Banca de DEFESA: TAMIRES DIOGO ALVES

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : TAMIRES DIOGO ALVES
DATA : 13/06/2022
HORA: 10:00
LOCAL: videoconferência
TÍTULO:

ANÁLISE DA IMPLANTAÇÃO DO PROJETO APICE ON EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO RECIFE


PALAVRAS-CHAVES:

parto humanizado; saúde materno-infantil; avaliação em saúde.



PÁGINAS: 112
RESUMO:

A saúdematerno-infantil no Brasil encontra-se inserida em um contexto de contradição, visto que, apesar do avanço da área ter contribuído com a melhoria nos indicadores de saúde dessa população, as taxas de morbimortalidade ainda persistem em patamares incompatíveis com o nível de desenvolvimento do país. Esse intenso processo de medicalização do parto, fez o país atingir a segunda maior taxa de cesarianas do mundo (55%), além de submeter mulheres e recém-nascidos a intervenções sem evidências científicas, que desrespeitam os aspectos emocionais, físicos e culturais do momento.  Diante desse cenário, ações de mudanças têm sido implementadas no Brasil para promover um modo de nascer, mais seguro e humanizado. Como exemplo, tem-se o Projeto APICE ON, com o objetivo de aprimorar a qualificação e a formação de profissionais da saúde que trabalham nos setores ligados à obstetrícia e neonatologia, através da integração entre formação, atenção e gestão. O projeto foi lançado no ano de 2017 e constituído por 96 hospitais de ensino de todo o país. Diante disso, o objetivo dessa pesquisa foi avaliar o grau de implantação do Projeto APICE ON no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco. Para isso, utilizou-se a estratégia do estudo de caso e 3 técnicas de coleta de dados: pesquisa documental, observação sistemática, entrevistas e questionários individuais. Foi construído também o modelo lógico do projeto e uma matriz de análise dos indicadores. O critério que verificou a presença de protocolos, rotinas e normas teve um resultado “aceitável”. A ambiência e a estrutura física tiveram resultados “insatisfatório” e “adequado”, respectivamente. Sobre a avaliação das puérperas quanto ao serviço, 77% relataram sentir “ótimo bem-estar”. Já quanto aos profissionais, 100% tiveram desempenho “ótimo” em suas respostas. O componente atenção obteve 49% da pontuação máxima, sendo considerado “insatisfatório” e os componentes formação e gestão obtiveram  65% e 67%  do total respectivamente, sendo ambos classificados como “aceitável”. A soma das pontuações dos 3 componentes resultou em um percentual atingido de 53%, classificado como “aceitável”. Foram evidenciadas fragilidades de recursos humanos, físicos, estruturais e organizacionais; o hospital também possui diversas deficiências na implantação do projeto, como a dificuldade em vincular a gestante ao serviço, a limitada atuação do enfermeiro obstétrico na assistência direta ao parto, o baixo uso do partograma e a escassa realização de analgesia regional. Os resultados positivos foram: a presença do acompanhante em todo o processo de parto; a construção e implantação de instrumento para quantificar os indicadores; a presença do enfermeiro obstétrico em 100% dos plantões do COB; a criação de protocolos e melhorias nos fluxos assistenciais; o bom resultado de vários indicadores de boas práticas de assistência ao parto e a avaliação positiva por parte das usuárias do serviço. Os resultados dessa pesquisa apresentam elementos que podem contribuir para a reflexão e discussão entre profissionais e gestores, com o intuito de reavaliar e reorganizar o processo de assistência. É preciso, portanto, que as ações exitosas do projeto sejam mantidas e que os processos de trabalho sejam revisitados para o alcance das metas pactuadas.



MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 2226921 - ADRIANA FALANGOLA BENJAMIN BEZERRA
Externa ao Programa - 2379737 - MECCIENE MENDES RODRIGUES
Externa à Instituição - ROBERTA DE SOUZA PEREIRA DA SILVA RAMOS - UFPE
Notícia cadastrada em: 26/05/2022 11:20
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02