PPGEOCTG PROGRAMA DE POS-GRADUACAO EM GEOCIENCIAS - CTG DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA - CTG Telefone/Ramal: Não informado

Banca de DEFESA: JOSE DINIZ MADRUGA NETO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : JOSE DINIZ MADRUGA NETO
DATA : 23/02/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Remotamente
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DOS PROCESSOS EROSIVOS E DE VULNERABILIDADE NO LITORAL DO MUNICÍPIO DO PAULISTA – PE, E SUAS IMPLICAÇÕES AMBIENTAIS


PALAVRAS-CHAVES:

Linha de costa; Morfodinâmica; Sedimentologia; Erosão Costeira; Vulnerabilidade Ambiental; Paulista – PE.


PÁGINAS: 225
RESUMO:

Esta pesquisa foi realizada no munícipio do Paulista, litoral norte do estado de Pernambuco (Bacia da Paraíba), entre as praias de Enseadinha, localizada ao norte da desembocadura do rio Paratibe, e o pontal de Maria Farinha, localizada ao sul da desembocadura do rio Timbó. O trabalho teve intuito de levantar informações sobre o sistema costeiro, com base na caracterização morfodinâmica e geoambiental, quantificando o balanço sedimentar através de análises granulométricas; definir uma linha de preamar máxima atual; realizar levantamentos hidrodinâmicos; e analisar a vulnerabilidade das praias do referido município. Para isto, fez-se um monitoramento bimestral com o levantamento de sete perfis topográficos associados a coletas de sedimentos nos setores praiais, tais quais a antepraia, o estirâncio e pós-praia (quando houve), entre os meses de julho/2019 e março/2020. Na correlação dos perfis topográficos associados à sedimentologia das amostras, os resultados indicaram que o balanço sedimentar foi positivo (deposicional) em quatro pontos, sendo o perfil praial 4, na praia de Pau Amarelo, onde houve a maior variação com +17,6m³/m. Em outros três perfis, o balanço final foi negativo, sendo o perfil 2 o que obteve a maior variação negativa com -26,4m³/m. A sedimentologia mostrou que aproximadamente 90% das 79 amostras coletadas foram classificadas na fração areia. O perfil 4 apresentou 100% das amostras com assimetria negativa, típica de ambientes praiais, e que, associada a outros parâmetros, podem indicar áreas que estão em processo de erosão. No que se refere ao levantamento da linha de preamar máxima, constatou-se a retrogradação da linha de costa em grande parte da área de estudo, em virtude, sobretudo, da ocupação desordenada no litoral, onde a população busca cada vez mais morar em frente ao mar, realizando, para isso, obras antrópicas e invadindo a faixa de praia. Com relação a análise da vulnerabilidade, foram utilizadas duas variáveis: a Costeira e a Continental. De modo geral, os indicadores utilizados revelaram um litoral altamente vulnerável, com aproximadamente 65% da linha de costa apresentando intenso processo erosivo, com a presença de obras de proteção costeira sem uma fundamentação técnica adequada, e/ou em mau estado de conservação. Em 31% da área de estudo, a vulnerabilidade foi classificada como moderada, apresentando em geral uma faixa de praia estreita, vegetação do tipo gramínea e um baixo quantitativo de ocupações. Apenas no extremo norte da área, no pontal da praia de Maria Farinha, representando 4% da área de estudo, a vulnerabilidade foi classificada como baixa. Isto ocorreu, sobretudo, pelo bom suprimento sedimentar na área, acresção da linha de costa, presença de bancos de areia e, principalmente, pela ausência de ocupações.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - FABIO JOSÉ DE ARAÚJO PEDROSA - UPE
Externa à Instituição - ROCHANA CAMPOS DE ANDRADE LIMA SANTOS - UFAL
Presidente - 1130631 - VALDIR DO AMARAL VAZ MANSO
Notícia cadastrada em: 21/02/2022 15:15
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02