Banca de DEFESA: ROBERTO VINICIUS DA COSTA SILVA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ROBERTO VINICIUS DA COSTA SILVA
DATA : 05/09/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Sala 01
TÍTULO:

ATIVIDADE FÍSICA E DESEMPENHO COGNITIVO DE PACIENTES EM QUIMIOTERAPIA: UM ESTUDO OBSERVACIONAL LONGITUDINAL


PALAVRAS-CHAVES:

Neoplasias; testes neuropsicológicos; exercício físico.


PÁGINAS: 56
RESUMO:
Introdução: Os pacientes com câncer podem apresentar ao longo do tratamento uma série de problemas como ansiedade, stress, neuropatia, enjoo e fadiga. Além disso, a quimioterapia que é uma das principais formas de tratamento, tem sido associada a neurotoxicidades e alterações cognitivas. Para controle dessas alterações a atividade física, tanto regular quanto de maneira não programada é capaz de melhorar a função cognitiva por estímulo de neurotransmissores, ativação cerebral, aumento do fluxo sanguíneo e entre outros mecanismos. Com isso, o objetivo desse estudo foi verificar a influência/impacto da quimioterapia no nível de atividade física e no desempenho cognitivo de pacientes com câncer; e, comparar o nível de atividade física e o desempenho cognitivo de pacientes com câncer, antes e depois do tratamento de quimioterapia. Métodos: Foi conduzido um estudo observacional longitudinal, no qual foram incluídos 29 pacientes de 33 a 82 anos, com 0 a 16 anos de escolaridade, que iriam iniciar a quimioterapia, sendo avaliados quanto ao desempenho cognitivo e nível de atividade física. Os pacientes foram avaliados utilizando Miniexame do estado mental (MEEM) e Questionário internacional de atividade física (IPAQ)- versão curta e testes neuropsicológicos (teste de figuras, teste de fluência verbal, o teste de extensão de dígitos). Os participantes foram categorizados em dois grupos: ativos e inativos fisicamente. Posterior a isso, os pacientes foram submetidos à quimioterapia, e foram seguidos para identificar possíveis abandonos no tratamento ou perdas de seguimento, e ao final foram reavaliados e comparados. Resultados: Não houve diferença estatisticamente significante entre os grupos com relação a presença de déficits cognitivos tanto antes (p=0,367), quanto depois do tratamento (p= 0,667). A quimioterapia diminuiu o desempenho da atenção e memória de trabalho (p= 0,021). A inatividade física aumentou entre indivíduos depois da quimioterapia (p= 0,034). Os pacientes ativos apresentaram melhores resultados para funções executivas comparados aos inativos antes da quimioterapia (p=0,023). Conclusão: A quimioterapia prejudicou a memória, atenção, e contribuiu para inatividade física. A atividade física parece contribuir para melhores desempenhos nas funções executivas dos pacientes oncológicos incluídos nesse estudo.
 
 
 

MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1960661 - ANDRE DOS SANTOS COSTA
Interna - 1119846 - CARLA MENESES HARDMAN
Externo à Instituição - FÁBIO SANTOS DE LIRA - UNESP
Notícia cadastrada em: 05/09/2022 08:43
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01.ufpe.br.sigaa01