Banca de QUALIFICAÇÃO: SIMAO KALEBE SILVA DE PAULA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : SIMAO KALEBE SILVA DE PAULA
DATA : 17/06/2022
LOCAL: Google Meet
TÍTULO:

Avaliação da atividade imunomoduladora e anti-fibrótica de novos derivados tiazolidínicos na esclerose sistêmica


PALAVRAS-CHAVES:

fibrose, inflamação, PPAR-gama, in vivo


PÁGINAS: 100
RESUMO:

A esclerose sistêmica (ES) é uma doença degenerativa caracterizada pelo dano vascular,
autoimunidade e fibrose de pele e órgãos internos, principalmente o pulmão. A patogênese da
ES é complexa e envolve linfócitos B e T, macrófagos e fibroblastos, além de espécies reativas

de oxigênio e mediadores inflamatórios. Dentre estes, podem ser destacados a IL-4, IL-6 e IFN-
γ. Atualmente, a principal alternativa terapêutica para a ES é a imunossupressão, mas nenhum

fármaco se mostrou eficaz contra a fibrose. Além disso, muitos pacientes acabam se tornando
refratários ao tratamento. Assim, fica evidente a necessidade de novas terapias que restaurem
o balanço imunológico e reduzam a fibrose excessiva da ES. As tiazolidinas (TZDs) são
ligantes sintéticos do receptor ativado por proliferadores de peroxissoma gama (PPAR-γ), que
está envolvido em diversas funções biológicas, além de ser considerado um anti-inflamatório
intrínseco. Neste contexto, o objetivo deste estudo é avaliar a atividade imunomoduladora e
anti-fibrótica de novos derivados tiazolidínicos num modelo animal de ES. Para isso, fêmeas de
camundongos BALB/c foram distribuídas em 6 grupos (n = 7) e a ES foi induzida pela aplicação
intradérmica de ácido hipocloroso (HOCl) no dorso dos animais por 5 semanas; o grupo
controle recebeu PBS, e os outros grupos receberam ou HOCl ou PBS juntamente com a
injeção intraperitoneal dos derivados tiazolidínicos ZKD-4 e FT-40. Após 5 semanas os animais
foram eutanasiados e as amostras foram coletadas para posterior análise. A espessura
dérmica foi medida durante as 5 semanas. A análise histopatológica foi feita em seções de pele
e pulmão coradas com HE e vermelho de Sirius. Uma amostra desses órgãos também seguiu
para a quantificação de hidroxiprolina e para extração de RNA, para realização da RT-qPCR. O
soro dos camundongos foi obtido para quantificação de produtos proteicos de oxidação
avançada (AOPPs). O baço dos animais foi coletado para isolamento de células e cultura, com
posterior coleta de sobrenadante e quantificação de IL-4, IL-6 e IFN-γ por ELISA. As amostras
de baço também seguiram para marcação com anticorpos fluorescentes e análise de
subpopulações de células B, T e macrófagos por citometria de fluxo. A espessura dérmica dos
animais tratados com HOCl se mostrou maior em comparação ao grupo controle (p < 0.0001).
Os animais tratados com os derivados ZKD-4 e FT-40 tiveram sua espessura dérmica reduzida
ao final do tratamento (p < 0.0001 e p < 0.0001, respectivamente). Esses achados foram
confirmados pela análise histopatológica. Contudo, não houve diferença significativa no
conteúdo de hidroxiprolina nos animais tratados (ZKD-4: p = 0.29; FT-40: p = 0.61). Também
não houve diferença significativa no conteúdo do aminoácido no pulmão. A quantificação de
AOPPs no soro mostrou níveis aumentados no grupo doente (p = 0.008), porém sem diferença
nos animais tratados com os derivados (ZKD-4: 0.37; FT-40: 0.98). Foram encontrados níveis
elevados de IL-4 em células do baço dos animais do grupo doente (p = 0.03); o tratamento com
o ZKD-4 (p = 0.003) e o FT-40 (p = 0.0025) foi capaz de reduzir a produção dessa interleucina.
Em relação ao IFN-γ, não houve diferença significativa entre o grupo controle e o doente (p =
0.87), nem nos animais tratados com os derivados (ZKD-4: p = 0.98; p = 0.06). De forma
inesperada, a IL-6 não se mostrou elevada no grupo doente (p = 0.03), mas aumentou sua
quantificação nos grupos tratados com ZKD-4 (p = 0.02) e FT-40 (p = 0.01). A análise por
citometria de fluxo mostrou que tanto o ZKD-4 (B220+CD40+

: p < 0.0001; B220+CD69+
: p =

0.001; B220+MHCII+

: p < 0.0001) quanto o FT-40 (B220+CD40+

: p < 0.0001; B220+CD69+
: p =

0.0004; B220+MHCII+

: p < 0.0001) reduziram a quantidade de células B ativadas. Os grupos

tratados com os derivados também exibiram menos linfócitos TCD4+

ativados (CD4+CD69+
)
(ZKD-4: p < 0.0001; FT-40: p < 0.0001). Não foram encontradas diferenças em relação aos
linfócitos TCD8+

. A avaliação da subpopulação M1 de macrófagos (CD11b+CD86+

) mostrou
uma menor média de fluorescência no grupo doente (p < 0.0001) em comparação grupo
controle. Os grupos tratados com ZKD-4 e FT-40 apresentaram uma maior presença dessas
células (ZKD-4: p = 0.0009; FT-40: p = 0.003). De modo contrário, os compostos reduziram a
subpopulação M2 nos animais (ZKD-4: p < 0.0001; FT-40: p < 0.0001). Através da avaliação

dos marcadores Ly6Chi e Ly6Clo, foi observado que os derivados restauraram a razão M1/M2
para níveis maiores (ZKD-4: p < 0.0001; FT-40: p < 0.0001). A quantificação dos transcritos de
genes pro-fibróticos revelou a expressão elevada de colágeno tipo I, α-SMA e TGF-β na pele
dos animais do grupo doente (p = 0.0002; p < 0.0001; p < 0.0001). Os animais tratados com os
derivados ZKD-4 e FT-40 apresentaram uma redução na expressão de colágeno tipo I (ZKD-4:
p < 0.0001; FT-40: p < 0.0001), α-SMA (ZKD-4: p < 0.0001; FT-40: p = 0.001) e TGF-β (ZKD-4:
p < 0.0001; FT-40: p < 0.0001). No pulmão, a expressão de colágeno tipo I (p < 0.0001), α-SMA
(p = 0.005) e TGF-β (p < 0.0001) também se mostrou elevada no grupo doente; assim como na
pele, a expressão desses genes foi reduzida no pulmão dos camundongos tratados com ZKD-4
(COL1A1: p < 0.0001; ACTA2: p = 0.0003; TGFB: p < 0.0001) e com FT-40 (COL1A1: p <
0.0001; ACTA2: p < 0.0001; TGFB: p = 0.0005). Estes resultados representam uma ótima
perspectiva para a pesquisa de alternativas terapêuticas mais eficazes na ES. É válido
ressaltar, no entanto, que são necessários mais estudos, principalmente em relação ao
mecanismo de ação dessas moléculas.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - ANDERSON RODRIGUES DE ALMEIDA - UFPE
Externa ao Programa - 3445538 - ANDREA TAVARES DANTAS
Interna - 2181686 - MARIA CAROLINA ACCIOLY BRELAZ DE CASTRO
Notícia cadastrada em: 19/05/2022 16:45
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01.ufpe.br.sigaa01