Banca de DEFESA: KARLA MICHELLY DOS SANTOS FABRICIO

Uma banca de DEFESA de MESTRADO foi cadastrada pelo programa.
DISCENTE : KARLA MICHELLY DOS SANTOS FABRICIO
DATA : 22/02/2022
HORA: 14:00
LOCAL: VIA VIDEOCONFERÊNCIA
TÍTULO:

ORALIDADE E ARGUMENTAÇÃO EM SALA DE AULA: uma proposta metodológica para o ensino fundamental através do gênero comentário 



PALAVRAS-CHAVES:

Oralidade. Argumentação. Comentário. Sequência Didática.


PÁGINAS: 140
RESUMO:

Sobre o desenvolvimento da oralidade, é senso comum afirmar que a fala espontânea,  por si só, dará conta da apropriação da língua em sua modalidade oral. No entanto, sabemos  que o uso da língua em contextos formais e em situações mais monitoradas de fala demanda  um maior preparo do falante. Assim, preocupados com um ensino sistemático da oralidade,  comungamos com as ideias dos referenciais curriculares vigentes e apoiamo-nos em conceitos  da Linguística de Texto e dos gêneros textuais, para a realização deste trabalho, no qual  focalizamos, sobretudo, em estudos sobre argumentação, gêneros textuais orais e o trato  didático dado aos gêneros orais argumentativos. Baseamo-nos, principalmente, nos estudos  desenvolvidos por Bakthin (2011[1979]), Castilho (2016), Fávero, Andrade e Aquino (2009),  Marcuschi (2008; 2010), Schneuwly; Dolz; Noverraz (2004), Koch (2011; 2015) entre outros. No presente trabalho buscamos resposta(s) para o seguinte problema de investigação: O  ensino e a aprendizagem sistemáticos do gênero oral público formal comentário  argumentativo podem contribuir para a consolidação da capacidade de argumentar? Buscando  resposta(s) a esse questionamento, traçamos como objetivo geral: investigar as contribuições  do trabalho sistemático com o gênero oral formal público comentário argumentativo para o  aprimoramento da capacidade de argumentar de estudantes do 8º ano. A fim de responder ao  problema de investigação e atender aos objetivos desta pesquisa, foi realizado um trabalho de  investigação com natureza qualitativa e aplicada, de caráter descritivo e intervencionista, com  bases na metodologia da pesquisa-ação. Para tal, abordamos o ensino do gênero adotando o  procedimento das sequências didáticas, proposto por Dolz, Schneuwly e Noverraz (2004). Tal  proposta foi vivenciada nas aulas de língua portuguesa, com uma turma de 8º ano do ensino  fundamental de uma escola da rede pública estadual de PE, localizada no município de  Surubim. Os resultados apontaram que um trabalho mais sistemático com um gênero oral  formal público pode contribuir para o desenvolvimento da capacidade de argumentar, pois comprovadamente notamos que os estudantes voluntários da pesquisa apresentaram textos  mais elaborados após a intervenção. Reconhecemos as contribuições sociais do presente  trabalho, pois este defende que se garanta aos estudantes o desenvolvimento de suas  habilidades linguísticas para sua atuação crítica, ética e responsável, no meio em que vivem


MEMBROS DA BANCA:
Externo ao Programa - 036.623.794-22 - EWERTON AVILA DOS ANJOS LUNA - UFRPE
Interna - 026.725.714-73 - HERICA KARINA CAVALCANTI DE LIMA - UFPE
Presidente - 038.552.154-56 - MARIA CLARA CATANHO CAVALCANTI - IFPE
Notícia cadastrada em: 30/01/2022 23:06
SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa01.ufpe.br.sigaa01