PPGAR PROGRAMA DE POS-GRADUACAO EM ARQUEOLOGIA - CFCH DEPARTAMENTO DE ARQUEOLOGIA - CFCH Telefone/Ramal: 98630-3666

Banca de DEFESA: MARIA FERNANDA VAN ERVEN

Uma banca de DEFESA de DOUTORADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MARIA FERNANDA VAN ERVEN
DATA : 10/05/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Videoconferência
TÍTULO:

A CERÂMICA PINTADA TUPIGUARANI NO ESTADO DE PERNAMBUCO: questões de mudanças e continuidades entre o Litoral e o Semiárido


PALAVRAS-CHAVES:

Arqueologia Brasileira; Pintura Tupiguarani; Arqueologia Darwiniana; Pernambuco; Transmissão Cultural.


PÁGINAS: 245
RESUMO:

O objetivo do presente trabalho é compreender as semelhanças e as diferenças presentes na pintura da cerâmica Tupiguarani no Litoral e Semiárido de Pernambuco em uma perspectiva diacrônica. Consideramos a pintura como parte de um sistema de comunicação estilístico/funcional e os motivos pintados e gráficos como os signos que compõem a linguagem visual iconográfica dos grupos pretéritos que ocuparam o Litoral e o Semiárido Pernambucano. A metodologia utilizada consistiu na análise dos atributos presentes nas pinturas cerâmicas e na aplicação de diversos testes estatísticos averiguando as possibilidades interpretativas dos dados. Dessa forma, visando à aplicação da estrutura evolucionária darwiniana ao registro arqueológico, utilizamos os conceitos de estilo, função e transmissão cultural. Em termos práticos, os atributos funcionais seriam aqueles afetados pela seleção natural, possuindo características de desempenho que afetam a utilidade de artefatos seletivamente importantes. Por sua vez, a quantidade de variação é limitada e os traços estilísticos são definidos como seletivamente neutros, devendo demonstrar mais variação ao longo do tempo e espaço, pois não são limitados pela seleção natural. Já a Transmissão cultural consiste em um meio para compreender continuidades e mudanças, ou seja, estilo e função partindo da ideia de que as semelhanças no comportamento e nos artefatos podem ser causadas pela troca de informações utilizando-se outro mecanismo e não a genética. Ao fim, encontramos sítios do Litoral intercalados com os do Semiárido, o que nos levou a conjeturar que temos um compartilhamento de características específicas que aproximam sítios localizados em áreas fisiográficas distintas. Outrossim, encontramos agrupamentos formados por sítios exclusivamente do Litoral e também agrupamentos de sítios tão somente do Semiárido. Portanto, é possível pensar movimentos no sentido Litoral-Semiárido, o que é corroborado até o momento pelas datações disponíveis para a área.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 064.222.306-80 - ALENCAR DE MIRANDA AMARAL - UFPE
Externo à Instituição - CARLOS ALBERTO ETCHEVARNE
Presidente - 2320833 - DANIELA CISNEIROS SILVA MUTZENBERG
Externo à Instituição - LEANDRO ELIAS CANAAN MAGESTE
Externo à Instituição - MARCOS ANTONIO GOMES DE MATTOS DE ALBUQUERQUE
Notícia cadastrada em: 06/05/2022 15:20
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02