Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFPE

2022
Dissertações
1
  • CICERA LEIDIANE LIMA DA SILVA
  • EXPRESSÃO DO RACISMO EM CONTOS DA LITERATURA CLÁSSICA BRASILEIRA: UMA PROPOSTA DE LEITURA TEMÁTICA PARA O 9º ANO

  • Orientador : ADRIANO CARLOS DE MOURA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANO CARLOS DE MOURA
  • EDVÂNEA MARIA DA SILVA
  • MARIA NAZARETH DE LIMA ARRAIS
  • Data: 12/01/2022

  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa visa apresentar uma proposta de oficinas de leitura, utilizando a teoria da semiótica francesa direcionada ao gênero conto com a finalidade de contribuir com a melhora na leitura e na compreensão textual dos alunos. Como produtos finais deste trabalho, buscamos disponibilizar, além das oficinas, dois jogos educativos baseados nos conceitos semióticos do percurso gerativo de sentidos greimasianos. Trata-se de atividades propositivas com a utilização dos contos “Pai contra mãe”, de Machado de Assis, e “Negrinha”, de e Monteiro Lobato. Esses textos abordam situações que fazem parte da nossa história enquanto povo brasileiro e nos possibilitam o trabalho com a temática da desigualdade social e o preconceito racial. Temos por objetivo principal analisar como acontece a expressão do racismo nos contos “Negrinha”, de Monteiro Lobato, e “Pai contra mãe”, de Machado de Assis, como discussão necessária para a Educação Básica. Buscamos, nos objetivos específicos, articular conceitos básicos da Semiótica Discursiva, com ênfase nos temas e figuras; bem como apresentar a atuação dos atores no tempo e no espaço, como articuladores da emergência temática no corpus de análise; e elaborar uma oficina de leitura literária com apoio na Semiótica Discursiva. Para atingirmos esses objetivos, sustentamo-nos numa investigação de caráter quali-quantitativo, com o direcionamento do trabalho dividido em etapas, desde o despertar sobre o tema abordado e o gênero textual escolhido, até a análise semiótica desenvolvida. As oficinas de leitura desta pesquisa são de criação própria com a análise dos textos. Também nos embasamos nos estudos de Platão e Fiorin (1999) e Kleiman (1989) como contribuição para o conceito de leitura. Temos Piglia (1994) e Moisés (1990) no estudo do gênero conto e, ao tratarmos da teoria da semiótica, nossa base se funda na teoria semiótica de linha francesa, mais especificamente, nos trabalhos de Greimas e Courtés (1989), Barros (2002), Fiorin (2016). Tomamos como elemento norteador da elaboração das oficinas os documentos oficiais, tais como: os Parâmetros Curriculares de Pernambuco (2012a; 2012b), a Base Nacional Comum Curricular (BNCC, 2017), dentre outros. O material disponibilizado com a pesquisa traz uma contribuição para as aulas Língua Portuguesa no processo de compreensão textual e, consequentemente, no despertar do gosto pela leitura.

     


  • Mostrar Abstract
  • Esta pesquisa visa apresentar uma proposta de oficinas de leitura, utilizando a teoria da semiótica francesa direcionada ao gênero conto com a finalidade de contribuir com a melhora na leitura e na compreensão textual dos alunos. Como produtos finais deste trabalho, buscamos disponibilizar, além das oficinas, dois jogos educativos baseados nos conceitos semióticos do percurso gerativo de sentidos greimasianos. Trata-se de atividades propositivas com a utilização dos contos “Pai contra mãe”, de Machado de Assis, e “Negrinha”, de e Monteiro Lobato. Esses textos abordam situações que fazem parte da nossa história enquanto povo brasileiro e nos possibilitam o trabalho com a temática da desigualdade social e o preconceito racial. Temos por objetivo principal analisar como acontece a expressão do racismo nos contos “Negrinha”, de Monteiro Lobato, e “Pai contra mãe”, de Machado de Assis, como discussão necessária para a Educação Básica. Buscamos, nos objetivos específicos, articular conceitos básicos da Semiótica Discursiva, com ênfase nos temas e figuras; bem como apresentar a atuação dos atores no tempo e no espaço, como articuladores da emergência temática no corpus de análise; e elaborar uma oficina de leitura literária com apoio na Semiótica Discursiva. Para atingirmos esses objetivos, sustentamo-nos numa investigação de caráter quali-quantitativo, com o direcionamento do trabalho dividido em etapas, desde o despertar sobre o tema abordado e o gênero textual escolhido, até a análise semiótica desenvolvida. As oficinas de leitura desta pesquisa são de criação própria com a análise dos textos. Também nos embasamos nos estudos de Platão e Fiorin (1999) e Kleiman (1989) como contribuição para o conceito de leitura. Temos Piglia (1994) e Moisés (1990) no estudo do gênero conto e, ao tratarmos da teoria da semiótica, nossa base se funda na teoria semiótica de linha francesa, mais especificamente, nos trabalhos de Greimas e Courtés (1989), Barros (2002), Fiorin (2016). Tomamos como elemento norteador da elaboração das oficinas os documentos oficiais, tais como: os Parâmetros Curriculares de Pernambuco (2012a; 2012b), a Base Nacional Comum Curricular (BNCC, 2017), dentre outros. O material disponibilizado com a pesquisa traz uma contribuição para as aulas Língua Portuguesa no processo de compreensão textual e, consequentemente, no despertar do gosto pela leitura.

     

2
  • NIEDJA KARLA DA CRUZ E SILVA RODRIGUES
  • CONTRIBUIÇÕES DA CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA E DAS CORRESPONDÊNCIAS GRAFOFÔNICAS EM ESTUDANTES COM INDÍCIOS DE DISLEXIA NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

  • Orientador : ADRIANO CARLOS DE MOURA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANO CARLOS DE MOURA
  • ANA CLAUDIA RODRIGUES GONCALVES PESSOA
  • HERICA KARINA CAVALCANTI DE LIMA
  • Data: 13/01/2022

  • Mostrar Resumo
  • A dissertação intitulada Contribuições da Consciência Fonológica e das Correspondências Grafofônicas em Estudantes com sinais de Dislexia nos Anos Finais do Ensino Fundamental objetiva contribuir para uma melhor compreensão dos aspectos da consciência fonológica e as relações grafofonêmicas no desenvolvimento da fluência de alunos da modalidade de ensino citada que apresentam sinais de dislexia. A presente pesquisa apresenta como aporte teórico abordagens sobre as Inteligências Múltiplas de Howard Gardner com reflexões sobre a dislexia: definição do transtorno; abordagens de ensino; reflexão de um paradigma educacional na política de inclusão; explanação de metodologias para o desenvolvimento das habilidades de consciência fonológica em estudantes que apresentem qualquer tipo ineficiência no processo ensino e aprendizagem da Língua Portuguesa. Foram planejadas, organizadas e desenvolvidas oficinas com procedimentos voltados para o desenvolvimento da consciência fonológica e das relações grafofonêmicas. Em consonância com as premissas defendidas por autores como Gardner (1995), Morais (2019), entre outros, percebeu-se que as metodologias voltadas para reflexão acerca dos mecanismos fonêmicos e a explicitação das relações grafofonológicas contribuem para melhorar as habilidades de leitura dos alunos, os quais podem obter benefícios expressivos em fluência, precisão e consciência fonológica.  O estudo consubstanciado através de leituras pertinentes e intrínsecas ao objeto de pesquisa, além da investigação e análise integrativa de artigos relacionados ao tema, indica a urgente necessidade de pesquisas e estudos científicos relacionados às estratégias de ensino da Língua Portuguesa destinada aos estudantes disléxicos. Nas considerações finais, são apresentadas propostas direcionadas à melhoria da qualidade do ensino de estudantes portadores de dislexia.


  • Mostrar Abstract
  • A dissertação intitulada Contribuições da Consciência Fonológica e das Correspondências Grafofônicas em Estudantes com sinais de Dislexia nos Anos Finais do Ensino Fundamental objetiva contribuir para uma melhor compreensão dos aspectos da consciência fonológica e as relações grafofonêmicas no desenvolvimento da fluência de alunos da modalidade de ensino citada que apresentam sinais de dislexia. A presente pesquisa apresenta como aporte teórico abordagens sobre as Inteligências Múltiplas de Howard Gardner com reflexões sobre a dislexia: definição do transtorno; abordagens de ensino; reflexão de um paradigma educacional na política de inclusão; explanação de metodologias para o desenvolvimento das habilidades de consciência fonológica em estudantes que apresentem qualquer tipo ineficiência no processo ensino e aprendizagem da Língua Portuguesa. Foram planejadas, organizadas e desenvolvidas oficinas com procedimentos voltados para o desenvolvimento da consciência fonológica e das relações grafofonêmicas. Em consonância com as premissas defendidas por autores como Gardner (1995), Morais (2019), entre outros, percebeu-se que as metodologias voltadas para reflexão acerca dos mecanismos fonêmicos e a explicitação das relações grafofonológicas contribuem para melhorar as habilidades de leitura dos alunos, os quais podem obter benefícios expressivos em fluência, precisão e consciência fonológica.  O estudo consubstanciado através de leituras pertinentes e intrínsecas ao objeto de pesquisa, além da investigação e análise integrativa de artigos relacionados ao tema, indica a urgente necessidade de pesquisas e estudos científicos relacionados às estratégias de ensino da Língua Portuguesa destinada aos estudantes disléxicos. Nas considerações finais, são apresentadas propostas direcionadas à melhoria da qualidade do ensino de estudantes portadores de dislexia.

3
  • CLAUDIA BEZERRA DA COSTA
  • O ensino da leitura na Educação de Jovens e Adultos (EJA): análise de
    material didático

  • Orientador : ANA MARIA COSTA DE ARAUJO LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA MARIA COSTA DE ARAUJO LIMA
  • JOSE HERBERTT NEVES FLORENCIO
  • LILIAN NOEMIA TORRES DE MELO GUIMARÃES
  • Data: 24/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação se insere na temática do eixo leitura e pretende propor um material de leitura com
    atividades direcionadas às turmas de EJA, que contemplem as estratégias cognitivas de leitura.
    Além disso, averiguamos quantas questões apresentadas no caderno de atividades Turbine Seu
    Conhecimento contemplam no eixo leitura e quais estratégias de leitura aparecem com mais
    frequência nessas questões. Nossa pesquisa é documental e escolhemos os cadernos do módulo IV
    da EJA (Educação de Jovens e Adultos) por lecionar nessas turmas há mais de cinco anos, como
    professora de Língua Portuguesa, do município de Jaboatão dos Guararapes. Observamos as
    necessidades que existem, principalmente com as práticas de leitura, pois o PNLD não contempla as
    turmas da EJA e não há outro material didático direcionado a essas turmas. Com a pandemia do
    COVID 19, as escolas desse município foram fechadas e, por isso, os alunos receberam,
    mensalmente, os cadernos de atividades Turbine Seu Conhecimento. Escolhemos quatro cadernos
    como corpus da nossa pesquisa. Dentre esses, dois foram elaborados pela equipe técnica da
    Secretaria de Educação do município de Jaboatão dos Guararapes e os outros dois, elaborados
    pelos professores vinculados a essa rede. Todos os cadernos selecionados são do módulo IV. Ao
    analisarmos os cadernos, percebemos que parte das questões avaliadas não contemplavam o eixo
    leitura – apenas trinta e cinco questões, das sessenta questões investigadas, contemplaram o eixo
    leitura. Os resultados foram apresentados em gráficos, discutidos e exemplificados com questões
    dos cadernos. Diante dos resultados alcançados, constatamos a necessidade de uma proposta de
    intervenção a fim de contribuir com as práticas de leitura nas turmas da EJA. Com isso, sugerimos a
    produção de caderno de atividades com questões de LP que contemplem as estratégias de leitura,
    sugeridas nos PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) e a BNCC (Base Nacional Comum Curricular).
    Os cadernos que serão elaborados deverão ser entregues aos alunos, mensalmente, inclusive, pós-
    pandemia, servindo também como material de apoio didático nas aulas de LP, nas turmas da EJA.
    Durante nosso estudo, elencamos as estratégias de leitura e suas contribuições na formação do
    leitor proficiente. Buscamos referências em documentos oficiais, como os PCN e a BNCC, e em
    autores que investigam o tema em estudo.


  • Mostrar Abstract
  • Esta dissertação pretende investigar se, nas questões apresentadas no caderno de atividades Turbine seu Conhecimento, distribuído aos estudantes da Educação de Jovens e Adultos (EJA), estão contempladas as estratégias de leitura. Os sujeitos da nossa pesquisa foram alunos da EJA de uma escola pública do município de Jaboatão dos Guararapes, turma na qual temos lecionado Língua Portuguesa há mais de cinco anos. A pesquisa se justifica porque os alunos da EJA demonstram grandes dificuldades com as práticas de leitura, e os materiais didáticos não são contemplados pelo PNLD. Com a pandemia de COVID-19, as escolas desse município não funcionaram e os alunos da EJA receberam, mensalmente, cadernos de atividades intitulados Turbine seu Conhecimento. Nosso corpus de pesquisa consiste em quatro desses cadernos: os dois primeiros foram elaborados pela equipe técnica da Secretaria de Educação do município de Jaboatão dos Guararapes; e os outros dois foram elaborados pelos professores vinculados a essa rede. A análise desse material didático revelou que muitas questões não contemplavam o eixo leitura – apenas 35 (trinta e cinco), de um total de 60 (sessenta) questões. Assim, constatamos a necessidade de fazermos uma proposta de intervenção, a fim de oportunizar aos alunos da EJA um trabalho mais consistente com o eixo da leitura. Então, sugerimos a produção de um caderno de atividades com questões de LP que contemplem as estratégias de leitura sugeridas nos PCN (Parâmetros Curriculares Nacionais) e na BNCC (Base Nacional Comum Curricular). Os cadernos elaborados deverão ser entregues aos alunos, mensalmente, inclusive pós-pandemia, servindo também como material de apoio didático nas aulas de LP, nas turmas da EJA.

4
  • ANA LUCIA DE MIRANDA LYRA
  • “Como compreender textos híbridos? Reflexões a partir de oficinas pedagógicas de linguagem nos anos finais do Ensino Fundamental”

  • Orientador : HERICA KARINA CAVALCANTI DE LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • EWERTON AVILA DOS ANJOS LUNA
  • HERICA KARINA CAVALCANTI DE LIMA
  • MARIA CLARA CATANHO CAVALCANTI
  • Data: 20/03/2022

  • Mostrar Resumo
  • “Como compreender textos híbridos? Reflexões a partir de oficinas pedagógicas de linguagem nos anos finais do Ensino Fundamental”


  • Mostrar Abstract
  • “Como compreender textos híbridos? Reflexões a partir de oficinas pedagógicas de linguagem nos anos finais do Ensino Fundamental”

2021
Dissertações
1
  • EDILENE GOMES TÁVORA
  • UTILIZAÇÃO DOS MEMES NO DESENVOLVIMENTO DA COMPREENSÃO LEITORA DO 8º ANO

  • Orientador : DILMA TAVARES LUCIANO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DILMA TAVARES LUCIANO
  • JOSE HERBERTT NEVES FLORENCIO
  • LILIAN NOEMIA TORRES DE MELO GUIMARÃES
  • Data: 20/09/2021

  • Mostrar Resumo
  • Esta pesquisa tem como tema a utilização dos memes no desenvolvimento da compreensão leitora. Parte da percepção do meme como um gênero multimodal emergente na internet ainda pouco discutido no meio acadêmico e ausente, em certa medida, do ambiente de ensino e aprendizagem da língua materna, ainda que seja possível verificar a sua utilização pelos discentes cotidianamente. A partir dessa realidade, o objetivo deste trabalho de pesquisa é contribuir através de uma abordagem pedagógico-didática dos memes, voltada para o desenvolvimento da competência leitora de alunos no 8º ano do Ensino Fundamental – Anos Finais, por meio do recurso ao gênero multimodal escolhido e com vistas à mobilização do pensamento reflexivo-crítico acerca do tema Covid-19, presentes nos memes analisados. Compreende, assim, que a leitura é repleta de significados não apenas para os aprendizes, pois todos tem vivenciado esse momento histórico. Como lastro teórico, assume os estudos sobre memes de Dawkins ([1976] 2001) e Lima-Neto (2014), a Teoria de Gêneros do Discurso (cf. BAKTHIN, 2000; MARCUSSHI, 2008) e a concepção de compreensão leitora presente em Solé (1998), em Kleiman (2013) e em Koch (2009ª, 2009b). Além disso, identifica e reflete sobre os gêneros multimodais conforme proposto nos documentos oficiais da educação, nomeadamente os “Parâmetros para a Educação Básica do Estado de Pernambuco” e a “Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental”, bem como sua presença no livro didático adotado para o Ensino Fundamental II, em uma escola da rede pública de PE. A análise de dados do gênero textual meme, os estudos teóricos e as atividades pedagógico-didáticas propostas tiveram como objetivo  desenvolver a habilidade leitora, refletindo sobre aportes teórico-metodológicos que contribuíssem na melhoria do ensino da compreensão leitora do gênero multimodal meme. Para tanto, identifica estratégias de leitura necessárias para mobilizar sobretudo o conhecimento enciclopédico presente nos memes tomados como objetos de leitura, e apresentados no interior da proposta de sequência didática oferecida como um instrumento relevante para o trabalho docente a ser desenvolvido na leitura desse gênero.


  • Mostrar Abstract
  • Esta pesquisa tem como tema a utilização dos memes no desenvolvimento da compreensão leitora. Parte da percepção do meme como um gênero multimodal emergente na internet ainda pouco discutido no meio acadêmico e ausente, em certa medida, do ambiente de ensino e aprendizagem da língua materna, ainda que seja possível verificar a sua utilização pelos discentes cotidianamente. A partir dessa realidade, o objetivo deste trabalho de pesquisa é contribuir através de uma abordagem pedagógico-didática dos memes, voltada para o desenvolvimento da competência leitora de alunos no 8º ano do Ensino Fundamental – Anos Finais, por meio do recurso ao gênero multimodal escolhido e com vistas à mobilização do pensamento reflexivo-crítico acerca do tema Covid-19, presentes nos memes analisados. Compreende, assim, que a leitura é repleta de significados não apenas para os aprendizes, pois todos tem vivenciado esse momento histórico. Como lastro teórico, assume os estudos sobre memes de Dawkins ([1976] 2001) e Lima-Neto (2014), a Teoria de Gêneros do Discurso (cf. BAKTHIN, 2000; MARCUSSHI, 2008) e a concepção de compreensão leitora presente em Solé (1998), em Kleiman (2013) e em Koch (2009ª, 2009b). Além disso, identifica e reflete sobre os gêneros multimodais conforme proposto nos documentos oficiais da educação, nomeadamente os “Parâmetros para a Educação Básica do Estado de Pernambuco” e a “Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para a Educação Infantil e o Ensino Fundamental”, bem como sua presença no livro didático adotado para o Ensino Fundamental II, em uma escola da rede pública de PE. A análise de dados do gênero textual meme, os estudos teóricos e as atividades pedagógico-didáticas propostas tiveram como objetivo  desenvolver a habilidade leitora, refletindo sobre aportes teórico-metodológicos que contribuíssem na melhoria do ensino da compreensão leitora do gênero multimodal meme. Para tanto, identifica estratégias de leitura necessárias para mobilizar sobretudo o conhecimento enciclopédico presente nos memes tomados como objetos de leitura, e apresentados no interior da proposta de sequência didática oferecida como um instrumento relevante para o trabalho docente a ser desenvolvido na leitura desse gênero.

2
  • ADA JULIANA DO NASCIMENTO
  • ESTUDOS CRÍTICOS DO DISCURSO E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA A PARTIR DE POSTAGENS DE TEMÁTICA AMBIENTAL NO INSTAGRAM

  • Orientador : MARIA CLARA CATANHO CAVALCANTI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • HERICA KARINA CAVALCANTI DE LIMA
  • LILIAN NOEMIA TORRES DE MELO GUIMARÃES
  • MARIA CLARA CATANHO CAVALCANTI
  • Data: 21/09/2021

  • Mostrar Resumo
  • Este estudo tem como objetivo principal contribuir com o ensino de Língua Portuguesa a partir dos estudos críticos do discurso através de análises de postagens da rede social Instagram sobre a temática do meio ambiente. Almejamos colaborar com o desenvolvimento da leitura crítica dos estudantes da etapa do Ensino Básico no Brasil, sobretudo da modalidade da Educação de Jovens e Adultos. A partir de uma proposta de oficinas de leitura de postagens do Instagram, que versam sobre a temática do meio ambiente, mais especificamente as que se relacionam às queimadas ocorridas na Amazônia e no Pantanal ao longo de 2019 e 2020, aspiramos entender, como pesquisadora e docente, como um conjunto de atividades sistematicamente organizadas pode assistir o estudante a desenvolver suas habilidades de leitura crítica. Nossa pesquisa se fundamentou no enquadre teórico da Análise Crítica do Discurso (ACD), especialmente nos estudos de Fairclough (1989, [1992] 2008, 2003, [2001] 2009, [1995] 2010) e Chouliaraki e Fairclough (1989). A construção de nossos planos de aulas tem como procedimentos principais aplicações de questionários com questões objetivas e subjetivas, aplicação de ficha de atividades de leitura, atividades em equipe, leitura colaborativa e rodas de conversa. Todas essas atividades levantam reflexões acerca de hegemonia, ideologia, dominação e relações de poder nos discursos ambientais das páginas das instituições que fazem parte do nosso corpus de pesquisa através de análises sobre o propósito comunicativo das postagens, a significação das palavras, intertextualidade, interdiscursividade e tema. O desenvolvimento dessa pesquisa mostrou-nos que é possível e factível, ainda que exija muito mais empenho dos professores, contribuir com a formação de cidadãos críticos, autônomos e participativos através da promoção de um ensino de Língua Portuguesa que ofereça experiências significativas de leitura aos estudantes.


  • Mostrar Abstract
  • Este estudo tem como objetivo principal contribuir com o ensino de Língua Portuguesa a partir dos estudos críticos do discurso através de análises de postagens da rede social Instagram sobre a temática do meio ambiente. Almejamos colaborar com o desenvolvimento da leitura crítica dos estudantes da etapa do Ensino Básico no Brasil, sobretudo da modalidade da Educação de Jovens e Adultos. A partir de uma proposta de oficinas de leitura de postagens do Instagram, que versam sobre a temática do meio ambiente, mais especificamente as que se relacionam às queimadas ocorridas na Amazônia e no Pantanal ao longo de 2019 e 2020, aspiramos entender, como pesquisadora e docente, como um conjunto de atividades sistematicamente organizadas pode assistir o estudante a desenvolver suas habilidades de leitura crítica. Nossa pesquisa se fundamentou no enquadre teórico da Análise Crítica do Discurso (ACD), especialmente nos estudos de Fairclough (1989, [1992] 2008, 2003, [2001] 2009, [1995] 2010) e Chouliaraki e Fairclough (1989). A construção de nossos planos de aulas tem como procedimentos principais aplicações de questionários com questões objetivas e subjetivas, aplicação de ficha de atividades de leitura, atividades em equipe, leitura colaborativa e rodas de conversa. Todas essas atividades levantam reflexões acerca de hegemonia, ideologia, dominação e relações de poder nos discursos ambientais das páginas das instituições que fazem parte do nosso corpus de pesquisa através de análises sobre o propósito comunicativo das postagens, a significação das palavras, intertextualidade, interdiscursividade e tema. O desenvolvimento dessa pesquisa mostrou-nos que é possível e factível, ainda que exija muito mais empenho dos professores, contribuir com a formação de cidadãos críticos, autônomos e participativos através da promoção de um ensino de Língua Portuguesa que ofereça experiências significativas de leitura aos estudantes.

3
  • ISRAEL JOSE DE LIMA JUNIOR
  • Ensino de gramática em perspectiva dialógica: trabalhando com o gênero
    discursivo charge

  • Orientador : ANA MARIA COSTA DE ARAUJO LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA MARIA COSTA DE ARAUJO LIMA
  • ELIETE CORREIA DOS SANTOS
  • JOSE HERBERTT NEVES FLORENCIO
  • MARIA CLARA CATANHO CAVALCANTI
  • Data: 05/10/2021

  • Mostrar Resumo
  • Este trabalho objetiva analisar o ensino de gramática em perspectiva dialógica, a partir da
    especificidade do gênero discursivo charge. Nosso interesse por esse tema partiu da vivência do
    autor enquanto professor nos anos finais do Ensino Fundamental, ao se deparar com estudantes
    que apresentavam muitas dificuldades de interpretação de textos, estando presos a construções
    puramente gramaticais da língua. Nossa hipótese é a de que o estudo dos gêneros discursivos
    permite que os alunos não apenas se prendam à estrutura do enunciado, mas também a três
    dimensões em conjunto: conteúdo temático, estilo e forma composicional (BAKHTIN, 2006).
    Tomamos como referencial teórico alguns autores que compõem o círculo de Bakhtin, como
    Bakhtin, 2006 [1979], Medviédev, 2016 [1928]) e Volóchinov, 2017 [1929]. Nossa pretensão foi
    realizar um estudo descritivo e analítico que revisitasse o ensino de gramática tradicional que é
    evidenciado a partir do gênero charge em livros didáticos e, a partir dessa investigação, realizar
    uma intervenção propositiva, ou seja, propor novas metodologias para o ensino de gramática em
    sala de aula, por meio do gênero discursivo charge. Nossa proposta é a de trabalhar com as charges
    em uma turma do 9º ano, pela instituição de uma sequência didática, visando auxiliar os discentes
    a dominarem o gênero escolhido, cuja escrita ou fala se dá de maneira mais adequada numa dada
    situação de comunicação (DOLZ; SCHNEUWLY, 2004). Quanto aos aspectos metodológicos, trata-se
    de uma pesquisa bibliográfica e documental, de cunho qualitativo-interpretativo, desenvolvida a
    partir da averiguação das análises das charges feitas pelos estudantes do 9º ano de uma escola
    pública do espaço campesino – a Escola Municipal Intermediária Rufina Borba – na cidade de
    Bezerros, interior do Estado de Pernambuco. Como resultados e conclusões, ao longo do trabalho,
    foi possível verificar que o ensino da gramática não deve ser trabalhado tomando-se “gramática”
    apenas enquanto estrutura, mas devem ser levantadas questões de ordem linguístico-discursiva.
    Após a proposição de aplicação da sequência didática e coleta dos dados com os alunos do 9º ano,
    percebe-se o quanto há enriquecimento de suas interpretações sobre a gramática.


  • Mostrar Abstract
  • Este trabalho objetiva analisar o ensino de gramática em perspectiva dialógica, a partir da
    especificidade do gênero discursivo charge. Nosso interesse por esse tema partiu da vivência do
    autor enquanto professor nos anos finais do Ensino Fundamental, ao se deparar com estudantes
    que apresentavam muitas dificuldades de interpretação de textos, estando presos a construções
    puramente gramaticais da língua. Nossa hipótese é a de que o estudo dos gêneros discursivos
    permite que os alunos não apenas se prendam à estrutura do enunciado, mas também a três
    dimensões em conjunto: conteúdo temático, estilo e forma composicional (BAKHTIN, 2006).
    Tomamos como referencial teórico alguns autores que compõem o círculo de Bakhtin, como
    Bakhtin, 2006 [1979], Medviédev, 2016 [1928]) e Volóchinov, 2017 [1929]. Nossa pretensão foi
    realizar um estudo descritivo e analítico que revisitasse o ensino de gramática tradicional que é
    evidenciado a partir do gênero charge em livros didáticos e, a partir dessa investigação, realizar
    uma intervenção propositiva, ou seja, propor novas metodologias para o ensino de gramática em
    sala de aula, por meio do gênero discursivo charge. Nossa proposta é a de trabalhar com as charges
    em uma turma do 9º ano, pela instituição de uma sequência didática, visando auxiliar os discentes
    a dominarem o gênero escolhido, cuja escrita ou fala se dá de maneira mais adequada numa dada
    situação de comunicação (DOLZ; SCHNEUWLY, 2004). Quanto aos aspectos metodológicos, trata-se
    de uma pesquisa bibliográfica e documental, de cunho qualitativo-interpretativo, desenvolvida a
    partir da averiguação das análises das charges feitas pelos estudantes do 9º ano de uma escola
    pública do espaço campesino – a Escola Municipal Intermediária Rufina Borba – na cidade de
    Bezerros, interior do Estado de Pernambuco. Como resultados e conclusões, ao longo do trabalho,
    foi possível verificar que o ensino da gramática não deve ser trabalhado tomando-se “gramática”
    apenas enquanto estrutura, mas devem ser levantadas questões de ordem linguístico-discursiva.
    Após a proposição de aplicação da sequência didática e coleta dos dados com os alunos do 9º ano,
    percebe-se o quanto há enriquecimento de suas interpretações sobre a gramática.

4
  • SHEYSIANE TAYNAN GOMES FLORENCIO DA SILVA
  • PRODUÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL: algumas ações propositivas 

  • Orientador : HERICA KARINA CAVALCANTI DE LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • HERICA KARINA CAVALCANTI DE LIMA
  • JACIARA JOSEFA GOMES
  • MARIA CLARA CATANHO CAVALCANTI
  • VALÉRIA GOMES
  • Data: 06/10/2021

  • Mostrar Resumo
  • O ensino da produção textual na escola tem se mostrado um desafio para professores, principalmente para aqueles que atuam no 9º ano do Ensino Fundamental na rede pública de ensino estadual de Pernambuco, uma vez se deparam com o desafio de preparar seus alunos para a produção de um Trabalho de Conclusão de Ensino Fundamental (TCF). Sabendo, então, da importância de colaborarmos com esse processo de escrita, propomos este estudo qualitativo, de caráter intervencionista, que tem como objetivo contribuir com a produção escrita do gênero TCF, como também cooperar com o desenvolvimento dos recursos argumentativos, considerando estratégias de defesa de tese, argumentação e contra-argumentação, bem como recursos e estratégias argumentativas. Além de ajudá-los a ampliar o olhar crítico, questionador e o posicionamento diante dos temas que seriam pesquisados. Para tanto, fundamentamo-nos em estudiosos como Dolz, Gagnon, Decândio (2010), Bunzen (2006), Silva (2019), Ruiz (2018) e outros para refletirmos sobre concepções de produção escrita, ensino, avaliação e revisão e nos apoiamos nas discussões sobre argumentação propostas por Perelman e Olbrechts-Tyteca (2005) e Koch e Elias (2009, 2018), dentre outros autores. Sobre a concepção interacionista do gênero, apresentamos as contribuições de Bakhtin (2018), Marcuschi (2011, 2010) e outros. Como proposta didática intervencionista, utilizamos uma sequência didática adaptada de Dolz, Noverraz e Schneuwly (2004). Este estudo pretende trazer contribuições metodológicas para o trabalho com o gênero TCF, a respeito do qual as informações ainda são incipientes, e preparar os alunos para produções textuais de caráter formal e/ou argumentativo na escola e fora dela.


  • Mostrar Abstract
  • O ensino da produção textual na escola tem se mostrado um desafio para professores, principalmente para aqueles que atuam no 9º ano do Ensino Fundamental na rede pública de ensino estadual de Pernambuco, uma vez se deparam com o desafio de preparar seus alunos para a produção de um Trabalho de Conclusão de Ensino Fundamental (TCF). Sabendo, então, da importância de colaborarmos com esse processo de escrita, propomos este estudo qualitativo, de caráter intervencionista, que tem como objetivo contribuir com a produção escrita do gênero TCF, como também cooperar com o desenvolvimento dos recursos argumentativos, considerando estratégias de defesa de tese, argumentação e contra-argumentação, bem como recursos e estratégias argumentativas. Além de ajudá-los a ampliar o olhar crítico, questionador e o posicionamento diante dos temas que seriam pesquisados. Para tanto, fundamentamo-nos em estudiosos como Dolz, Gagnon, Decândio (2010), Bunzen (2006), Silva (2019), Ruiz (2018) e outros para refletirmos sobre concepções de produção escrita, ensino, avaliação e revisão e nos apoiamos nas discussões sobre argumentação propostas por Perelman e Olbrechts-Tyteca (2005) e Koch e Elias (2009, 2018), dentre outros autores. Sobre a concepção interacionista do gênero, apresentamos as contribuições de Bakhtin (2018), Marcuschi (2011, 2010) e outros. Como proposta didática intervencionista, utilizamos uma sequência didática adaptada de Dolz, Noverraz e Schneuwly (2004). Este estudo pretende trazer contribuições metodológicas para o trabalho com o gênero TCF, a respeito do qual as informações ainda são incipientes, e preparar os alunos para produções textuais de caráter formal e/ou argumentativo na escola e fora dela.

5
  • LIDIANE SANTOS DE MELO
  • LEITURA DE REPORTAGENS EM SALA DE AULA: A REFERENCIAÇÃO E O USO DE MODALIZADORES EPISTÊMICOS COMO RECURSOS AUXILIARES NA IDENTIFICAÇÃO DE OPINIÕES

  • Orientador : MARIA CLARA CATANHO CAVALCANTI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARIA CLARA CATANHO CAVALCANTI
  • SUZANA LEITE CORTEZ
  • THAIS LUDMILA DA SILVA RANIERI
  • Data: 18/11/2021

  • Mostrar Resumo
  • A leitura é uma atividade fundamental para promover mudanças no modo como as crianças e os adolescentes compreendem o mundo. Nesse sentido, ressaltamos, aqui, a importância de ações que oportunizem a leitura de reportagens em sala de aula. Esse gênero possui aspecto opinativo reconhecível, fator subsidiário ao objetivo geral desta pesquisa, que é o de contribuir, através da leitura de reportagens, para que os estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental aprimorem habilidades de leitura que lhes permitam identificar opiniões presentes nesses textos jornalísticos. Para tanto, lançamos mão da investigação do processo de referenciação nesses textos, bem como da aplicação de articuladores discursivos modais epistêmicos como recursos linguísticos elementares ao alcance desse escopo. Assim, baseamo-nos na teoria de gêneros, especificamente nos estudos retóricos desses elementos, bem como nas perspectivas fornecidas pela linguística textual. No tocante à metodologia, esta pesquisa é de caráter qualitativo, proporcionando uma reflexão sobre o problema investigado, a participação e a colaboração de todos os envolvidos na construção da aprendizagem. Para seu desenvolvimento, propusemos a realização de aulas presenciais em formatos de oficinas, cujas ações têm ênfase na leitura, mas observam também os diversos usos da linguagem mediante atividades que fortalecem a participação oral dos estudantes, a produção escrita e a análise linguística. Então, debruçamo-nos sobre as perspectivas de texto, construção de sentidos e referenciação, tendo como base Cavalcante, Custódio Filho e Brito (2014), Cavalcante (2020) e Custódio Filho (2011). Como norte para as estratégias de leitura, recorremos aos fundamentos de Solé (1998), Koch (2018), Kleiman (2001, 2016) e Kleiman e Moraes (1999). Além disso, refletimos sobre fatores relacionados à multimodalidade a partir de Kress e Van Leeuwen (2006), Ribeiro (2017), entre outros. A fim de elucidar aspectos fundamentais relativos à modalização discursiva, forneceu-nos suporte teórico os estudos de Koch (2015, 2018a), Neves (2011), Castilho (2010) e Nascimento (2012). Igualmente, orientaram-nos, no percurso metodológico, dois documentos oficiais: o PCN (BRASIL, 1998) e a BNCC (BRASIL, 2017). Assim, a partir das ações propostas nesta pesquisa, possibilita-se aos estudantes a compreensão das escolhas que fazemos, em relação a determinadas expressões, para enfatizar o nosso ponto de vista e de quando precisamos atribuir significados diferentes ao nos referir a um dado objeto de discurso. Desse modo, não apenas atingimos o nosso objetivo, como também pudemos propiciar aos alunos uma leitura mais consciente que perpassasse os muros da escola.


  • Mostrar Abstract
  • A leitura é uma atividade fundamental para promover mudanças no modo como as crianças e os adolescentes compreendem o mundo. Nesse sentido, ressaltamos, aqui, a importância de ações que oportunizem a leitura de reportagens em sala de aula. Esse gênero possui aspecto opinativo reconhecível, fator subsidiário ao objetivo geral desta pesquisa, que é o de contribuir, através da leitura de reportagens, para que os estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental aprimorem habilidades de leitura que lhes permitam identificar opiniões presentes nesses textos jornalísticos. Para tanto, lançamos mão da investigação do processo de referenciação nesses textos, bem como da aplicação de articuladores discursivos modais epistêmicos como recursos linguísticos elementares ao alcance desse escopo. Assim, baseamo-nos na teoria de gêneros, especificamente nos estudos retóricos desses elementos, bem como nas perspectivas fornecidas pela linguística textual. No tocante à metodologia, esta pesquisa é de caráter qualitativo, proporcionando uma reflexão sobre o problema investigado, a participação e a colaboração de todos os envolvidos na construção da aprendizagem. Para seu desenvolvimento, propusemos a realização de aulas presenciais em formatos de oficinas, cujas ações têm ênfase na leitura, mas observam também os diversos usos da linguagem mediante atividades que fortalecem a participação oral dos estudantes, a produção escrita e a análise linguística. Então, debruçamo-nos sobre as perspectivas de texto, construção de sentidos e referenciação, tendo como base Cavalcante, Custódio Filho e Brito (2014), Cavalcante (2020) e Custódio Filho (2011). Como norte para as estratégias de leitura, recorremos aos fundamentos de Solé (1998), Koch (2018), Kleiman (2001, 2016) e Kleiman e Moraes (1999). Além disso, refletimos sobre fatores relacionados à multimodalidade a partir de Kress e Van Leeuwen (2006), Ribeiro (2017), entre outros. A fim de elucidar aspectos fundamentais relativos à modalização discursiva, forneceu-nos suporte teórico os estudos de Koch (2015, 2018a), Neves (2011), Castilho (2010) e Nascimento (2012). Igualmente, orientaram-nos, no percurso metodológico, dois documentos oficiais: o PCN (BRASIL, 1998) e a BNCC (BRASIL, 2017). Assim, a partir das ações propostas nesta pesquisa, possibilita-se aos estudantes a compreensão das escolhas que fazemos, em relação a determinadas expressões, para enfatizar o nosso ponto de vista e de quando precisamos atribuir significados diferentes ao nos referir a um dado objeto de discurso. Desse modo, não apenas atingimos o nosso objetivo, como também pudemos propiciar aos alunos uma leitura mais consciente que perpassasse os muros da escola.

6
  • REGINA CELLY CIRIACO DE MELO MATIAS
  • LEITURA e ANÁLISE DE CHARGES COM FUNDAMENTOS NA TEoRIA SEMIÓTICA: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

  • Orientador : ADRIANO CARLOS DE MOURA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANO CARLOS DE MOURA
  • MARIA CLARA CATANHO CAVALCANTI
  • WILMA DA SILVA RIBEIRO
  • Data: 20/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • A Charge é um gênero textual que, em seu conteúdo temático, aborda temas atuais, informações que estão sendo divulgadas na mídia e quase sempre utiliza a linguagem verbal e a linguagem não verbal,  exigindo, assim, que, para sua compreensão, o leitor desenvolva uma competência crítica. O presente trabalho se propõe a elaborar oficinas de leitura, como ferramenta didático-metodológica de textos para a compreensão global dos sentidos em textos com múltiplas semioses, mais especificamente, na interpretação do gênero Charge. As oficinas propostas poderão ser aplicadas em turmas do módulo 5  da Educação de Jovens e Adultos, que corresponde aos anos finais (8º e 9º ano) do Ensino Fundamental. Buscamos, especificamente, analisar quais os actantes fazem parte da narrativa a partir do percurso gerativo da significação, inferir quais as escolhas feitas pelos sujeitos da enunciação que estabelecem no plano discursivo, ou seja, na superfície do texto, e identificar a oposição elementar (binária) que subjaz o texto no nível fundamental das etapas do percurso gerativo da significação. Para isso, essa pesquisa fundamenta-se sobre as contribuições da semiótica, sobretudo com Greimas&Courtés (1983), Barros (2002; 2005) e Fiorin (2009; 2012).  Como procedimento metodológico, nossa pesquisa tem caráter qualitativo e será proposta a partir da leitura e análise de charges com a temática do meio ambiente, o material analisado será uma proposta didática que propõe a  aplicação de oficinas de leitura de charges com os alunos. Diante disso, pretendemos, através da análise semiótica, ampliar a competência  leitora, através da elaboração de oficinas de leitura, como ferramenta didático-metodológica que auxiliem na compreensão global dos sentidos semióticos  do gênero charge , proporcionado  ao leitor ativo a possibilidade de construir  sentidos a partir de um repertório de conhecimentos que compreendam o funcionamento da linguagem em diferentes esferas da atividade humana.  


  • Mostrar Abstract
  • A Charge é um gênero textual que, em seu conteúdo temático, aborda temas atuais, informações que estão sendo divulgadas na mídia e quase sempre utiliza a linguagem verbal e a linguagem não verbal,  exigindo, assim, que, para sua compreensão, o leitor desenvolva uma competência crítica. O presente trabalho se propõe a elaborar oficinas de leitura, como ferramenta didático-metodológica de textos para a compreensão global dos sentidos em textos com múltiplas semioses, mais especificamente, na interpretação do gênero Charge. As oficinas propostas poderão ser aplicadas em turmas do módulo 5  da Educação de Jovens e Adultos, que corresponde aos anos finais (8º e 9º ano) do Ensino Fundamental. Buscamos, especificamente, analisar quais os actantes fazem parte da narrativa a partir do percurso gerativo da significação, inferir quais as escolhas feitas pelos sujeitos da enunciação que estabelecem no plano discursivo, ou seja, na superfície do texto, e identificar a oposição elementar (binária) que subjaz o texto no nível fundamental das etapas do percurso gerativo da significação. Para isso, essa pesquisa fundamenta-se sobre as contribuições da semiótica, sobretudo com Greimas&Courtés (1983), Barros (2002; 2005) e Fiorin (2009; 2012).  Como procedimento metodológico, nossa pesquisa tem caráter qualitativo e será proposta a partir da leitura e análise de charges com a temática do meio ambiente, o material analisado será uma proposta didática que propõe a  aplicação de oficinas de leitura de charges com os alunos. Diante disso, pretendemos, através da análise semiótica, ampliar a competência  leitora, através da elaboração de oficinas de leitura, como ferramenta didático-metodológica que auxiliem na compreensão global dos sentidos semióticos  do gênero charge , proporcionado  ao leitor ativo a possibilidade de construir  sentidos a partir de um repertório de conhecimentos que compreendam o funcionamento da linguagem em diferentes esferas da atividade humana.  

2020
Dissertações
1
  • PAMELLA DE LIMA SOUZA
  • A FÁBULA COMO INSTRUMENTO PARA A PRODUÇÃO DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS POR ALUNOS DO 6o ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - ANOS FINAIS

  • Orientador : DILMA TAVARES LUCIANO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DILMA TAVARES LUCIANO
  • HERICA KARINA CAVALCANTI DE LIMA
  • MORGANA SOARES DA SILVA
  • Data: 27/05/2020

  • Mostrar Resumo
  • Há pelo menos três décadas, o ensino de língua portuguesa, considerando o
    texto como unidade básica da comunicação e realizado através do estudo de
    gêneros textuais, está presente nos documentos que regulam a educação brasileira,
    como os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) e também no mais recente marco
    regulatório da educação nacional, a Base Nacional Curricular Comum (BNCC), por
    exemplo. Diante de tal cenário, como fazer com que os alunos consigam
    compreender o fenômeno da argumentação e sua importância para a expressão de
    opiniões e, consequentemente, de atitudes? A partir de tal questionamento, esta
    pesquisa tem por objetivo utilizar a leitura crítica/reflexiva de fábulas para
    desenvolver a compreensão de alunos do 6o ano do Ensino Fundamental sobre o
    fenômeno da argumentação através da produção de respostas discursivas como
    expressão de opinião, considerada fundamental para a formação da cidadania,
    autonomia e protagonismo dos alunos. Para tanto, é utilizada como base teórica a
    concepção de texto enquanto evento social em que os sujeitos, através da interação,
    produzem sentidos, apresentada por pesquisadores como Marcuschi (2008), Koch e
    Elias (2013, 2017), Bakhtin (2011) e Antunes (2017). Lastreiam a pesquisa, também,
    a concepção bakhtiniana de gêneros textuais (BAKHTIN, 2011), reiterada por
    Marcuschi (2003, 2008), bem como o trabalho com a argumentação presente em
    Koch (2011), Charadeau (2016) e, à luz da Nova Retórica, em Perelman e
    Olbrechts-Tyteca (2017). Sobre a escrita, seguiu os postulados de Riolfi (2008),
    Flach (2018) e Luciano (2019), além dos estudos sobre o gênero fábula e suas
    características oferecidos por Ubiali (2013), Farencena (2011), SaviolI & Fiorin
    (1991) e Portela (1983). Por tratar-se de uma pesquisa, em parte, documental e uma
    pesquisa ação, foi realizada uma intervenção em sala de aula baseada nos estudos
    de Dolz e Schneuwly (2011), Flower e Hayes (1981) e Cambourne (1988). A análise
    de dados apresenta progresso dos estudantes em relação à escrita argumentativa e
    especificidades do gênero fábula, permitindo, portanto, afirmar que a sequência
    desenvolvida é um instrumento relevante para o trabalho docente.


  • Mostrar Abstract
  • Há pelo menos três décadas, o ensino de língua portuguesa, considerando o
    texto como unidade básica da comunicação e realizado através do estudo de
    gêneros textuais, está presente nos documentos que regulam a educação brasileira,
    como os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) e também no mais recente marco
    regulatório da educação nacional, a Base Nacional Curricular Comum (BNCC), por
    exemplo. Diante de tal cenário, como fazer com que os alunos consigam
    compreender o fenômeno da argumentação e sua importância para a expressão de
    opiniões e, consequentemente, de atitudes? A partir de tal questionamento, esta
    pesquisa tem por objetivo utilizar a leitura crítica/reflexiva de fábulas para
    desenvolver a compreensão de alunos do 6o ano do Ensino Fundamental sobre o
    fenômeno da argumentação através da produção de respostas discursivas como
    expressão de opinião, considerada fundamental para a formação da cidadania,
    autonomia e protagonismo dos alunos. Para tanto, é utilizada como base teórica a
    concepção de texto enquanto evento social em que os sujeitos, através da interação,
    produzem sentidos, apresentada por pesquisadores como Marcuschi (2008), Koch e
    Elias (2013, 2017), Bakhtin (2011) e Antunes (2017). Lastreiam a pesquisa, também,
    a concepção bakhtiniana de gêneros textuais (BAKHTIN, 2011), reiterada por
    Marcuschi (2003, 2008), bem como o trabalho com a argumentação presente em
    Koch (2011), Charadeau (2016) e, à luz da Nova Retórica, em Perelman e
    Olbrechts-Tyteca (2017). Sobre a escrita, seguiu os postulados de Riolfi (2008),
    Flach (2018) e Luciano (2019), além dos estudos sobre o gênero fábula e suas
    características oferecidos por Ubiali (2013), Farencena (2011), SaviolI & Fiorin
    (1991) e Portela (1983). Por tratar-se de uma pesquisa, em parte, documental e uma
    pesquisa ação, foi realizada uma intervenção em sala de aula baseada nos estudos
    de Dolz e Schneuwly (2011), Flower e Hayes (1981) e Cambourne (1988). A análise
    de dados apresenta progresso dos estudantes em relação à escrita argumentativa e
    especificidades do gênero fábula, permitindo, portanto, afirmar que a sequência
    desenvolvida é um instrumento relevante para o trabalho docente.

2019
Dissertações
1
  • KARLA MICHELLY DOS SANTOS FABRICIO
  • ORALIDADE E ARGUMENTAÇÃO EM SALA DE AULA: uma proposta metodológica para o ensino fundamental através do gênero comentário 


  • Orientador : MARIA CLARA CATANHO CAVALCANTI
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARIA CLARA CATANHO CAVALCANTI
  • HERICA KARINA CAVALCANTI DE LIMA
  • EWERTON AVILA DOS ANJOS LUNA
  • Data: 27/08/2019

  • Mostrar Resumo
  • Sobre o desenvolvimento da oralidade, é senso comum afirmar que a fala espontânea,  por si só, dará conta da apropriação da língua em sua modalidade oral. No entanto, sabemos  que o uso da língua em contextos formais e em situações mais monitoradas de fala demanda  um maior preparo do falante. Assim, preocupados com um ensino sistemático da oralidade,  comungamos com as ideias dos referenciais curriculares vigentes e apoiamo-nos em conceitos  da Linguística de Texto e dos gêneros textuais, para a realização deste trabalho, no qual  focalizamos, sobretudo, em estudos sobre argumentação, gêneros textuais orais e o trato  didático dado aos gêneros orais argumentativos. Baseamo-nos, principalmente, nos estudos  desenvolvidos por Bakthin (2011[1979]), Castilho (2016), Fávero, Andrade e Aquino (2009),  Marcuschi (2008; 2010), Schneuwly; Dolz; Noverraz (2004), Koch (2011; 2015) entre outros. No presente trabalho buscamos resposta(s) para o seguinte problema de investigação: O  ensino e a aprendizagem sistemáticos do gênero oral público formal comentário  argumentativo podem contribuir para a consolidação da capacidade de argumentar? Buscando  resposta(s) a esse questionamento, traçamos como objetivo geral: investigar as contribuições  do trabalho sistemático com o gênero oral formal público comentário argumentativo para o  aprimoramento da capacidade de argumentar de estudantes do 8º ano. A fim de responder ao  problema de investigação e atender aos objetivos desta pesquisa, foi realizado um trabalho de  investigação com natureza qualitativa e aplicada, de caráter descritivo e intervencionista, com  bases na metodologia da pesquisa-ação. Para tal, abordamos o ensino do gênero adotando o  procedimento das sequências didáticas, proposto por Dolz, Schneuwly e Noverraz (2004). Tal  proposta foi vivenciada nas aulas de língua portuguesa, com uma turma de 8º ano do ensino  fundamental de uma escola da rede pública estadual de PE, localizada no município de  Surubim. Os resultados apontaram que um trabalho mais sistemático com um gênero oral  formal público pode contribuir para o desenvolvimento da capacidade de argumentar, pois comprovadamente notamos que os estudantes voluntários da pesquisa apresentaram textos  mais elaborados após a intervenção. Reconhecemos as contribuições sociais do presente  trabalho, pois este defende que se garanta aos estudantes o desenvolvimento de suas  habilidades linguísticas para sua atuação crítica, ética e responsável, no meio em que vivem


  • Mostrar Abstract
  • Sobre o desenvolvimento da oralidade, é senso comum afirmar que a fala espontânea,  por si só, dará conta da apropriação da língua em sua modalidade oral. No entanto, sabemos  que o uso da língua em contextos formais e em situações mais monitoradas de fala demanda  um maior preparo do falante. Assim, preocupados com um ensino sistemático da oralidade,  comungamos com as ideias dos referenciais curriculares vigentes e apoiamo-nos em conceitos  da Linguística de Texto e dos gêneros textuais, para a realização deste trabalho, no qual  focalizamos, sobretudo, em estudos sobre argumentação, gêneros textuais orais e o trato  didático dado aos gêneros orais argumentativos. Baseamo-nos, principalmente, nos estudos  desenvolvidos por Bakthin (2011[1979]), Castilho (2016), Fávero, Andrade e Aquino (2009),  Marcuschi (2008; 2010), Schneuwly; Dolz; Noverraz (2004), Koch (2011; 2015) entre outros. No presente trabalho buscamos resposta(s) para o seguinte problema de investigação: O  ensino e a aprendizagem sistemáticos do gênero oral público formal comentário  argumentativo podem contribuir para a consolidação da capacidade de argumentar? Buscando  resposta(s) a esse questionamento, traçamos como objetivo geral: investigar as contribuições  do trabalho sistemático com o gênero oral formal público comentário argumentativo para o  aprimoramento da capacidade de argumentar de estudantes do 8º ano. A fim de responder ao  problema de investigação e atender aos objetivos desta pesquisa, foi realizado um trabalho de  investigação com natureza qualitativa e aplicada, de caráter descritivo e intervencionista, com  bases na metodologia da pesquisa-ação. Para tal, abordamos o ensino do gênero adotando o  procedimento das sequências didáticas, proposto por Dolz, Schneuwly e Noverraz (2004). Tal  proposta foi vivenciada nas aulas de língua portuguesa, com uma turma de 8º ano do ensino  fundamental de uma escola da rede pública estadual de PE, localizada no município de  Surubim. Os resultados apontaram que um trabalho mais sistemático com um gênero oral  formal público pode contribuir para o desenvolvimento da capacidade de argumentar, pois comprovadamente notamos que os estudantes voluntários da pesquisa apresentaram textos  mais elaborados após a intervenção. Reconhecemos as contribuições sociais do presente  trabalho, pois este defende que se garanta aos estudantes o desenvolvimento de suas  habilidades linguísticas para sua atuação crítica, ética e responsável, no meio em que vivem

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02