Banca de DEFESA: RENATA CRESPO SIMAS TOSCANO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : RENATA CRESPO SIMAS TOSCANO
DATA : 30/08/2022
HORA: 13:30
LOCAL: Departamento de Fisioterapia
TÍTULO:

Adaptação transcultural para o português brasileiro, validação e confiabilidade do Impact of Brachial Plexus Injury Questionnaire


PALAVRAS-CHAVES:

Inquéritos e questionários; Tradução; Plexo Braquial; Consenso; Fisioterapia; Reprodutibilidade dos testes; Confiabilidade dos dados.


PÁGINAS: 86
RESUMO:

A lesão traumática do plexo braquial (LTPB) é uma condição complexa, com recuperação lenta e de custo elevado devido aos gastos durante o tratamento como também devido ao impacto na produtividade laboral dos indivíduos. Na literatura há disponível o Impact of Brachial Plexus Injury Questionnaire, que avalia os impactos físicos e psicológicos no período pré e/ou pós cirúrgico, como também a quantidade da expectativa de melhora, poém no Brasil não há instrumentos específicos para esta população.  Assim, o presente estudo teve como objetivo inicialmente realizar a tradução e adaptação para o português brasileiro,  seguindo as diretrizes internacionais do International Society for Pharmacoeconomics and Outcomes Research (ISPOR). Foi realizado um estudo Delphi para dar maior confiabilidade ao processo de adaptação. Após o consenso o instrumento adaptado foi aplicado na população alvo. A amostra foi composta por pacientes com LTPB (no período pré ou pó cirúrgico), recrutados do ambulatório de nervos periféricos do Hospital da Restauração e no Hospital Getúlio Vargas, Recife/PE. A análise das propriedades de medida foi realizada através da validade de conteúdo, validade convergente, validade de critério, consistência interna, e efeito chão e efeito teto, esta etapa seguiu as recomendações do Consensusbased Standards for the Selection of Health Measurement Instruments (COSMIN). Apresenta estrutura interna válida com quatro subescalas, um dominio de incapacidade e 43 itens, com boa validade de contéudo apresentando boa aplicabilidade e compreenção pelo público alvo. A versão em português do Brasil do IBPIQ teve uma boa consistência interna de 0,85 no domínio incapacidade e uma variação de 0,66 a 0,93 nas subescalas; boa validade convergente com correlações significativas e positivas com DASH nas subescalas limitação (r =0.54) e emoção (r = 0.50) e uma correlação de magnitude moderada com o domínio incapacidade (r = 0.44); validade de critério com comparação por cirurgia, apresentaram diferenças significativas entre os pacientes que fizeram vs. não fizeram cirurgia nos escores da subescala limitação [F(1, 48) = 4,23;  p = 0,045], expectativa de melhora [F(1, 48) = 4,72;  p = 0,035],  e pontuação total [F(1, 48) = 4,41;  p = 0,041] enquanto Nas comparações dos escores por tipo de lesão,  nenhuma comparação foi significativa. Não foi observado efeito chão e teto. O IBPIQ-Br demonstrou boa validade de contéudo, consistência interna,  validade convergente com moderada correlação com outro instrumento e validade de critério.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2299794 - ANDREA LEMOS BEZERRA DE OLIVEIRA
Interna - 1900364 - SHIRLEY LIMA CAMPOS
Externa ao Programa - 3284013 - ETIENE OLIVEIRA DA SILVA FITTIPALDI
Notícia cadastrada em: 28/08/2022 08:00
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02