PPGEDUC PROGRAMA DE POS-GRADUACAO EM EDUCACAO CONTEMPORANEA - CAA CAMPUS DO AGRESTE - CA Telefone/Ramal: Não informado

Banca de DEFESA: ADRIEL RODRIGUES DO NASCIMENTO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : ADRIEL RODRIGUES DO NASCIMENTO
DATA : 19/04/2022
HORA: 09:30
LOCAL: Sala Virtual CAA
TÍTULO:

DIÁLOGOS ENTRE A FESTA E EDUCAÇÃO POPULAR NO CEPA: construção

cidadã de símbolos coletivos.


PALAVRAS-CHAVES:

Educação Popular– Festas Populares – Imaginário – CEPA


PÁGINAS: 162
RESUMO:

A pesquisa sobre a Educação Popular no contexto festivo inscreve-se no cenário local e global.
Em diferentes contextos históricos o fenômeno da festa promoveu práticas educativas
condizentes e antagônicas aos interesses do povo, podendo reafirmar a organização das rotinas
ou subverter a sua lógica, de qualquer modo as festas promoveram intencionalidades que podem
ultrapassar a sua forma e conteúdo com sentidos emancipatórios. A necessidade de celebrar os
ciclos festivos seus rituais e símbolos já compunha o imaginário cultural, abrangendo o
imaginário mitológico das primeiras civilizações humanas. O Homo Ludens - Huizinga (2000)
que joga e deixa-se levar pela dinâmica autônoma do jogo, também trabalha e projeta a vida na
festa, imprimindo-lhe as marcas simbólicas de suas labutas rotineiras e/ou revertendo-as como
a dionisíaca e irreverente festa dos foliões de Cox (1974), evidenciada no contexto medieval.
Toma-se como referência as festas populares vivenciadas no CEPA – Centro de Educação
Popular Assunção, analisando como esse fenômeno e seu conjunto de ações poderão contribuir

na formação cidadã de seus educandos/as, educadores/as e membros comunitários. Apoiamo-
nos no pensamento de alguns/algumas autores/as (PESSOA, 2009; RIBEIRO, 1982; JUNG,

1964; DURAND, 2012; BAKNTIN, 1987; FREIRE,1987; 1996; 2000; 2016; ELIADE, 2010;
SOUZA, 2009; NAHMÍAS, 2009; e outros/as) para compreender a relação entre a natureza
festiva e sua intencionalidade pedagógica com indícios verificados na Idade Média, e,
posteriormente no movimento humanista que identificaram do riso um valoroso instrumento
político para denunciar o discurso contraditório da monarquia e do Clero Católico de Roma.
Estabelece uma relação dialógica com os educandos/as e educadores/as do CEPA utilizando
como procedimento metodológico os instrumentos da abordagem de pesquisa qualitativa,
favorecendo o sentido dos dados obtidos. A experiência da observação participante e da
entrevista semi-estruturada como instrumentos de coleta de dados procedeu através da
apreciação coletiva dos registros fotográficos, observando/destacando a dinâmica organizativa
vivenciada na construção das festas do CEPA. Os resultados obtidos na pesquisa apontaram: a
possibilidade de educar tendo presente as sensibilidades, salientando-se o envolvimento de
modo ampliado, promovendo a participação coletiva na construção e compreensão dos
elementos simbólicos e, assim, promovendo uma nova consciência cidadã forjada na dinâmica
construtora das festas com afirmação das identidades individuais e coletivas, referenciadas na
trajetória e nas lutas populares. Apesar da desgastante descaracterização das festas populares
sob a pretensa organização de quem politicamente desorganiza o povo, é provável que em todas
as partes a festa do povo permaneça e resista tal qual a flor que furou o asfalto e brotou.


MEMBROS DA BANCA:
Presidente - 1998712 - EVERALDO FERNANDES DA SILVA
Externa ao Programa - 2377622 - JAQUELINE BARBOSA DA SILVA
Interno - 1727235 - MARIO DE FARIA CARVALHO
Notícia cadastrada em: 07/04/2022 00:58
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02