Banca de DEFESA: ANTONIO PATRICK MENESES DE BRITO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: ANTONIO PATRICK MENESES DE BRITO
DATA : 20/12/2023
HORA: 09:00
LOCAL: GOOGLE MEET
TÍTULO:

VARIABILIDADE ESPACIAL DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS E MAPEAMENTO DO RISCO DE CONTAMINAÇÃO POR RESÍDUOS DE AGROTÓXICOS NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO


PALAVRAS-CHAVES:

Aquífero; Geotecnologia; índice de contaminação; Agropecuária.


PÁGINAS: 91
RESUMO:

BRITO, A. P. M. Variabilidade espacial da qualidade de águas subterrâneas e mapeamento do risco de contaminação por resíduos de agrotóxicos no semiárido brasileiro. 2023. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil.

 

A escassez de água se mantém como um dos principais assuntos debatidos entre as ciências ambientais, tanto pelo fator natural como pelo agravamento face as interferências antrópicas. Como medida de enfrentamento a crise hídrica, várias estratégias estão sendo utilizadas nessas regiões, umas das principais é o uso das águas subterrâneas por meio da perfuração de poços artesanais e uso da água de nascentes. O objetivo deste trabalho é Analisar a relação entre as tipologias de uso/ocupação do solo com foco às atividades agropecuárias e o risco de contaminação da água subterrânea por agrotóxicos em um comunidade agrícola no semiárido brasileiro. Para isso dividiu-se a pesquisa em duas partes. Parte 1:caracterização do uso da terra e variabilidade espacial das propriedades físico-químicas da água subterrânea e, parte 2: Variabilidade espacial do risco de contaminação da água subterrânea por resíduos de agrotóxicos. Para tanto, realizou-se a análise dos parâmetros, condutividade elétrica (CE), turbidez, cloreto, dureza, sólidos totais dissolvidos (STD), alcalinidade e potencial hidrogeniônico (pH) da água. Foram investigados 11 pontos amostrais, sendo 9 nascentes e 2 poços distribuídos na comunidade. Os pontos de coleta foram mapeados com auxílio de Sistema de Posicionamento Global-GPS modelo Garmim 76scx, projeção UTM e Datum WGS84, fuso 24. A análise do uso e ocupação da terra foi feita mediante interpretação espacial de poligonais, através de identificação de machas na paisagem e posterior constatação in loco. Em seguida, aplicou-se doze questionários estruturados (um por grupo familiar) na comunidade para coleta de dados quantitativos e qualitativos. Para mapear o risco tomou-se como base a investigação de 5 indicadores de vulnerabilidade. Sendo eles: vulnerabilidade natural do sistema aquífero; potencial da carga contaminante pelo uso de agrotóxicos; condutividade hidráulica do solo; declividade do terreno e classificação textural do solo. Delimitou-se a área de estudo, e nela realizou-se a coleta de dados em 11 pontos amostrais, (sendo 09 nascentes e 02 poços). Com base na parte 1, identificou-se que o estrato de cobertura (grau de consolidação da camada saturada), encontra-se inserida sob característica litológica consolidada com embasamento cristalino, o grau de confinamento caracterizou-se pela forma confinada e fluxo ascendente jorrante, enquanto as profundidades encontradas variaram de 0 a 6 m em estiagem, e 0 a 3 m no período chuvoso. Para o uso e ocupação do solo, identificou-se que a principal atividade conduzida na área, é agrícola (sendo a responsável pela maior movimentação antrópica na comunidade), e áreas edificáveis que apresentam quintais produtivos (hortaliças e animais domésticos de pequeno porte). A água subterrânea é utilizada principalmente para uso doméstico, e irrigação de frutíferas e hortaliças. As análises físico-químicas demonstraram inadequações para condutividade elétrica, turbidez, sólidos totais dissolvidos e pH. Os demais parâmetros encontraram-se em conformidade com o Valor Máximo Permitido-VPM. Os pontos amostrais que apresentaram o maior número de parâmetros em desconformidade foram 10 e 11. Já na segunda fase da pesquisa Identificou-se o uso de três principais tipos de agrotóxicos que são aplicados nas áreas agricultáveis no entorno da comunidade (Bifentrina, Giflosato e Fluazinam). São eles agrupados agronomicamente em inseticidas, fungicidas e herbicidas, e em uma classificação conjugada como acaricida. Evidenciou-se que os defensivos agrícolas são aplicados com o objetivo de eliminar problemas fitossanitários da bananicultura (principal atividade agrícola evidenciada) como agentes etiológicos e suas fitopatologias. O grau de risco encontrado variou de inexistente a moderado. Os pontos amostrais que apresentaram os maiores riscos de contaminação foram 01 e 03, enquanto o menor risco foi observado no ponto 07 (risco inexistente). Para a análise espacial verificou-se que as áreas de maiores riscos de contaminação concentraram-se pela porção oeste e noroeste, enquanto a região sudeste espacializou os menores riscos de contaminação hídrica. A identificação e mapeamento das vulnerabilidades junto a espacialização dos graus de risco, proporcionaram a representação real das áreas que necessitam de cuidados e análises futuras, para que assim, possa evitar a degradação e contaminação do recurso hídrico. Além de proporcionar uma metodologia prática e que pode ser aplicada em diferentes regiões e cenários de investigação ambiental. Contudo conclui-se que novas análises devem ser realizadas nos pontos amostrais (como microbiológicas e rastreio de metais pesados) para uma caracterização mais específica. E os pontos que apresentaram prévias inadequações, devem ser analisados de modo individual com foco em identificar as principais causas das variações naturais. Visto que as inadequações identificadas podem afetar outros parâmetros e comprometer a potabilidade desta água e seu potencial de abastecimento.

 


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - ***.612.853-** - PAULO HENRIQUE GOMES DE OLIVEIRA SOUSA - UFC
Externa à Instituição - RAFAELLA DA SILVA NOGUEIRA - UNILAB
Interno - 1769444 - RODRIGO MIKOSZ GONCALVES
Notícia cadastrada em: 15/12/2023 15:52
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa09.ufpe.br.sigaa09