Banca de DEFESA: KALYNE MONIQUE LOPES DE BRITO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : KALYNE MONIQUE LOPES DE BRITO
DATA : 25/05/2022
HORA: 09:00
LOCAL: GMEET
TÍTULO:

ANÁLISE IMUNOHISTOQUÍMICA DOS MARCADORES CD68, CD123+ E TCD4+ EM LESÕES DE PACIENTES COM LEISHMANIOSE TEGUMENTAR


PALAVRAS-CHAVES:

leishmaniose tegumentar; biomarcadores; imunohistoquímica.


PÁGINAS: 69
RESUMO:

A Leishmaniose Tegumentar (LT) é uma antropozoonose crônica que acomete cartilagens, mucosas e pele. As alterações histopatológicas consistem em um infiltrado de células inflamatórias com reações granulomatosas com ou sem necrose. O trabalho objetivou avaliar as células envolvidas no infiltrado inflamatório - macrófagos, linfócitos T e células dendríticas nas lesões de Leishmaniose Tegumentar Humana. O estudo foi realizado no período de janeiro de 2016 a dezembro de 2019 em pacientes atendidos no serviço de Dermatologia. As biópsias recolhidas foram submetidas a PCR para detecção da Leishmania brasiliensis. As amostras positivadas seguiram para o ensaio imunohistoquímico (IMQH), para identificação das células envolvidas no infiltrado inflamatório, utilizando os anticorpos CD68, TCD4+ e CD123+. Dos 108 pacientes examinados, 34 deles positivaram para Leishmania braziliensis e em um foi possível identificar a amastigota, forma infectante; dos quais 21 pacientes (correspondendo às 22 amostras de tegumento que seguiram para a IMQH). Das 22 amostras, 15/22 corresponderam a dermatite granulomatosa e 4/22 à fibrose dérmica cicatricial. Aproximadamente 91% dos casos de dermatite granulomatosa apresentaram granuloma, destes apenas 9% das úlceras crônicas ativas apresentaram granuloma. Quanto ao número de células, a mais frequente foram os macrófagos, com prevalência de 62%, seguido por 23% de células TCD4+ e 15% de células dendríticas. Ao analisar individualmente os tipos de células e o diagnóstico histopatológico, verificamos que os resultados demonstraram, por meio do Teste G – Independência, que não houve associação estatística significante (p>0,05) entre a presença de macrófagos, de células dendríticas e de células T CD4+ e o diagnóstico histopatológico, provavelmente devido ao baixo número de pacientes, a falta de informação quanto ao tempo de evolução da lesão e as perdas das amostras parafinadas no estudo.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 056.786.584-33 - GILBERTO NICACIO BATISTA - UFPE
Presidente - 1805809 - JULIANA PINTO DE MEDEIROS
Externa à Instituição - VERÔNICA SANTOS BARBOSA
Interno - 2858463 - WHEVERTON RICARDO CORREIA DO NASCIMENTO
Notícia cadastrada em: 23/05/2022 14:28
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01.ufpe.br.sigaa01