PPGEOCTG PROGRAMA DE POS-GRADUACAO EM GEOCIENCIAS - CTG DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA - CTG Telefone/Ramal: Não informado

Banca de DEFESA: Daniele de Melo Mendes Britto

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : Daniele de Melo Mendes Britto
DATA : 30/05/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Remotamente
TÍTULO:

OSTRACODES NÃO MARINHOS DA FORMAÇÃO MARACANGALHA (CRETÁCEO INFERIOR), BACIA RECÔNCAVO, NORDESTE DO BRASIL


PALAVRAS-CHAVES:

Ostracoda; taxonomia; piritização; Andar Rio da Serra; Andar Aratu


PÁGINAS: 107
RESUMO:

O avanço dos estudos abordando a bioestratigrafia com base em ostracodes tem evidenciado uma contribuição efetiva deste grupo microfóssil no conhecimento da história geológica das bacias do Nordeste brasileiro. Os resultados bioestratigráficos obtidos através do estudo de ostracodes não marinhos na Bacia do Recôncavo foram determinantes na caracterização cronoestratigráfica do Mesozoico das bacias brasileiras. Além da idade, o reconhecimento dos andares locais da Série Bahia tem permitido correlações estratigráficas e faunísticas em diversas bacias interiores do Brasil. Neste contexto, o presente trabalho objetivou a análise de ostracodes não marinhos dos Andares Rio da Serra (Berriasiano–Hauteriviano) e Aratu (Hauteriviano–Barremiano), recuperados da Formação Maracangalha, Bacia do Recôncavo. A metodologia de preparação de amostras seguiu os procedimentos usuais para recuperação de microfósseis carbonáticos em folhelhos e siltitos ao longo dos perfis Gameleira e Manguinhos (Ilha de Itaparica) e Praia da Falha (Ilha dos Frades) Baía de Todos os Santos. Foram realizadas sessões de Microscopia Eletrônica de Varredura e Espectrometria de Energia Dispersiva, de modo a detalhar elementos morfológicos das carapaças, bem como o hábito mineral das piritas e a identificação pontual de elementos químicos nas carapaças dos ostracodes. No material analisado, foram identificadas sete espécies do gênero Cypridea Bosquet, 1852; duas espécies de Reconcavona Krömmelbein, 1962; três espécies de Ilhasina Krömmelbein, 1963; uma espécie de Candona Baird, 1945; uma espécie de Brasacypris Krömmelbein, 1965 e uma espécie do gênero Alicenula Rossetti & Martens, 1998. A associação de ostracodes encontrada foi interpretada como típica de ambiente lacustre. O posicionamento biocronoestratigráfico no Andar Rio da Serra (Berriasiano–Valanginiano), subzona RT-004.2, foi possível pela presença da espécie-guia Reconcavona? polita Viana, 1966, no afloramento Manguinhos. No afloramento Praia da Falha, a associação faunística permitiu inferir sua idade entre os andares Rio da Serra e Aratu (Valanginiano–Hauteriviano), através do registro das espécies Ilhasina amphotera e Cypridea lunula. No afloramento Gameleira, as interpretações de idade foram inconclusivas, devido à raridade e preservação da assembleia microfossílífera. O padrão de preservação das carapaças de ostracodes variou conforme a mudança de fácies sedimentares, o que implicou em ostracodes com substituição total ou parcial da carapaça por pirita. Os resultados das análises de EDS indicaram a presença de Fe e S corroborando mineralização por sulfeto de ferro. As imagens de MEV revelaram o hábito euédrico e framboidal das piritas nas carapaças, que indicam condições de diagênese precoce e baixas profundidades de soterramento.


MEMBROS DA BANCA:
Externo à Instituição - CRISTIANINI TRESCASTRO BERGUE - UFRGS
Interno - 2653353 - EDISON VICENTE OLIVEIRA
Presidente - 2182604 - ENELISE KATIA PIOVESAN
Notícia cadastrada em: 24/05/2022 18:01
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02