Banca de DEFESA: GEORGE MARINHO DO NASCIMENTO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: GEORGE MARINHO DO NASCIMENTO
DATA : 28/11/2023
HORA: 13:00
LOCAL: INTM
TÍTULO:

INFLUÊNCIA DO DESGASTE DE FLANCO NO ACABAMENTO SUPERFICIAL, NO TORNEAMENTO COM PROTEÇÃO GASOSA – ARGÔNIO, DA LIGA AEROESPACIAL Ti-6Al-4V CONSIDERANDO A CONFIABILIDADE METROLÓGICA


PALAVRAS-CHAVES:

usinagem com proteção gasosa, usinagem liga Ti6Al4V, rugosidade, desgaste de flanco.


PÁGINAS: 122
RESUMO:

Este trabalho busca, a partir de experimentos de usinagem – torneamento CNC, que acontecerá em três condições distintas: corte à seco, corte com fluído de corte líquido e corte com atmosfera de proteção inerte, Argônio gás, metrologia dimensional e análise de superfície, desenvolver um estudo para a elaboração de fatores de correção para parâmetros de usinagem, que possam ser empregados no sentido de atenuarem as variações dimensionais e de acabamento superficial provocadas pelos efeitos do desgaste de flanco, das ferramentas de corte, durante as operações de usinagem mecânica. Um efeito imediato provocado pelo desgaste de flanco é o aumento do atrito entre a ferramenta e a peça trabalhada que, dentre outros aspectos nocivos ao processo, provoca o aumento da força de corte aumentando as vibrações na máquina e isso tem ligação direta com as variações dimensionais e de qualidade de superfície das peças torneadas. A escolha do material Ti-6Al-4V, uma das mais importantes ligas de Titânio, para o nosso experimento ocorre em função da sua grande aplicação na indústria aeroespacial. Os transtornos causados pela sua baixa usinabilidade motivaram a nossa escolha tendo em vista a possibilidade de contribuirmos para a melhoria da produtividade na usinagem mecânica deste material. Geralmente são fixados os parâmetros de usinagem, e se vai variando apenas um deles e medindo-se as variações, porém, não se leva em consideração a incerteza na medição tanto dimensional quanto de acabamento superficial. Fixamos os parâmetros de usinagem dentro dos limites recomendados pelo fabricante da ferramenta de corte, e acompanhamos as variações no acabamento superficial da peça usinada, em função do desgaste de flanco da ferramenta utilizada na usinagem. Realizamos esse estudo considerando a incerteza de medição de cada parâmetro de rugosidade medido (Ra, Rt, Rq e Rz), bem como realizando-se um tratamento estatístico, envolvendo testes de normalidade, determinação do tamanho mínimo das amostras e a verificação de possíveis outliers, utilizando-se mais de um teste. Inferências estatísticas verificaram, em termos de desgaste de flanco e acabamento de superfície, qual o meio mais vantajoso de se utilizar na usinagem desta liga. Análises da correlação do tempo de corte com o desgaste de flanco, VB, indicaram menor desgaste da ferramenta na usinagem de acabamento em atmosfera protetora de argônio. Quando da comparação do VB com o meio e o avanço, o meio argônio manteve seu desempenho no avanço médio. O fato de as ferramentas e fluídos de corte representam até 21% dos custos globais de produção, em se tratando da usinagem do titânio e suas ligas, sendo 2 a 4% para as ferramentas de corte e 17% para os fluídos de corte foi determinante a classificação dos parâmetros e do meio mais produtivos par a execução dessa usinagem.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2619305 - CARLOS AUGUSTO DO NASCIMENTO OLIVEIRA
Interno - 2296912 - OSCAR OLIMPIO DE ARAUJO FILHO
Externo à Instituição - RODRIGO JOSE FERREIRA DA SILVA - IFPE
Externo à Instituição - ROGERIO PONTES DE ARAUJO - UPE
Notícia cadastrada em: 24/11/2023 14:22
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa11.ufpe.br.sigaa11