PPGCP PROGRAMA DE POS-GRADUACAO EM CIENCIA POLITICA - CFCH DEPARTAMENTO DE CIENCIAS POLITICAS - CFCH Telefone/Ramal: Não informado
Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFPE

2022
Dissertações
1
  • WALTER EDGAR TERRAZAS ESPANÃ
  • REDUÇÃO DA POBREZA NA BOLÍVIA (2006-2019): uma análise das condições

    conjunturais e das políticas sociais

  • Orientador : MARCOS FERREIRA DA COSTA LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JOYCE HELENA FERREIRA DA SILVA
  • MARCOS FERREIRA DA COSTA LIMA
  • PEDRO RAFAEL LAPA
  • Data: 28/01/2022

  • Mostrar Resumo
  • Quais foram os fatores que levaram à redução da pobreza na Bolívia entre 2006 e 2019? A
    hipótese proposta é que o crescimento econômico atípico e as políticas sociais implementadas
    foram os fatores que provocaram a redução da pobreza na Bolívia entre 2006 e 2019. A
    importância desta pesquisa reside nas análises realizadas a partir de uma comparação exaustiva
    e contínua do período de estudo, com um período anterior de igual duração: primeiro, da
    pobreza, tanto multidimensional quanto unidimensional; segundo, dos múltiplos fatores
    conjunturais que convergiram, produzindo um fluxo de renda econômica sem precedentes;
    terceiro, das políticas sociais comprometidas com a equidade distributiva. É utilizada uma
    triangulação de abordagens metodológicas, ou seja, são utilizados vários métodos envolvidos
    no estudo da pobreza na Bolívia no período 2006-2019. Por outro lado, a disponibilidade de
    dados quantitativos e qualitativos na análise global: no primeiro caso, dados estatísticos sobre
    pobreza, crescimento econômico e resultados de políticas sociais; no segundo caso, a análise
    histórica da pobreza e da desigualdade social, do pensamento social boliviano, da abordagem
    centro-periferia e do novo modelo econômico boliviano; eles exigem o uso de ambas as
    abordagens para a análise e interpretação das conclusões adicionais. Para o teste de hipóteses,
    um tipo de estudo observacional de séries temporais é usado. Os resultados da presente
    investigação mostram, de maneira geral, que a pobreza extrema é a que mais recebeu atenção
    das políticas sociais voltadas para a redistribuição de renda e que a saúde econômica boliviana
    dependia fundamentalmente da exportação de Gás Natural para a República Federativa do
    Brasil durante o período do estudo.


  • Mostrar Abstract
  • Quais foram os fatores que levaram à redução da pobreza na Bolívia entre 2006 e 2019? A
    hipótese proposta é que o crescimento econômico atípico e as políticas sociais implementadas
    foram os fatores que provocaram a redução da pobreza na Bolívia entre 2006 e 2019. A
    importância desta pesquisa reside nas análises realizadas a partir de uma comparação exaustiva
    e contínua do período de estudo, com um período anterior de igual duração: primeiro, da
    pobreza, tanto multidimensional quanto unidimensional; segundo, dos múltiplos fatores
    conjunturais que convergiram, produzindo um fluxo de renda econômica sem precedentes;
    terceiro, das políticas sociais comprometidas com a equidade distributiva. É utilizada uma
    triangulação de abordagens metodológicas, ou seja, são utilizados vários métodos envolvidos
    no estudo da pobreza na Bolívia no período 2006-2019. Por outro lado, a disponibilidade de
    dados quantitativos e qualitativos na análise global: no primeiro caso, dados estatísticos sobre
    pobreza, crescimento econômico e resultados de políticas sociais; no segundo caso, a análise
    histórica da pobreza e da desigualdade social, do pensamento social boliviano, da abordagem
    centro-periferia e do novo modelo econômico boliviano; eles exigem o uso de ambas as
    abordagens para a análise e interpretação das conclusões adicionais. Para o teste de hipóteses,
    um tipo de estudo observacional de séries temporais é usado. Os resultados da presente
    investigação mostram, de maneira geral, que a pobreza extrema é a que mais recebeu atenção
    das políticas sociais voltadas para a redistribuição de renda e que a saúde econômica boliviana
    dependia fundamentalmente da exportação de Gás Natural para a República Federativa do
    Brasil durante o período do estudo.

2
  • VICTOR MATHEUS DE SANTANA SANTOS
  • A systematic review of micro-level articles on second-order theory and European Parliament elections from 1980 to 2009

  • Orientador : RODRIGO BARROS DE ALBUQUERQUE
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CAIRO GABRIEL BORGES JUNQUEIRA
  • GABRIELA DA SILVA TAROUCO
  • RODRIGO BARROS DE ALBUQUERQUE
  • Data: 18/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • A presente pesquisa consiste em uma revisão sistemática de 54 artigos publicados sobre a
    teoria de eleições de segunda-ordem e eleições para o Parlamento Europeu (PE) entre 1980 e
    2009. A teoria de eleições de segunda-ordem foi lançada em 1980 por Reif e Schmitt (1980),

    um ano após as primeiras eleições para o PE. Esta teoria afirma que eleições de segunda-
    ordem têm turnouts mais baixos, que partidos governistas normalmente se saem pior, assim

    como partidos maiores, enquanto partidos menores ou mais novos e/ou radicais são
    favorecidos. A teoria pressupõe dois principais mecanismos para explicar tais padrões de
    voto, e ambos decorrem da hipótese de que, para partidos e eleitores, há menos em jogo nestas
    eleições. Por haver menos em jogo, eleitores optariam por votar de forma sincera - escolhendo
    partidos menores mais próximos de suas ideologias - ou optariam por punir ou dar um recado
    aos partidos governistas - especialmente quando as eleições de segunda-ordem são realizadas
    no meio do ciclo eleitoral. Apesar de tais postulados terem sido amplamente corroborados
    com dados ao nível agregado ao longo desses 40 anos, alguns autores têm chamado a atenção
    para a escassez e o atraso no desenvolvimento de testes robustos da teoria com dados a nível
    individual. Esta revisão descobriu que testes com este tipo de dado já eram realizados desde
    os anos 80 e 90. Contudo, a maior parte destes primeiros artigos com dados a nível individual
    não realizava testes estatísticos robustos, assim como também não impactaram a literatura,
    obtendo um baixo número de citações. Apenas na virada do século XX-XXI esta deficiência
    começou a ganhar mais destaque na agenda de pesquisa, sobretudo entre os anos de 2007 e
    2009. Dentre outros achados, esta revisão também descobriu que não há viés de publicação no
    tópico estudado - pelo menos até 2009 - e que a maior parte dos autores sobre o tema são do

    gênero masculino e filiados a universidades alemãs, holandesas, britânicas e norte-
    americanas. Finalmente, espera-se que esta revisão ajude a melhor compreender a teoria de

    eleições de segunda-ordem e a sistematizar o conhecimento acumulado nestes primeiros 30
    anos de pesquisas sobre o assunto. Esperamos também que esta revisão contribua como um
    incentivo para a maior realização de revisões sistemáticas na área de Ciências Sociais em
    geral, demonstrando a importância desse método para o avanço do conhecimento científico e
    publicizando em detalhes o passo a passo do nosso desenho de pesquisa, inspirado em Cooper
    (2016) e em Figueiredo Filho et al (2014).


  • Mostrar Abstract
  • As eleições europeias são de segunda-ordem porque têm um baixo turnout, um aumento nos votos para partidos pequenos e/ou de oposição e são altamente atreladas ao contexto político nacional, sobretudo com relação ao ciclo eleitoral. Isso indica que há “menos em jogo” nessas eleições. Essa teoria foi estabelecida em 1980 por Reif e Schmitt. Todavia, segundo Schmitt et al (2020), os postulados ao nível agregado receberam mais atenção, pois os primeiros testes abrangentes ao nível individual teriam sido publicados apenas no início do século XXI. Destaca-se, então, o possível problema da falácia ecológica, quando dados ao nível agregado são erroneamente interpretados para inferências ao nível individual de análise, levando a deduções e correlações inválidas. Desse modo, visa-se revisar sistematicamente as produções sobre essa teoria desde 1980 até 2021, analisando qualitativamente a agenda dedicada ao nível micro e se esses estudos corroboraram ou não os principais postulados da teoria. Quanto à metodologia, a pesquisa consiste de uma revisão sistemática elaborada segundo Cooper (2016). Para a coleta da literatura, serão feitas buscas no Scopus e no Google Scholar com os termos-chave “second-order elections”, “European elections” e “European Parliament”. Serão coletados artigos, working papers, monografias, dissertações e teses em inglês, espanhol, português e francês. Serão excluídos livros, assim como artigos de revistas que não ocupem o primeiro e o segundo percentis do Scimago Journal Rank, além daqueles publicados em revistas que não adotam revisão cega por pares. As etapas seguintes são: coleta de informações (a partir do quadro de 98 variáveis divididas em três dimensões – formal, metodológica e substantiva), análise dos estudos, interpretação dos dados coletados e apresentação dos resultados.

3
  • ULISSES MATHEUS BRAGA DE FREITAS MELO
  • FEITA SOB MEDIDA: A ESTRUTURA DE UMA NOTÍCIA FALSA E SEU PAPEL

    NO CONVENCIMENTO DO ELEITOR.

  • Orientador : NARA DE CARVALHO PAVAO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DAVI CORDEIRO MOREIRA
  • JULIANO MENDONÇA DOMINGUES DA SILVA
  • NARA DE CARVALHO PAVAO
  • Data: 22/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • O espalhamento de desinformação online se tornou um problema para as
    democracias contemporâneas, a crença e o compartilhamento de notícias falsas são práticas
    incentivadas por diversos setores da elite política e conseguem interferir diretamente no
    comportamento dos indivíduos, principalmente daqueles partidarizados. Este trabalho,
    contudo, busca compreender quais são as características estruturais do texto desinformativo, e
    quais os possíveis efeitos que tais particularidades podem ter no consumo desse tipo de
    material. A pesquisa analisou centenas de notícias falsas e verdadeiras através de diversas
    técnicas de análise de texto automatizada fornecidas pelos softwares Iramuteq e ALT, sendo
    observadas as diferenças estatísticas entre o jornalismo tradicional e o desinformativo. Os
    resultados encontrados demonstram uma maior presença de nomes de lideranças e ideologias
    políticas, bem como a maior citação de instituições entre as notícias falsas, termos associados
    à cognição quente pela literatura especializada, um forte ativador do raciocínio motivado.
    Além disso, as desinformações são menores e significativamente mais legíveis que as notícias
    tradicionais, característica ligada ao uso de processamento heurístico de informações. As
    notícias falsas compartilhadas online, portanto, se enquadram nos diversos pressupostos
    teóricos, apontados pelas principais linhas de pesquisa contemporânea, como fortes
    incentivadores de consumo e da crença de desinformação. Tais descobertas demonstram o
    potencial crítico que esse tipo de comunicação política possui, e como até mesmo sua
    estrutura pode ser parte desse processo.


  • Mostrar Abstract
  • O espalhamento de desinformação online se tornou um problema para as
    democracias contemporâneas, a crença e o compartilhamento de notícias falsas são práticas
    incentivadas por diversos setores da elite política e conseguem interferir diretamente no
    comportamento dos indivíduos, principalmente daqueles partidarizados. Este trabalho,
    contudo, busca compreender quais são as características estruturais do texto desinformativo, e
    quais os possíveis efeitos que tais particularidades podem ter no consumo desse tipo de
    material. A pesquisa analisou centenas de notícias falsas e verdadeiras através de diversas
    técnicas de análise de texto automatizada fornecidas pelos softwares Iramuteq e ALT, sendo
    observadas as diferenças estatísticas entre o jornalismo tradicional e o desinformativo. Os
    resultados encontrados demonstram uma maior presença de nomes de lideranças e ideologias
    políticas, bem como a maior citação de instituições entre as notícias falsas, termos associados
    à cognição quente pela literatura especializada, um forte ativador do raciocínio motivado.
    Além disso, as desinformações são menores e significativamente mais legíveis que as notícias
    tradicionais, característica ligada ao uso de processamento heurístico de informações. As
    notícias falsas compartilhadas online, portanto, se enquadram nos diversos pressupostos
    teóricos, apontados pelas principais linhas de pesquisa contemporânea, como fortes
    incentivadores de consumo e da crença de desinformação. Tais descobertas demonstram o
    potencial crítico que esse tipo de comunicação política possui, e como até mesmo sua
    estrutura pode ser parte desse processo.

4
  • RENATO VICTOR LIRA BRITO
  • SEGURANÇA CIBERNÉTICA COMPARADA: O BRASIL E AS AMÉRICAS

  • Orientador : RAFAEL MESQUITA DE SOUZA LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RAFAEL MESQUITA DE SOUZA LIMA
  • MARCOS AURELIO GUEDES DE OLIVEIRA
  • GILLS VILAR LOPES
  • Data: 24/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • Quais fatores explicam o nível de comprometimento com a Segurança Cibernética no continente americano? Esta pesquisa busca responder a essa questão a partir de uma análise configuracional-qualitativa dos 35 países americanos listados no Global Cybersecurity Index (GCI) para o ano-referência de 2018. Como condições  explicativas do modelo, utilizamos: a) Securitização, b) Despesas Militares, c) Ocorrência de eventos raros em Segurança Cibernética, d) Tempo do marco jurídico-institucional do setor cibernético, e) Militarização do Espaço Cibernético, f) Desenvolvimento econômico. Metodologicamente, este trabalho é estruturado na Análise Qualitativa Comparativa, Qualitative Comparative Analysis (QCA), seguida pela realização de um estudo aprofundado, e orientado por mecanismos causais, do caso brasileiro. Dessa maneira, o desenho resultante consiste em uma pesquisa com caráter metodológico misto em relação à análise e à coleta dos dados. Detalhadamente, buscamos identificar quais conjuntos de configurações explicam o nível de comprometimento com a Segurança Cibernética nos países do continente americano em 2018. De maneira complementar, realizamos um estudo de caso para explicar, através de mecanismos causais, como as condições/fatores explicativos se configuram no contexto nacional. Os principais resultados da pesquisa apontam para a identificação de três caminhos causais para o maior comprometimento com a Segurança Cibernética: 1) Despesas Militares associadas ao Desenvolvimento Econômico (Estados Unidos, Canadá, Chile e Uruguai); 2) Despesas Militares e Tempo do Marco Jurídico-Institucional (Cuba); 3) Militarização do Espaço Cibernético e Desenvolvimento Econômico (Brasil e Colômbia). As condições que explicam esses caminhos conjunturalmente foram identificadas como do tipo INUS. O estudo do contexto brasileiro apontou como mecanismo causal o histórico de militarização de setores no país explicado pelos jogos institucionais de barganha orçamentária e pela busca de legitimação dos militares frente à sociedade civil. Como consequência do caminho percorrido pelo país, elencamos alguns problemas: 1) o desvio da função do setor; 2) a ineficiência na resolução de problemas reais da sociedade, como os crimes cibernéticos. Por fim, são discutidas as limitações do trabalho e disponibilizados o repositório dos dados da pesquisa e o código para replicação.


  • Mostrar Abstract
  • Quais fatores explicam o nível de comprometimento com a Segurança Cibernética? Esta pesquisa busca responder a essa questão a partir de uma análise configuracional-qualitativa de 35 países americanos listados no Global Cybersecurity Index (GCI) em 2018. Como condições explicativas, consideramos: a) securitização, b) gastos com Segurança Cibernética, c) ocorrência de eventos raros, d) tempo do marco jurídico-institucional, e) militarização do setor de Segurança Cibernética, f) desenvolvimento econômico. Além disso, testamos, utilizando Qualitative Comparative Analysis (QCA), quais conjuntos de configurações, explicam o nível de comprometimento com a Segurança Cibernética nos países do continente americano em 2018. De maneira complementar, intencionando o maior detalhamento da aplicação dos achados à realidade do Brasil, realizamos um estudo de caso para descrever como as condições/fatores explicativos se configuram no contexto nacional.

5
  • MARINA LAPORTE COTIAS
  • Serviços Especializados de Atendimento à Mulher: uma análise da implementação

  • Orientador : MARIANA BATISTA DA SILVA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARIANA BATISTA DA SILVA
  • LUCIANA DA CONCEIÇÃO FARIAS SANTANA
  • MICHELLE VIEIRA FERNANDEZ DE OLIVEIRA
  • Data: 03/05/2022

  • Mostrar Resumo
  • Quais os fatores explicativos da implementação dos Sistemas Especializados de Atendimento às Mulheres (SEAM)?  Buscamos responder essa questão utilizando um modelo MQO com correção por bootstap, sendo o estado a unidade de análise, no ano de 2016. A partir do que foi debatido pela literatura, foram propostos os seguintes fatores: 1) Fatores socioeconômicos; 2) qualidade da burocracia; 3) gastos com segurança pública; 4) participação feminina no legislativo; 5) taxa de homicídio de mulheres. Além disso, também foi possível analisar a distribuição dos serviços especializados dentro do território brasileiro, depois de 10 anos da Lei Maria da Penha. Os resultados dos modelos propostos mostram que apenas houve um efeito estatisticamente significativo, do PIB per capita e na taxa de deputadas federais no número de delegacias especializadas ou núcleos nas delegacias comuns, na taxa de mulheres deputadas estaduais no número de promotorias especializadas e do gasto de segurança pública por habitante no número de Centros Especializados de Atendimento à Mulher.


  • Mostrar Abstract
  • Quais os fatores explicativos da implementação dos Sistemas Especializados de Atendimento às Mulheres (SEAM)?  Buscamos responder essa questão utilizando um modelo MQO com correção por bootstap, sendo o estado a unidade de análise, no ano de 2016. A partir do que foi debatido pela literatura, foram propostos os seguintes fatores: 1) Fatores socioeconômicos; 2) qualidade da burocracia; 3) gastos com segurança pública; 4) participação feminina no legislativo; 5) taxa de homicídio de mulheres. Além disso, também foi possível analisar a distribuição dos serviços especializados dentro do território brasileiro, depois de 10 anos da Lei Maria da Penha. Os resultados dos modelos propostos mostram que apenas houve um efeito estatisticamente significativo, do PIB per capita e na taxa de deputadas federais no número de delegacias especializadas ou núcleos nas delegacias comuns, na taxa de mulheres deputadas estaduais no número de promotorias especializadas e do gasto de segurança pública por habitante no número de Centros Especializados de Atendimento à Mulher.

Teses
1
  • MURILO MESQUITA MELO E SILVA
  • O Prelúdio à Tempestadea política externa dos Estados Unidos e o movimento de securitização na Guerra do Golfo (1990-1991)


  • Orientador : MARCOS FERREIRA DA COSTA LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • CRISTINA CARVALHO
  • ANDREA QUIRINO STEINER
  • LEONARDO CÉSAR SOUZA RAMOS
  • MARCOS FERREIRA DA COSTA LIMA
  • PAULO ROBERTO LOYOLLA KUHLMANN
  • Data: 10/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • Desde o momento final da Guerra Fria, a atuação dos Estados Unidos na política internacional
    se depara com um problema referente ao surgimento de novas ameaças sejam elas tradicionais,
    vinculadas aos próprios Estados, ou a atores não-estatais. Em torno dessa temática, essa
    investigação se desenvolve para responder a seguinte pergunta de pesquisa: Como a Política
    Externa dos Estados Unidos provoca a securitização de Estados? Essa pergunta tem como
    objeto de análise um aspecto da produção de política externa que envolve a construção de
    ameaças e que permite formular outras indagações, tais como: quais fatores levam os EUA a
    iniciar um movimento de securitização? E, quando discursos são exitosos ao reivindicar
    medidas excepcionais para um problema de segurança? Em que pese essas perguntas,
    argumenta-se que o ato de fala de segurança é o mecanismo causal para a construção de ameaças
    em cenários de crise. Em torno desse argumento, é desenvolvido um Estudo de Caso para
    compreender a relação entre a percepção de decision-makers e a construção de ameaças estatais
    no contexto da Guerra do Golfo Pérsico (1990-1991). Para tanto, são delimitados os seguintes
    objetivos específicos: (i) contextualizar o período final da Guerra Fria; (ii) identificar as
    condições necessárias que levam o Iraque a invadir o Kuwait; (iii) descrever o percurso entre a
    invasão iraquiana até a Operação Tempestade no Deserto; (iv) caracterizar os papéis do
    presidente dos EUA e de sua Delegação, no Conselho de Segurança da Organização das Nações
    Unidas, durante a crise na região do Golfo Pérsico; e (v) verificar a associação entre os discursos
    dos países-membros do Conselho de Segurança com o dos EUA. Com esses objetivos, a
    pesquisa é estruturada teoricamente a partir de uma abordagem construtivista por meio da qual
    opera a Teoria da Securitização dos Estudos de Segurança Internacional e a abordagem da
    Tomada de Decisão em Política Externa de Análise de Política Externa. Esse referencial teórico
    permite a robustez necessária para compreensão do caso e para operar dois métodos, uma
    análise descritiva em profundidade, que determina as peças de evidências da cadeia causal do
    evento em tela, e a análise automatizada de conteúdo. Esse segundo método serve para testar o
    argumento proposto e suplementar o aspecto qualitativo da perquirição. O teste ocorre a partir
    dos voting records produzidos pelas delegações durante o processo de votação das resoluções
    levantadas durante a crise da região do Golfo Pérsico, devido a invasão iraquiana no Kuwait,
    até o início propriamente dito da guerra, com a Operação Tempestade no Deserto. Como
    resultado, julga-se que os dados corroboram parcialmente o argumento de que o ato de fala de
    segurança é o mecanismo causal para a construção de ameaças em cenários de crise. Essa
    consideração decorre do fato de que as evidências descritivas são sustentadas pelo estudo de
    caso, mas a análise de conteúdo não conseguiu observar, de maneira cristalina, a relação de
    coocorrência dentro de todos os votings records.


  • Mostrar Abstract
  • Desde o momento final da Guerra Fria, a atuação dos Estados Unidos na política internacional
    se depara com um problema referente ao surgimento de novas ameaças sejam elas tradicionais,
    vinculadas aos próprios Estados, ou a atores não-estatais. Em torno dessa temática, essa
    investigação se desenvolve para responder a seguinte pergunta de pesquisa: Como a Política
    Externa dos Estados Unidos provoca a securitização de Estados? Essa pergunta tem como
    objeto de análise um aspecto da produção de política externa que envolve a construção de
    ameaças e que permite formular outras indagações, tais como: quais fatores levam os EUA a
    iniciar um movimento de securitização? E, quando discursos são exitosos ao reivindicar
    medidas excepcionais para um problema de segurança? Em que pese essas perguntas,
    argumenta-se que o ato de fala de segurança é o mecanismo causal para a construção de ameaças
    em cenários de crise. Em torno desse argumento, é desenvolvido um Estudo de Caso para
    compreender a relação entre a percepção de decision-makers e a construção de ameaças estatais
    no contexto da Guerra do Golfo Pérsico (1990-1991). Para tanto, são delimitados os seguintes
    objetivos específicos: (i) contextualizar o período final da Guerra Fria; (ii) identificar as
    condições necessárias que levam o Iraque a invadir o Kuwait; (iii) descrever o percurso entre a
    invasão iraquiana até a Operação Tempestade no Deserto; (iv) caracterizar os papéis do
    presidente dos EUA e de sua Delegação, no Conselho de Segurança da Organização das Nações
    Unidas, durante a crise na região do Golfo Pérsico; e (v) verificar a associação entre os discursos
    dos países-membros do Conselho de Segurança com o dos EUA. Com esses objetivos, a
    pesquisa é estruturada teoricamente a partir de uma abordagem construtivista por meio da qual
    opera a Teoria da Securitização dos Estudos de Segurança Internacional e a abordagem da
    Tomada de Decisão em Política Externa de Análise de Política Externa. Esse referencial teórico
    permite a robustez necessária para compreensão do caso e para operar dois métodos, uma
    análise descritiva em profundidade, que determina as peças de evidências da cadeia causal do
    evento em tela, e a análise automatizada de conteúdo. Esse segundo método serve para testar o
    argumento proposto e suplementar o aspecto qualitativo da perquirição. O teste ocorre a partir
    dos voting records produzidos pelas delegações durante o processo de votação das resoluções
    levantadas durante a crise da região do Golfo Pérsico, devido a invasão iraquiana no Kuwait,
    até o início propriamente dito da guerra, com a Operação Tempestade no Deserto. Como
    resultado, julga-se que os dados corroboram parcialmente o argumento de que o ato de fala de
    segurança é o mecanismo causal para a construção de ameaças em cenários de crise. Essa
    consideração decorre do fato de que as evidências descritivas são sustentadas pelo estudo de
    caso, mas a análise de conteúdo não conseguiu observar, de maneira cristalina, a relação de
    coocorrência dentro de todos os votings records.

2
  • JOÃO PAULO OCKE DE FREITAS
  • A OPERAÇÃO LAVA JATO AFETOU O DESEMPENHO ELEITORAL? O combate à corrupção e a eleição para a Câmara dos Deputados em 2018

  • Orientador : GABRIELA DA SILVA TAROUCO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GABRIELA DA SILVA TAROUCO
  • MARIANA BATISTA DA SILVA
  • NARA DE CARVALHO PAVAO
  • DAVI CORDEIRO MOREIRA
  • RODRIGO MARTINS DA SILVA
  • MARJORIE CORRÊA MARONA
  • CLOVIS ALBERTO VIEIRA DE MELO
  • ROGÉRIO BASTOS ARANTES
  • Data: 30/06/2022

  • Mostrar Resumo
  • Esta tese busca compreender qual o efeito da Operação Lava Jato sobre a eleição parlamentar em 2018. Este trabalho pretende evidenciar se, e em que extensão, os candidatos (alvos da Lava Jato e seus desdobramentos) foram afetados eleitoralmente pelas medidas adotadas pela Operação. A hipótese aqui considerada é a de que, no processo eleitoral de 2018, a Lava Jato afetou negativamente o desempenho dos deputados federais que foram alvos da Operação. Essa hipótese é avaliada com base no reconhecimento de que o significado da accountability percorre um trajeto teórico tortuoso, que, de um lado, admite a sua possibilidade e, noutra perspectiva, afirma a sua impossibilidade prática em sistemas eleitorais consociativos. O desempenho eleitoral de candidatos a um cargo público pode ser afetado por variadas condições correlacionadas, havendo o desafio imposto pelas eleições proporcionais, no sentido de permitir ao eleitor estabelecer uma relação nítida e específica com o desempenho de candidatos e a destinar o seu voto em função dessa relação. As técnicas de matching e de regressão linear são as duas estratégias escolhidas para atingir o objetivo proposto e para discutir o argumento de que a accountability eleitoral, no sistema proporcional, é menos nítida, direta ou objetiva do que no sistema majoritário. A Operação Lava Jato repercutiu na eleição parlamentar de 2018, havendo correlação entre a Lava Jato e o desempenho dos candidatos que tentaram a reeleição para a Câmara dos Deputados, em 2018. O efeito da Lava Jato sobre o rendimento eleitoral dos candidatos é negativo e estatisticamente significativo, comprovando a hipótese inicialmente formulada. O sistema judicial exerce um papel na accountability eleitoral, em que os eleitores recusam dar apoio a candidatos envolvidos em casos de corrupção.


  • Mostrar Abstract
  • This thesis seeks to understand the effect of Operation Car Wash on the 2018 parliamentary election. This work aims to highlight whether candidates involved in the Operation Car Wash investigation and its developments were affected electorally by the measures adopted by the federal police operation, and to what extent. The hypothesis considered here is that, in the 2018 electoral process, Lava Jato negatively affected the performance of federal deputies investigated by the Operation. This hypothesis is evaluated based on the premise that the meaning of accountability travels a tortuous theoretical path, which, on one hand, admits its possibility and, in another perspective, asserts its practical impossibility in consociational electoral systems. The electoral performance of candidates for public office can be affected by a variety of correlated conditions, and the challenge posed by proportional elections is to allows voter to establish a clear and specific relationship with the performance of candidates and to allocate his or her vote according to this relationship. The matching and linear regression techniques are the two strategies chosen to achieve the proposed goal and to discuss the argument that electoral accountability, in the proportional system, is less clear and straightforward than in the majoritarian system. Operation Car Wash had repercussions on the 2018 parliamentary election, and there is a correlation between Car Wash and the performance of candidates who sought re-election to the House of Representatives in 2018. The effect of Operation Car Wash on the electoral performance of candidates is negative and statistically significant, confirming the initially formulated hypothesis. The judicial system plays a role in electoral accountability, in which voters refuse to support candidates involved in corruption cases.

2021
Dissertações
1
  • PEDRO AUGUSTO ALMEIDA DA FONSECA
  • O papel da política dos campeões nacionais na política externa chinesa: Uma análise das

    companhias nacionais de petróleo (1993-2019).

  • Orientador : MARCOS FERREIRA DA COSTA LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • LEONARDO CÉSAR SOUZA RAMOS
  • JOYCE HELENA FERREIRA DA SILVA
  • MARCOS FERREIRA DA COSTA LIMA
  • MARIANA YANTE BARRETO PEREIRA
  • THOMAS PATRICK DWYER
  • Data: 18/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • Qual o papel da política dos campeões nacionais no cumprimento de metas da política externa
    chinesa? O argumento defendido nessa pesquisa foi de que a política dos campeões nacionais,
    por meio do fortalecimento das empresas estatais, contribuiu para as metas da política externa
    chinesa, com destaque para a meta de propiciar o desenvolvimento econômico da China. A
    partir do referêncial teórico da diplomacia econômica, o presente estudo analisou a atuação das
    companhias nacionais de petróleo chinesas e identificou que por meio de uma dinâmica entre
    interesses comerciais e estatais, o Estado chinês tem conciliado objetivos domésticos e externos,
    como destaque para a segurança energética.


  • Mostrar Abstract
  • Qual o papel da política dos campeões nacionais no cumprimento de metas da política externa
    chinesa? O argumento defendido nessa pesquisa foi de que a política dos campeões nacionais,
    por meio do fortalecimento das empresas estatais, contribuiu para as metas da política externa
    chinesa, com destaque para a meta de propiciar o desenvolvimento econômico da China. A
    partir do referêncial teórico da diplomacia econômica, o presente estudo analisou a atuação das
    companhias nacionais de petróleo chinesas e identificou que por meio de uma dinâmica entre
    interesses comerciais e estatais, o Estado chinês tem conciliado objetivos domésticos e externos,
    como destaque para a segurança energética.

2
  • KARLA JANIXIA MEMBREÑO
  • VERIFICANDO O “MENU DA MANIPULAÇÃO ELEITORAL” NOS
    REGIMES AUTORITÁRIOS E HÍBRIDOS DA AMÉRICA LATINA (2015-2019)

  • Orientador : GABRIELA DA SILVA TAROUCO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GABRIELA DA SILVA TAROUCO
  • MAURO VICTORIA SOARES
  • PEDRO GUSTAVO DE SOUSA SILVA
  • RICARDO BORGES GAMA NETO
  • RODRIGO MARTINS DA SILVA
  • Data: 26/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • Como os regimes autoritários e híbridos da América Latina manipulam as eleições? O presente
    estudo de caráter exploratório visa descrever o uso das eleições em oito países da América
    Latina, considerados como regimes autoritários e híbridos segundo os indicadores democráticos
    globais. Num primeiro momento se descreve o nível de democracia eleitoral desses regimes,
    logo é aplicado o “menu da manipulação eleitoral” proposto por Schedler (2013) e finalmente,
    são cruzados os dados sobre medidas de democracia com os de manipulação eleitoral. A
    ferramenta de análise fundamental nessa pesquisa é a comparação. Para o tratamento dos dados
    se aplica a análise documental dos relatórios das missões de observação eleitoral e dados
    comparados de plataformas online sobre democracia eleitoral de acordo com as categorias
    definidas por Schedler (2013) para identificar manipulação eleitoral.


  • Mostrar Abstract
  • Como os regimes autoritários e híbridos da América Latina manipulam as eleições? O presente
    estudo de caráter exploratório visa descrever o uso das eleições em oito países da América
    Latina, considerados como regimes autoritários e híbridos segundo os indicadores democráticos
    globais. Num primeiro momento se descreve o nível de democracia eleitoral desses regimes,
    logo é aplicado o “menu da manipulação eleitoral” proposto por Schedler (2013) e finalmente,
    são cruzados os dados sobre medidas de democracia com os de manipulação eleitoral. A
    ferramenta de análise fundamental nessa pesquisa é a comparação. Para o tratamento dos dados
    se aplica a análise documental dos relatórios das missões de observação eleitoral e dados
    comparados de plataformas online sobre democracia eleitoral de acordo com as categorias
    definidas por Schedler (2013) para identificar manipulação eleitoral.

3
  • TATIANE SOUZA DE ALBUQUERQUE
  • CHINA NA CORRIDA POR ENERGIA LIMPA: OS DESAFIOS DA SEGURANÇA ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

  • Orientador : MARCOS FERREIRA DA COSTA LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARCOS FERREIRA DA COSTA LIMA
  • ANDREA QUIRINO STEINER
  • GUSTAVO DE ANDRADE ROCHA
  • Data: 03/11/2021

  • Mostrar Resumo
  • A China, por ser um grande ator no cenário global, enfrenta desafios geopolíticos importantes. A sua grande indústria e contingente populacional implicam em uma crescente demanda energética, tendo que considerar a diminuição do uso do carvão ao mesmo tempo em que enfrenta a pressão para manter o seu crescimento econômico. E seguindo esta lógica, estudar o seu processo de transição energética é fundamental na medida em que as suas decisões impactam diretamente o ecossistema global. Este trabalho, portanto, utiliza-se da teoria da segurança energética junto ao conceito de sustentabilidade, trazendo os processos da transição energética a partir do cenário chinês. Esta pesquisa se desenvolve a partir dos métodos de revisão bibliográfica e documental, explorando o contexto ambiental da China a nível internacional, nacional, e subnacional por meio dos estudos de caso das municipalidades de Pequim e Xangai. Assim, busca-se identificar quais mudanças políticas a China tem feito para tornar a sua matriz energética mais sustentável durante a execução do 13º Plano Quinquenal. E a partir de diferentes níveis de análise, foi possível obter maior compreensão sobre os caminhos que o país segue a fim de alcançar suas metas climáticas.


  • Mostrar Abstract
  • A China, por ser um grande ator no cenário global, enfrenta desafios geopolíticos importantes. A sua grande indústria e contingente populacional implicam em uma crescente demanda energética, tendo que considerar a diminuição do uso do carvão ao mesmo tempo em que enfrenta a pressão para manter o seu crescimento econômico. E seguindo esta lógica, estudar o seu processo de transição energética é fundamental na medida em que as suas decisões impactam diretamente o ecossistema global. Este trabalho, portanto, utiliza-se da teoria da segurança energética junto ao conceito de sustentabilidade, trazendo os processos da transição energética a partir do cenário chinês. Esta pesquisa se desenvolve a partir dos métodos de revisão bibliográfica e documental, explorando o contexto ambiental da China a nível internacional, nacional, e subnacional por meio dos estudos de caso das municipalidades de Pequim e Xangai. Assim, busca-se identificar quais mudanças políticas a China tem feito para tornar a sua matriz energética mais sustentável durante a execução do 13º Plano Quinquenal. E a partir de diferentes níveis de análise, foi possível obter maior compreensão sobre os caminhos que o país segue a fim de alcançar suas metas climáticas.

4
  • MARIA EDUARDA REGUEIRA NAVARRO LESSA
  • Uma Live com Hackers: a relação entre confiança na mídia, nas eleições e a participação política.

  • Orientador : NARA DE CARVALHO PAVAO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • GUILHERME AZZI RUSSO
  • EDNALDO APARECIDO RIBEIRO
  • NARA DE CARVALHO PAVAO
  • Data: 13/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • Esta dissertação busca analisar se a confiança em duas instituições que são alvo frequentes de
    ataques - a mídia e as instituições eleitorais -, está associada à participação política. O estudo
    da retórica da elite política que tem como objetivo fomentar o descrédito dos eleitores para
    com instituições próprias do regime democrático não é um assunto novo, apesar de pouco
    explorado através de abordagens empíricas; no entanto, as poucas evidências disponíveis
    apontam que esses discursos são capazes de moldar os níveis de confiança que os indivíduos
    depositam nas instituições. Motivada por essa linha de pesquisa, por demais estudos que
    apontam para a relevância da confiança no comportamento dos eleitores e por um contexto
    em que membros da elite política brasileira empregam o tipo de retórica aqui mencionada,
    esse estudo testa a relação entre a confiança nessas instituições e diferentes formas de
    participação. É encontrado que eleitores que confiam menos nessas instituições apresentam
    maior probabilidade de engajarem-se em formas “contestatórias” de participação, tais como o
    voto inválido (branco ou nulo) e a participação em protestos. Ademais, é observado que a
    confiança na mídia está fortemente relacionada à frequência de busca por informação, seja
    através de mídias alternativas ou tradicionais. A confiança na mídia se mostra, portanto, um
    fator essencial para a formação de cidadãos factualmente informados e que são essenciais, do
    ponto de vista normativo, para o bom funcionamento de uma democracia.


  • Mostrar Abstract
  • Esta dissertação busca analisar se a confiança em duas instituições que são alvo frequentes de
    ataques - a mídia e as instituições eleitorais -, está associada à participação política. O estudo
    da retórica da elite política que tem como objetivo fomentar o descrédito dos eleitores para
    com instituições próprias do regime democrático não é um assunto novo, apesar de pouco
    explorado através de abordagens empíricas; no entanto, as poucas evidências disponíveis
    apontam que esses discursos são capazes de moldar os níveis de confiança que os indivíduos
    depositam nas instituições. Motivada por essa linha de pesquisa, por demais estudos que
    apontam para a relevância da confiança no comportamento dos eleitores e por um contexto
    em que membros da elite política brasileira empregam o tipo de retórica aqui mencionada,
    esse estudo testa a relação entre a confiança nessas instituições e diferentes formas de
    participação. É encontrado que eleitores que confiam menos nessas instituições apresentam
    maior probabilidade de engajarem-se em formas “contestatórias” de participação, tais como o
    voto inválido (branco ou nulo) e a participação em protestos. Ademais, é observado que a
    confiança na mídia está fortemente relacionada à frequência de busca por informação, seja
    através de mídias alternativas ou tradicionais. A confiança na mídia se mostra, portanto, um
    fator essencial para a formação de cidadãos factualmente informados e que são essenciais, do
    ponto de vista normativo, para o bom funcionamento de uma democracia.

5
  • RUAM EMANUEL RODRIGUES CHAVES PASTOR
  • Pelo Estado, com o Estado e no Estado: Análise das peças e mecanismos que compõem o fenômeno das milícias no Rio de Janeiro.

     

  • Orientador : ADRIANO OLIVEIRA DOS SANTOS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ADRIANO OLIVEIRA DOS SANTOS
  • FABIO RODRIGO FERREIRA NOBRE
  • RICARDO BORGES GAMA NETO
  • Data: 15/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • Quais são as peças que compõem o fenômeno das milícias no Rio de Janeiro? Quais são seus mecanismos? Esta pesquisa responde estas perguntas e propõe esclarecer algumas questões sobre um fenômeno que tem avançado por todo o Brasil. Utilizou-se a explicação por mecanismos para identificar as peças que compõem os mecanismos de atuação das milícias e lhe dão vida. Quais as diferenças entre as facções de tráfico e as milícias? Esta análise é importante por ainda ser obscura a diferenciação no meio acadêmico e popular, além disto, é fundamental para o entendimento das milícias compreender a dinâmica do crime organizado nas favelas cariocas. Como as milícias se comportam institucionalmente? Qual o papel do Estado na lógica miliciana? Por que e como as milícias participam dos processos eleitorais no Brasil? Todos esses questionamentos lançam luzes e fazem compreender a lógica de funcionamento desses grupos criminosos. Com base em relatórios sobre o tema, dados estatísticos e relatos de entrevistas jornalísticas, os problemas de pesquisa são respondidos.


  • Mostrar Abstract
  • Quais são as peças que compõem o fenômeno das milícias no Rio de Janeiro? Quais são seus mecanismos? Esta pesquisa responde estas perguntas e propõe esclarecer algumas questões sobre um fenômeno que tem avançado por todo o Brasil. Utilizou-se a explicação por mecanismos para identificar as peças que compõem os mecanismos de atuação das milícias e lhe dão vida. Quais as diferenças entre as facções de tráfico e as milícias? Esta análise é importante por ainda ser obscura a diferenciação no meio acadêmico e popular, além disto, é fundamental para o entendimento das milícias compreender a dinâmica do crime organizado nas favelas cariocas. Como as milícias se comportam institucionalmente? Qual o papel do Estado na lógica miliciana? Por que e como as milícias participam dos processos eleitorais no Brasil? Todos esses questionamentos lançam luzes e fazem compreender a lógica de funcionamento desses grupos criminosos. Com base em relatórios sobre o tema, dados estatísticos e relatos de entrevistas jornalísticas, os problemas de pesquisa são respondidos.

Teses
1
  • LUMA NETO DO NASCIMENTO
  • PRIMEIRO O ESTADO, DEPOIS A DEMOCRACIA?
    UMA ANÁLISE DOS EFEITOS DA CAPACIDADE ESTATAL NO DESENVOLVIMENTO DEMOCRÁTICO (1903-2015)

  • Orientador : RICARDO BORGES GAMA NETO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RICARDO BORGES GAMA NETO
  • MARIANA BATISTA DA SILVA
  • LEON VICTOR DE QUEIROZ BARBOSA
  • ERNANI RODRIGUES DE CARVALHO NETO
  • MARIANA DIONÍSIO DE ANDRADE
  • SAULO FELIPE COSTA
  • ÍTALO FITTIPALDI
  • Data: 25/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • A capacidade estatal tem efeito positivo no desenvolvimento democrático? A principal contribuição deste trabalho está na estimação do efeito desagregado de novos indicadores de capacidade estatal – que medem as suas respectivas dimensões coercitiva, administrativa e extrativa – no desenvolvimento democrático, utilizando uma amostra e série temporal que permitem a comparação entre diferentes períodos históricos e regiões. O desenvolvimento democrático compreende 3 variáveis dependentes: 1) a probabilidade de queda do regime democrático; 2) as chances de uma transição democrática; 3) os níveis de democracia. A hipótese geral desta tese é a de que a capacidade estatal impacta positivamente no desenvolvimento democrático. A partir disso, as hipóteses específicas esperam que cada uma das 3 dimensões da capacidade do Estado tenha um efeito positivo sobre cada uma dessas variáveis dependentes. Estas hipóteses baseiam-se em uma extensa literatura sobre o nexo causal Estado-democracia, concordando com a vertente que defende a capacidade estatal como fator explicativo do desenvolvimento democrático – o chamado sequencialismo histórico. Para testar as hipóteses, foram elaboradas 3 análises empíricas distintas, todas compreendendo a mesma série temporal: de 1903 a 2015. A primeira estima os efeitos das 3 dimensões da capacidade do Estado na probabilidade de colapso da democracia, portanto, a amostra inclui apenas países-ano democráticos. Foi aplicado o modelo de sobrevivência com distribuição de Weibull, com erros robustos, em conjunto com uma série de variáveis de controle. De forma similar acontece na segunda análise, com a diferença de que a variável dependente é a razão de chances de transição democrática, isto é, a amostra contém apenas países-ano ditatoriais. A terceira seção empírica segue o mesmo roteiro, sendo que a variável dependente desta vez são os níveis democráticos, compreendendo um painel de aproximadamente 123 países. Foi aplicada a regressão de efeitos fixos com erros-padrão de Driscoll e Kraay, com a inclusão da variável dependente defasada, para controlar por possíveis problemas de autocorrelação serial. Os principais resultados da tese sugerem, primeiramente, que não existe relação causal entre a capacidade extrativa e o desenvolvimento democrático, ao contrário do que era esperado pelas hipóteses da pesquisa. Por sua vez, os efeitos das capacidades administrativa e coercitiva no desenvolvimento democrático foram confirmados, sendo robustos mesmo após testes de robustez complexos, como o estimador de sistema GMM e a regressão de variáveis instrumentais. Mesmo diante de diferentes mudanças no cenário internacional, essas duas dimensões da capacidade do Estado mantiveram coeficientes significativos. Entretanto, estes resultados devem ser interpretados com cautela, visto que, diante da série temporal Pós-Guerra Fria (1990-2015) os efeitos das capacidades administrativa e coercitiva sobre as chances de sobrevivência democrática perderam significância estatística. Esta investigação empírica mostra evidências de a capacidade do Estado de transformar os recursos em bens públicos através de uma burocracia profissional e a habilidade do aparato coercitivo de manter o monopólio da violência são bons preditores do desenvolvimento democrático, adicionando mais um resultado a favor da literatura Estado-centrista


  • Mostrar Abstract
  • A capacidade estatal tem efeito positivo no desenvolvimento democrático? A principal contribuição deste trabalho está na estimação do efeito desagregado de novos indicadores de capacidade estatal – que medem as suas respectivas dimensões coercitiva, administrativa e extrativa – no desenvolvimento democrático, utilizando uma amostra e série temporal que permitem a comparação entre diferentes períodos históricos e regiões. O desenvolvimento democrático compreende 3 variáveis dependentes: 1) a probabilidade de queda do regime democrático; 2) as chances de uma transição democrática; 3) os níveis de democracia. A hipótese geral desta tese é a de que a capacidade estatal impacta positivamente no desenvolvimento democrático. A partir disso, as hipóteses específicas esperam que cada uma das 3 dimensões da capacidade do Estado tenha um efeito positivo sobre cada uma dessas variáveis dependentes. Estas hipóteses baseiam-se em uma extensa literatura sobre o nexo causal Estado-democracia, concordando com a vertente que defende a capacidade estatal como fator explicativo do desenvolvimento democrático – o chamado sequencialismo histórico. Para testar as hipóteses, foram elaboradas 3 análises empíricas distintas, todas compreendendo a mesma série temporal: de 1903 a 2015. A primeira estima os efeitos das 3 dimensões da capacidade do Estado na probabilidade de colapso da democracia, portanto, a amostra inclui apenas países-ano democráticos. Foi aplicado o modelo de sobrevivência com distribuição de Weibull, com erros robustos, em conjunto com uma série de variáveis de controle. De forma similar acontece na segunda análise, com a diferença de que a variável dependente é a razão de chances de transição democrática, isto é, a amostra contém apenas países-ano ditatoriais. A terceira seção empírica segue o mesmo roteiro, sendo que a variável dependente desta vez são os níveis democráticos, compreendendo um painel de aproximadamente 123 países. Foi aplicada a regressão de efeitos fixos com erros-padrão de Driscoll e Kraay, com a inclusão da variável dependente defasada, para controlar por possíveis problemas de autocorrelação serial. Os principais resultados da tese sugerem, primeiramente, que não existe relação causal entre a capacidade extrativa e o desenvolvimento democrático, ao contrário do que era esperado pelas hipóteses da pesquisa. Por sua vez, os efeitos das capacidades administrativa e coercitiva no desenvolvimento democrático foram confirmados, sendo robustos mesmo após testes de robustez complexos, como o estimador de sistema GMM e a regressão de variáveis instrumentais. Mesmo diante de diferentes mudanças no cenário internacional, essas duas dimensões da capacidade do Estado mantiveram coeficientes significativos. Entretanto, estes resultados devem ser interpretados com cautela, visto que, diante da série temporal Pós-Guerra Fria (1990-2015) os efeitos das capacidades administrativa e coercitiva sobre as chances de sobrevivência democrática perderam significância estatística. Esta investigação empírica mostra evidências de a capacidade do Estado de transformar os recursos em bens públicos através de uma burocracia profissional e a habilidade do aparato coercitivo de manter o monopólio da violência são bons preditores do desenvolvimento democrático, adicionando mais um resultado a favor da literatura Estado-centrista

2
  • WEMBLLEY LUCENA DE ARAUJO
  • A AURORA SOLAR NO MUNDO EMERGENTE. Inovação e Energia
    Renovável na Transição Energética: análise comparada das políticas estatais de
    Brasil, China e Índia no incentivo à energia solar fotovoltaica.

  • Orientador : MARCOS FERREIRA DA COSTA LIMA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • HENRY IURE DE PAIVA SILVA
  • MATILDE DE SOUZA
  • ANDREA QUIRINO STEINER
  • JOYCE HELENA FERREIRA DA SILVA
  • MARCOS FERREIRA DA COSTA LIMA
  • Data: 14/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • Diante das transformações energéticas globais e das estratégias de promoção da
    sustentabilidade, as inovações no campo energético são uma das questões centrais que ocupam
    os espaços de poder no cenário internacional. Os países em desenvolvimento inclinaram
    esforços para a promoção de energias não poluentes de modo a contemplarem, tanto o
    desenvolvimento econômico, quanto mitigarem os desafios ambientais. Dessa forma, o debate
    em torno de novas tecnologias, direcionadas à promoção de energias renováveis, alcançou
    relevância nas discussões políticas. No âmbito dessas tecnologias, a energia solar fotovoltaica
    adquiriu lugar de destaque dentre as principais fontes de energias renováveis difundidas no
    século XXI. Nesse setor, a China e a Índia encenaram experiências referenciais no nível de
    capacidade instalada e no fomento de políticas direcionadas à energia solar fotovoltaica. Por
    outro lado, embora seja possível verificar relativo progresso no nível de sua capacidade
    instalada, o Brasil ainda apresenta um quadro político limitado comparando-se aos dois
    emergentes asiáticos. Diante dessas configurações, questionou-se quais fatores políticos
    explicam os diferentes níveis de desenvolvimento de Brasil, China e Índia no incentivo à
    energia solar fotovoltaica? A hipótese considera que um maior nível de incentivo estatal
    correspondeu a um nível mais alto de desenvolvimento do setor de energia solar fotovoltaico.
    Dessa acepção, o propósito central desse trabalho consiste em investigar os fatores políticos
    que explicam os diferentes níveis de Brasil, China e Índia no desenvolvimento da energia solar
    fotovoltaica no período 2009-2019. Para tanto, calcando-se em uma perspectiva metodológica
    qualitativa e plural, os procedimentos adotados consistiram na realização de estudo
    exploratório, Análise Histórica Comparativa (AHC), análise documental, estudo de caso
    comparado fixado na estratégia small-n, complementados porseis entrevistas com especialistas.
    Dessa forma, com base em um Índice de Incentivo Estatal (IIE), uma métrica de comparação
    criada, concluiu-se que a China e a Índia promoveram políticas muito forte nas Dimensões do
    Planejamento (DP), na Dimensão dos Instrumentos de Apoio Políticos (DIAP) e na Dimensão
    dos Atos Internacionais (DAIN), ao passo que o Brasil demonstrou um fraco nível político na
    DP, empreendeu uma política estatal forte na DIAP e moderado na DAIN.


  • Mostrar Abstract
  • Diante das transformações energéticas globais e das estratégias de promoção da
    sustentabilidade, as inovações no campo energético são uma das questões centrais que ocupam
    os espaços de poder no cenário internacional. Os países em desenvolvimento inclinaram
    esforços para a promoção de energias não poluentes de modo a contemplarem, tanto o
    desenvolvimento econômico, quanto mitigarem os desafios ambientais. Dessa forma, o debate
    em torno de novas tecnologias, direcionadas à promoção de energias renováveis, alcançou
    relevância nas discussões políticas. No âmbito dessas tecnologias, a energia solar fotovoltaica
    adquiriu lugar de destaque dentre as principais fontes de energias renováveis difundidas no
    século XXI. Nesse setor, a China e a Índia encenaram experiências referenciais no nível de
    capacidade instalada e no fomento de políticas direcionadas à energia solar fotovoltaica. Por
    outro lado, embora seja possível verificar relativo progresso no nível de sua capacidade
    instalada, o Brasil ainda apresenta um quadro político limitado comparando-se aos dois
    emergentes asiáticos. Diante dessas configurações, questionou-se quais fatores políticos
    explicam os diferentes níveis de desenvolvimento de Brasil, China e Índia no incentivo à
    energia solar fotovoltaica? A hipótese considera que um maior nível de incentivo estatal
    correspondeu a um nível mais alto de desenvolvimento do setor de energia solar fotovoltaico.
    Dessa acepção, o propósito central desse trabalho consiste em investigar os fatores políticos
    que explicam os diferentes níveis de Brasil, China e Índia no desenvolvimento da energia solar
    fotovoltaica no período 2009-2019. Para tanto, calcando-se em uma perspectiva metodológica
    qualitativa e plural, os procedimentos adotados consistiram na realização de estudo
    exploratório, Análise Histórica Comparativa (AHC), análise documental, estudo de caso
    comparado fixado na estratégia small-n, complementados porseis entrevistas com especialistas.
    Dessa forma, com base em um Índice de Incentivo Estatal (IIE), uma métrica de comparação
    criada, concluiu-se que a China e a Índia promoveram políticas muito forte nas Dimensões do
    Planejamento (DP), na Dimensão dos Instrumentos de Apoio Políticos (DIAP) e na Dimensão
    dos Atos Internacionais (DAIN), ao passo que o Brasil demonstrou um fraco nível político na
    DP, empreendeu uma política estatal forte na DIAP e moderado na DAIN.

SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02