PPGST PROGRAMA DE POS-GRADUACAO EM SAUDE TRANSLACIONAL - CCM CENTRO DE CIENCIAS MEDICAS - CCM Telefone/Ramal: Não informado
Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFPE

2022
Dissertações
1
  • PAULA ARARUNA BERTAO
  • ASSOCIAÇÃO ENTRE RISCO DE CARDIOTOXICIDADE E ACHADOS ELETROCARDIOGRÁFICOS NOS PACIENTES SUBMETIDOS À QUIMIOTERAPIA COM ANTRACICLINA

  • Orientador : BRIVALDO MARKMAN FILHO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRIVALDO MARKMAN FILHO
  • MARCELO RENATO GUERINO
  • SANDRO GONCALVES DE LIMA
  • SIMONE CRISTINA SOARES BRANDAO
  • Data: 19/07/2022

  • Mostrar Resumo
  • Introdução: O tratamento quimioterápico com antraciclina está associado a cardiotoxicidade. O ecocardiograma é uma ferramenta útil na detecção de injúria miocárdica precoce. O eletrocardiograma ainda não tem papel estabelecido neste cenário. Objetivo: Analisar a associação entre alterações eletrocardiográficas e desenvolvimento de cardiotoxicidade subclínica nos pacientes oncológicos submetidos a tratamento com antraciclina. Métodos: Coorte prospectiva de pacientes oncológicos tratados com antraciclina. Foram realizados ecocardiogramas transtorácicos com strain longitudinal global e eletrocardiograma antes do início do tratamento, aos 3 e 6 meses de seguimento para avaliar a presença ou não de cardiotoxicidade subclínica, definida por queda relativa do strain longitudinal global superior a 15% em relação a medida inicial em pelo menos um ecocardiograma. Foi aplicado teste exato de Fisher para avaliar essa associação. Resultados: Dos 33 pacientes incluídos (idade média = 49 ± 9,5 anos), 23 tinham câncer de mama. Oito (24,24%) apresentaram cardiotoxicidade subclínica. O QTc nas mulheres foi maior que o inicial aos 6 meses tanto por Bazett quanto por Fridericia (p = 0,011 e p =0,038, respectivamente). Houve associação, nas mulheres, entre QTc > 460ms (corrigido por Bazett) aos 3 meses e queda do strain longitudinal global >15% nesse período (p=0,043). Conclusão: A presença de QTc > 460ms aos 3 meses nas mulheres esteve associada a cardiotoxicidade subclínica.

     
     
     

  • Mostrar Abstract
  • Introduction: Anthracycline chemotherapy treatment is associated with cardiotoxicity. Echocardiography is a useful tool in the detection of early myocardial injury. The electrocardiogram still has no established role in this scenario. Objective: To analyze the association between electrocardiographic changes and the development of subclinical cardiotoxicity in cancer patients undergoing treatment with anthracycline. Methods: Prospective cohort of cancer patients treated with anthracycline. Transthoracic echocardiograms with global longitudinal strain and electrocardiogram were performed before the start of treatment, at 3 and 6 months of follow-up to assess the presence or absence of subclinical cardiotoxicity, defined by a relative drop in global longitudinal strain greater than 15% in relation to the initial measurement. on at least one echocardiogram. Fisher's exact test was applied to assess this association. Results: Of the 33 patients included (mean age = 49 ± 9.5 years), 23 had breast cancer. Eight (24.24%) had incipient cardiotoxicity. QTc in women was higher than baseline at 6 months by both Bazett and Fridericia (p = 0.011 and p =0.038, respectively). There was an association, in women, between QTc > 460ms (corrected by Bazett) at 3 months and a drop in global longitudinal strain >15% in this period (p=0.043). Conclusion: The presence of QTc > 460ms at 3 months in women was associated with subclinical cardiotoxicity.

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01.ufpe.br.sigaa01