Banca de QUALIFICAÇÃO: BEATRIZ YOLANDA PONTES DE GUSMAO SA

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : BEATRIZ YOLANDA PONTES DE GUSMAO SA
DATA : 19/05/2022
LOCAL: remoto
TÍTULO:

CONSUMO E OCUPAÇÃO URBANA: UMA ETNOGRAFIA SOBRE ESPAÇOS DE LAZER LGBTQIA+ E MULHERES LÉSBICAS NO RECIFE


PALAVRAS-CHAVES:

Consumo; Mulheres Lésbicas; Ocupação Urbana; Pink Money; Trajetórias.


PÁGINAS: 108
RESUMO:

A presente tese busca compreender como o consumo de espaços de lazer voltados para a população LGBTQIA+ influenciam na ocupação urbana das mulheres lésbicas no Recife. A cidade oferece uma cena constante entre espaços de lazer e eventos, mas que foca em uma ocupação mista ou sugere a identificação com grupos referentes ao homossexual masculino. Para tanto, procede-se com uma etnografia, analisando o discurso presente nas narrativas de quatro informantes ligados a oferta de espaços e eventos que acolhem a população LGBTQIA+ e, observações participantes foram realizadas em espaços e eventos com mais de 7 anos de existência dentro do circuito de lazer LGBTQIA+ da cidade durante 11 meses, antes da crise de COVID-19. No período de dois anos da pandemia de COVID-19, as observações e analises foram realizadas a partir das redes sociais dos espaços e eventos escolhidos. Baseada nisso, a pesquisa ressalta a ideia de consumo e de público consumidor que empresários/as e produtores/as têm a partir de questões que envolvem: a noção do nicho de mercado LGBTQIA+ e o debate sobre o pink money; a cena de lazer LGBTQIA+ na cidade e a observação do comportamento consumidor das mulheres lésbicas. Também foram consideradas as possíveis trajetórias para a chegada e saída dos espaços e eventos observados. A razão foi compreender fatores que correlacionam o consumo dos espaços e eventos de lazer com a ocupação urbana diante das escolhas dos caminhos e pontos de apoio. E, ainda, entender as condições que facilitam ou dificultam a ocupação da cidade e dos espaços e eventos de lazer por mulheres lésbicas. Concluí que o senso comum de que mulheres lésbicas saem menos para baladasfaz com que os empresários/as e produtores/as foquem menos nesse público, preferindo seguir com a oferta contínua de espaços mistos. A ideia de que espaços e eventos de lazer funcionam como locais de paquera e de (re)encontros com ex- companheiras também influenciam nas escolhas do consumo de mulheres lésbicas. Outro fator posto está relacionado ao conflito social existente entre gays e lésbicas, já que os espaços e eventos são mistos e isso interfere na ocupação dos espaços e eventos de lazer por essas mulheres. Pensando na ocupação a partir dos espaços e eventos de lazer observei o quanto há uma estruturação espacial urbana atravessada por questões de gênero. E, ainda, foram apontadas algumas dificuldades que os/as empresários/as e produtores/as passam com fornecedores, patrocinadores e com agentes públicos por oferecem serviço de lazer a pessoas LGBTQIA+.


MEMBROS DA BANCA:
Externa à Instituição - ISADORA LINS FRANÇA
Presidente - 3199677 - MARION TEODOSIO DE QUADROS
Interno - 051.658.994-62 - ROBERTO CORDOVILLE EFREM DE LIMA FILHO - UNICAMP
Notícia cadastrada em: 17/05/2022 14:54
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01.ufpe.br.sigaa01