Banca de DEFESA: LEO COSTA AROUCHA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LEO COSTA AROUCHA
DATA : 30/08/2021
HORA: 14:00
LOCAL: meet.google.com/umw-fkie-wvo
TÍTULO:

RESPOSTAS DOS FLUXOS DE CO2 AOS VÓRTICES DA CORRENTE NORTE DO BRASIL


PALAVRAS-CHAVES:

Vórtices da Corrente do Norte do Brasil, fluxos de CO2 na interface oceano-atmosfera, Oceano Atlântico tropical oeste


PÁGINAS: 130
RESUMO:

A fim de investigar a variabilidade intra e interanual dos vórtices da Corrente do Norte do Brasil (CNB), o algoritmo de detecção e rastreamento de momentum angular (AMEDA) foi usado para identificação de suas ocorrências, trajetórias e parâmetros. Com base em 24 anos (1993-2016) de dados reanálise de altura geopotencial e de campos de corrente geostrófica do ARMOR 3D (¼ °), identificamos uma taxa média de vórtices liberados por ano. Os mesmos apresentam vida média de 15,3 (± 5,4) semanas, raio médio baseado na velocidade (Rmax) de 139,8 (± 23,6) km e anomalia na altura média da superfície do mar (SSHa) de 9,4 (± 4,0) cm. A velocidade azimutal máxima observada média (Vmax) foi 0,27 (± 0,08) m / s, enquanto o valor médio do número de Rossby (Ro) foi 0,08 (± 0,04) e a energia cinética média (KE) foi de 255,3 (± 154,8) cm2 / s2. Os anéis da CNB têm dimensões maiores, giram mais rápido, vivem menos e transferem mais energia nos meses de inverno boreal. Em contraste, aqueles que se formam durante o verão boreal e início do outono duram mais, têm diâmetros menores e carregam menos energia. Além disso, a análise da fusão dos mesmos apontou que tal interação gerou um aumento significativo na energia (52%) e na velocidade (22%) do vórtice. Finalmente, observamos as anomalias verticais dos perfis de temperatura e salinidade, que indicaram um aprofundamento da termoclina e afundamento das águas costeiras e tropicais associado aos vórtices da CNB. Além disso, usamos a análise estatística de funções ortogonais empíricas (EOFs) em um modelo de reanálise de 25 anos (1993-2017) para avaliar o papel dos anéis CNB na biogeoquímica do Atlântico Norte Tropical Ocidental (ANTO), especialmente em relação ao FCO2. Esta base de dados também foi aplicada ao AMEDA para identificar os impactos dos vórtices da CNB em uma escala de tempo diária, tomando dois anéis no ano de 2009 como estudo de caso. Em geral, foi identificado que os mesmos apresentaram variabilidade positiva de acordo com o padrão de FCO2 e fCO2 SW em 15% a 30% das vezes ao adicionar os modos de variabilidade. Aqui, acredita-se que anomalias positivas de salinidade e, consequentemente, DIC no centro dos vórtices foram responsáveis pelo aumento de FCO2 nos mesmos. Além disso, parece razoável afirmar que tais estruturas impactam os parâmetros biogeoquímicos no WTNA tanto na superfície quanto em profundidade. Este estudo enfatiza a robustez e eficiência do AMEDA para estudar vórtices no oceano e também mostrar os possíveis impactos dos vórtices da CNB nas características físicas e biogeoquímicas do oceano no ANTO. A contribuição deste trabalho reside não apenas no entendimento da variabilidade intra e interanual dos vórtices CNB, mas também na observação da capacidade dos mesmos em concentrar DIC e águas altamente salinas em seus núcleos. Além disso, dá uma luz sobre qual mecanismo é responsável por manter a anomalia de salinidade nos núcleos dessas estruturas.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - CLAUDIA KLOSE PARISE - UFMA
Presidente - 1960878 - DORIS REGINA AIRES VELEDA
Externo à Instituição - LUCIANO PONZI PEZZI - INPE
Interna - 1286817 - MONICA FERREIRA DA COSTA
Externo à Instituição - PEDRO TYAQUICA DA SILVA SANTOS - UFPE
Notícia cadastrada em: 12/07/2021 11:47
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01.ufpe.br.sigaa01