Banca de DEFESA: NATHALIA LINS SILVA

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : NATHALIA LINS SILVA
DATA : 27/08/2021
HORA: 08:00
LOCAL: meet.google.com/dgs-iiqi-frd
TÍTULO:

Espectros de tamanhos do zooplâncton, partículas em suspensão e microplásticos em ambientes estuarino e costeiros do Atlântico Tropical.


PALAVRAS-CHAVES:

Ambiente pelágico, Séston, Zooplâncton, Microplásticos, Manguezais, Plataforma continental


PÁGINAS: 100
RESUMO:

O conhecimento sobre as partículas em suspensão (séston) é essencial para a compreensão dos ecossistemas estuarinos e marinhos. Esta tese tem como objetivos avaliar as contribuições do mesozooplâncton, dos microplásticos e das partículas em suspensão na coluna d'água em amostras de plâncton, e de descrever os espectros de de tamanhos destas  partículas e organismos. Além disso, foi proposto um novo índice (RMC) para avaliar o impacto dos microplásticos nas teias tróficas pelágicas. As amostras foram obtidas no estuário do Rio Formoso (área de manguezais), na Baía de Tamandaré (baía aberta, rodeada de recifes tropicais) e na plataforma continental (da linha dos recifes costeiros até a isóbata de 30 m) ao largo de Tamandaré (Pernambuco, Brasil). Arrastos subsuperficiais (profundidade amostral: 0-0.6 m) horizontais foram realizados durante dois anos (junho / 2013 a maio / 2015) em intervalos bimestrais com redes de plâncton (malhas: 200 e 300 μm) durante as estações seca e chuvosa. As amostras coletadas foram fixadas em formol (Concentração final de 4%) e tamponadas com tetraborato de sódio (5 g L−1). As amostras foram analisadas através da obtenção do peso úmido (biomassa sestônica), análise por imagem (ZooScan) e espectroscopia por infravermelho (FTIR). As análises das tipologias das partículas mostrou que a composição das partículas biogênicas (detritos vegetais, macroalgas, agregados marinhos e exúvias) seguiu o padrão esperado, com mais matéria vegetal (detritos de manguezal) no estuário rodeado de florestas de manguezais. As concentrações mais elevadas de microplásticos totais (Polipropileno + Polietileno + Nylon), PP (Polipropileno) e PE (Polietileno) também foram observadas no ambiente estuarino, indicando um gradiente decrescente para o oceano a partir de fontes terrestres. A RMC (Concentração Relativa de Microplásticos) indicou que a Baía representa o ecossistema mais impactado (RMC: 2,4% no estuário, 5,1% na Baía e 2,0% na prateleira), para microplásticos totais e PP & PE. Já a plataforma continental foi mais severamente impactada (concentração relativa mais alta ) com fibras de nylon. A análise dos espectros de tamanhos mostrou que os organismos planctônicos, microplásticos  e outras  partículas  seguem um padrão semelhante em seus espectros de tamanhos, com maiores concentrações em faixas de tamanhos menores e um declínio log-linear da concentração com o volume ou tamanho das partículas.  Essa abordagem inovadora abre novas perspectivas para o estudo dos ambientes pelágicos estuarinos e marinhos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2309616 - RALF SCHWAMBORN
Interna - 2130453 - SIGRID NEUMANN LEITAO
Interno - 3044370 - MARIUS NILS MULLER
Externo à Instituição - EDUARDO TAVARES PAES
Externo à Instituição - RUBENS MENDES LOPES
Notícia cadastrada em: 14/07/2021 16:55
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01.ufpe.br.sigaa01