PPGBF PROGRAMA DE POS-GRADUACAO EM BIOLOGIA DE FUNGOS - CB DEPARTAMENTO DE MICOLOGIA - CB Telefone/Ramal: (81) 9992-99039

Banca de DEFESA: CAMILA ESTELITA VOGELEY ALVES DE SA

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : CAMILA ESTELITA VOGELEY ALVES DE SA
DATA : 16/07/2021
HORA: 14:30
LOCAL: Google Meet
TÍTULO:

MYXOMYCETES COMO POSSÍVEL BIO-INDICADOR E POTENCIAL ANTAGONISTA NO BIO-CONTROLE DE FUNGOS FITOPATOGÊNICOS A COCOS NUCIFERA L.


PALAVRAS-CHAVES:

Arecaceae; coqueiro; bio-controle; bio-indicador; Myxogastria; palmeira.


PÁGINAS: 89
RESUMO:

Cocos nucifera L. (Arecaceae) apresenta grande importância econômica e social, sendo a região Nordeste a maior produtora de coco do Brasil. Os mixomicetos (Myxogastria) compõem, juntamente com os fungos de interesse agronômico, a microbiota presentes nos coqueiros e nas palmeiras em geral. Os potenciais bio-indicativo e antagônico destes organismos ainda são pouco estudados, principalmente quando relacionados a espécies de fungos fitopatogênicos. O trabalho teve o objetivo de ampliar o conhecimento acerca da mixobiota associada ao coqueiro, apresentar o potencial dos mixomicetos como bio- indicadores de sanidade foliar e demonstrar seu potencial antagônico a espécie de interesse agronômico. Investigou-se a mixobiota presente em coqueiros da variedade Anã com diferentes níveis de sanidade em coqueiral no município de Bonito (Pernambuco, Brasil) e testou-se a atividade predatória da espécie Diderma chondrioderma (de Bary & Rostaf) G. Lister para o fungo Neopestalotiopsis foedans (Sacc. & Ellis) Maharachch. patógeno a Cocos nucifera. A incidência de mixomicetos nos coqueiros e substratos, composição da mixobiota, riqueza, diversidade
taxonômica, constância, abundância e diversidade das espécies foram analisadas em 60 indivíduos que apresentavam diferentes níveis de doenças foliares causadas por fungos. Foram analisados estipe, estopa , bráctea da inflorescência e bainha da folha em 30 indivíduos apresentando no máximo uma folha sintomática, com até 25% da superfície comprometida (grupo1) e 30 indivíduos com quatro ou mais folhas com comprometimento >25% da superfície foliar (grupo 2). Para o teste de predação in vitro foi realizado o cultivo do plasmódio de D. chondrioderma e o isolamento do fungo N. foedans de folhas sintomáticas de coqueiro. A patogenicidade do isolado fúngico foi testada em mudas assintomáticas. Foram obtidos 128 espécimes com maior incidência na estopa (63%) seguido do estipe (31%), bainha foliar (4%) e bráctea (2%) representando 14 espécies, pertencentes às ordens Physarales e Trichiales, com diversidade taxonômica no grupo G1 maior (S/G=2,25) que a observada no G2 (S/G=2,80). Hemitrichia serpula, Physarum decipiens e Diderma effusum caracterizam a mixobiota. O coeficiente de comunidade (72,7%) e a porcentagem de similaridade (78,3%) evidenciaram semelhança na composição da mixobiota, porém 66,4% dos espécimes e 93% das espécies foram registrados no grupo G2. A espécie de fungo foi identificada como Neopestlaotiopsis foedans e confirmada sua patogenicidade. Observou-se a predação do micélio e conídios de N. foedans, fitopatógeno isolado de C. nucifera, pelo plasmódio de D. chondrioderma, com inviabilidade confirmada. O nível de comprometimento foliar não selecionou as espécies, mas influiu na incidência, abundância, riqueza e diversidade da mixobiota, que podem ser empregadas como parâmetro indicativo do nível de sanidade de coqueiros. O potencial bio controlador de D. chondrioderma em relação a fungo fitopatogênico de interesse agronômico é referido pela primeira vez. Constituindo o primeiro relato de bio-controle para N. foedans.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1128205 - LAISE DE HOLANDA CAVALCANTI ANDRADE
Externo à Instituição - LEANDRO DE ALMEIDA NEVES NEPOMUCENO AGRA
Interna - 1134731 - NORMA BUARQUE DE GUSMAO
Notícia cadastrada em: 06/07/2021 14:29
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02