Banca de QUALIFICAÇÃO: ANNE KAROLLINE RIBEIRO COSTA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ANNE KAROLLINE RIBEIRO COSTA
DATA : 30/11/2021
LOCAL: VIDEOCONFERÊNCIA - 15h
TÍTULO:

ANÁLISES MORFOMÉTRICAS DE POPULAÇÕES DO ARATU-DA-PEDRA PLAGUSIA DEPRESSA (FABRICIUS 1775) (BRACHYURA: PLAGUSIIDAE) EM ÁREAS COSTEIRAS E INSULARES NO SUDOESTE DO ATLÂNTICO SUL


PALAVRAS-CHAVES:

Morfometria linear; Morfometria Geométrica; Brachyura; Plasticidade fenotípica; 


PÁGINAS: 200
RESUMO:

A espécie Plagusia depressa (Brachyura: Plagusiidae) é amplamente distribuída pelo Oceano Atlântico Tropical. No Brasil, estende-se desde o Estado do Ceará até o Sul da Bahia, além das ilhas oceânicas brasileiras, ocorrendo em ambientes recifais e zonas entre marés. Esta espécie de caranguejo recifal possui valor sócio-econômico e é capturada regularmente em várias áreas do litoral continental do nordeste do Brasil, mas é protegida nos ambientes insulares oceânicos. Devido a sua ampla distribuição, pode enfrentar distintas pressões ambientais, antrópicas  e seletivas que influenciam diretamente na população, alterando  taxas de crescimento e sua morfologia. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi investigar através de dois métodos:  técnicas de morfometria linear e geométrica a existência de padrões de variações nos tamanhos, pesos e formas das estruturas das populações de P. depressa de dois ambientes costeiros (Cabo de Santo Agostinho - CB e Tamandaré - TM) e um ambiente insular (Arquipélago de Fernando de Noronha - FN) no Nordeste do Brasil. Os espécimes foram capturados, separados por sexo, pesados e suas estruturas da carapaça, abdômen e quela foram medidas para a análise da morfometria. Posteriormente foram realizadas técnicas de morfometria geométrica através da análise de marcos anatômicos distribuídos em fotografias registradas das mesmas estruturas para identificar variações nos formatos das estruturas entre os ambientes estudados . Foram analisados 152 espécimes ao total (cerca de 50 por área de estudo). De forma geral, os machos de TM foram  significativamente maiores em relação às outras áreas com média de 44 mm (± 5,4) da largura da carapaça observada tanto pelas análises lineares, quanto para o tamanho dos centróides (p < 0,05), contudo, não houve diferença para a forma das estruturas da carapaça dos machos entre as áreas estudadas.  Outro destaque deste estudo foi em relação às fêmeas de FN, que apresentaram padrão de diferenciação no tamanho e no formato da carapaça (p<0,05) com média de 34,5 mm (± 6,9) na largura da carapaça. A forma na região frontal da carapaça e rostrum das fêmeas de FN  apresentaram maior curvatura do que nas demais áreas (p<0,05), indicando possível separação genética, a ser investigada. Os padrões de tamanho e peso registrados nesse estudo divergiram do esperado. Em regiões costeiras onde estes organismos são explorados comercialmente, registraram-se tamanhos médios maiores que aqueles de FN, especialmente para fêmeas, que apresentaram valores significativamente diferentes entre as duas áreas costeiras e o ambiente insular. Isto pode indicar a forte influência de outros fatores como, disponibilidade de alimento em áreas mesotróficas ocasionando maior recurso alimentar quando comparados a áreas mais oligrotróficas como FN, e possivelmente a ausência de uma forte pressão pesqueira sobre o tamanho desta espécie, no nordeste do Brasil. A combinação destes dois métodos (morfometria linear e geométrica) foi importante para este estudo, pois auxilia na compreensão da diferenciação sobre o tamanho e forma entre os grupos estudados de forma mais precisa, contudo estudos integrados com a ecologia alimentar e disponibilidade de recursos devem ser agregados para uma melhor compreensão da ecologia e status de conservação desta espécie nos ambientes costeiros e insulares brasileiros. 


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - RENATA AKEMI SHIMOZAKI MENDES - UFRPE
Externa à Instituição - MÔNICA LÚCIA BOTTER CARVALHO - UFRPE
Externo à Instituição - MAURO DE MELO JÚNIOR - UFRPE
Notícia cadastrada em: 10/11/2021 08:58
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01.ufpe.br.sigaa01