PPGBF PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA DE FUNGOS - CB DEPARTAMENTO DE MICOLOGIA - CB Telefone/Ramal: (81) 9992-99039

Banca de DEFESA: MAYARA GOES KETTNER

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : MAYARA GOES KETTNER
DATA : 31/08/2022
HORA: 14:00
LOCAL: Google Meet
TÍTULO:

AVALIAÇÃO DA FITOPATOGENICIDADE DE ISOLADOS ENTOMOPATOGÊNICOS DOS COMPLEXOS DE ESPÉCIES Fusarium incarnatum-equiseti E Fusarium fujikuroi


PALAVRAS-CHAVES:

Fungos; potencial fitopatogênico; feijão-caupi; feijão comum; laranjeira; insetos-praga.


PÁGINAS: 65
RESUMO:

O uso de fungos entomopatogênicos pode reduzir significativamente as populações de
insetos em várias culturas importantes como feijões, fava e laranjeiras, sendo uma prática
viável e segura. O gênero Fusarium é de grande importância para o controle de pragas
por ter ampla gama de insetos hospedeiros. Os esforços para utilizar espécies de Fusarium
no controle biológico têm sido limitados pela preocupação de liberar inadvertidamente
fitopatógenos, que em larga escala poderiam contaminar o ambiente. Em razão disso, o
objetivo do presente estudo foi determinar a fitopatogenicidade de isolados

entomopatogênicos pertencentes aos complexos de espécies Fusarium incarnatum-
equiseti (Fusarium sulawesiense e Fusarium pernambucanum) e Fusarium fujikuroi

(Fusarium proliferatum, Fusarium volatile e Fusarium verticillioides) em plantas do
feijão comum (Phaseolus vulgaris), fava (Phaseolus lunatus), feijão-caupi (Vigna
unguiculata) e laranjeira (Citrus sinensis). A fitopatogenicidade dos isolados foi testada
nas leguminosas utilizando três formas de inoculação: imersão das raízes em suspensão
de conídios, pulverização nas folhas e corte de colo com deposição de discos de micélio.
Para as mudas de laranja pera, foram aplicadas duas metodologias de inoculação, corte
de colo com deposição de discos de micélio e pulverização das folhas. A avaliação dos
bioensaios ocorreu aos 30 dias após a inoculação, medindo-se o comprimento das plantas,
o número de folíolos e o peso da matéria seca da parte área. Os isolados
entomopatogênicos não expressaram potencial fitopatogênicos nas plantas testadas. Os
métodos de inoculação dos fungos por corte de colo e pulverização das folhas não
manifestaram nenhuma mudança significativa nos tamanhos, número de folíolos, na
aparência (ausência de sintomas de fusariose) e massa seca dos feijões, da fava e da
laranjeira. No método por corte de raiz, os isolados F. sulawesiense URM 7560, F.
proliferatum URM 8049 e F. volatile URM 8050 causaram uma diminuição no tamanho
somente das plantas do feijão-caupi. Os isolados do gênero Fusarium são seguros e
podem ser utilizados como um agente de biocontrole.


MEMBROS DA BANCA:
Interno - 2266943 - ALEXANDRE REIS MACHADO
Externa à Instituição - ANA PAULA DE ALMEIDA PORTELA DA SILVA
Presidente - 1964832 - PATRICIA VIEIRA TIAGO
Notícia cadastrada em: 30/08/2022 17:04
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01.ufpe.br.sigaa01