Banca de DEFESA: FERNANDO AMORIM ALBUQUERQUE

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE: FERNANDO AMORIM ALBUQUERQUE
DATA : 13/12/2023
HORA: 09:00
LOCAL: GOOGLE MEET
TÍTULO:
SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO À ANÁLISE DOS IMPACTOS DA EROSÃO COSTEIRA EM MANGUEZAIS TROPICAIS DE MACROMARÉ

PALAVRAS-CHAVES:

Manguezal, Erosão costeira, Estoque de carbono.


PÁGINAS: 65
RESUMO:
A zona costeira está sob constante ação dos processos costeiros, o que lhe garante uma alta complexidade nos fluxos de hidrodinâmicos que, por consequência, modificam as morfologias das regiões litorâneas. Este trabalho tem por objetivo analisar os estudos relacionados à análise do comportamento da erosão costeira em ambientes de macromaré, além de buscar entender como esses eventos influenciam no processo de degradação do ecossistema de manguezal e, particularmente no estoque de carbono. Por apresentar, ao longo dos anos, intensos processos erosivos em sua costa e, também, por possuir grandes ecossistemas de manguezais, foi definida a península de Ajuruteua, localizada no município de Bragança, PA, Brasil, como corpus (do estudo de caso) desta dissertação. Para a coleta de dados, foram utilizadas as imagens multiespectrais temporais da série Landsat 5 -TM e Landsat 8 – OLI, dos anos de 1988, 2005, 2015 e 2020, e a ferramenta CASSIE - Coastal Analyst System from Space Imagery Engine, com auxílio do Sistema de Informações Geográficas QGIS®. O método deste trabalho consiste na análise das variações das linha de costa, destacando-se, durante a observação desses elementos, os ativos processos de erosão e progradação de toda a área de Ajuruteua, evidenciando, principalmente, os trechos de maior exposição aos processos costeiros (ondas, maré e correntes), como, por exemplo, as zonas próximas à canais de maré, estuários, áreas de ocupação urbana com grande intensidade erosiva, destacando-se as regiões próximas das praias de Ajuruteua e da praia do Pilão, as quais apresentam uma taxa de variação média da linha de costa de 3,447 m/ano-1 e um recuo médio de 85,170 m-1. Em Ajuruteua, é possível perceber que a progradação ocorre entres áreas mais internas (Baia do Caeté e a Baia do Taperaçu) e menos expostas às ações de ondas e marés; outro fator importante é a presença das barreiras naturais presentes nesses trechos, fazendo com que aconteça uma redução da perda de sedimentos e, consequentemente, ocorra a diminuição da retração da maré, tendo uma variação média da linha de costa de 3,196 m/ano e um avanço de médio de 57,251 m.

MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - NILS EDVIN ASP NETO
Presidente - ***.612.853-** - PAULO HENRIQUE GOMES DE OLIVEIRA SOUSA - UFC
Interno - 1769444 - RODRIGO MIKOSZ GONCALVES
Notícia cadastrada em: 12/12/2023 21:40
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2024 - UFRN - sigaa08.ufpe.br.sigaa08