Banca de DEFESA: GLAUCIANO JOAQUIM DE MELO JUNIOR

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GLAUCIANO JOAQUIM DE MELO JUNIOR
DATA : 20/09/2022
HORA: 09:00
LOCAL: SALA VIRTUAL PPGEF
TÍTULO:
NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E FATORES ASSOCIADOS EM PACIENTES HIPERTENSOS E DIABÉTICOS NA CIDADE DE CARUARU – PE 

PALAVRAS-CHAVES:

Atenção Primária à Saúde, Saúde Pública, Atividade Motora


PÁGINAS: 208
RESUMO:

Introdução: O conhecimento a respeito da prevalência e dos fatores associados à prática de atividades físicas configura-se como uma importante ferramenta de apoio à tomada de decisão no campo das políticas públicas. Objetivo: Analisar o nível de atividade física e fatores associados em pacientes com hipertensão e/ou diabetes, atendidos em unidades básicas de saúde do município de Caruaru – Pernambuco. Método: Estudo transversal com componente retro-analítico, com indivíduos hipertensos e/ou diabéticos de ambos os sexos atendidos nas unidades de atenção básica de Caruaru. A amostra foi composta por 171 usuários de sete unidades básicas de saúde, com 40 anos ou mais de idade. A análise dos dados ocorreu através de procedimentos de estatística descritiva e Regressão de Poisson com variância robusta. Resultados: Na amostra prevaleceram indivíduos fisicamente ativos (81,3%); mulheres (78,4%); faixa etária “50 a 59 anos” (37,4%), “não brancos” (56,2%); indivíduos analfabetos ou com ensino fundamental 1 incompleto (46,8%), renda mensal inferior a um salário-mínimo (51,5%), aposentados ou pensionistas (38,6%); classe socioeconômica “D/E” (48%) e obesos (48,8%). A prevalência de atividade física entre os hipertensos foi de 83,3% e entre os hipertensos e diabéticos 80,3%. As maiores prevalências de atividade física foram observadas em: a) Mulheres hipertensas e diabéticas (73,8%); b) Hipertensos da faixa etária “50 a 59 anos de idade” (36,5%); c) Hipertensos e diabéticos “não brancos” (49,2%); d) Hipertensos e diabéticos analfabetos ou com ensino fundamental 1 incompleto (44,3%); e) Hipertensos cuja renda mensal era inferior a um salário-mínimo (46,9%); f) Hipertensos que trabalham (34,4%) e hipertensos e diabéticos aposentados ou pensionistas (34,4%); g) Hipertensos e diabéticos da Classe D/E (44,3%); h) Hipertensos obesos (44,2%). Renda mensal de 1 a 3 salários mínimos (RP=0,729), classe socioeconômica D/E (RP=0,833) e classe socioeconômica C (RP=0,808) associaram-se ao nível de atividade física entre os hipertensos. Entre os hipertensos e diabéticos a escolaridade “Analfabeto/Ensino Fundamental 1 incompleto” (RP=0,700) associou-se ao nível de atividade física. Conclusão: Os resultados sugerem que indivíduos hipertensos de menor renda e classe socioeconômica possuem menor probabilidade de serem fisicamente ativos, assim como os hipertensos e diabéticos de menor nível de escolaridade.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2938618 - FLAVIO RENATO BARROS DA GUARDA
Externo à Instituição - MAURO VIRGILIO GOMES DE BARROS - UPE
Interno - 2064226 - SAULO FERNANDES MELO DE OLIVEIRA
Notícia cadastrada em: 14/09/2022 18:05
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02