Banca de DEFESA: LUCAS INÁCIO SILVA DOS SANTOS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: LUCAS INÁCIO SILVA DOS SANTOS
DATA : 25/11/2022
HORA: 08:30
LOCAL: DOCEAN-UFPE
TÍTULO:

A ZONA DE MÍNIMO DE OXIGÊNIO E PARÂMETROS OCEANOGRÁFICOS NA ELEVAÇÃO DO RIO GRANDE, ATLÂNTICO SUL SUBTROPICAL


PALAVRAS-CHAVES:

Desoxigenação; Atlântico Subtropical; Oxigênio Dissolvido; Massa d’água; Elevação do Rio Grande.


PÁGINAS: 50
RESUMO:

A Elevação do Rio Grande é considerada uma extensão do continente sul-americano no Oceano Atlântico Sul Subtropical, e por isso desempenha papel muito estratégico no desenvolvimento sócio/econômico/ambiental do país. A criação de uma linha de base ambiental para a região foi um dos propulsores do presente trabalho, que teve também como objetivo a descrição e avaliação das condicionantes oceanográficas, sobretudo, a caracterização hidrológica da área. A partir de então, o estudo acerca da presença de uma Zona de Mínimo de Oxigênio teve como base a observação e interpretação dos parâmetros hidroceanograficos do local. Com dados in situ para os anos de 2018 e 2020, a análise do diagrama TS e da faixa de intervalos de densidade demonstrou a presença de um gradiente para até seis massas d’água na região. Estas foram: Água Tropical (AT), Água Central do Atlântico Sul (ACAS), Água Intermediária Antártica (AIA), Água Profunda Circumpolar Superior (UCDW), onde se deu o núcleo da Zona de Mínimo de Oxigênio (ZMO), Água Profunda do Atlântico Norte (APAN), sendo esta a com maior extensão na coluna d’água, e por final, a Água de Fundo Antártica (AFA), identificada a partir da utilização do Oxigênio Dissolvido (OD) como proxy. Apesar da forte interação com a atmosfera, o pico de OD (251.84 µmol.kg-1) não foi encontrado nas águas superficiais (<50 m) que permanecem a maior parte do tempo saturadas, mas sim próximo à base da termoclina sazonal, deslocado logo acima do pico de clorofila. Alcançando valores típicos para oceano aberto, a clorofila teve máxima concentração (0.6 mg.kg-1) em cerca de 100 m de profundidade e foi circundada pelo aumento nos valores de OD, sugerindo um incremento no parâmetro. Característico de águas tropicais, a ACAS apresentou o primeiro mínimo de OD seguido de um incremento conhecido como “high-oxygen tongue” das oxigenadas águas da AIA, porém, sem aumento na taxa de saturação. A massa d’agua detentora dos menores valores de OD, que descrevem uma zona com valores mínimos de oxigênio, foi a UCDW com extensão de cerca de 700 m e taxa de saturação atingindo valores mínimos de 49%.  A contextualização dos fatores como idade da massa d’água, assim como os processos biogeoquímicos que acontecem ao longo da história da circulação oceânica da UCDW foram os principais argumentos que sustentaram a expressão deficitária do OD para a massa d’agua. Por final, os perfis climatológicos corroboraram com as observações in situ quando apresentaram uma estrutura de termoclina permanente com desenvolvimento em águas intermediárias, e uma clara estabilidade térmica na maior parcela de água mais profunda, ocupada majoritariamente pela APAN. Em relação as quantidades de OD, a UCDW foi detentora da zona com mínimo valores de oxigênio, com núcleo de até 190 µmol.kg-1 nos 1400 m de profundidade. 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1514583 - MANUEL DE JESUS FLORES MONTES
Interno - 1738148 - ALEX COSTA DA SILVA
Externo à Instituição - VITOR GONSALEZ CHIOZZINI - USP
Notícia cadastrada em: 17/11/2022 12:20
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa05.ufpe.br.sigaa05