Banca de QUALIFICAÇÃO: MARCOS DE ALMEIDA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARCOS DE ALMEIDA
DATA : 28/09/2021
LOCAL: https://meet.google.com/kkq-jnde-ahh - 09:00
TÍTULO:

MEDIÇÕES DE ALTA FREQUÊNCIA IN SITU DE pH, [H+] E TEMPERATURA EM UM AMBIENTE RECIFAL OCEÂNICO


PALAVRAS-CHAVES:

Acidificação oceânica; sensor de pH; sensor de temperatura; Atol das Rocas


PÁGINAS: 15
RESUMO:

Nas últimas décadas impactos ambientais em escala local e global têm ameaçado a preservação dos ecossistemas de recifes de coral em todo o mundo. As principais ameaças a resiliência desses ecossistemas são o contínuo aumento global da temperatura da superfície do mar (SST) e diminuições do pH (indicativo de processo de acidificação oceânica). Essa diminuição do pH é causada, principalmente, pela absorção de CO2 na água do mar decorrente das atividades antrópicas que laçam continuamente gases de efeito estufa na atmosfera. Compreender como os ecossistemas marinhos, com recifes de coral, responderão aos cenários de mudanças climáticas previstas até o final do século 21 é importantíssimo. Ademais, destaca-se que esses ecossistemas são altamente dinâmicos em escala diurna e sazonal, por exemplo. Nesse sentido, foram monitorados continuamente o pH e [H+], de outubro de 2019 a fevereiro de 2020 com séries temporais de 152 dias, e a temperatura, de outubro de 2019 a maio de 2020 com série temporal de 244 dias, in situ a fim de capturar a variabilidade de alta frequência e os ciclos diários no recife de corais do Atol das Rocas, Atlântico Sul Ocidental. Além disso, comparamos nossos dados de temperatura in situ com os dados de SST de satélite disponível na NOAA Coral Reef Watch. Foram observados uma grande variabilidade diurna no pH, [H+] e temperatura do ambiente recifal do atol. Durante todo o estudo, o pH apresentou uma amplitude total de 0,70 unidades de pH, mínima de 7,82 e máxima de 8,52, e média diária geral de 8,15 ±0,11 (n=7296). Sua variabilidade diurna foi em média 0,29 ± 0.08 unidades de pH com amplitudes diárias que variaram de 0,08 a 0,48 (n= 152). A [H+] apresentou uma amplitude total de 12,01 nmol kg−1, mínima de 3,00 nmol kg−1 e máxima de 15,01 nmol kg−1, e média diária geral de 7,31 ± 1,78 nmol kg−1 (n=7.296). Sua variabilidade diurna foi em média 4,72 ± 1,41 nmol kg−1 com amplitudes diárias que variaram de 1,38 nmol kg−1 e máxima 9,55 nmol kg−1 (n= 152). A temperatura apresentou uma amplitude total de 5,24 °C, mínima de 25,27 °C e máxima de 31,19 °C, e média diária geral de 28,54 °C ± 1,03 °C (n=11712). Sua variabilidade diurna foi em média 1,34 ± 0,43 °C com amplitudes diárias que variaram de 0,37 °C a 2,48 °C (n= 244) (n= 152). Durante todo o estudo, os dias com variabilidade diurna extrema representou até 69%, 80% e 47% da variabilidade total do pH, [H+] e temperatura. O pH apresentou seus menores valores por volta das 7 horas (horário local), aumentando até atingir seu pico em torno das 14 horas. A [H+] apresentou um padrão inverso, maiores valores entre as 3 horas (noite) e 7 horas (manhã) quando então começa a diminuir atingindo o mínimo por volta das 14 horas. A variabilidade diurna observada na faixa de pH e [H+] é influenciada pelo metabolismo do recife de coral, pelo efeito do aquecimento solar na escala de um dia e pelo efeito das marés a cada dois dias. O pH e temperatura foram correlacionados positivamente ao longo dos dias. As temperaturas médias diária da água do mar medidas in situ foram altamente correlacionadas com as medidas por satélite no entorno do atol (r²= 0,95, n=244). Por fim, a realização de estudos in situ, em escala de alta frequência, são importantes ferramentas para maior robustez na compreensão da resiliência dos corais em reposta aos estressores locais e globais, principalmente com o aumento da frequência de ocorrência de eventos extremos e acidificação oceânica.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 3044370 - MARIUS NILS MULLER
Interna - 3069180 - MIRELLA BORBA SANTOS FERREIRA COSTA
Externa à Instituição - BARBARA RAMOS PINHEIRO
Externo à Instituição - HUMBERTO LAZARO VARONA GONZALEZ
Externo à Instituição - RUY KENJI PAPA DE KIKUCHI - UFBA
Notícia cadastrada em: 15/09/2021 15:00
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01.ufpe.br.sigaa01