Banca de QUALIFICAÇÃO: ROBERTO LUCIO BELO DE SOUZA JUNIOR

Uma banca de QUALIFICAÇÃO de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ROBERTO LUCIO BELO DE SOUZA JUNIOR
DATA : 11/04/2022
LOCAL: GOOGLE MEET
TÍTULO:

VULNERABILIDADE EM AMBIENTE DE PRAIAS ARENOSAS DA ILHA DE FERNANDO DE NORONHA UTILIZANDO-SE AEROLEVANTAMENTO POR VANT (Veículo Aéreo Não Tripulado).


PALAVRAS-CHAVES:

Sedimentologia de praia, vulnerabilidade costeira, evolução da linha de costa, aerolevantamento, GNSS.


PÁGINAS: 72
RESUMO:

Esta pesquisa avaliou a vulnerabilidade de erosão costeira em praias arenosas da Ilha principal do Arquipélago de Fernando de Noronha, distrito do Estado de Pernambuco, no nordeste do Brasil, situada no Oceano Atlântico Sul Equatorial. Para isso foi utilizado Geoindicadores geomorfólogicos e sedimentológicos, do ambientes de praia no litoral noronhense, como as varáveis, declividade, largura de praia, elevação do terreno, vegetação e ocupação humana, em combinação espacial a partir de camadas raster e executadas através de metodologias de álgebra de mapas. Os dados de campo foram obtidos a partir de ortomosaicos processados de aerolevantamento com VANT (Veículo aéreo não tripulado) incluindo a fase de processamento fotogramétrico com pontos de controle medidos com pares de receptores GNSS (RTK) por Salim (2019), mapeamento das áreas estudadas com a coleta de sedimentos nos ambientes de praia, medições da linha de costa atual, registro fotográficos dos ambientes. O processamento da evolução da linha de costa foi realizado através do programa de análise espacial de variação de linha de costa DSAS-USGS. A partir de todos esses dados foi possível produzir informações espaciais sobre vulnerabilidade costeira utilizando a metodologia dos pesquisadores Berger (1997) e Bush et al. (1999) Gornitz et al. (1994), Cobum (2002) e Mazzer (2007). Os resultados mostraram que as praias apresentaram sedimentos finos, presentes no estirâncio, vegetação no ambiente praial quase inexistente e uma pós-praia reduzida ou ausente. A variação da linha costa entre os anos de 2019 e 2021 apresentaram taxas de recuo de -12,40 m/ano e taxas de avanço de 5,18 m/ano que compreendem as praias da Conceição Boldró, Bode, Quixambinha e Cacimba do Padre
Palavras-chave: Sedimentologia de praia, vulnerabilidade costeira, evolução da linha de costa, aerolevantamento, GNSS.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 383861 - CARLOS ALBERTO BORBA SCHULER
Interno - 1131200 - FRANCISCO JAIME BEZERRA MENDONCA
Presidente - 178.326.404-72 - MARIA DAS NEVES GREGÓRIO - UFPE
Notícia cadastrada em: 05/04/2022 09:40
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02