa (DC n = 33 e RCU n = 74) e em remissão (DC n = 16 e RCU n = 31). Na análise do colágeno intersticial observou-se maior percentual de colágeno nos tecidos de pacientes em remissão para ambas as formas de DII. Resultados parciais demonstraram uma maior expressão de ADAM 10 e 15 nos grupos com DC ativa e em remissão foram estatisticamente significativos quando comparados entre si e com os controles (p < 0,05). Para RCU os valores das ADAMs foram estatisticamente significativos apenas quando comparados com o grupo controle. O complexo β-catenina + e-caderina mostrou alterações na imunorreatividade apenas em amostras de pacientes com ulceração da mucosa.


  • Mostrar Abstract
  • A integridade epitelial e da matriz extracelular é fundamental para manutenção da saúde do trato gastrintestinal. No entanto, tanto na DC quanto na RCU, a permeabilidade intestinal é prejudicada, o que resulta na invasão de numerosas bactérias, seguida por infiltração de células imunes no intestino e desencadeamento do processo inflamatório característico dessas doenças. No presente trabalho os anticorpos para os antígenos da calprotectina, ADAM10, ADAM15, colágeno XXIII e complexo β -catenina e e-caderina foram submetidos a conjugação com éster de acridina para detecção histoquimiluminescente e imunoistoquímica para avaliação da matriz extracelular em biópsias de pacientes com doença de Crohn (n = 49) e retocolite ulcerativa (n = 105). As características histopatológicas das amostras foram descritas através da aplicação das técnicas histoquímicas de hematoxilina e eosina, picrosirius red, tricrômico de Masson, ácido periódico de Shiff e azul de Alcian. O perfil epidemiológico dos pacientes foi estabelecido através de aplicação de questionário sociodemográfico e análise dos prontuários. No estudo histoquimiluminescente os valores de calprotectina, juntamente com a análise dos prontuários permitiu a categorização dos grupos com doença ativa (DC n = 33 e RCU n = 74) e em remissão (DC n = 16 e RCU n = 31). Na análise do colágeno intersticial observou-se maior percentual de colágeno nos tecidos de pacientes em remissão para ambas as formas de DII. Resultados parciais demonstraram uma maior expressão de ADAM 10 e 15 nos grupos com DC ativa e em remissão foram estatisticamente significativos quando comparados entre si e com os controles (p <0,05). Para RCU os valores das ADAMs foram estatisticamente significativos apenas quando comparados com o grupo controle. O complexo β-catenina + e-caderina mostrou alterações na imunorreatividade apenas em amostras de pacientes com ulceração da mucosa.

5
  • NAIROMBERG CAVALCANTI PORTELA JUNIOR
  • ANÁLISE PROTEÔMICA DA RESPOSTA IMUNE PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA DE Biomphalaria straminea (Dunker, 1848) EXPOSTOS AO Schistosoma mansoni (Sambon 1907)
     
     
  • Orientador : LUIZ CARLOS ALVES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • VALERIA WANDERLEY TEIXEIRA
  • DANYELLY BRUNESKA GONDIM MARTINS
  • LUIZ CARLOS ALVES
  • TATIANY PATRICIA ROMAO POMPILIO DE MELO
  • TERCILIO CALSA JUNIOR
  • Data: 30/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • No gênero Biomphalaria existem espécies hospedeiras intermediárias importante para o ciclo de vida do Schistosoma mansoni apresentando diferentes perfis de susceptibilidade. Os caramujos Biomphalaria são de extrema importância para a epidemiologia da Esquistossomose, contudo, o Biomphalaria glabrata é a espécie mais estudada por apresentar maior suscetibilidade a esta parasitose. Seu sistema imune, composto por componentes celulares e humorais, é o principal responsável pela variação de fenótipos deste gênero e sua resposta imune inata tradicional já é conhecida. Estudos relacionados a imunidade deste gênero, indicam uma mudança de resposta diante de uma exposição secundária ao parasita, sugerindo um perfil de resistência ao caramujo. A espécie Biomphalaria straminea, apesar de apresentar um perfil menos susceptível ao parasita, apresenta-se com grande importante na manutenção do ciclo de vida do parasita, devido sua ampla distribuição. A falta de estudos, principalmente moleculares levou o presente estudo a se empenhar na primeira análise proteômica do B. straminea, avaliando sua resposta após a exposição primária e secundária frente ao S. mansoni. Assim, foram identificadas 55 proteínas válidas, as quais, a maioria apresentou similaridade com componentes já presentes em B. glabrata, sendo identificadas, proteínas relacionadas ao metabolismo comum nos invertebrados, assim como fatores imunes sendo produzidos de forma constitutiva ou exclusiva durante a exposição. Observamos que durante a resposta primária ao parasita, proteínas de reconhecimento como lectinas tipo C e tipo H se mostram super expressas durante todos os tempos analisados. Além disso, outras proteínas relacionadas ao estresse oxidativo, adesão celular e transporte de oxigênio também se mostram super expressas. Em relação à resposta após uma segunda exposição ao parasita, encontramos super expressas proteínas relacionadas a adesão celular, fatores de reconhecimento, estresse oxidativo, alguns componentes altamente imunorelevantes como FREPs e uma proteína homologa a biomphalisina, já descrita em B. glabrata e que se mostra como componente fundamental da resposta especifica e de memória também em B. straminea. A partir das análises proteômica da resposta imune primária e secundária do B. straminea frente ao S. mansoni, podemos entender melhor o perfil da resposta proteica apresentada por esta espécie, abrindo assim possibilidades, para novos estudos com diferentes abordagens a respeito da relação parasita-hospedeiro, como também analises específicos com as moléculas relacionadas a memória detectadas neste estudo.
     
     

  • Mostrar Abstract
  • No gênero Biomphalaria existem espécies hospedeiras intermediárias importante para 227 o ciclo de vida do Schistosoma mansoni apresentando diferentes perfis de susceptibilidade. Os 228 caramujos Biomphalaria são de extrema importância para a epidemiologia da Esquistossomose, 229 contudo, o Biomphalaria glabrata é a espécie mais estudada por apresentar maior 230 suscetibilidade a esta parasitose. Seu sistema imune, composto por componentes celulares e 231 humorais, é o principal responsável pela variação de fenótipos deste gênero e sua resposta 232 imune inata tradicional já é conhecida. Estudos relacionados a imunidade deste gênero, indicam 233 uma mudança de resposta diante de uma exposição secundária ao parasita, sugerindo um perfil 234 de resistência ao caramujo. A espécie Biomphalaria straminea, apesar de apresentar um perfil 235 menos susceptível ao parasita, apresenta-se com grande importante na manutenção do ciclo de 236 vida do parasita, devido sua ampla distribuição. A falta de estudos, principalmente moleculares 237 levou o presente estudo a se empenhar na primeira análise proteômica do B. straminea, 238 avaliando sua resposta após a exposição primária e secundária frente ao S. mansoni.

6
  • WAYDJA LÂNIA VIRGÍNIA DE ARAÚJO MARINHO
  • Análise do padrão de expressão dos genes ligados à calcificação vascular cerebral em banco de dados: Vascular Single Cells (Betsholtzlab) e Atlas de vasculatura de Mus musculus

  • Orientador : JOAO RICARDO MENDES DE OLIVEIRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOAO RICARDO MENDES DE OLIVEIRA
  • RAFAEL LIMA GUIMARAES
  • DANYELLY BRUNESKA GONDIM MARTINS
  • BELMIRA LARA DA SILVEIRA ANDRADE DA COSTA
  • PAULO ROBERTO ELEUTERIO DE SOUZA
  • Data: 30/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • A calcificação cerebral é uma doença neurológica degenerativa, pouco comum, que pode ser hereditária ou esporádica. Manifesta-se igualmente em ambos os sexos e em qualquer idade e caracteriza-se pela presença de depósitos anormais de cálcio no cérebro, associada a perda de massa celular, apresenta quadro clínico bastante variável. Pode apresentar-se desde a forma assintomática, até à conjugação de diversos sintomas neurológicos. As calcificações nos vasos cerebrais foram relatados inicialmente em 1855, nesses casos, há deposição de minerais tanto na parede dos vasos como no parênquima cerebral, causando neurodegeneração e gliose. Dos quatro genes com padrão de herança autossômico dominante, dois são relacionados com a homeostase do fosfato inorgânico (Pi), e os outros dois deles, estão associados com a integridade da barreira hematoencefálica (BHE) e manutenção dos pericitos. A BHE não é uma estrutura anatômica única isolada, mas faz parte da chamada unidade neurovascular (NVU), essa unidade, circunda a astroglia perivascular, células da microglia e terminais neuronais intervenientes; os pericitos atuam na estabilização física dos vasos, na regulação da microcirculação e no fluxo sanguíneo capilar. Em algumas doenças neurodegenerativas, a degradação da BHE permite que os componentes do sangue se infiltrem no ambiente neuronal, agravando a inflamação existente e acelerando a progressão dos sintomas. Neste trabalho, buscamos através de uma análise de bioinformática, elucidar questões básicas a respeito do comportamento dos pericitos e de determinados genes associados a um ambiente de calcificação vascular. Portanto, tendo em vista isso, a análise do padrão de expressão da variantes em homozigose dos genes MYORG e JAM2 poderá ser um importante diferencial na compreensão da susceptibilidade que algumas estruturas possuem para formar calcificações vasculares cerebrais e suas repercussões clínicas. O banco de dados não apresenta os valores brutos referentes a expressão em cada grupo celular, optou-se então por realizar uma análise milimetrada dos valores aproximados, e assim, os dados obtidos e dispostos em tabela, foram sujeitos a análise e montagem de dispersão gráfica fazendo uso do Microsoft Excel 2016. Pudemos observar um aumento da expressão de MYORG nos astrócitos, seguidos do JAM2 nos variados tipos de células endoteliais.

  • Mostrar Abstract
  • A calcificação cerebral é uma doença neurológica degenerativa, pouco comum, que pode ser hereditária ou esporádica. Manifesta-se igualmente em ambos os sexos e em qualquer idade e caracteriza-se pela presença de depósitos anormais de cálcio no cérebro, associada a perda de massa celular, apresenta quadro clínico é bastante variável. Pode apresentar-se desde a forma assintomática, até à conjugação de diversos sintomas neurológicos. As calcificações nos vasos cerebrais foram relatados inicialmente em 1855, nesses casos, há deposição de minerais tanto na parede dos vasos como no parênquima cerebral, causando neurodegeneração e gliose. Dos quatro genes com padrão de herança autossômico dominante, dois são relacionados com a homeostase do fosfato inorgânico (Pi), dois deles, estão associados com a integridade da barreira hematoencefálica (BHE) e manutenção dos pericitos. A BHE não é uma estrutura anatômica única isolada, mas faz parte da chamada unidade neurovascular (NVU), essa unidade, circunda a astroglia perivascular, células da microglia e terminais neuronais intervenientes, os pericitos atuam na estabilização física dos vasos, na regulação da microcirculação e no fluxo sanguíneo capilar. Em algumas doenças neurodegenerativas, a degradação da BHE permite que os componentes do sangue se infiltrem no ambiente neuronal, agravando a inflamação existente e acelerando a progressão dos sintomas. Nesse trabalho, buscamos através de uma análise de bioinformática, elucidar questões básicas a respeito do comportamento dos pericitos e de determinados genes inseridos em um ambiente de calcificação vascular. Portanto, tendo em vista isso, a análise do padrão de expressão dos genes homozigóticos MYORG e JAM2 poderá ser um importante diferencial na compreensão da susceptibilidade que algumas estruturas possuem para formar calcificações vasculares cerebrais e suas repercussões clínicas. O banco de dados não apresenta os valores brutos referentes a expressão em cada grupo celular, optou-se então por realizar uma análise milimetrada dos valores aproximados, e assim, os dados obtidos e dispostos em tabela, foram sujeitos a análise e montagem de dispersão gráfica fazendo uso do Microsoft Excel 2016. Pudemos observar um aumento da expressão de MYORG nos astrócitos, seguidos do JAM2 nos variados tipos de células endoteliais.
7
  • AMANDA VASCONCELOS DO NASCIMENTO
  • Estudo da capacidade imunomoduladora de derivados das Ftalimidas-Tiazóis em células mononucleares de portadores da Leishmaniose Tegumentar Americana.
     
     
  • Orientador : LUIZ CARLOS ALVES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MILENA DE PAIVA CAVALCANTI
  • AMANDA SILVA DOS SANTOS ALIANCA
  • ANA CRISTINA LIMA LEITE
  • FABRICIO OLIVEIRA SOUTO
  • LUIZ CARLOS ALVES
  • Data: 31/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA), é um grave problema de saúde pública com registro anual de 1 a 1,5 milhões de casos. Os atuais tratamentos da LTA apresentaram efeitos colaterais importantes e relatos de resistência. O estudo da resposta imunológica frente ao tratamento com fármacos pode ser a chave para um novo tratamento da LTA, pois a resposta imunológica do hospedeiro é decisiva para progressão da doença. Neste contexto os derivados das Ftalaminas e Tiázois são moléculas imunomodulatórias e apresentam ação biológica contra Leishmania infantum. O estudo tem como objetivo avaliar a capacidade imunomoduladora desses compostos heterocíclicos da classe Fitalaminas e Tiázois sobre as células do sistema imune de pacientes portadores da LTA expostas a antígenos de Leishmania braziliensis. Inicialmente foram testadas citoxicidade dos compostos 2J e 2M sobre células mononucleares de sangue periférico (PBMC), assim como a atividade biológica dos compostos sobre a L. braziliensis. Após, foram selecionados 12 portadores da LTA e 08 controles negativos para obtenção das PBMC, que foram estimuladas com antígenos solúveis de L. braziliensis e tratadas 2J e 2M. Foi realizada a imunofenotipagem das PBMC para linfócitos TCD4+, com marcação para CD28 e CTLA-4 e os TCD8+ com marcação para CD28, CTLA-4, Granzima e IFN-γ. Os monócitos CD14+ foram analisados através da expressão das moléculas CD80, CD86 e HLA-DR. As PBMC foram submetidas ao processamento para as microscopias eletrônicas de Varredura e Transmissão e o sobrenadante de cultura foi coletado para dosagem das citocinas de perfil TH1/TH2. Nos resultados as moléculas 2J e 2M apresentaram taxas de concentrações inibitórias (IC50) de 50,12μM e 64,88μM, respectivamente. Na citotoxicidade das moléculas em PBMC humanas, para 2J CC50 de 662,49 μM e 2M 885,28µM. O índice de seletividade (IS) foi aproximadamente de 13 vezes mais seletiva para a promastigota de L. braziliensis do que as PBMC humanas. Na expressão fenotípica em linfócitos, o tratamento com a 2M sobre células de pacientes levou a um aumento de Granzima B+ em TCD8+, na condição de cultivo C+2J. Para 2M, observamos aumento do CTLA-4 em TCD4+ nos controles negativos, na condição C+A+2M. Analisando as citocinas, foi visto que os antígenos aumentaram a resposta inflamatória, no grupo de pacientes. Na avaliação ultraestrutural com o tratamento da 2J e 2M, foi observado que as moléculas foram semelhantes aos controles sem tratamento. Os nossos resultados incentivam mais estudos com as moléculas no âmbito da terapêutica para LTA.
     
     

  • Mostrar Abstract
  • A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA), é um grave problema de saúde pública e apresenta distribuição mundial, com registro anual de 1 a 1,5 milhões de casos. O tratamento da LTA no Brasil é realizado utilizando os antimoniais pentavalentes, Contudo, as quimioterapias atuais apresentaram efeitos colaterais importantes e relatos de resistência ao tratamento.  O estudo da resposta imunológica frente ao tratamento com fármacos é indispensável para a avaliação da eficácia de compostos promissores para o tratamento da LTA, visto que a resposta imunológica do hospedeiro frente a infecção é decisiva para progressão dos sintomas clínicos da doença. Neste contexto os compostos heterocíclicos da classe das Fitalaminas e Tiázois atuam como imunomoduladores e demonstram que são formulações que apresentam uma grande atividade leishmanicida O estudo proposto tem como objetivo principal avaliar a capacidade imunomoduladora desses compostos heterocíclicos da classe Fitalaminas e Tiázois sobre as células do sistema imune de pacientes portadores da LTA expostas a antígenos de Leishmania (Viannia) braziliensis. Inicialmente foram testadas citoxicidade dos compostos 2J e 2M sobre células mononucleares de sangue periférico (PBMC), assim como a atividade biológica dos compostos sobre a L. braziliensis. Foi realizado um cinética de tempo e resposta imunológica , utilizando 3 tempos de cultivos distintos (24h, 72h e 5 dias). Após, foram selecionados 3 portadores da LTA e obtidas as PBMC, em que foram estimuladas com antígenos solúveis de L. braziliensis e tratadas com os compostos heterocíclicos 2J e 2M. As PBMC foram avaliadas através da marcação fenotípica para linfócitos CD4+, CD8+ e as moléculas CD28 e CTLA-4. Para monócitos, foram analisados a expressão do CD14+, suas moléculas co-estimulatórias (CD80 e CD86) e o HLA-DR. Nos resultados parciais podemos inferir que os compostos 2J e 2M e apresentaram-se como formulações pouco citotóxicas e garantindo assim uma larga faixa terapêutica. Com relação a cinética de tempos versus resposta imunológica nos 3 tempos testados( 24h, 72h e 5 dias), para a maioria das citocinas não houve diferença entre os tempos. Os antígenos solúveis de L. braziliensis estão com a integridade preservada e foi visto que eles têm a capacidade de estimular células de pacientes com LTA. Na expressão de marcadores fenotípicos para linfócitos e monócitos , relatam alterações na expressão desses marcadores na presença do 2J e 2M. As próximas etapas do projeto serão a continuação da coleta de Pacientes com LTA e controles negativos, para realização da Imunofenotipagem, dosagem das citocinas e óxido nítrico, assim como a realização da Microscopia Eletrônica de Varredura e Transmissão das PBMC de pacientes com LTA.

8
  • EMANUELA PAZ ROSAS
  • ASPECTOS MORFOFISIOLÓGICOS DE MASTÓCITOS NA DURA-MÁTER HUMANA: LIBERAÇÃO IN VITRO DE CGRP E ÓXIDO NÍTRICO SOB AÇÃO DO TOPIRAMATO

  • Orientador : MARCELO MORAES VALENCA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARCELO MORAES VALENCA
  • DANIELLA ARAUJO DE OLIVEIRA
  • IVONE ANTONIA DE SOUZA
  • PALOMA LYS DE MEDEIROS
  • WYLLA TATIANA FERREIRA E SILVA
  • Data: 30/09/2021

  • Mostrar Resumo
  • A dura-máter intracraniana humana é a meninge mais externa que recobre o cérebro e possui vasos sanguíneos, mastócitos e fibras nervosas que exercem um papel importante em processos neuroinflamatórios, como a migrânea. O topiramato é um medicamento profilático da migrânea, contudo sua ação na dura-máter, ainda é incerta. Neste contexto, objetivou-se avaliar os aspectos morfofisiológicos de mastócitos na dura-máter humana e a liberação in vitro de óxido nítrico (NO), de peptídeo relacionado ao gene da calcitonina (CGRP) e a degranulação de mastócitos sob ação do topiramato. Em uma primeira análise foram coletadas oito amostras de dura-máter intracraniana de cadáveres humanos. As amostras inteiras foram fixadas, e dois fragmentos de 1,5 cm² cada, foram cortados de quatro distintas áreas da convexidade da dura-máter, totalizando 64 fragmentos. Foram avaliados os parâmetros histomorfométricos: distância dos mastócitos aos vasos, densidade de mastócitos e porcentagem de mastócitos degranulados. Em outra análise, os espécimes de dura-máter obtida de cadáveres (n=4) foram lavadas com fluido intersticial sintético (SIF) a 25º C por 30 minutos. Posteriormente, foram divididas em fragmentos (n=7) que foram incubados por 15 minutos com SIF e em seguida por 30 minutos na presença ou não do topiramato em diferentes concentrações: 10-6 M, 10-8 M e 10-10 M. Após o tratamento, o meio de incubação foi trocado por uma solução de cloreto de potássio (KCl) a 60 mM por 30 minutos. O teor de CGRP e NO liberado foi quantificado pelo método de ELISA e Reação de Griess, respectivamente. Os fragmentos de dura-máter das duas análises foram transferidos para o formol tamponado a 10% e em seguida foi feito o processamento histológico. A degranulação dos mastócitos foi examinada por microscopia óptica. A primeira análise demonstrou um maior número de mastócitos próximos de vasos venosos foi encontrado na camada periosteal (17,01 ± 10,13) do que na camada meníngea (14,10 ± 6,95). Os mastócitos próximos ao seio sagital superior se apresentaram em maior quantidade juntos aos vasos venosos (16,71 ± 10,05) do que aos vasos arteriais (11,18 ± 7,52). A segunda análise mostrou que o tratamento com topiramato nas concentrações de 10-10M apresentou uma menor porcentagem de mastócitos degranulados por mm² (75,39% ± 0,27) quando comparado com controle positivo (KCl 60 mM) (100%). Desta forma, este estudo evidenciou que os mastócitos estão localizados próximos aos vasos venosos da camada periosteal e na região proximal do seio sagital superior. Além disso, sugere-se que o topiramato em uma menor concentração (10-10M) apresenta um efeito protetivo sobre a degranulação dos mastócitos.


  • Mostrar Abstract
  • A dura-máter intracraniana humana é a meninge mais externa que recobre o cérebro e possui vasos sanguíneos, mastócitos e fibras nervosas que exercem um papel importante em processos neuroinflamatórios, como a migrânea. O topiramato é um medicamento profilático da migrânea, contudo sua ação na dura-máter, ainda é incerta. Neste contexto, objetivou-se avaliar os aspectos morfofisiológicos de mastócitos na dura-máter humana e a liberação in vitro de óxido nítrico (NO), de peptídeo relacionado ao gene da calcitonina (CGRP) e a degranulação de mastócitos sob ação do topiramato. Em uma primeira análise foram coletadas oito amostras de dura-máter intracraniana de cadáveres humanos. As amostras inteiras foram fixadas, e dois fragmentos de 1,5 cm² cada, foram cortados de quatro distintas áreas da convexidade da dura-máter, totalizando 64 fragmentos. Foram avaliados os parâmetros histomorfométricos: distância dos mastócitos aos vasos, densidade de mastócitos e porcentagem de mastócitos degranulados. Em outra análise, os espécimes de dura-máter obtida de cadáveres (n=4) foram lavadas com fluido intersticial sintético (SIF) a 25º C por 30 minutos. Posteriormente, foram divididas em fragmentos (n=7) que foram incubados por 15 minutos com SIF e em seguida por 30 minutos na presença ou não do topiramato em diferentes concentrações: 10-6 M, 10-8 M e 10-10 M. Após o tratamento, o meio de incubação foi trocado por uma solução de cloreto de potássio (KCl) a 60 mM por 30 minutos. O teor de CGRP e NO liberado foi quantificado pelo método de ELISA e Reação de Griess, respectivamente. Os fragmentos de dura-máter das duas análises foram transferidos para o formol tamponado a 10% e em seguida foi feito o processamento histológico. A degranulação dos mastócitos foi examinada por microscopia óptica. A primeira análise demonstrou um maior número de mastócitos próximos de vasos venosos foi encontrado na camada periosteal (17,01 ± 10,13) do que na camada meníngea (14,10 ± 6,95). Os mastócitos próximos ao seio sagital superior se apresentaram em maior quantidade juntos aos vasos venosos (16,71 ± 10,05) do que aos vasos arteriais (11,18 ± 7,52). A segunda análise mostrou que o tratamento com topiramato nas concentrações de 10-10M apresentou uma menor porcentagem de mastócitos degranulados por mm² (75,39% ± 0,27) quando comparado com controle positivo (KCl 60 mM) (100%). Desta forma, este estudo evidenciou que os mastócitos estão localizados próximos aos vasos venosos da camada periosteal e na região proximal do seio sagital superior. Além disso, sugere-se que o topiramato em uma menor concentração (10-10M) apresenta um efeito protetivo sobre a degranulação dos mastócitos.

9
  • GISNAYLE ANA DA SILVA PEREIRA
  • ANÁLISE DE RECEPTORES TOLL-LIKE E CITOCINAS ENVOLVIDAS NA SUSCEPTIBILIDADE À INFECÇÕES VIRAIS

  • Orientador : JOSE LUIZ DE LIMA FILHO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CLAUDIA DINIZ LOPES MARQUES
  • FABRICIO MOTTERAN
  • JAQUELINE DE AZEVEDO SILVA
  • JOSE LUIZ DE LIMA FILHO
  • LUCAS ANDRE CAVALCANTI BRANDAO
  • Data: 27/10/2021

  • Mostrar Resumo
  • Dentre os principais tipos de patologias virais descritas como epidemias estão as infecções ocasionadas pelos vírus da Dengue (DENV), Chikungunya (CHIKV) e Zika (ZIKV). A infecção pelo CHIKV causou grande impacto a saúde pública devido a presença de sintomas altamente debilitantes como, inflamações nas articulações que podem durar meses ou anos. A inflamação induzida pela infecção viral está associada a moléculas da imunidade inata, maspouco se sabe sobre os mecanismos envolvidos na patogênese da infecção, não estando eles totalmente elucidados. OBJETIVO: Avaliar polimorfismos em Receptores Toll-Like (TLRs) associados à infecções virais e avaliar a expressão gênica de citocinas induzidas em pacientes infectados pelo vírus Chikungunya. METODOLOGIA: Através do banco de dados de previsão funcional não sinônimo (dbNSFP) coletamos dados de SNPs não sinônimos (nsSNPs) presentes em TLRs (TLR3, 4, 7, 8, 9 e 10) e realizamos uma análise computacional preditiva de impactos funcionais dos nsSNPs nos TLRs através de 16 algoritmos. Ferramentas para previsão de danos estruturais nas proteínas após a mutação também foram utilizados. Adicionalmente, neste estudo, níveis de expressão das citocinas IL-1β, IL-10, IL-18 e IFN-β foram avaliados, por PCR em tempo real, em sangue total de pacientes na fase aguda da infecção por CHIKV (n=43) e de indivíduos saudáveis (IS), não infectados (n=13) utilizados como grupo controle. RESULTADOS: Treze nsSNPs foram encontrados com alto impacto funcional/estrutural. O nsSNP TLR3 p.Leu532Pro, foi previsto como deletério à função da proteína por todos os algoritmos. TLR4 p.Leu452Arg e TLR7 p.Leu179Arg, além de terem sido previstos como deletérios pela maioria dos algoritmos, foram os nsSNPs que obtiveram maior variação na hidrofobicidade (0,943). Análises em estruturas 3D corroboraram com os resultados dos algoritmos, devido à presença e ao impacto de tais mutações em regiões conservadas, importantes no reconhecimento viral e na dimerização protéica, iniciando a via de sinalização. Os pacientes infectados pelo CHIKV apresentaram diminuição na expressão de IL-18, enquanto um grupo de pacientes apresentou níveis elevados de expressão de IL1-β, e um grupo de pacientes apresentou redução da expressão da citocina, quando comparados aos IS. Valores mais altos de expressão foram encontrados na IL-1β quando comparados à IL-18, havendo diferença estatística significativa de expressão, apesar da expressão de IL-1β e IL-18 ser downregulated. Em nossos resultados a infecção pelo CHIKV em pacientes em fase aguda induziu diminuição na produção de IL-1β e IL-18, moléculas da imunidade inata transcritas por TLRs e ativadas por inflamassomas. Havendo correlação regular positiva entre os genes IL-1β e IL-18 e o gênero dos pacientes, onde níveis de IL-1β são menores em mulheres e níveis de IL-18 são maiores em mulheres, e correlação positiva entre as expressões de IL-1β e IL-18 e a idade dos pacientes, onde níveis mais baixos de expressão de IL-1β e níveis mais altos de expressão de IL-18 estão associados à idades mais avançadas. CONCLUSÃO: Através do nosso estudo, descobrimos polimorfismos que podem ter alta correlação com doenças causadas por infecções virais, podendo atuar como potenciais biomarcadores prognósticos, e citocinas que podem ter correlação com a febre Chikungunya, sendo considerados bom marcadores para o direcionamento terapêutico.


  • Mostrar Abstract
  • Dentre os principais tipos de patologias virais descritas como epidemias estão as infecções ocasionadas pelos vírus da Dengue (DENV), Chikungunya (CHIKV) e Zika (ZIKV). A infecção pelo CHIKV causou grande impacto a saúde pública devido a presença de sintomas altamente debilitantes como, inflamações nas articulações que podem durar meses ou anos. A inflamação induzida pela infecção viral está associada a moléculas da imunidade inata, maspouco se sabe sobre os mecanismos envolvidos na patogênese da infecção, não estando eles totalmente elucidados. OBJETIVO: Avaliar polimorfismos em Receptores Toll-Like (TLRs) associados à infecções virais e avaliar a expressão gênica de citocinas induzidas em pacientes infectados pelo vírus Chikungunya. METODOLOGIA: Através do banco de dados de previsão funcional não sinônimo (dbNSFP) coletamos dados de SNPs não sinônimos (nsSNPs) presentes em TLRs (TLR3, 4, 7, 8, 9 e 10) e realizamos uma análise computacional preditiva de impactos funcionais dos nsSNPs nos TLRs através de 16 algoritmos. Ferramentas para previsão de danos estruturais nas proteínas após a mutação também foram utilizados. Adicionalmente, neste estudo, níveis de expressão das citocinas IL-1β, IL-10, IL-18 e IFN-β foram avaliados, por PCR em tempo real, em sangue total de pacientes na fase aguda da infecção por CHIKV (n=43) e de indivíduos saudáveis (IS), não infectados (n=13) utilizados como grupo controle. RESULTADOS: Treze nsSNPs foram encontrados com alto impacto funcional/estrutural. O nsSNP TLR3 p.Leu532Pro, foi previsto como deletério à função da proteína por todos os algoritmos. TLR4 p.Leu452Arg e TLR7 p.Leu179Arg, além de terem sido previstos como deletérios pela maioria dos algoritmos, foram os nsSNPs que obtiveram maior variação na hidrofobicidade (0,943). Análises em estruturas 3D corroboraram com os resultados dos algoritmos, devido à presença e ao impacto de tais mutações em regiões conservadas, importantes no reconhecimento viral e na dimerização protéica, iniciando a via de sinalização. Os pacientes infectados pelo CHIKV apresentaram diminuição na expressão de IL-18, enquanto um grupo de pacientes apresentou níveis elevados de expressão de IL1-β, e um grupo de pacientes apresentou redução da expressão da citocina, quando comparados aos IS. Valores mais altos de expressão foram encontrados na IL-1β quando comparados à IL-18, havendo diferença estatística significativa de expressão, apesar da expressão de IL-1β e IL-18 ser downregulated. Em nossos resultados a infecção pelo CHIKV em pacientes em fase aguda induziu diminuição na produção de IL-1β e IL-18, moléculas da imunidade inata transcritas por TLRs e ativadas por inflamassomas. Havendo correlação regular positiva entre os genes IL-1β e IL-18 e o gênero dos pacientes, onde níveis de IL-1β são menores em mulheres e níveis de IL-18 são maiores em mulheres, e correlação positiva entre as expressões de IL-1β e IL-18 e a idade dos pacientes, onde níveis mais baixos de expressão de IL-1β e níveis mais altos de expressão de IL-18 estão associados à idades mais avançadas. CONCLUSÃO: Através do nosso estudo, descobrimos polimorfismos que podem ter alta correlação com doenças causadas por infecções virais, podendo atuar como potenciais biomarcadores prognósticos, e citocinas que podem ter correlação com a febre Chikungunya, sendo considerados bom marcadores para o direcionamento terapêutico.

10
  • IOLANDA MATIAS GOMES
  • AVALIAÇÃO DO PAPEL DAS SIRTUÍNAS NO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO E NA RESISTÊNCIA A QUIMIORADIOTERAPIA

  • Orientador : DANYELLY BRUNESKA GONDIM MARTINS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DANYELLY BRUNESKA GONDIM MARTINS
  • JOSE LUIZ DE LIMA FILHO
  • FABRICIO OLIVEIRA SOUTO
  • JOSE LUIZ DE FIGUEIREDO
  • MARIA DE MASCENA DINIZ MAIA
  • Data: 29/10/2021

  • Mostrar Resumo
  • O câncer do Colo do Útero é o quarto tipo em incidência nas mulheres em todo mundo, sendo responsável por mais de 700.000 casos ao ano. Desses, cerca de metade morrerão da doença, sobretudo mulheres que vivem em regiões com baixos índices de desenvolvimento. Após o agravo dessa situação no cenário da Pandemia do COVID-19, a Organização Mundial da Saúde, em novembro de 2020, passa a considerar esse tumor como um problema da saúde pública mundial, e lança estratégias para sua eliminação nestas populações até 2030. Neste enfrentamento reduzir mortes de quem já está com a doença é um desafio urgente. Uma das causas dessas mortes é a falha do tratamento, notadamente a existência de tumores radiorresistentes. Diferentes moléculas podem estar envolvidas nesta resistência, sendo algumas delas parte da regulação epigenética da célula. As sirtuínas são uma família de enzimas que atuam em diversos processos celulares, como no apoptose. Sua participação na tumorigênese chama atenção por serem apontadas como potencial alvo molecular terapêutico. Este trabalho teve por objetivo estudar a radiorresistência através das alterações moleculares, com foco no papel das SIRT1 e SIRT5 neste processo. Amostras de biópsia de tecido tumoral, obtidas de pacientes tratadas no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco, de 2018 e 2019, foram coletadas e avaliadas antes de serem submetidas à radioterapia associada à quimioterapia como tratamento exclusivo. Durante esse tempo foi observado e registrado os casos cujo tratamento foi ineficaz, a presença de fatores de mau prognóstico conhecidos e a expressão das sirtuinas nas amostras tumorais. Os achados reforçam o potencial das SIRT1 e SIRT5 como marcador de prognóstico, em especial da SIRT1.


  • Mostrar Abstract
  • O câncer do Colo do Útero é o quarto tipo em incidência nas mulheres em todo mundo, sendo responsável por mais de 700.000 casos ao ano. Desses, cerca de metade morrerão da doença, sobretudo mulheres que vivem em regiões com baixos índices de desenvolvimento. Após o agravo dessa situação no cenário da Pandemia do COVID-19, a Organização Mundial da Saúde, em novembro de 2020, passa a considerar esse tumor como um problema da saúde pública mundial, e lança estratégias para sua eliminação nestas populações até 2030. Neste enfrentamento reduzir mortes de quem já está com a doença é um desafio urgente. Uma das causas dessas mortes é a falha do tratamento, notadamente a existência de tumores radiorresistentes. Diferentes moléculas podem estar envolvidas nesta resistência, sendo algumas delas parte da regulação epigenética da célula. As sirtuínas são uma família de enzimas que atuam em diversos processos celulares, como no apoptose. Sua participação na tumorigênese chama atenção por serem apontadas como potencial alvo molecular terapêutico. Este trabalho teve por objetivo estudar a radiorresistência através das alterações moleculares, com foco no papel das SIRT1 e SIRT5 neste processo. Amostras de biópsia de tecido tumoral, obtidas de pacientes tratadas no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco, de 2018 e 2019, foram coletadas e avaliadas antes de serem submetidas à radioterapia associada à quimioterapia como tratamento exclusivo. Durante esse tempo foi observado e registrado os casos cujo tratamento foi ineficaz, a presença de fatores de mau prognóstico conhecidos e a expressão das sirtuinas nas amostras tumorais. Os achados reforçam o potencial das SIRT1 e SIRT5 como marcador de prognóstico, em especial da SIRT1.

11
  • JOANA DARC ROZENDO DOS SANTOS
  • MECANISMOS GENÉTICOS E EPIGENÉTICOS ENVOLVIDOS NA REGULAÇÃO DO ESTRESSE OXIDATIVO NO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO E NO CÂNCER DE MAMA

  • Orientador : DANYELLY BRUNESKA GONDIM MARTINS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANGELA CASTOLDI DE ALBUQUERQUE
  • DANYELLY BRUNESKA GONDIM MARTINS
  • PRISCILA GUBERT
  • JOSE LUIZ DE FIGUEIREDO
  • PAULO ROBERTO ELEUTERIO DE SOUZA
  • Data: 21/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • O câncer do colo do útero foi o quarto mais frequente em todo o mundo, enquanto o câncer de mama é o mais incidente entre as mulheres no mundo. Evidências abrangentes revelam um papel crucial de fatores epigenéticos, como sirtuínas (SIRTs) e microRNAS (miRNAs) como também o estresse oxidativo (EO) no contexto de resistência terapêutica. O objetivo desse estudo foi identificar genes e moléculas envolvidas nos mecanismos epigenéticos com potencial para serem usados como alvos terapêuticos. O estudo caso-controle com 144 mulheres por genotipagem dos três polimorfismos do óxido nítrico sintase endotelial (eNOS) (-786T> C, 894G> T e VNTR 4 b/a) pelo método polimorfismo de comprimento de fragmento de restrição por reação em cadeia da polimerase (PCR-RLFP) de amostras de sangue periférico. Nos trabalhos de revisão, realizou-se uma busca na literatura e em bancos de dados de genes envolvidos no EO e em mecanismos epigenéticos, relação com resistência a quimioterapia ou radioterapia no câncer cervical e de mama, como também os respectivos miRNAs reguladores. Os polimorfismos eNOS -786T> C e 894G> T não mostraram significância para infecção por HPV ou ocorrência de SIL. Distribuições genotípicas e alélicas de VNTR 4b/a também não foram significativas para infecção por HPV ou presença de SIL. Os resultados evidenciam destaque para os genes Sirtuinas 1 e 2 (SIRT1 e 2), proapoptotic B-cell lymphoma 2-associated X (BAX), [ECH]-associated protein 1 (KEAP1), Nuclear factor (erythroid-derived 2) - like 2 (NRF2), glutathione S-Transferase (GSTs), taxane-resistance protein (TXR1), superoxide dismutase 2 e 3 (SOD2 e SOD3), B cell lymphoma 2 (BCL-2), Muscleblind-like 1 (MBNL1) e multidrug resistance-associated protein 1 e 2 (ABBC1 e ABCC2). SODs, catalase (CAT) e glutaminase (GLS) apresentam um papel forte no contexto de estresse oxidativo do câncer de mama e foram encontrados miRNA que atuam de forma importante sobre esses genes. Os polimorfismos da eNOS avaliados não foram associados a SIL ou infecção por HPV na população recrutada, porém eNOS parece ser um gene candidato importante, e outros estudos em larga escala em diferentes etnias podem contribuir para elucidar seu papel na carcinogênese cervical. A superexpressão de genes do estresse oxidativo em casos de câncer cervical resistentes aos quimioterápicos comumente utilizados, indicam que podem ser alvos terapêuticos a resultar na recuperação da sensibilidade ao tratamento. 17 miRNAs que apresentam potencial para serem validados como biomarcadores preditivos e alvos terapêuticos em pacientes com câncer de mama. Estudos mais aplicados avaliando moléculas inibidoras desses genes são necessários.


  • Mostrar Abstract
  • O câncer do colo do útero foi o quarto mais frequente em todo o mundo, enquanto o câncer de mama é o mais incidente entre as mulheres no mundo. Evidências abrangentes revelam um papel crucial de fatores epigenéticos, como sirtuínas (SIRTs) e microRNAS (miRNAs) como também o estresse oxidativo (EO) no contexto de resistência terapêutica. O objetivo desse estudo foi identificar genes e moléculas envolvidas nos mecanismos epigenéticos com potencial para serem usados como alvos terapêuticos. O estudo caso-controle com 144 mulheres por genotipagem dos três polimorfismos do óxido nítrico sintase endotelial (eNOS) (-786T> C, 894G> T e VNTR 4 b/a) pelo método polimorfismo de comprimento de fragmento de restrição por reação em cadeia da polimerase (PCR-RLFP) de amostras de sangue periférico. Nos trabalhos de revisão, realizou-se uma busca na literatura e em bancos de dados de genes envolvidos no EO e em mecanismos epigenéticos, relação com resistência a quimioterapia ou radioterapia no câncer cervical e de mama, como também os respectivos miRNAs reguladores. Os polimorfismos eNOS -786T> C e 894G> T não mostraram significância para infecção por HPV ou ocorrência de SIL. Distribuições genotípicas e alélicas de VNTR 4b/a também não foram significativas para infecção por HPV ou presença de SIL. Os resultados evidenciam destaque para os genes Sirtuinas 1 e 2 (SIRT1 e 2), proapoptotic B-cell lymphoma 2-associated X (BAX), [ECH]-associated protein 1 (KEAP1), Nuclear factor (erythroid-derived 2) - like 2 (NRF2), glutathione S-Transferase (GSTs), taxane-resistance protein (TXR1), superoxide dismutase 2 e 3 (SOD2 e SOD3), B cell lymphoma 2 (BCL-2), Muscleblind-like 1 (MBNL1) e multidrug resistance-associated protein 1 e 2 (ABBC1 e ABCC2). SODs, catalase (CAT) e glutaminase (GLS) apresentam um papel forte no contexto de estresse oxidativo do câncer de mama e foram encontrados miRNA que atuam de forma importante sobre esses genes. Os polimorfismos da eNOS avaliados não foram associados a SIL ou infecção por HPV na população recrutada, porém eNOS parece ser um gene candidato importante, e outros estudos em larga escala em diferentes etnias podem contribuir para elucidar seu papel na carcinogênese cervical. A superexpressão de genes do estresse oxidativo em casos de câncer cervical resistentes aos quimioterápicos comumente utilizados, indicam que podem ser alvos terapêuticos a resultar na recuperação da sensibilidade ao tratamento. 17 miRNAs que apresentam potencial para serem validados como biomarcadores preditivos e alvos terapêuticos em pacientes com câncer de mama. Estudos mais aplicados avaliando moléculas inibidoras desses genes são necessários.

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02