Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFPE

2022
Dissertações
1
  • JESSICA ADRIAN LIMA FARIAS
  • ANÁLISE MULTITEMPORAL DA FRAGMENTAÇÃO POR ÍNDICES DE VEGETAÇÃO NA RESERVA BIOLÓGICA DE SERRA NEGRA - PE

  • Orientador : JOAO RODRIGUES TAVARES JUNIOR
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA LUCIA BEZERRA CANDEIAS
  • JOAO RODRIGUES TAVARES JUNIOR
  • RAFAEL SILVA DOS ANJOS
  • Data: 25/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • O processo de alteração das paisagens naturais tem incentivado a busca pelo entendimento das relações com seus fragmentos. Considerando a necessidade de conservação deste bioma, a pesquisa tem como objetivo analisar a estrutura da paisagem florestal da Reserva Biológica de Serra Negra. Especificamente, caracterizar a fragmentação da paisagem através da classificação por Índices de Vegetação NDVI e SAVI, juntamente com a aplicação de métricas de paisagens. A primeira análise do NDVI no período chuvoso os valores do índice referentes as classes de cobertura vegetal, está entre -0,31 e -0,27 e para as classes de solo exposto e estrada, estão no intervalo de -0,25 a <0.08. O resultado do SAVI foi satisfatório observando certa semelhança com os resultados do NDVI, indicando um bom estágio vegetativo da área. A segunda análise, período de estiagem (seca), apresentaram valores com intervalos diferentes, NDVI com intervalo máximo de 0,55 e mínimo de 0,20. E para a classe de solo exposto apresentou 0,38 de valor de reflectância. Os dados do SAVI mostraram resultados no intervalo de 0,35 a 0,10 e referente a classe de solo exposto o valor de 0,20. Os resultados de SAVI foram menores que os do NDVI, fator que pode estar associado aos diferentes gradientes de exposição do solo na área. A análise da fragmentação apresentou área de classe (CA), de 194,18 para Caatinga arbórea e 380,66 Caatinga arbustiva segundo NDVI e 222,55 ha Caatinga arbórea e 391,63 ha para Caatinga arbustiva, segundo resultados do SAVI. O tamanho médio do fragmento (AREA_MN) para a classe de C. arb. foi de 5,24 ha e 8,28 ha para C. abs., parra o NDVI e para o SAVI os valores foram de 5,70 ha C. arb., e 8,15 ha para C. abs. Segundo os resultados do índice de forma (SHAPE), foram encontrados os valores entre 1,30 m e 1,40 m para NDVI e SAVI, demonstrando, que os fragmentos da REBIO apresentam-se com pouca complexidade, tendo suas formas regulares. Para a métrica COHESION, os valores obtidos ficaram entre, 97,83% a 99,05%. Os resultados indicam que independente do tamanho do fragmento, todas as duas classes apresentam alta conectividade. De acordo com os dados conclui-se que, os índices de vegetação aplicados para a REBIO, captaram bem a sazonalidade da vegetação da Caatinga no ano de 2020. Os índices destacaram-se como bons indicadores em diagnóstico na estrutura vegetal de uma paisagem. A fragmentação, de acordo com a relação analisada sobre tamanho dos fragmentos, densidade dos fragmentos, observa-se que a REBIO se encontra conservada. As duas classes apresentaram alta conectividade,
    inferindo que os fragmentos apresentam ligações por estruturas físicas, como corredores ecológicos, sendo mais fator que demonstra a conservação da REBIO.


  • Mostrar Abstract
  • O processo de alteração das paisagens naturais tem incentivado a busca pelo entendimento das relações com seus fragmentos. Considerando a necessidade de conservação deste bioma, a pesquisa tem como objetivo analisar a estrutura da paisagem florestal da Reserva Biológica de Serra Negra. Especificamente, caracterizar a fragmentação da paisagem através da classificação por Índices de Vegetação NDVI e SAVI, juntamente com a aplicação de métricas de paisagens. A primeira análise do NDVI no período chuvoso os valores do índice referentes as classes de cobertura vegetal, está entre -0,31 e -0,27 e para as classes de solo exposto e estrada, estão no intervalo de -0,25 a <0.08. O resultado do SAVI foi satisfatório observando certa semelhança com os resultados do NDVI, indicando um bom estágio vegetativo da área. A segunda análise, período de estiagem (seca), apresentaram valores com intervalos diferentes, NDVI com intervalo máximo de 0,55 e mínimo de 0,20. E para a classe de solo exposto apresentou 0,38 de valor de reflectância. Os dados do SAVI mostraram resultados no intervalo de 0,35 a 0,10 e referente a classe de solo exposto o valor de 0,20. Os resultados de SAVI foram menores que os do NDVI, fator que pode estar associado aos diferentes gradientes de exposição do solo na área. A análise da fragmentação apresentou área de classe (CA), de 194,18 para Caatinga arbórea e 380,66 Caatinga arbustiva segundo NDVI e 222,55 ha Caatinga arbórea e 391,63 ha para Caatinga arbustiva, segundo resultados do SAVI. O tamanho médio do fragmento (AREA_MN) para a classe de C. arb. foi de 5,24 ha e 8,28 ha para C. abs., parra o NDVI e para o SAVI os valores foram de 5,70 ha C. arb., e 8,15 ha para C. abs. Segundo os resultados do índice de forma (SHAPE), foram encontrados os valores entre 1,30 m e 1,40 m para NDVI e SAVI, demonstrando, que os fragmentos da REBIO apresentam-se com pouca complexidade, tendo suas formas regulares. Para a métrica COHESION, os valores obtidos ficaram entre, 97,83% a 99,05%. Os resultados indicam que independente do tamanho do fragmento, todas as duas classes apresentam alta conectividade. De acordo com os dados conclui-se que, os índices de vegetação aplicados para a REBIO, captaram bem a sazonalidade da vegetação da Caatinga no ano de 2020. Os índices destacaram-se como bons indicadores em diagnóstico na estrutura vegetal de uma paisagem. A fragmentação, de acordo com a relação analisada sobre tamanho dos fragmentos, densidade dos fragmentos, observa-se que a REBIO se encontra conservada. As duas classes apresentaram alta conectividade,
    inferindo que os fragmentos apresentam ligações por estruturas físicas, como corredores ecológicos, sendo mais fator que demonstra a conservação da REBIO.

2
  • JOAO NAVES DE MORAES
  • COMBINAÇÃO DE TÉCNICAS 3D DE MEDIÇÃO PARA O MAPEAMENTO DE EDIFICAÇÕES PREDIAIS

  • Orientador : ANDREA DE SEIXAS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANDREA DE SEIXAS
  • FRANCISCO JAIME BEZERRA MENDONCA
  • IRINEU DA SILVA
  • Data: 28/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • MORAES, João Naves de, Msc., Universidade Federal de Pernambuco, Novembro 2021. Combinação de Técnicas 3D de Medição para o Mapeamento de Edificações Prediais. Orientadora: Profa.Dr. Techn. Andréa de Seixas. Co-orientador: Prof. Dr. Silvio Jacks do Anjos Garnés Esta dissertação provê uma metodologia que determina com acurácia a posição planialtimétrica de pontos de referência e objetos, necessários tanto para o controle tridimensional e bidimensional de edificações prediais como para o mapeamento 3D. Neste sentido, os Métodos Terrestres de Medição planialtimétrica com estação total (MTMs) são estudados, tais como: Interseção a Vante, Triangulação, Nivelamento Trigonométrico com visadas curtas e longas e Poligonação. Além do Posicionamento Geodésico por Satélites. Os pontos de apoio imediato foram determinados aplicando o método de Poligonação com centragem forçada e o posicionamento GNSS Relativo Estático. Para a determinação altimétrica destes pontos também foi utilizado o Nivelamento Trigonométrico, com visadas curtas e longas, neste último caso são consideradas visadas longas a partir de 250 m. Como parâmetro se utiliza o Nivelamento com a tecnologia GNSS. Com a metodologia investigada foram obtidas acurácias posicionais de ±2 mm a ±4 mm para os vértices (ou pontos) de Referência, ou ainda Apoio Imediato. Para estes pontos, os menores valores (maiores acurácias) calculados entre todos os procedimentos de ajustamento (método tradicional - Poligonal Fechada, e em Rede 3D) são obtidos pelo ajuste das observações em rede por medidas dos métodos clássicos topográficos. O ajustamento em Rede 3D ou Rede Geodésica 3D apresentou maior acurácia se utilizando apenas de coordenadas GNSS e observações relativas aos métodos topográficos (distâncias inclinadas, ângulos horizontais e zenitais) entre os vértices do método de Poligonação. Com a introdução de distâncias inclinadas GNSS o ajuste resulta em uma estatística mais elevada. O erro de fechamento do transporte altimétrico para o percurso P1, P8, ..., P1 (sentido antihorário) foi de (-0,0571 m), -5,71 cm para a distância de 1.263,165 m; este erro está em concordância com os valores calculados com o ajuste pelo Método Tradicional - Poligonal Fechada (Quantidades de Fechamento da Poligonal Fechada). Nesta dissertação é contemplada também uma metodologia para a determinação planialtimétrica de pontos altos e inacessíveis situados em fachadas de edifício predominantemente vertical. Para esta finalidade, foram aplicados os métodos da Interseção a Vante (sem a medição de distância) e da Triangulação, envolvendo instrumentos, acessórios e processos de medição angular, fornecendo uma perspectiva de aplicação da Engenharia Geodésica em Sítios Urbanos. A determinação de pontos altos e inacessíveis (arestas) contidos nas estruturas arquitetônicas de edificações situados nas extremidades das fachadas de prédio delimitam a dimensão planialtimétrica da estrutura edificada. Fez-se relevante a abordagem do método da Interseção a Vante, considerando a intervisibilidade ou não entre os vértices de coordenadas conhecidas; para o controle da qualidade são realizadas medições abundantes. Com a metodologia investigada foram obtidas acurácias posicionais de ±2 mm a ±5 mm para os Pontos-Objetos, adequadas aos levantamentos cadastrais de alta acurácia.


  • Mostrar Abstract
  • MORAES, João Naves de, Msc., Universidade Federal de Pernambuco, Novembro 2021. Combinação de Técnicas 3D de Medição para o Mapeamento de Edificações Prediais. Orientadora: Profa.Dr. Techn. Andréa de Seixas. Co-orientador: Prof. Dr. Silvio Jacks do Anjos Garnés Esta dissertação provê uma metodologia que determina com acurácia a posição planialtimétrica de pontos de referência e objetos, necessários tanto para o controle tridimensional e bidimensional de edificações prediais como para o mapeamento 3D. Neste sentido, os Métodos Terrestres de Medição planialtimétrica com estação total (MTMs) são estudados, tais como: Interseção a Vante, Triangulação, Nivelamento Trigonométrico com visadas curtas e longas e Poligonação. Além do Posicionamento Geodésico por Satélites. Os pontos de apoio imediato foram determinados aplicando o método de Poligonação com centragem forçada e o posicionamento GNSS Relativo Estático. Para a determinação altimétrica destes pontos também foi utilizado o Nivelamento Trigonométrico, com visadas curtas e longas, neste último caso são consideradas visadas longas a partir de 250 m. Como parâmetro se utiliza o Nivelamento com a tecnologia GNSS. Com a metodologia investigada foram obtidas acurácias posicionais de ±2 mm a ±4 mm para os vértices (ou pontos) de Referência, ou ainda Apoio Imediato. Para estes pontos, os menores valores (maiores acurácias) calculados entre todos os procedimentos de ajustamento (método tradicional - Poligonal Fechada, e em Rede 3D) são obtidos pelo ajuste das observações em rede por medidas dos métodos clássicos topográficos. O ajustamento em Rede 3D ou Rede Geodésica 3D apresentou maior acurácia se utilizando apenas de coordenadas GNSS e observações relativas aos métodos topográficos (distâncias inclinadas, ângulos horizontais e zenitais) entre os vértices do método de Poligonação. Com a introdução de distâncias inclinadas GNSS o ajuste resulta em uma estatística mais elevada. O erro de fechamento do transporte altimétrico para o percurso P1, P8, ..., P1 (sentido antihorário) foi de (-0,0571 m), -5,71 cm para a distância de 1.263,165 m; este erro está em concordância com os valores calculados com o ajuste pelo Método Tradicional - Poligonal Fechada (Quantidades de Fechamento da Poligonal Fechada). Nesta dissertação é contemplada também uma metodologia para a determinação planialtimétrica de pontos altos e inacessíveis situados em fachadas de edifício predominantemente vertical. Para esta finalidade, foram aplicados os métodos da Interseção a Vante (sem a medição de distância) e da Triangulação, envolvendo instrumentos, acessórios e processos de medição angular, fornecendo uma perspectiva de aplicação da Engenharia Geodésica em Sítios Urbanos. A determinação de pontos altos e inacessíveis (arestas) contidos nas estruturas arquitetônicas de edificações situados nas extremidades das fachadas de prédio delimitam a dimensão planialtimétrica da estrutura edificada. Fez-se relevante a abordagem do método da Interseção a Vante, considerando a intervisibilidade ou não entre os vértices de coordenadas conhecidas; para o controle da qualidade são realizadas medições abundantes. Com a metodologia investigada foram obtidas acurácias posicionais de ±2 mm a ±5 mm para os Pontos-Objetos, adequadas aos levantamentos cadastrais de alta acurácia.

3
  • THEO DE CARVALHO BARBOSA
  • PARÂMETROS DE FOTOGRAMETRIA TERRESTRE PARA A GERAÇÃO DE NUVEM DE PONTOS EM MODELOS BIM.

  • Orientador : SILVIO JACKS DOS ANJOS GARNES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DANIEL CARNEIRO DA SILVA
  • MAX LIRA VERAS XAVIER DE ANDRADE
  • SILVIO JACKS DOS ANJOS GARNES
  • Data: 28/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • Os levantamentos de prédios históricos, dentro da área de arquitetura, em sua grande maioria, são
    realizados usando métodos que envolvem medições diretas com trenas (fitas ou eletrônicas),
    obedecendo alinhamentos físicos da própria construção ou montando uma grade de referência para se
    ter os detalhes construtivos que objetivam a representação não só da edificação, como também a
    cultura e o espírito de época em que foram feitas. Nesse trabalho, utilizando-se da fotogrametria
    terrestre com câmaras de pequeno formato e um conjunto de diferentes tipos de lentes e diferentes
    distâncias de tomadas das fotos do espaço objeto, foram feitos os registros da Igreja Nossa Senhora da
    Piedade, situada no litoral de Pernambuco, no bairro de Piedade no município de Jaboatão dos
    Guararapes. Utilizando-se no processamento para a geração da nuvem de pontos, num primeiro
    momento, apenas o processamento com barra de escala, gerou-se diversos produtos comparativos em
    termos de qualidade visual, texturas, detalhamentos dos ornamentos arquitetônicos. Algumas
    conclusões parciais já ficaram evidenciadas quanto ao número de fotos e tipos de lentes para uso de
    registros de patrimônios históricos. Num segundo momento utilizando-se pontos de controle com
    levantamentos por meio de técnicas geodésicas e topográficas, pretende-se comparar as acurácias com
    as várias soluções e fornecer um indicativo metodológico que possa orientar a otimização dos registros
    patrimoniais com produto arquitetônicos fidedignos.


  • Mostrar Abstract
  • Os levantamentos de prédios históricos, dentro da área de arquitetura, em sua grande maioria, são
    realizados usando métodos que envolvem medições diretas com trenas (fitas ou eletrônicas),
    obedecendo alinhamentos físicos da própria construção ou montando uma grade de referência para se
    ter os detalhes construtivos que objetivam a representação não só da edificação, como também a
    cultura e o espírito de época em que foram feitas. Nesse trabalho, utilizando-se da fotogrametria
    terrestre com câmaras de pequeno formato e um conjunto de diferentes tipos de lentes e diferentes
    distâncias de tomadas das fotos do espaço objeto, foram feitos os registros da Igreja Nossa Senhora da
    Piedade, situada no litoral de Pernambuco, no bairro de Piedade no município de Jaboatão dos
    Guararapes. Utilizando-se no processamento para a geração da nuvem de pontos, num primeiro
    momento, apenas o processamento com barra de escala, gerou-se diversos produtos comparativos em
    termos de qualidade visual, texturas, detalhamentos dos ornamentos arquitetônicos. Algumas
    conclusões parciais já ficaram evidenciadas quanto ao número de fotos e tipos de lentes para uso de
    registros de patrimônios históricos. Num segundo momento utilizando-se pontos de controle com
    levantamentos por meio de técnicas geodésicas e topográficas, pretende-se comparar as acurácias com
    as várias soluções e fornecer um indicativo metodológico que possa orientar a otimização dos registros
    patrimoniais com produto arquitetônicos fidedignos.

4
  • JOSE GABRIEL VIEIRA SANTOS
  • UMA ABORDAGEM FIT-FOR-PURPOSE PARA O APRIMORAMENTO DO CADASTRO TÉCNICO DA COMPESA – COMPANHIA PERNAMBUCANA DE SANEAMENTO.

  • Orientador : ANDREA FLAVIA TENORIO CARNEIRO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANDREA FLAVIA TENORIO CARNEIRO
  • FABRIZIO DE LUIZ ROSITO LISTO
  • GUILHERME HENRIQUE BARROS DE SOUZA
  • Data: 23/03/2022

  • Mostrar Resumo
  • Sistemas de administração territoriais são considerados fundamentais para o
    desenvolvimento social, econômico e monitoramento do uso e ocupação do solo para
    fins de planejamento e controle ambiental. Tais sistemas, cujo núcleo é constituído
    pelos cadastros e registros territoriais, tem condições de integrar dados temáticos
    variados, inclusive aqueles que constituem os cadastros técnicos de redes de
    infraestrutura, como saneamento, energia e comunicações. O conceito tradicional do
    cadastro está baseado no levantamento preciso dos limites das parcelas e sua
    localização, porém atualmente reconhece-se a dificuldade que muitos países tem para
    estruturar tais cadastros. Dessa forma, surge o conceito de cadastro Fit-For Purpose, ou
    adequado à finalidade, com princípios baseados na flexibilidade, acessibilidade e
    confiabilidade, dentre outros. Nesse contexto, esta pesquisa visa aplicar os conceitos e
    métodos do cadastro Fit-For-Purpose ao aprimoramento do cadastro técnico de redes de
    água de uma companhia de saneamento, por meio da integração de dados de diferentes
    fontes e utilização de dados tridimensionais no banco de dados geográficos existente. O
    desenvolvimento da proposta utilizou como estudo de caso a estrutura das informações
    cadastrais da COMPESA – Companhia Pernambucana de Saneamento, com vistas a
    identificar as possibilidades de integração e aprimoramento dos sistemas. A integração
    ao banco de dados geográficos, de dados de formatos e fontes variadas, foi testada com
    o cadastro do município de Goiana-PE, que dispunha de um acervo de projetos mais
    completo e variado. Como resultado, foi desenvolvido um método para a alimentação
    do banco de dados geográficos a partir de um passivo de arquivos referentes a projetos
    concluídos disponíveis na Gerência de Projetos de Engenharia – GPE. Por outro lado, a
    pesquisa buscou investigar e testar a coleta e inclusão de dados tridimensionais
    referentes à profundidade de dutos subterrâneos, um dado relevante cuja inclusão no
    sistema pode representar o embrião de um cadastro 3D. Nesse caso, foi testada uma
    metodologia para obtenção de dados tridimensionais utilizando o Ground Penetrating
    Radar – GPR, aproveitando uma demanda do projeto de triplicação da BR232,
    localizada em Recife-PE. Como resultado, foram gerados plantas e perfis cuja precisão
    de posicionamento vertical foi considerado adequada para a necessidade do projeto.


  • Mostrar Abstract
  • Questões relacionadas a propriedade de terra, gestão territorial e planejamento urbano são bastante discutidas quando se fala de desenvolvimento global. Lemmen et al. (2015), ressaltam que a agenda de desenvolvimento pós 2015 da ONU inclui a consideração de questões territoriais em uma ampla gama de objetivos e o Comitê de Especialistas da ONU em Gestão Global de Informações Geoespaciais (UN-GGIM) fornece orientações para que sejam desenvolvidas tecnologias visando o apoio a aplicações terrestres. Como alternativa para a aquisição de informações referente a 3ª dimensão (nesse caso, a profundidade), aparece a utilização do GPR também conhecido como radar de sondagem no solo ou georadar, o qual se caracteriza por ser é uma ferramenta geofísica com uma ampla gama de aplicações. Nesse sentido, as pesquisas do Cadastro Territorial também foram influenciadas por essas questões, o que tem motivado diversos pesquisadores a verificarem as demandas e impactos sobre o sistema cadastral do chamado Cadastro 3D. Com isso, esta pesquisa visa aplicar o conceito de cadastro Fit-For-Purpose ao cadastro técnico da COMPESA – Companhia Pernambucana de Saneamento – bem como propor soluções para a inclusão da componente 3D para melhor caracterização das estruturas subterrâneas.

5
  • UILKA ELISA TAVARES
  • ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS ESPECTRAIS MULTIFONTE DA COBERTURA DOSOLO EM REGIÃO SEMIÁRIDO – BIOMA CAATINGA

  • Orientador : JOAO RODRIGUES TAVARES JUNIOR
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA LUCIA BEZERRA CANDEIAS
  • GERSICA MORAES NOGUEIRA DA SILVA
  • JOAO RODRIGUES TAVARES JUNIOR
  • Data: 18/04/2022

  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa teve por objetivo analisar as características espectrais da cobertura do solo de uma parte daregião semiárida de Pernambuco, por meio de índices físicos e com diferentes sensores orbitais aplicando
    11/04/2022 06:39 Gmail - Data e hora das defesas de dissertação de Daniel Silva Veras e Uilka Elisa Tavares
    https://mail.google.com/mail/u/2/?ik=aceff45f5f&view=pt&search=all&permthid=thread-f%3A1729459466196325205&simpl=msg-f%3A172945946… 2/4
    integração multifonte. Para tanto, foram obtidas imagens dos sensores OLI do satélite LANDSAT 8 e MUX e PAN dosatélite CBERS 4 em outubro de 2019 da região do Polo Gesseiro do Araripe e APA da Chapada do Araripe. Para opré processamento, as imagens foram reprojetadas para o sistema Sirgas/2000 24s, e foi aplicada correçãoradiométrica e conversão de ND para reflectância. Foram gerados os índices de vegetação e água NDVI, NDWI,NDBI e albedo para os sensores MUX e OLI para o estudo das características espectrais da região. Adicionalmente,foi gerado o índice de vegetação a partir da fusão das bandas do sensor MUX e da banda pancromática do sensorPAN para avaliar o resultado da integração multifonte de diferentes sensores. Os produtos obtidos foram analisadospor comparação visual e por correlação. Também foram extraídas amostras da vegetação, área urbana, corposhídricos e pastagem para analisar estas feições estatística descritiva. Para o Polo Gesseiro, os resultados indicarammelhor resolução espacial para NDVImux e sua versão fusionada NDVIpan com maior detalhamento da cena e fortecorrelação entre estes índices. NDVImux e NDVIoli e NDVIpan representaram visualmente de forma satisfatória adependência da vegetação pela precipitação. O NDWImux e NDWIoli por outro lado, apresentaram mediacorrelação. Em relação a APA da Chapada do Araripe, o NDVI e NDWI se destacaram no estudo da resposta davegetação sob condições de seca e precipitação. O índice NDBI e o albedo não apresentaram distinção entre osmeses estudados. O uso do sensoriamento remoto mostrou se eficiente no monitoramento de uso e ocupação dosolo de áreas do Polo Gesseiro e da APA da Chapada, sugere se que trabalhos futuros podem utilizar outros índicese outros sensores para estudar estas duas áreas de grande relevância ambiental e econômica.
    Palavras-chave: múltiplos sensores. índices físicos. CBERS-4. Landsat-8.


  • Mostrar Abstract
  • A presente pesquisa teve por objetivo analisar as características
    espectrais da cobertura do solo de uma parte da região semiárida de
    Pernambuco, por meio de índices físicos e com diferentes sensores orbitais
    aplicando integração multifonte. Para tanto, foram obtidas imagens dos
    sensores OLI do satélite LANDSAT-8 e MUX e PAN do satélite CBERS-4 em
    outubro de 2019 da região do Polo Gesseiro do Araripe. Para o pré-
    processamento, as imagens foram reprojetadas para o sistema Sirgas/2000
    24s, e foi aplicada correção radiométrica e conversão de ND para reflectância
    no software QGIS 3.10 coruña. Foram gerados os índices de vegetação e água
    para os sensores MUX (NDVI MUX , NDWI MUX ) e OLI (NDVI OLI , NDWI OLI ) para o
    estudo das características espectrais da região. Adicionalmente, foi gerado o
    índice de vegetação a partir da fusão das bandas do sensor MUX e da banda
    pancromática do sensor PAN (NDVI PAN ) para avaliar o resultado da integração
    multifonte de diferentes sensores. Os produtos obtidos foram analisados por
    comparação visual e por correlação. Também foram extraídas amostras da
    vegetação, área urbana, corpos hídricos e pastagem para analisar estas
    feições por box-plot e estatística descritiva. Os resultados indicaram melhor
    resolução espacial para NDVI mux e sua versão fusionada NDVI pan com maior
    detalhamento da cena e forte correlação entre estes índices, com média e
    desvio padrão também semelhantes, porém o box-plot indicou diferenças para
    corpo hídrico e área urbana. De modo geral, NDVI mux e NDVI oli e NDVI pan
    representaram visualmente de forma satisfatória a dependência da vegetação
    pela precipitação. O NDWI mux e NDWI oli por outro lado, apresentaram média
    correlação e os boxplots não demonstraram um padrão no comportamento
    espectral.

6
  • DANIEL SILVA VERAS
  • ANÁLISE TEMPORAL MULTIFONTE E MULTIESPECTRAL DA COBERTURA VEGETAL DOESTUÁRIO DO RIO SIRINHAÉM – PE.

  • Orientador : JOAO RODRIGUES TAVARES JUNIOR
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JANAINA MARIA OLIVEIRA DE ASSIS
  • JOAO RODRIGUES TAVARES JUNIOR
  • RAFAEL RODRIGUES DA SILVA
  • Data: 19/04/2022

  • Mostrar Resumo
  • A abordagem multisensor pode representar vantagens por conta da maior quantidade de imagens disponíveis num mesmo período de interesse e também por contribuir para aquisição de imagens livre de nuvens e/ou compatibilização de datas de aquisição mais próximas, dois aspectos importantes em estudos multi-temporais. Avaliar essa possibilidade em sistemas com cobertura global e acesso livre e aberto, como os dados Landsat, CBERS e Sentinel-2, é um aspecto adicional que vem contribuir com a comunidade usuária desses dados. Esta pesquisa propõe realizar análise temporal (anos 2000 a 2020) multifonte (dados Landsat, CBERS e Sentinel-2) da cobertura vegetal de mangue do estuário do Rio Sirinhaém, litoral sul do Estado de Pernambuco por meio de índices físicos de sensoriamento remoto (NDVI, SAVI, EVI, VARIgreen e NDWI). Além dos índices em resolução nativa dos sensores, também foram gerados os índices a partir das imagens fusionadas. Num primeiro momento, as bandas espectrais de todos os sensores foram comparadas com vistas a formação de entendimento sobre as diferenças e similaridades que os produtos gerados poderão oferecer. Posteriormente, os índices gerados foram comparados e analisados via espacialização e geração de gráficos do tipo box plot e a partir dessas análises procedemos o mapeamento da cobertura vegetal por meio do fatiamento das imagens de índices de vegetação selecionados nos intervalos identificados. Os resultados encontrados até o momento nos permitiu concluir que os índices calculados a partir das imagens fusionadas agregaram melhorias no contorno visual das feições, com apresentação de bordas e contornos mais suaves e melhor definidos, mas no geral, apresentaram similaridade com os dados em resolução nativa quanto ao comportamento espectral dos alvos estudados; Na análise da cobertura vegetal, apenas os índices NDVI (sensores OLI e MUX4A) e NDWI (OLI e MUX4A) foram capazes de promover, virtualmente, plena separação entre as duas tipologias de mangue e por isso foram utilizados na geração dos mapas; e nos mapeamentos resultantes, obtivemos 82,44% de concordância espacial quando sobrepomos aos dados do mapeamento do projeto MapBiomas.


  • Mostrar Abstract
  • A abordagem multisensor pode representar vantagens por conta da maior quantidade de imagens disponíveis num mesmo período de interesse e também por contribuir para aquisição de imagens livre de nuvens e/ou compatibilização de datas de aquisição mais próximas, dois aspectos importantes em estudos multi-temporais. Avaliar essa possibilidade em sistemas com cobertura global e acesso livre e aberto, como os dados Landsat, CBERS e Sentinel-2, é um aspecto adicional que vem contribuir com a comunidade usuária desses dados. Esta pesquisa propõe realizar análise temporal (anos 2000 a 2020) multifonte (dados Landsat, CBERS e Sentinel-2) da cobertura vegetal de mangue do estuário do Rio Sirinhaém, litoral sul do Estado de Pernambuco por meio de índices físicos de sensoriamento remoto (NDVI, SAVI, EVI, VARIgreen e NDWI). Além dos índices em resolução nativa dos sensores, também foram gerados os índices a partir das imagens fusionadas. Num primeiro momento, as bandas espectrais de todos os sensores foram comparadas com vistas a formação de entendimento sobre as diferenças e similaridades que os produtos gerados poderão oferecer. Posteriormente, os índices gerados foram comparados e analisados via espacialização e geração de gráficos do tipo box plot e a partir dessas análises procedemos o mapeamento da cobertura vegetal por meio do fatiamento das imagens de índices de vegetação selecionados nos intervalos identificados. Os resultados encontrados até o momento nos permitiu concluir que os índices calculados a partir das imagens fusionadas agregaram melhorias no contorno visual das feições, com apresentação de bordas e contornos mais suaves e melhor definidos, mas no geral, apresentaram similaridade com os dados em resolução nativa quanto ao comportamento espectral dos alvos estudados; Na análise da cobertura vegetal, apenas os índices NDVI (sensores OLI e MUX4A) e NDWI (OLI e MUX4A) foram capazes de promover, virtualmente, plena separação entre as duas tipologias de mangue e por isso foram utilizados na geração dos mapas; e nos mapeamentos resultantes, obtivemos 82,44% de concordância espacial quando sobrepomos aos dados do mapeamento do projeto MapBiomas.

7
  • ROBERTO LUCIO BELO DE SOUZA JUNIOR
  • "VULNERABILIDADE EM AMBIENTE DE PRAIAS ARENOSAS DA ILHA DE FERNANDO DE NORONHA UTILIZANDO-SE AEROLEVANTAMENTO POR VANT (Veículo Aéreo Não Tripulado)”.

  • Orientador : MARIA DAS NEVES GREGÓRIO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CARLOS ALBERTO BORBA SCHULER
  • FRANCISCO JAIME BEZERRA MENDONCA
  • MARIA DAS NEVES GREGÓRIO
  • Data: 15/07/2022

  • Mostrar Resumo
  • Resumo

    As praias arenosas da Ilha principal do Arquipélago de Fernando de Noronha,
    que leva o seu homônimo, distrito do Estado de Pernambuco, situada no
    nordeste do Brasil, no Oceano Atlântico Sul Equatorial, as suas praias
    apresentam uma alta frequência turística, se destacam pelas belezas naturais
    e encontram-se como um dos principais destinos turísticos do BrasilL. A
    presente pesquisa teve como objetivo identificar os agentes naturais e
    antrópicos que afetam o meio ambiente das praias arenosas setentrionais do
    da ilha de Fernando de Noronha, a fim de avaliar a vulnerabilidade das praias:
    Conceição, Boldró, Bode, Quixambinha e a praia da Cacimba do Padre. Em
    razão das ações antrópicas e a dinâmica da natureza à erosão costeira. Para
    isso foram utilizados Geoindicadores, geomorfólogicos e sedimentológicos, do
    ambientes de praia no litoral noronhense, como as varáveis, declividade,
    largura de praia, elevação do terreno, vegetação e ocupação humana, em
    combinação espacial a partir de camadas raster e executadas através de
    metodologias de álgebra de mapas. Os dados de campo foram obtidos a partir
    de ortomosaicos processados de aerolevantamento com VANT (Veículo aéreo
    não tripulado), incluindo a fase de processamento fotogramétrico, pontos de
    controle medidos com pares de receptores GNSS (RTK) por SALIM (2019),
    mapeamento das áreas estudadas, com a coleta de sedimentos nos ambientes
    de praia, medições da linha de costa atual e registro fotográficos. O
    processamento da evolução da linha de costa foi realizado através do programa
    de análise espacial de variação de linha de costa DSAS-USGS. A partir desses
    dados foi possível produzir informações espaciais sobre a vulnerabilidade
    costeira, utilizando a metodologia dos pesquisadores Berger (1997) e Bush et
    al. (1999) Gornitz et al. (1994), Cobum (2002) e Mazzer (2007). Os resultados
    mostraram uma declividade suave e a presença de águas deixadas pela maré
    alta (maceiós). Essas praias apresentaram sedimentos finos, presentes no
    estirâncio, vegetação no ambiente praial quase inexistente e uma pós-praia
    reduzida ou ausente. A variação da linha costa entre os anos de 2019 e 2021
    apresentaram taxas de recuo da linha de costa que compreendem as praias da
    Conceição (recuo -1,20 m/ano), Boldró (recuo -4,04 m/ano), Bode (recuo -8,41
    m/ano) , Quixambinha (recuo -14,05 m/ano) e Cacimba do Padre (recuo 0,18

    m/ano). A vulnerabilidade nas praias (estudadas foram avaliadas como alta,
    pois a ocupação humana através de instalação de edificações e remobilização
    de sedimetnos no ambiente pós-praia e associada a alta energia nesses
    ambientes potencializam a erosão nesses locais.

    Palavras-chave: Sedimentologia de praia, vulnerabilidade costeira,
    evolução da linha de costa, aerolevantamento, GNSS


  • Mostrar Abstract
  • Esta pesquisa avaliou a vulnerabilidade de erosão costeira em praias arenosas da Ilha principal do Arquipélago de Fernando de Noronha, distrito do Estado de Pernambuco, no nordeste do Brasil, situada no Oceano Atlântico Sul Equatorial. Para isso foi utilizado Geoindicadores geomorfólogicos e sedimentológicos, do ambientes de praia no litoral noronhense, como as varáveis, declividade, largura de praia, elevação do terreno, vegetação e ocupação humana, em combinação espacial a partir de camadas raster e executadas através de metodologias de álgebra de mapas. Os dados de campo foram obtidos a partir de ortomosaicos processados de aerolevantamento com VANT (Veículo aéreo não tripulado) incluindo a fase de processamento fotogramétrico com pontos de controle medidos com pares de receptores GNSS (RTK) por Salim (2019), mapeamento das áreas estudadas com a coleta de sedimentos nos ambientes de praia, medições da linha de costa atual, registro fotográficos dos ambientes. O processamento da evolução da linha de costa foi realizado através do programa de análise espacial de variação de linha de costa DSAS-USGS. A partir de todos esses dados foi possível produzir informações espaciais sobre vulnerabilidade costeira utilizando a metodologia dos pesquisadores Berger (1997) e Bush et al. (1999) Gornitz et al. (1994), Cobum (2002) e Mazzer (2007). Os resultados mostraram que as praias apresentaram sedimentos finos, presentes no estirâncio, vegetação no ambiente praial quase inexistente e uma pós-praia reduzida ou ausente. A variação da linha costa entre os anos de 2019 e 2021 apresentaram taxas de recuo de -12,40 m/ano e taxas de avanço de 5,18 m/ano que compreendem as praias da Conceição Boldró, Bode, Quixambinha e Cacimba do Padre
    Palavras-chave: Sedimentologia de praia, vulnerabilidade costeira, evolução da linha de costa, aerolevantamento, GNSS.

8
  • THAISA MANOELA SILVA FRANCA
  • ESTRUTURA GEODÉSICA INTEGRADA AO CADASTRO TERRITORIAL    MUNICIPAL.

  • Orientador : SILVIO JACKS DOS ANJOS GARNES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANDREA DE SEIXAS
  • KAROLINE PAES JAMUR
  • SILVIO JACKS DOS ANJOS GARNES
  • Data: 29/08/2022

  • Mostrar Resumo
  • O atendimento de insumos cartográficos ao Cadastro e a Regularização Fundiária nos municípios, passa pela implantação de uma estrutura geodésica otimizada que permita obter as acurácias necessárias para as mais diversas aplicações. Assim, construiu-se nesse trabalho uma análise e complemento de informações de uma estrutura geodésica já implantada no município de Jaboatão dos Guararapes, com um arcabouço metodológico que pode nortear outros municípios que não possuem uma estrutura geodésica ou que precisam de complementos existente. Para a análise usou-se pontos de controles que foram fornecidos pelo IBGE e pelo município que contratou uma empresa especializada para execução. Os produtos disponibilizados, além dos pontos de controle foram o mapa geoidal, rede de referência, modelos digitais de terreno e ortofotos. Objetivou-se verificar as acurácias com base em densificação de pontos aleatórios em qualquer parte do município e que usa a estrutura em rede existente, com a pré-análise por métodos clássicos de triangulateração, e com ajuste de rede GNSS, contando com o mínimo necessário de ocupação, visando termos econômicos e satisfatórios dentro das premissas das normas da ABNT, NBR 13133/21, NBR 14166/22 e NBR 17047/22. Também foi analisado dados de altimetria e proposto um modelo quase geoidal local, baseado na altitude normal recentemente adotada como altitude do Sistema Geodésico Brasileiro. As ortofotos puderam ser verificadas quanto ao padrão de exatidão cartográfica de produtos cartográficos digitais e receberam num contexto municipal total, uma classificação conforme resultados encontrados. A integração com o cadastro imobiliário vem se tornando evidente nos dias de hoje, pois do cadastro tem-se melhor detalhamento do território, e como a informatização e integração é o arrimo para construção de um sistema de administração de terra robusto e eficiente, no qual é imprescindível o trabalho holístico desde a produção de uma estrutura geodésica até suas aplicabilidades, e com base na regularização fundiária em processos de Reurb-s, que efetivamente vem se desenvolvendo no município de Jaboatão dos Guararapes, apresenta-se soluções mobile a partir de softwares livres que permitiram a construção de um  boletim digital para coleta de informações sociais, cartográficas e inserção na base cadastral municipal com preceitos de qualidade de dados de acordo com o decreto nº 89.817/84 e acurácia posicional urbana de acordo com que a lei 13465/17 e decreto 9310/18.   

     

     

    Palavra chave:  Estrutura Geodésica, cadastro territorial e soluções mobile.


  • Mostrar Abstract
  • No processo de intervenção urbanísticas e planejamento urbano que tem sido debatido com
    veemência e diante dos objetivos da ONU em propor um mundo mais sustentável, conhecer o
    território é primordial para a implantação de políticas públicas e avaliações, neste cenário de
    discursão propomos a construção de uma estrutura geodésica confiável e acurada integrada cadastro
    urbano (imobiliário) para o gerenciamento e monitoramento do território aplicada neste estudo ao
    município de Jaboatão dos Guararapes.
    A construção e implementação dessa estrutura geodésica se dar a partir das análises dos
    insumos existente que são: a rede de referência municipal, pontos de controles existentes que foram
    fornecidos pelo IBGE e pelo município , mapa geoidal fornecido pelo município e insumos
    cartográficos como as ortofotos e modelos ditais do terreno, logo considerando esses vastos
    produtos a intensão é validar, mensurar e construir uma estrutura geodésica para aplicações no
    gerenciamento de terras utilizando como exemplo de aplicação e disseminação soluções mobile.
    Portanto busca-se criar uma estrutura geodésica municipal para análise e produção de insumos
    cartográficos, na qual a partir dessa estrutura será possível determinar aplicabilidade dos produtos
    voltados para projetos de planejamento e gerenciamento territorial. A integração com cadastro
    imobiliário é fundamental, pois é no cadastro que conhecemos o território, portanto a informatização
    e integração é primordial para construção de um sistema de administração de terra robusto e
    eficiente, no entanto é imprescindível o trabalho holístico desde da produção de uma estrutura
    geodésica a sua aplicabilidade.

9
  • JOEL BORGES DOS PASSOS
  • Análise da especificação técnica para o controle de qualidade de dados geoespaciais em bases cartográficas vetoriais.

  • Orientador : LUCILENE ANTUNES CORREIA MARQUES DE SA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOSE LUIZ PORTUGAL
  • ANDREA FLAVIA TENORIO CARNEIRO
  • ANTONIO CARLOS FREIRE SAMPAIO
  • Data: 31/08/2022

  • Mostrar Resumo
  •  

    RESUMO 

     

    Neste trabalho é analisada a eficiência e aplicabilidade dos procedimentos de qualidade de dados apresentados na ET-CQDG. Nessa norma as métricas são apresentadas em forma de tabelas e sem uma metodologia de aplicação definida para cada produto. Nesse contexto foram propostos fluxos de trabalho e implementado modelos de processamentos automatizados que avaliam, dentre os elementos de qualidade, a consistência topológica, para um CDGV que compõem a base de dados da INDE, através do BDGEx. Os modelos de processamentos automatizados ocorreram a partir da implementação do processamento de códigos Python integrado no software QGIS, que tem se mostrado uma alternativa gratuita e eficaz para a execução de tarefas específicas de geoprocessamento. Sendo assim, foi desenvolvido o script CQ_CQDG com a finalidade de executar a avaliação da consistência topológica prevista na ET-CQDG. A base de construção desse script foram as ferramentas de identificação de erros, disponível no plugin DSGTools, que são as responsáveis por identificar e gerar registros para os problemas topológicos. O registro é feito por meio de flags que são armazenadas em tabelas e convertidas para a Classe de ocorrência, proposta nesse trabalho. Para essa classe foi elaborado o modelo lógico e físico com a finalidade de gerenciar o controle de qualidade e auxiliar o preenchimento do relatório de qualidade. Após essas implementações foi efetuado testes controlados no intuito de verificar se todas as ferramentas de identificação de erros podem garantir a consistência topológica das informações extraídas dos CDGV. Os resultados desse estudo mostraram que o método proposto é reprodutível e que o script avalia automaticamente a qualidade dos dados de forma eficiente, amparando de forma apropriada a execução do método. Com os resultados apresentados também foi possível verificar que a CQDG não prover as medidas de qualidade necessárias para as aferições dos produtos oriundos do SCN. 

     


  • Mostrar Abstract
  • Neste trabalho é analisada a eficiência e aplicabilidade dos procedimentos de qualidade
    de dados apresentados na ET-CQDG. Nessa norma as métricas são apresentadas em
    forma de tabelas e sem uma metodologia de aplicação definida para cada produto. Nesse
    contexto foi proposto fluxos de trabalho e implementado modelos de processamentos
    automatizados que garantem a qualidade e a consistência lógica, para um Conjunto de
    Dados Geoespaciais Vetoriais (CDGV) que compõem a base de dados da INDE, através
    do BDGEx. Os modelos de processamentos automatizados ocorreram a partir da
    implementação do processamento de códigos Python integrado no software QGIS, que
    tem se mostrado uma alternativa gratuita e eficaz para a execução de tarefas específicas
    demandadas por cada medida de qualidade. Sendo assim, foi desenvolvido um script
    denominado de CQ_CQDG com a finalidade de executar a avaliação de todas as
    medidas de qualidade da consistência topológica prevista na ET-CQDG. A base de
    construção desse script foi as ferramentas de Identificação de erros, disponíveis no
    plugin DSGTools, que são as responsáveis por identificar os problemas topológicos
    criando registros para os problemas encontrados. O registro dos problemas é feito por
    meio de flags que são armazenadas em tabelas e posteriormente convertidos para a
    Classe de ocorrência. Para essa classe foi elaborado o modelo lógico e físico com a
    finalidade de gerenciar o controle de qualidade e auxiliar o preenchimento do relatório
    de qualidade proposto. Após essas implementações pretende-se efetuar testes
    controlados no intuito de verificar se todas as ferramentas de identificação de erros
    possam garantir a consistência topológica das informações extraídas dos CDGV,
    oriundo do Sistema Cartográfico Nacional (SCN). Assim como analisar se a ET-CQDG
    provê as medidas de qualidade necessárias para as aferições dos produtos do SCN pelos
    diversos produtores, usuários e analistas de SIG.

10
  • LISMARIANE DA SILVA CARDOSO
  • VARIAÇÃO MORFODINÂMICA DA LINHA DE COSTA SETENTRIONAL E MERIDIONAL DO ARQUIPÉLAGO DE FERNANDO DE NORONHA, PE – BRASIl -  UTILIZANDO AS TECNOLOGIAS DA GEOINFORMAÇÃO.

  • Orientador : MARIA DAS NEVES GREGÓRIO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARCIA CRISTINA DE SOUZA MATOS CARNEIRO
  • MARIA DAS NEVES GREGÓRIO
  • VALDIR DO AMARAL VAZ MANSO
  • Data: 31/08/2022

  • Mostrar Resumo
  •  


    RESUMO
    O Arquipélago de Fernando Noronha é formado por 21 ilhas, ilhotas e rochedos de origem vulcânica, ocupa uma área de 26 km2, desses, 17 km2 são da ilha principal “Fernando de Noronha”. Situada no Oceano Atlântico Sul equatorial, distando 545 quilômetros na direção NE da cidade do Recife (PE). Para sustentar o turismo crescente, Fernando de Noronha se desenvolve sacrificando, paradoxalmente, seu principal atrativo turístico, os recursos naturais. O complexo turístico emergente na ilha sofre com a ameaça de um colapso geral e já extrapolou em vários aspectos o nível de risco. O risco de esgotar seus atributos naturais nas próximas décadas se não adotar um modelo sustentável de desenvolvimento. O presente estudo visa um aprofundamento da variabilidade da linha de costa da ilha principal do Arquipélago de Fernando de Noronha, localizado no Estado de Pernambuco entre os anos 1997 e 2005, a fim de compreender e explicar a evolução espacial e temporal da linha de costa, relacionando-a com as características físicas do ambiente, e uma interação com os fatores morfodinâmicos. Para determinação da linha de costa foram utilizadas fotografias aéreas dos anos 1997 e 2005 obtidas junto a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife – FIDEM, todas em formato digital, sendo as de 1997 ortofotocartas. A demarcação da linha de costa foi realizada por vetorização sobre as imagens do ano de 1997 e de 2005. Para esse levantamento foi considerado o limite superior do ambiente praial, ou seja, o contato entre o ambiente marinho e o terrestre, devido a não observação da linha da maré mais no ambiente. Entretanto, a linha foi definida através da presença da faixa arenosa nas imagens mais antiga. Tomou-se como base a linha mais antiga (1997) a fim de analisar a variação do deslocamento, e foi identificada por meio do cálculo das taxas m/ano de erosão e acresção através da ferramenta Digital Shoreline Analysis System (DSAS) integrada no programa ArcGis10.2.2, por meio de cálculos estatísticos. Para à análise das taxas de deslocamento da linha de costa foi levado em consideração a direção da costa e o seu posicionamento em relação aos hemisférios e o posicionamento na ilha, sendo classificadas em setores setentrionais e setores meridionais, levando-se em consideração a distribuição e a mudança da linha de costa, sendo essa constituída de praia arenosa (1997) e/ou da ausência dessa (2005). Dessa forma foram distribuídos 5 setores Meridionais e 5 setores Setentrionais. Os dados relacionados a velocidades e direção dos ventos e a precipitação foram obtidos no Banco de Dados do Sistema Nacional de Dados Ambientais (SINDA-INPE). O setor 1 Meridional está localizado no lado ocidental e meridional da ilha e possui uma direção leste – oeste, formado por uma praia arenosa, a faixa arenosa apresentou uma largura média de 105,4 m, com um comprimento de 727,8 m para o ano de 1997, porém para o ano de 2005 a praia obteve uma largura média de 88,3 m e um comprimento médio de 461,7 m, a variação da linha de costa entre 1997-2005 foi de -1,772 m/ano. O setor 2 Meridional está localizado no lado ocidental e meridional da ilha, entretanto com a direção do arco praial noroeste – sudeste, formado também por uma praia arenosa, que apresentou uma largura média de 13,7 m, com um comprimento de 225 m, para o ano de 1997, e entre o período de 1997-2005, a faixa praial não foi observada, a média da taxa de deslocamento foi de -1,31 m/ano. O setor 3 Meridional é formado por uma faixa de praia arenosa localizado também no lado ocidental e meridional da ilha, situado entre dois promontórios, com uma direção do arco praial leste – oeste, a faixa praial apresentou uma largura média de 56,9 m e um comprimento de 380,8 m observados durante o ano de 1997 e uma faixa de praia com 38,74 m, de largura e 366,8 m de comprimento para o ano de 2005, o deslocamento entre 1997 e 2005 a média da taxa foi de -0,933 m/ano. Setor 4 Meridional, também é formado por uma faixa de praia arenosa localizado na parte ocidental da ilha, seu o arco praial apresenta a direção norte – sul, a faixa de praia possui uma extensão média de 1.341,28 m e uma largura média de 46,98 m, para o ano de 1997 e entre 1997- 2005 não apresentou a faixa de praia. O setor 5 Meridional, localizado na parte oriental da ilha, possui uma orientação do arco praial leste – oeste, a faixa de praia possui uma extensão média de 131,88 m e uma largura média de 50,7 m, para o ano de 1997 e entre 1997- 2005, não apresentou a faixa de praia, e uma taxa de -3,682 m/ano. Para os setores Setentrionais, o setor 1 é formado por uma faixa arenosa, situado na parte ocidental da ilha, com o arco praial na orientação leste – oeste, a faixa praial apresentou uma largura média de 84,6 m e um comprimento de 771,3 m para o ano de 1997 e entre 1997 -2005, apresentou a faixa arenosa uma largura de 89,786 e 792,41 m de comprimento, a taxa média foi de -0,371 m/ano. O setor 2 Setentrional também se localiza na parte ocidental da ilha, formado por um pequeno trecho de faixa arenosa, com a orientação leste – oeste, a faixa praial teve uma largura média de 94,27 m, e um comprimento de 196,69 m para o ano de 1997 e entre o período de 1997-2005 a faixa de praia apresentou uma largura de 70,1 m e 189,36 m de comprimento, com uma taxa média de
    -0,472 m/ano. O setor 3 Setentrional corresponde a uma faixa arenosa mais alongada, com uma orientação leste – oeste, a faixa arenosa para o ano de 1997 apresentou uma largura média de 107,8 m e um comprimento de 672,53 m e entre 1997 e 2005, o ambiente arenoso foi de 60 m para a largura da praia, e um comprimento de 581,14 m, e uma taxa média de -0,565 m/ano. O setor 4 Setentrional teve uma localização na parte oriental da ilha, devido o posicionamento ao leste da ilha, também é um setor representado por uma faixa arenosa mais alongada direcionada de leste - oeste, para o ano de 1997 a faixa arenosa obteve uma média 65,95 m de largura e de comprimento 911,39 m e entre 1997 a 2005 o ambiente arenoso foi de 46,91 m de largura e 397,87 m de comprimento, e o deslocamento médio foi de -1700 m/ano. O setor 5 Setentrional está situado na parte oriental da ilha, e corresponde a uma pequena enseada, com a orientação leste – oeste, a faixa arenosa para o ano de 1997 apresentou uma largura média de 87,87 m e de comprimento 227,41 m, e entre 1997-2005 apresentou uma largura média 44,33 m e 217,64 m de comprimento, o deslocamento médio da taxa foi de -1,237 m/ano. Em relação a mediana dos setores meridionais e setentrionais, a maior parte dos resultados apresentaram valores próximos da média. Para o desvio padrão, os maiores valores de dispersão dos dados foram observados nos setores 1 (3,381) e 4 meridionais (3,054) e no setor 5 Setentrional (2,097). Em relação as medias dos dados observados nas taxas de deslocamento, apenas o setor 4 Meridional apresentou uma média positiva entre todos os setores estudados. Os setores Meridionais e Setentrionais apresentaram retrogradação da linha de costa, exceto o setor 4 Meridional, entre 1997 a 2005, entretanto houve a retirada de sedimento, expondo a rocha abaixo desses.
    Palavras Chaves: Fernando de Noronha, linha de costa, progradação, retrogradação.


  • Mostrar Abstract
  • O Arquipélago de Fernando Noronha é formado por 21 ilhas, ilhotas e rochedos de origem vulcânica, ocupa uma área de 26 km2 , desses, 17 km2 são da ilha principal “Fernando de Noronha”. Situada no Oceano Atlântico Sul equatorial, distando 545 quilômetros na direção NE da cidade do Recife (PE). Para sustentar o turismo crescente, Fernando de Noronha se desenvolve sacrificando, paradoxalmente, seu principal atrativo turístico, os recursos naturais. O complexo turístico emergente na ilha sofre com a ameaça de um colapso geral e já extrapolou em vários aspectos o nível de risco. O risco de esgotar seus atributos naturais nas próximas décadas se não adotar um modelo sustentável de desenvolvimento. O presente estudo visa um aprofundamento da variabilidade da linha de costa da ilha principal do Arquipélago de Fernando de Noronha, localizado no Estado de Pernambuco entre os anos 1997 e 2005, a fim de compreender e explicar a evolução espacial e temporal da linha de costa, relacionando-a com as características físicas do ambiente, e uma interação com os fatores morfodinâmicos. Para determinação da linha de costa foram utilizadas fotografias aéreas dos anos 1997 e 2005 obtidas junto a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife – FIDEM, todas em formato digital, sendo as de 1997 ortofotocartas. A demarcação da linha de costa foi realizada por vetorização sobre as imagens do ano de 1997 e de 2005. Para esse levantamento foi considerado o limite superior do ambiente praial, ou seja, o contato entre o ambiente marinho e o terrestre, devido a não observação da linha da maré mais no ambiente. Entretanto, a linha foi definida através da presença da faixa arenosa nas imagens mais antiga. Tomou-se como base a linha mais antiga (1997) a fim de analisar a variação do deslocamento, e foi n identificada por meio do cálculo das taxas m/ano de erosão e acresção através da ferramenta Digital Shoreline Analysis System (DSAS) integrada no programa ArcGis10.2.2, por meio de cálculos estatísticos. Para à análise das taxas de deslocamento da linha de costa foi levado em consideração a direção da costa e o seu posicionamento em relação aos hemisférios e o posicionamento na ilha, sendo classificadas em setores setentrionais e setores meridionais, levando-se em consideração a distribuição e a mudança da linha de costa, sendo essa constituída de praia arenosa (1997) e/ou da ausência dessa (2005). Dessa forma foram distribuídos 5 setores Meridionais e 5 setores Setentrionais. Os dados relacionados a velocidades e direção dos ventos e a precipitação foram obtidos no Banco de Dados do Sistema Nacional de Dados Ambientais (SINDA-INPE). O setor 1 Meridional está localizado no lado ocidental e meridional da ilha e possui uma direção leste – oeste, formado por uma praia arenosa, a faixa arenosa apresentou uma largura média de 105,4 m, com um comprimento de 727,8 m para o ano de 1997, porém para o ano de 2005 a praia obteve uma largura média de 88,3 m e um comprimento médio de 461,7 m, a variação da linha de costa entre 1997-2005 foi de -1,772 m/ano. O setor 2 Meridional está localizado no lado ocidental e meridional da ilha, entretanto com a direção do arco praial noroeste – sudeste, formado também por uma praia arenosa, que apresentou uma largura média de 13,7 m, com um comprimento de 225 m, para o ano de 1997, e entre o período de 1997-2005, a faixa praial não foi observada, a média da taxa de deslocamento foi de -1,31 m/ano. O setor 3 Meridional é formado por uma faixa de praia arenosa localizado também no lado ocidental e meridional da ilha, situado entre dois promontórios, com uma direção do arco praial leste – oeste, a faixa praial apresentou uma largura média de 56,9 m e um comprimento de 380,8 m observados durante o ano de 1997 e uma faixa de praia com 38,74 m, de largura e 366,8 m de comprimento para o ano de 2005, o deslocamento entre 1997 e 2005 a média da taxa foi de -0,933 m/ano. Setor 4 Meridional, também é formado por uma faixa de praia arenosa localizado na parte ocidental da ilha, seu o arco praial apresenta a direção norte – sul, a faixa de praia possui uma extensão média de 1.341,28 m e uma largura média de 46,98 m, para o ano de 1997 e entre 1997- 2005 não apresentou a faixa de praia. O setor 5 Meridional, localizado na parte oriental da ilha, possui uma orientação do arco praial leste – oeste, a faixa de praia possui uma extensão média de 131,88 m e uma largura média de 50,7 m, para o ano de 1997 e entre 1997- 2005, não apresentou a faixa de praia, e uma taxa de -3,682 m/ano. Para os setores Setentrionais, o setor 1 é formado por uma faixa arenosa, situado na parte ocidental da ilha, com o arco praial na orientação leste – oeste, a faixa praial apresentou uma largura média de 84,6 m e um comprimento de 771,3 m para o ano de 1997 e entre 1997 -2005, apresentou a faixa arenosa uma largura de 89,786 e 792,41 m de comprimento, a taxa média foi de -0,371 m/ano. O setor 2 Setentrional também se localiza na parte ocidental da ilha, formado por um pequeno trecho de faixa arenosa, com a orientação leste – oeste, a faixa praial teve uma largura média de 94,27 m, e um comprimento de 196,69 m para o ano de 1997 e entre o período de 1997-2005 a faixa de praia apresentou uma largura de 70,1 m e 189,36 m de comprimento, com uma taxa média de -0,472 m/ano. O setor 3 Setentrional corresponde a uma faixa arenosa mais alongada, com uma orientação leste – oeste, a faixa arenosa para o ano de 1997 apresentou uma largura média de 107,8 m e um comprimento de 672,53 m e entre 1997 e 2005, o ambiente arenoso foi de 60 m para a largura da praia, e um comprimento de 581,14 m, e uma taxa média de -0,565 m/ano. O setor 4 Setentrional teve uma localização na parte oriental da ilha, devido o posicionamento ao leste da ilha, também é um setor representado por uma faixa arenosa mais alongada direcionada de leste - oeste, para o ano de 1997 a faixa arenosa obteve uma média 65,95 m de largura e de comprimento 911,39 m e entre 1997 a 2005 o ambiente arenoso foi de 46,91 m de largura e 397,87 m de comprimento, e o deslocamento médio foi de -1700 m/ano. O setor 5 Setentrional está situado na parte oriental da ilha, e corresponde a uma pequena enseada, com a orientação leste – oeste, a faixa arenosa para o ano de 1997 apresentou uma largura média de 87,87 m e de comprimento 227,41 m, e entre 1997-2005 apresentou uma largura média 44,33 m e 217,64 m de comprimento, o deslocamento médio da taxa foi de -1,237 m/ano. Em relação a mediana dos setores meridionais e setentrionais, a maior parte dos resultados apresentaram valores próximos da média. Para o desvio padrão, os maiores valores de dispersão dos dados foram observados nos setores 1 (3,381) e 4 meridionais (3,054) e no setor 5 Setentrional (2,097). Em relação as medias dos dados observados nas taxas de deslocamento, apenas o setor 4 Meridional apresentou uma média positiva entre todos os setores estudados.

2021
Dissertações
1
  • LEANDRO LUIZ SILVA DE FRANÇA
  • Processo de validação da consistência lógica de conjunto de dados geoespaciais vetoriais com abordagem da consistência semântica.

  • Orientador : JOSE LUIZ PORTUGAL
  • MEMBROS DA BANCA :
  • IVANILDO BARBOSA
  • ANDREA FLAVIA TENORIO CARNEIRO
  • JOSE LUIZ PORTUGAL
  • Data: 07/07/2021

  • Mostrar Resumo
  • Para corretas análises e tomadas de decisões baseadas em dados geoespaciais, é essencial que esses dados tenham sua confiabilidade e integridade atestadas. E no que se refere à Consistência Lógica, ainda são poucas as normas e pesquisas que tratem do assunto de forma completa e sistemática, não havendo um consenso sobre os procedimentos adequados para o controle de qualidade desta categoria. Consequentemente, alguns produtores de dados geoespaciais apresentam diversas dificuldades para garantir a integridade e consistência dos seus produtos cartográficos devido à verificação inadequada dos relacionamentos lógicos, ocasionando retrabalhos com verificações repetidas e pouco eficientes. Esta dissertação, portanto, teve como finalidade explorar e aprofundar os conceitos inerentes aos elementos de qualidade da consistência lógica, sistematizando e propondo uma sequência otimizada de avaliação para um Conjunto de Dados Geoespaciais Vetoriais (CDGV) de forma a garantir a consistência das informações extraídas desses dados pelos diversos usuários e analistas de SIG. Além disso, foi discutido neste trabalho o conceito de Consistência Semântica, um importante elemento de qualidade que possibilita a verificação automática de regras lógicas entre atributos ou entre atributo e topologia. A aplicação desta pesquisa ocorreu em um estudo de caso para um CDGV do Projeto de Mapeamento do estado da Bahia, detalhando-se todo o procedimento metodológico para a validação topológica e semântica desses dados. Dos resultados, verificou-se uma quantidade considerável de inconsistências topológicas e semânticas, indicando a necessidade de modernização dos procedimentos de validação da produção cartográfica pela Diretoria de Serviço Geográfico (DSG). No que se refere às contribuições deste trabalho, além da compilação de uma base teórica abrangente e sistematização do fluxo dos procedimentos de avaliação da consistência lógica de um CDGV, destaca-se também o desenvolvimento de soluções para a verificação das inconsistências topológicas e semânticas com consultas SQL baseadas no software livre PostgreSQL e sua extensão espacial PostGIS.

     

    Palavras-chave: Consistência Lógica. Controle de Qualidade. Topologia. Validação


  • Mostrar Abstract
  • Para corretas análises e tomadas de decisões baseadas em dados geoespaciais, é essencial que esses dados tenham sua confiabilidade e integridade atestadas. E no que se refere à Consistência Lógica, ainda são poucas as normas e pesquisas que tratem do assunto de forma completa e sistemática, não havendo um consenso sobre os procedimentos adequados para o controle de qualidade desta categoria. Consequentemente, alguns produtores de dados geoespaciais apresentam diversas dificuldades para garantir a integridade e consistência dos seus produtos cartográficos devido à verificação inadequada dos relacionamentos lógicos, ocasionando retrabalhos com verificações repetidas e pouco eficientes. Esta dissertação, portanto, teve como finalidade explorar e aprofundar os conceitos inerentes aos elementos de qualidade da consistência lógica, sistematizando e propondo uma sequência otimizada de avaliação para um Conjunto de Dados Geoespaciais Vetoriais (CDGV) de forma a garantir a consistência das informações extraídas desses dados pelos diversos usuários e analistas de SIG. Além disso, foi discutido neste trabalho o conceito de Consistência Semântica, um importante elemento de qualidade que possibilita a verificação automática de regras lógicas entre atributos ou entre atributo e topologia. A aplicação desta pesquisa ocorreu em um estudo de caso para um CDGV do Projeto de Mapeamento do estado da Bahia, detalhando-se todo o procedimento metodológico para a validação topológica e semântica desses dados. Dos resultados, verificou-se uma quantidade considerável de inconsistências topológicas e semânticas, indicando a necessidade de modernização dos procedimentos de validação da produção cartográfica pela Diretoria de Serviço Geográfico (DSG). No que se refere às contribuições deste trabalho, além da compilação de uma base teórica abrangente e sistematização do fluxo dos procedimentos de avaliação da consistência lógica de um CDGV, destaca-se também o desenvolvimento de soluções para a verificação das inconsistências topológicas e semânticas com consultas SQL baseadas no software livre PostgreSQL e sua extensão espacial PostGIS.

     

    Palavras-chave: Consistência Lógica. Controle de Qualidade. Topologia. Validação

2
  • TARLEI APARECIDO SANTOS
  • INTEGRAÇÃO DE IMAGENS MULTIFONTES APLICADA AO MAPEAMENTO DE CONTORNOS DE FITOFISIONOMIAS PRESENTES NA ZONA DE AMORTECIMENTO DA REBIO SERRA NEGRA.

  • Orientador : JOAO RODRIGUES TAVARES JUNIOR
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOAO RODRIGUES TAVARES JUNIOR
  • ANA LUCIA BEZERRA CANDEIAS
  • CRISTIANA COUTINHO DUARTE
  • Data: 30/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • O objetivo deste trabalho foi realizar a integração de multifontes de dados para o mapeamento dos diferentes fitofisionomias da vegetação e áreas antrópizadas presentes na Zona de Amortecimento proposta no plano de manejo da REBIO de Serra Negra, empregando-se o método de segmentação multirresolução e mineração de dados. As fitofisionomias definidas para classes de legenda foram: Floresta de Altitude, Caatinga Arbustiva Densa, Caatinga Seca e Esparsa, Áreas de Transição, Massas D’Água e Solo Exposto. Foram utilizados dados de varredura a laser disponibilizados pelo Programa (PE3d) e imagens multiespectrais do satélite CBERS – 4, disponibilizadas pelo INPE. Para classificação das diferentes fitofisionomias e áreas antropizadas presentes na REBIO, os planos de informações passaram pelas etapas de segmentação multirresolução orientada ao objeto, seleção dos atributos texturais e estatísticos e classificação pelo método de mineração de dados (Rede Neurais Artificiais). Ao final da classificação os resultados foram avaliados com base em amostras de referências é por meio de indicadores de concordância e exatidão. Dos resultados obtidos, todos os planos de informações apresentaram resultados satisfatórios, e os indicadores de concordância Kappa variaram entre 0,81 a 0,86, enquanto que os valores de exatidão global foram superiores a 80%. As conclusões finais mostraram que com base nos indicadores de concordância e exatidão não foi possível identificar qual plano de informação obtive o melhor desempenho e resultado. Todos os resultados obtidos foram satisfatórios é atingiram aos objetivos propostos.
    Palavras-chave: Imagens multiespectrais. Índices espectrais. Mineração de dados. Segmentação multirresolução. Varredura a laser.


  • Mostrar Abstract
  • O objetivo deste trabalho foi realizar a integração de multifontes de dados para o mapeamento dos diferentes fitofisionomias da vegetação e áreas antrópizadas presentes na Zona de Amortecimento proposta no plano de manejo da REBIO de Serra Negra, empregando-se o método de segmentação multirresolução e mineração de dados. As fitofisionomias definidas para classes de legenda foram: Floresta de Altitude, Caatinga Arbustiva Densa, Caatinga Seca e Esparsa, Áreas de Transição, Massas D’Água e Solo Exposto. Foram utilizados dados de varredura a laser disponibilizados pelo Programa (PE3d) e imagens multiespectrais do satélite CBERS – 4, disponibilizadas pelo INPE. Para classificação das diferentes fitofisionomias e áreas antropizadas presentes na REBIO, os planos de informações passaram pelas etapas de segmentação multirresolução orientada ao objeto, seleção dos atributos texturais e estatísticos e classificação pelo método de mineração de dados (Rede Neurais Artificiais). Ao final da classificação os resultados foram avaliados com base em amostras de referências é por meio de indicadores de concordância e exatidão. Dos resultados obtidos, todos os planos de informações apresentaram resultados satisfatórios, e os indicadores de concordância Kappa variaram entre 0,81 a 0,86, enquanto que os valores de exatidão global foram superiores a 80%. As conclusões finais mostraram que com base nos indicadores de concordância e exatidão não foi possível identificar qual plano de informação obtive o melhor desempenho e resultado. Todos os resultados obtidos foram satisfatórios é atingiram aos objetivos propostos.
    Palavras-chave: Imagens multiespectrais. Índices espectrais. Mineração de dados. Segmentação multirresolução. Varredura a laser.

3
  • FABIO VINICIUS MARLEY SANTOS LIMA
  •  Observações geodésicas multi-sensores aplicadas para a caracterização de secas e monitoramento de massa hidrológica.

  • Orientador : RODRIGO MIKOSZ GONCALVES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • PEDRO RODRIGUES MUTTI
  • RODRIGO MIKOSZ GONCALVES
  • VAGNER GONÇALVES FERREIRA
  • Data: 31/08/2021

  • Mostrar Resumo
  •  A dissertação aborda sensores geodésicos aplicados ao monitoramento de extremos climáticos como a seca e variações de massa hidrológica. A área de estudo trata da Região Hidrográfica do Atlântico Nordeste Oriental (NEAHR) no Brasil, localizada no extremo nordeste brasileiro, com cerca de 24 milhões de habitantes desde o Piauí até Alagoas, onde ocupa 3,4% do território nacional, uma área de aproximadamente 287 mil km², abrangendo boa parte do Semiárido brasileiro caracterizada por apresentar períodos de estiagens prolongadas e temperaturas elevadas durante todo o ano. A dissertação é estruturada em dois artigos o primeiro apresenta o comportamento da variabilidade de massa hidrológica no NEAHR a partir de combinações de dados temporais  da missão Gravity Recovery and Climate Experiment (GRACE) a partir do armazenamento total de água na superfície terrestre (TWS), imagens de sensoriamento remoto do Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) a bordo do satélite TERRA a partir do Normalized Difference Vegetation Index (NDVI), volume de água nos 346 reservatórios existentes na região, dados de precipitação a partir de pluviômetros para cálculo do índice de seca Standardized Precipitation Index - SPI . Os resultados confirmam a coesão entre as variações do TWS com o volume de água e NDVI, obtendo uma forte correlação de 0,78 e 0,77 respectivamente. As escalas do Índice de Precipitação Padronizado (12, 24 e 36 meses) mostraram uma correlação moderada e forte com o TWS de 0,57, 0,73 e 0,72 respectivamente e identificaram a última seca severa regional de 2012 a 2017. O segundo artigo utiliza índices de seca a partir de observações temporais de diversas fontes como o (GRACE) e o seu sucessor GRACE Follow – On, dados de precipitação do Climatic Research Unit (CRU) e estações de monitoramento contínuo do Global Positioning System (GPS). Entre os índices avaliados estão o Combined Climatic Deviation Index (CCDI), Drought Severity Index (DSI), Vertical Crustal Deformation Index (DIVCD) e o SPI em múltiplas escalas (03, 06, 12, 24 e 36 meses) Os resultados encontrados mostram fortes correlações (r) = 0.76 e 0.66 entre o CCDI e o SPI-03/06. O DSI se correlacionou fortemente com os SPI-24/36 obtendo (r) =0.69 e 0.76. O DIVCD apresentou algumas limitações, porém se mostrou promissor para detectar as frequências de secas hidrológicas, variando suas correlações (r) = 0.22 até 0.62 de fraca á fortes com o SPI-24. Destaca-se que todos os índices aqui aplicados tiveram a sensibilidade de identificar a última seca severa de 2012 a 2018 bem como a continuidade deste extremo que vem agravando a situação de vulnerabilidade à seca na região para os anos de 2019 e 2020.


  • Mostrar Abstract
  • RESUMO

     

    O objetivo deste estudo é entender o comportamento espaço-temporal da seca em uma região localizada no nordeste do Brasil, composta por 24.1 milhões de habitantes distribuídos em 874 municípios, onde a maioria desses municípios decretarem estado de emergência por motivos de seca. Para isso, observações temporais de diversas fontes como: Gravity Recovery and Climate Experiment (GRACE), Climatic Research Unit (CRU) e Global Positioning System (GPS) foram utilizadas para calcular 5 índices. O Combined Climatic Deviation Index (CCDI), Drought Severity Index (DSI), Water Storage Deficit Index (WSDI), Vertical Crustal Deformation Index (DIVCD) e Standard Precipitation Índex (SPI). Como resultados da eficácia dos índices comparados com o SPI foram detectadas fortes correlações (r) = 0.76 e 0.66 entre o CCDI e o SPI-03/06. O DSI e WSDI se correlacionaram com o SPI-24/36 obtendo (r) =0.69 e 0.76, 0.71 e 0.79 respectivamente. O DIVCD apresentou algumas limitações, porém se mostrou promissor para detectar as frequências de secas hidrológicas, variando suas correlações (r) = 0.22 até 0.62 de fraca á fortes com o SPI-24. Destaca-se que todos os índices aqui aplicados tiveram a sensibilidade de identificar a última seca severa de 2012 a 2018 bem como a continuidade deste extremo que vem agravando a situação de vulnerabilidade à seca na região para os anos de 2019 e 2020.

4
  • RENATO DOS SANTOS ALBUQUERQUE
  • Integração de Parâmetros Ambientais em Imagens Multifontes.

  • Orientador : JOAO RODRIGUES TAVARES JUNIOR
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA LUCIA BEZERRA CANDEIAS
  • JANAINA MARIA OLIVEIRA DE ASSIS
  • JOAO RODRIGUES TAVARES JUNIOR
  • Data: 31/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • O Sensoriamento Remoto passou a ser largamente utilizado ao longo das últimas décadas pelo rápido desenvolvimento tecnológico de sensores imageadores multifontes, além de inovadores conceitos tecnológicos para o desenvolvimento de modelos e métodos que possam explorar e avaliar novas formas de aquisição de dados espaciais. Nesse contexto, este trabalho tem como objetivo investigar dados LiDAR integrados a imagens orbitais multiespectrais do CBERS-4 para avaliação de um novo índice com base em parâmetros ambientais. Para isso, foram analisadas o uso integrado de dados LiDAR em imagens do CBERS-4 usando fatiamento por altitudes com os índices físicos NDVI, NDWI e NDBI e o desenvolvimento de um novo índice para melhor aplicação da legislação ambiental. Como resultado, a acurácia da classificação supervisionada do uso e ocupação do solo pelo coeficiente Kappa apontou Boa Qualidade, e o índice de Exatidão Global indicou 100% de separabilidade dos alvos para as imagens dos períodos (29-08-2019 e 22-01-2015). No desenvolvimento do novo índice ambiental, a fórmula matemática baseada nos índices físicos NDVI e NDBI, pelo critério tentativa e erro de intervalo entre -1 a +1 que atendeu às necessidades de integração foi o valor zero (0), em escala logarítmica log10. Como conclusão, os resultados confirmam que é possível, usando fatiamento por altitudes com os índices físicos NDVI e NDBI para analisar o uso integrado de dados LiDAR 3D em imagens multiespectrais orbitais CBERS-4 a criação de um novo índice físico ambiental


  • Mostrar Abstract
  • O Sensoriamento Remoto passou a ser largamente utilizado ao longo das últimas décadas pelo rápido desenvolvimento tecnológico de sensores imageadores multifontes, além de inovadores conceitos tecnológicos para o desenvolvimento de modelos e métodos que possam explorar e avaliar novas formas de aquisição de dados espaciais. Nesse contexto, este trabalho tem como objetivo investigar dados LiDAR integrados a imagens orbitais multiespectrais do CBERS-4 para avaliação de um novo índice com base em parâmetros ambientais. Para isso, foram analisadas o uso integrado de dados LiDAR em imagens do CBERS-4 usando fatiamento por altitudes com os índices físicos NDVI, NDWI e NDBI e o desenvolvimento de um novo índice para melhor aplicação da legislação ambiental. Como resultado, a acurácia da classificação supervisionada do uso e ocupação do solo pelo coeficiente Kappa apontou Boa Qualidade, e o índice de Exatidão Global indicou 100% de separabilidade dos alvos para as imagens dos períodos (29-08-2019 e 22-01-2015). No desenvolvimento do novo índice ambiental, a fórmula matemática baseada nos índices físicos NDVI e NDBI, pelo critério tentativa e erro de intervalo entre -1 a +1 que atendeu às necessidades de integração foi o valor zero (0), em escala logarítmica log10. Como conclusão, os resultados confirmam que é possível, usando fatiamento por altitudes com os índices físicos NDVI e NDBI para analisar o uso integrado de dados LiDAR 3D em imagens multiespectrais orbitais CBERS-4 a criação de um novo índice físico ambiental

5
  • BENEVIDES BONAVIDES DE ARAUJO
  • EVOLUÇÃO ESPAÇO TEMPORAL DA ZONA COSTEIRA NAS DÉCADAS DE 1970 – 2016 E SUA IMPLICAÇÃO NA ÁREA NÃO EDIFICANTE NO MUNICÍPIO DO JABOATÃO DOS GUARARAPES, PE/BRASIL.

     

  • Orientador : MARIA DAS NEVES GREGÓRIO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FRANCISCO JAIME BEZERRA MENDONCA
  • MARCIA CRISTINA DE SOUZA MATOS CARNEIRO
  • MARIA DAS NEVES GREGÓRIO
  • Data: 16/09/2021

  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa tem o objetivo de analisar a evolução espaço temporal da área litorânea do município do Jaboatão dos Guararapes, PE/Brasil, a partir da linha de ocupação em relação ao ambiente praial e sua implicação na área não edificante nas décadas de 1970 – 2016. A área de estudo foi dividida em cinco setores distribuído de sul para norte, nos quais foram feitas análises espaciais visando entender a dinâmica da interação entre o ambiente praial e a ocupação antrópica. A análise considerou três intervalos 1974-1981, 1974-1997 e 1974-2016. Para determinar a evolução da linha de ocupação e da linha de costa foram utilizadas fotografias áreas dos anos de 1974, 1981, 1997 e 2016 obtidas junto Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco CONDEPE FIDEM, em formato digital, na escala 1: 6.000, 1:10.000, e foram georreferenciadas no Software ArcGIS 10.1, e as taxas calculadas na extensão Digital Shoreline Analysis System (DSAS) v5 e no Statistic7. A determinação da profundidade de fechamento foi realizada a partir da equação empírica de Hellermeier (1981), e a largura da faixa não edificante através da aplicação da lei de Bruun. Os resultados mostraram que houve um avanço da linha de ocupação de 1,18 m e 10,90 m no Setor 1 nos períodos 1974-1981 e 1974-1997. Nos setores 2, 3, 4 e 5, assim como no setor 1, as maiores médias de avanço da linha de ocupação foram observadas no período 1974-1997, mostrando que a maior ocupação no ambiente praial aconteceu no final da década de 90. No setor 3 a linha de ocupação do período 1974-1981 variou de - 8 m à 5 m/ano, expressando tanto recuos quanto avanços; para o período 1974-2016, só apresentou avanços na linha de ocupação. O setor 4 teve como menor valor encontrado 0.90 m/ano no período 1974-2016. No setor 5 os valores médios variaram de 9,96 m/ano no período 1974-1981 a 12,49 m/ano no período 1974-1997, mostrando que a linha de ocupação, mesmo sendo formada por estruturas rígidas, muda com o tempo de acordo com a pressão antrópica sofrida por esse meio. Para o cálculo da distância da área não edificante, levando-se em consideração a elevação do nível do mar de 0,13 m, para o ano de 2030, os resultados foram de 9,50 m para o setor 1; 5,69 para o setor 2; 6,11 m no setor 3; e os valores de 19,24 m e de 20,45 m nos setores 4 e 5 respectivamente, mostrando assim, que a linha de ocupação é um importante ferramenta para avaliação entre a linha de costa, e a área não edificante, e que, dependendo da posição das mesma, haverá ou não, a instalação de um processo erosivo.


  • Mostrar Abstract
  • A presente pesquisa tem o objetivo de analisar a evolução espaço temporal da área litorânea do município do Jaboatão dos Guararapes, PE/Brasil, a partir da linha de ocupação em relação ao ambiente praial e sua implicação na área não edificante nas décadas de 1970 – 2016. A área de estudo foi dividida em cinco setores distribuído de sul para norte, nos quais foram feitas análises espaciais visando entender a dinâmica da interação entre o ambiente praial e a ocupação antrópica. A análise considerou três intervalos 1974-1981, 1974-1997 e 1974-2016. Para determinar a evolução da linha de ocupação e da linha de costa foram utilizadas fotografias áreas dos anos de 1974, 1981, 1997 e 2016 obtidas junto Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco CONDEPE FIDEM, em formato digital, na escala 1: 6.000, 1:10.000, e foram georreferenciadas no Software ArcGIS 10.1, e as taxas calculadas na extensão Digital Shoreline Analysis System (DSAS) v5 e no Statistic7. A determinação da profundidade de fechamento foi realizada a partir da equação empírica de Hellermeier (1981), e a largura da faixa não edificante através da aplicação da lei de Bruun. Os resultados mostraram que houve um avanço da linha de ocupação de 1,18 m e 10,90 m no Setor 1 nos períodos 1974-1981 e 1974-1997. Nos setores 2, 3, 4 e 5, assim como no setor 1, as maiores médias de avanço da linha de ocupação foram observadas no período 1974-1997, mostrando que a maior ocupação no ambiente praial aconteceu no final da década de 90. No setor 3 a linha de ocupação do período 1974-1981 variou de - 8 m à 5 m/ano, expressando tanto recuos quanto avanços; para o período 1974-2016, só apresentou avanços na linha de ocupação. O setor 4 teve como menor valor encontrado 0.90 m/ano no período 1974-2016. No setor 5 os valores médios variaram de 9,96 m/ano no período 1974-1981 a 12,49 m/ano no período 1974-1997, mostrando que a linha de ocupação, mesmo sendo formada por estruturas rígidas, muda com o tempo de acordo com a pressão antrópica sofrida por esse meio. Para o cálculo da distância da área não edificante, levando-se em consideração a elevação do nível do mar de 0,13 m, para o ano de 2030, os resultados foram de 9,50 m para o setor 1; 5,69 para o setor 2; 6,11 m no setor 3; e os valores de 19,24 m e de 20,45 m nos setores 4 e 5 respectivamente, mostrando assim, que a linha de ocupação é um importante ferramenta para avaliação entre a linha de costa, e a área não edificante, e que, dependendo da posição das mesma, haverá ou não, a instalação de um processo erosivo.

6
  • CAMILA RIBEIRO MIRANDA
  • ANÁLISE DA APLICAÇÃO DAS INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS VOLUNTÁRIAS (VGI) NO CADASTRO TERRITORIAL.

  • Orientador : ANDREA FLAVIA TENORIO CARNEIRO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANDREA FLAVIA TENORIO CARNEIRO
  • CLAUDIA ROBBI SLUTER
  • FRANCISCO HENRIQUE DE OLIVEIRA
  • Data: 22/11/2021

  • Mostrar Resumo
  • A tendência de coletar e disseminar informações geográficas voluntárias por
    usuários comuns ficou conhecida como VGI (Volunteered Geographic Information). A
    técnica faz parte da era da popularização da cartografia digital e surge como
    alternativa para mapear vazios cartográficos e colaborar com os sistemas cadastrais
    existentes. A utilização de métodos conforme o propósito é consequência do avanço
    tecnológico e da interdisciplinaridade entre as áreas de conhecimento, e por esse
    motivo, a pesquisa buscou investigar as potencialidades do VGI para manutenção e
    estruturação dos cadastros urbanos e de que forma esses dados poderão contribuir
    para a base de dados georreferenciados dos municípios, compreendendo os desafios
    associados à técnica. Inicialmente, as pesquisas enfatizavam o potencial econômico
    dos métodos de crowdsourcing, mas além de entregar resultados rápidos e de baixo
    custo, surgiu a necessidade de verificar os fatores que influenciam na execução e
    planejamento da abordagem, principalmente quando se trata na possibilidade em
    suprir as lacunas dos sistemas cadastrais dos países em desenvolvimento. Para
    auxiliar na compreensão do VGI aplicado ao cadastro territorial, foi desenvolvido um
    aplicativo que permitisse estabelecer o conceito base do cadastro territorial que é a
    relação pessoa-território através das informações descritivas e georreferenciadas
    coletadas por voluntários. E ainda, que também fosse possível registrar e armazenar
    qualquer formato de arquivo, como fotos, vídeos e áudios. VGI quando aplicado a
    administração de terras, atua como um trabalho em conjunto que envolve tecnologia,
    pessoas, procedimentos, políticas públicas e normas que interagem com as questões
    sociais, ambientais e econômicas da cidade. Os desafios impostos pelos cadastros
    tradicionais no que se refere à confiabilidade da técnica e ao uso equivocado dos
    dados, foram analisados de acordo com o cenário do cadastro urbano brasileiro. Ainda
    que os dados VGI não devam ser considerados oficiais, a pesquisa permitiu elucidar
    os pontos favoráveis que a técnica pode trazer para o cadastro territorial urbano em
    parceria com os métodos tradicionais, além de aproximar os interesses e
    necessidades da população com a capacidade do governo local em atender as
    demandas.
    Palavras-chave: Informações Geográficas Voluntárias; VGI; Crowdsourcing;
    Cadastro Territorial; Administração de Terras.


  • Mostrar Abstract
  • A tendência de coletar e disseminar informações geográficas voluntárias por
    usuários comuns ficou conhecida como VGI (Volunteered Geographic Information). A
    técnica faz parte da era da popularização da cartografia digital e surge como
    alternativa para mapear vazios cartográficos e colaborar com os sistemas cadastrais
    existentes. A utilização de métodos conforme o propósito é consequência do avanço
    tecnológico e da interdisciplinaridade entre as áreas de conhecimento, e por esse
    motivo, a pesquisa buscou investigar as potencialidades do VGI para manutenção e
    estruturação dos cadastros urbanos e de que forma esses dados poderão contribuir
    para a base de dados georreferenciados dos municípios, compreendendo os desafios
    associados à técnica. Inicialmente, as pesquisas enfatizavam o potencial econômico
    dos métodos de crowdsourcing, mas além de entregar resultados rápidos e de baixo
    custo, surgiu a necessidade de verificar os fatores que influenciam na execução e
    planejamento da abordagem, principalmente quando se trata na possibilidade em
    suprir as lacunas dos sistemas cadastrais dos países em desenvolvimento. Para
    auxiliar na compreensão do VGI aplicado ao cadastro territorial, foi desenvolvido um
    aplicativo que permitisse estabelecer o conceito base do cadastro territorial que é a
    relação pessoa-território através das informações descritivas e georreferenciadas
    coletadas por voluntários. E ainda, que também fosse possível registrar e armazenar
    qualquer formato de arquivo, como fotos, vídeos e áudios. VGI quando aplicado a
    administração de terras, atua como um trabalho em conjunto que envolve tecnologia,
    pessoas, procedimentos, políticas públicas e normas que interagem com as questões
    sociais, ambientais e econômicas da cidade. Os desafios impostos pelos cadastros
    tradicionais no que se refere à confiabilidade da técnica e ao uso equivocado dos
    dados, foram analisados de acordo com o cenário do cadastro urbano brasileiro. Ainda
    que os dados VGI não devam ser considerados oficiais, a pesquisa permitiu elucidar
    os pontos favoráveis que a técnica pode trazer para o cadastro territorial urbano em
    parceria com os métodos tradicionais, além de aproximar os interesses e
    necessidades da população com a capacidade do governo local em atender as
    demandas.
    Palavras-chave: Informações Geográficas Voluntárias; VGI; Crowdsourcing;
    Cadastro Territorial; Administração de Terras.

7
  • EVELY FERREIRA DO NASCIMENTO
  • CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS DE ALTA RESOLUÇÃO USANDO ORFEO TOOLBOX PARA AUXILIAR NA ANÁLISE DA COBERTURA DO SOLO COM DADOS DE SETORES CENSITÁRIOS DO IBGE: CASO DO BAIRRO DO PINA - RECIFE - PE

  • Orientador : ANA LUCIA BEZERRA CANDEIAS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA LUCIA BEZERRA CANDEIAS
  • ANDREA FLAVIA TENORIO CARNEIRO
  • EDVANIA TORRES AGUIAR GOMES
  • Data: 01/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • Diversas técnicas de análise de imagens de sensores de alta resolução espacial têm sido
    usadas para mapear alvos urbanos. Uma dessas técnicas é a análise de imagens baseadas
    em objetos. As imagens de alta resolução proporcionam informações detalhadas da
    superfície terrestre, porém, uma das principais limitações para se fazer o mapeamento
    mais preciso tem sido a baixa resolução espectral, o que dificulta a discriminação de
    objetos urbanos com respostas espectrais semelhantes. Para melhorar o resultado da
    classificação, dados auxiliares têm sido utilizados. Neste artigo foram utilizadas
    estatísticas das razões entre bandas e índices de vegetação GLI, VARI, RGBVI e GRVI
    para realizar a classificação. As imagens foram processadas no QGIS 3.16.4 utilizando a
    ferramenta Orfeo Toolbox. As ortofotos fazem parte do acervo cartográfico da
    Prefeitura da cidade do Recife-PE e possuem resolução espacial de 8cm. A análise das
    áreas foi feita utilizando os dados dos setores censitários do IBGE coletadas no censo
    2010. Os resultados obtidos mostram que 11,58% da área dos setores que sobrepõe o
    bairro são de vegetação e que há relação entre os aspectos físicos (cobertura do solo) e
    socioeconômicos nessas regiões, e as informações obtidas podem ser úteis para auxiliar
    a tomada de decisões por parte de órgãos públicos como por exemplo estudos de
    medidas de controle de doenças epidemiológicas, como é o caso da COVID 19.


  • Mostrar Abstract
  • Diversas técnicas de análise de imagens de sensores de alta resolução espacial têm sido
    usadas para mapear alvos urbanos. Uma dessas técnicas é a análise de imagens baseadas
    em objetos. As imagens de alta resolução proporcionam informações detalhadas da
    superfície terrestre, porém, uma das principais limitações para se fazer o mapeamento
    mais preciso tem sido a baixa resolução espectral, o que dificulta a discriminação de
    objetos urbanos com respostas espectrais semelhantes. Para melhorar o resultado da
    classificação, dados auxiliares têm sido utilizados. Neste artigo foram utilizadas
    estatísticas das razões entre bandas e índices de vegetação GLI, VARI, RGBVI e GRVI
    para realizar a classificação. As imagens foram processadas no QGIS 3.16.4 utilizando a
    ferramenta Orfeo Toolbox. As ortofotos fazem parte do acervo cartográfico da
    Prefeitura da cidade do Recife-PE e possuem resolução espacial de 8cm. A análise das
    áreas foi feita utilizando os dados dos setores censitários do IBGE coletadas no censo
    2010. Os resultados obtidos mostram que 11,58% da área dos setores que sobrepõe o
    bairro são de vegetação e que há relação entre os aspectos físicos (cobertura do solo) e
    socioeconômicos nessas regiões, e as informações obtidas podem ser úteis para auxiliar
    a tomada de decisões por parte de órgãos públicos como por exemplo estudos de
    medidas de controle de doenças epidemiológicas, como é o caso da COVID 19.

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02