Banca de DEFESA: SIDCLEY FELIX DE ARRUDA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : SIDCLEY FELIX DE ARRUDA
DATA : 28/06/2022
HORA: 09:00
LOCAL: Sala 1 PPGEF
TÍTULO:

ESTADO DE HUMOR, QUALIDADE DE VIDA E A PRÁTICA DE TREINOS EM CASA DURANTE PANDEMIA DA COVID-19 EM ATLETAS DA BOCHA PARALÍMPICA.


PALAVRAS-CHAVES:

COVID-19; Pessoa com Deficiência; Qualidade de Vida;


PÁGINAS: 70
RESUMO:

O coronavírus é uma doença com alta taxa de contaminação e transmissibilidade dentre a vida humana, medidas de isolamento social foram adotadas pelo mundo com intuito de desacelerar esta propagação. Contudo, esta alteração brusca na rotina da população fez elevar os problemas de saúde mental. Diante isto, pessoas com deficiência são mencionadas como uma população de risco tanto ao serem infectadas pela atual patologia quanto a desenvolver distúrbios psicológicos. Mesmo assim, acredita-se que a prática de treinos independentemente das limitações físicas apresentadas podem reduzir ou estagnar os fatores negativos. Logo, o objetivo deste estudo foi conhecer e descrever as implicações do isolamento social durante pandemia (COVID-19) com ou sem realização de treinamentos em casa sob estado de humor e qualidade de vida em atletas brasileiros de bocha paralímpica. Participaram deste estudo atletas de todas as regiões do país e classes funcionais reconhecidas pela modalidade. Foram solicitadas informações sobre seus dados pessoais, exercício físico realizado em casa, questionários como Profile of Mood States e WHOQOL-BREF que foram inseridos em um formulário eletrônico disponibilizado a todos pelas suas redes sociais. Foi obtido um total de 43 respostas que passaram a ser analisadas e identificaram os seguintes resultados: 1) independente do exercício físico, os atletas BC4 apresentam ter uma maior pressão psicológica em busca do desempenho que fez demonstrarem piores percepções quando comparado as outras classes funcionais do esporte. 2) Houve diferenças apontadas pelos atletas no aspecto de ambiente em qualidade de vida, isto pode ter ocorrido através da desigualdade percebida tanto em fator de investimento quanto da estrutura para realizar treinamentos. 3) Com o treinamento, a frequência semanal demonstrou ser um fator que disntiguiu as percepções de domínio físico em qualidade de vida nos atletas. Além disto, esta diferença foi pontencializada pela necessidade de quem é ou não auxiliado no esporte. Conclui-se que o treino realizado em casa por atletas de bocha paralímpica apontou necessidade de ser criar e desenvolver programas de acompanhamento para todas classes funcionais no intuito de evitar ou reduzir efeitos deletérios tanto em contexto de saúde como no desempenho esportivo.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - MÁRIO ANTÔNIO DE MOURA SIMIM - UFC
Interno - 1960661 - ANDRE DOS SANTOS COSTA
Presidente - 2064226 - SAULO FERNANDES MELO DE OLIVEIRA
Notícia cadastrada em: 21/06/2022 16:06
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01.ufpe.br.sigaa01