Banca de DEFESA: GABRIELA MADEIRA ARAUJO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : GABRIELA MADEIRA ARAUJO
DATA : 24/02/2022
HORA: 09:00
LOCAL: Por meio de videoconferência
TÍTULO:

AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA EFICÁCIA ENTRE ANTI- INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS SELETIVOS PARA COX-2 E NÃO SELETIVOS ADMINISTRADOS APÓS CIRURGIAS DE TERCEIROS MOLARES: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA


PALAVRAS-CHAVES:

Palavras-chave: Agentes anti-inflamatórios não esteroidais, Cirurgia, Terceiro molar


PÁGINAS: 67
RESUMO:

A exodontia de terceiros molares inferiores é um procedimento extremamente comum em cirurgia bucomaxilofacial1,2. A técnica cirúrgica para este procedimento gera trauma inevitável e carrega consigo inconvenientes ao paciente, entre eles a dor, edema e trismo pós-cirúrgicos. Para diminuir a frequência e intensidade dos eventos pós cirúrgicos, é possível uso de anti-inflamatórios não esteroidais seletivos para cicloxigenase-2 (COX-2) e não seletivos, porém evidências que apoiem a seleção do protocolo mendicamentoso ainda são escassas. Diante disso, o objetivo dessa revisão sistemática foi identificar e analisar a qualidade e a certeza das evidências para a tomada de decisão clínica sobre a efetividade dos AINES seletivos para COX-2 comparados aos não seletivos para controle da dor em pacientes submetidos a exodontia de terceiros molares inferiores. Edema, trismo, qualidade de vida, efeitos adversos e uso de medicação de resgate também foram medidas avaliadas incluídos como desfechos secundários. Esse estudo foi realizado em conformidade com os critérios PRISMA e cadastrado na plataforma PROSPERO, como número de registro: CRD42021227138. As buscas foram realizadas nas bases de dados PubMed/MEDLINE, Cochrane Library e EMBASE e em Revistas de Cirurgia Buco Maxilo Facial até novembro de 2020. Foram incluídos apenas ensaios clínicos randomizados que avaliassem de forma primária a dor pós-operatória e de forma secundária edema, trismo, qualidade de vida, efeitos adversos e uso de medicação de resgate relacionados aos anti-inflamatórios. Nove artigos foram incluídos. Em quatro artigos, os anti-inflamatórios seletivos para COX-2 foram significativamente mais eficientes no controle da dor, já nos outros cinco não ocorreram diferenças significativas. Na medida edema, entre os quatro estudos que avaliaram essa variável, apenas um resultado foi significativo para o grupo do seletivo COX-2 e nos outros não houveram resultados relevantes. Em relação ao desfecho medicação de resgate, entre todos os estudos, dois tiveram respostas significativas em relação aos pacientes do grupo dos seletivos para COX-2 e um a favor dos não seletivos. Não se encontraram dados decisivos a favor de nenhum tipo de anti-inflamatório em relação aos outros parâmetros investigados. Com os resultados obtidos, mesmo havendo várias limitações, podemos sugerir que os pacientes que fizeram uso de AINEs seletivos para COX-2 apresentaram maior controle de dor quando comparados aos AINEs não seletivos. Porém não foi possível determinar essa superioridade em relação a edema, trismo, qualidade de vida e efeitos adversos.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1774390 - DANYEL ELIAS DA CRUZ PEREZ
Externa ao Programa - 1089982 - MARIANA FAMPA FOGACCI
Externo à Instituição - RENNAN LUIZ OLIVEIRA DOS SANTOS
Notícia cadastrada em: 22/02/2022 10:00
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02