Banca de DEFESA: DANIELLY LIMA DE ANDRADE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : DANIELLY LIMA DE ANDRADE
DATA : 30/08/2022
HORA: 09:30
LOCAL: Plataforma virtual
TÍTULO:

Efeito agudo da eletroestimulação neuromuscular e da cinesioterapia sobre a flexibilidade articular do tornozelo, radiação infravermelha e força do tríceps sural de mulheres com insuficiência venosa crônica: estudo comparativo.


PALAVRAS-CHAVES:

Insuficiência Venosa, Termografia, Terapia por Estimulação Elétrica, Terapia por Exercício, Fisioterapia; 


PÁGINAS: 70
RESUMO:

Introdução: a insuficiência venosa crônica (IVC) é uma alteração no sistema venoso causado por uma inaptidão valvar gerando refluxo que se associa ou não a obstrução do fluxo venoso, podendo ter como causa disfunção na musculatura do tríceps sural. O objetivo desse estudo foi avaliar o efeito agudo da eletroestimulação neuromuscular e da cinesioterapia sobre a flexibilidade articular do tornozelo, radiação infravermelha e força do tríceps Sural de indivíduos com IVC. Método: trata-se de um estudo comparativo, no qual a radiação infravermelha foi obtida pela análise quantitativa de termogramas de ambas as panturrilhas utilizando-se câmera termográfica; para avaliação da flexibilidade dos tornozelos foi utilizado o aplicativo “goniometer” e para avaliação da força muscular de dorsiflexão e flexão plantar foi utilizado um dinamômetro portátil. Foi realizado 1 sessão de eletroestimulação pela corrente Aussie de 1kHz com Burst de duração igual a 2 ms (GE- grupo eletroestimulação), no membro inferior direito e cinesioterapia (GC-grupo cinesioterapia) no membro inferior esquerdo com alongamentos e exercícios metabólicos envolvendo o tornozelo. Resultados: foram avaliados 19 pacientes do sexo feminino, a análise da flexibilidade do tornozelo não demonstrou alterações estatisticamente significantes. Na avaliação da força muscular não houve diferença intergrupos e na avaliação intragrupos apenas o GC apresentou aumento para dorsiflexão quando comparado ao antes do tratamento e 24h após (respectivamente 11,6±3,5; 13,5±3,0, p=0,02), e para flexão plantar (11,8±6,3; 14,4±5,06, p=0,04). Não foi verificada diferença estatisticamente significante quando avaliada a flexibilidade inter e intragrupos. Em relação a termografia, não houve diferença intragrupo enquanto na avaliação intergrupo, o GC apresentou aumento da temperatura imediatamente e 24 horas após (respectivamente 0,44±0,68, p=0,01 e 0,25±0,83, p=0,07). Quando analisada a correlação entre força de dorsiflexão e flexão plantar de ambos os membros inferiores com a amplitude do arco total do tornozelo direito e esquerdo, foi observado correlação positiva apenas entre a força de flexão plantar imediatamente após e 24 horas após com ADM de tornozelo no grupo de cinesioterapia (respectivamente r=0,49, p=0,03 e r=0,51, p=0,03). Conclusão: Não houve diferenças significantes entre o procedimento de Cinesioterapia e eletroterapia quando analisada a flexibilidade e força muscular enquanto a Cinesioterapia foi superior a eletroestimulação no incremento de temperatura da panturrilha antes e após 24 horas da intervenção.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2283033 - ANA PAULA DE LIMA FERREIRA
Interna - 2377518 - ANGELICA DA SILVA TENORIO
Externa à Instituição - MARIA DO SOCORRO BRASILEIRO SANTOS
Notícia cadastrada em: 24/08/2022 19:48
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01.ufpe.br.sigaa01