PPGPSI PROGRAMA DE POS-GRADUACAO EM PSICOLOGIA - CFCH DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA - CFCH Telefone/Ramal: Não informado

Banca de DEFESA: LAIS HELLENA ARAUJO DE PAIVA BARROS

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : LAIS HELLENA ARAUJO DE PAIVA BARROS
DATA : 22/02/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Remoto/Videoconferência
TÍTULO:

TRANSPATERNIDADES EM EXISTÊNCIA: repertórios e aproximações sobre a experiência de gestação e cuidado por um homem trans pai


PALAVRAS-CHAVES:

Transpaternidades. Cuidado. Repertórios Linguísticos. Performatividade.


PÁGINAS: 124
RESUMO:

A pesquisa objetivou analisar os repertórios linguísticos produzidos por um homem trans pai que gestou sua filha. Constatamos que as experiências das pessoas trans no campo dos cuidados reprodutivos assim como o manejo e atenção no âmbito da saúde reprodutiva, quando esta extrapola as necessidades do processo transexualizador - tido como “corretivo” evidenciando o caráter patológico sob o qual a transexualidade é compreendida socialmente - são invisibilizadas. Há um caráter “impensável” (ZAMBRANO, 2006) da questão reprodutiva voltada ao público LGBT – especialmente ao “T” da sigla, uma “esterilidade simbólica” (ANGONESE; SOUSA LAGO, 2017) que coíbe estruturalmente qualquer possibilidade do exercício da parentalidade ou funções de cuidado por pessoas trans. Como suporte teórico utilizamos as concepções de performatividade propostos por Judith Butler sobre gênero, linguagem - que defende como indissociável ao pensarmos sobre as (des)construções identitárias -, e o Transfeminismo como uma alternativa feminista que propõe abarcar a diversidade de sujeitas do feminismo e pautas e demandas não cisgêneras. À sustentação teórico-metodológica, utilizamos o Construcionismo Social, que entende os fenômenos da vida cotidiana como construções sociais e produtos do contexto ao qual estão inseridos. Foram analisadas em contextos de lives veiculadas por Instagrams institucionais do Fórum LGBT de Pernambuco e Coletivo Mangueiras as falas de um homem trans pai que gestou. Esta estratégia considera as novas possibilidades de interação e comunicação considerando as mídias digitais enquanto prática na vida cotidiana, sendo uma alternativa possível de pesquisa. Nas reflexões propostas na análise, definimos três momentos: o período gestacional, o exercício paterno e o puerpério, e o contexto social relativo ao cuidado das transpaternidades, o “berço social”. Entre os aspectos importantes que emergiram, encontramos a escassez de produções sobre o tema, o caráter estrutural na invizibilização das transmasculinidades, e a importância dos movimentos sociais às garantias de direitos.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 1461833 - BENEDITO MEDRADO DANTAS
Presidente - 2283143 - JORGE LUIZ CARDOSO LYRA DA FONSECA
Externo à Instituição - MARCOS ANTONIO FERREIRA DO NASCIMENTO
Notícia cadastrada em: 10/02/2022 15:46
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02