PGGGEN PROGRAMA DE POS-GRADUACAO EM GENETICA - CB DEPARTAMENTO DE GENETICA - CB Telefone/Ramal: Não informado
Dissertações/Teses

Clique aqui para acessar os arquivos diretamente da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFPE

2022
Dissertações
1
  • JOSE BRUNO ROBERTO DA SILVA
  • AVALIAÇÃO DA EXPRESSÃO DOS GENES PARP1, PARP2 E PARP3 EM
    PACIENTES ADULTOS COM LEUCEMIA MIELOIDE AGUDA

     




  • Orientador : ANTONIO ROBERTO LUCENA DE ARAUJO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANTONIO CARLOS DE FREITAS
  • ANTONIO ROBERTO LUCENA DE ARAUJO
  • JAQUELINE DE AZEVEDO SILVA
  • MATHEUS FILGUEIRA BEZERRA
  • Data: 21/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • A fim de se obter uma melhor estratificação de risco, o impacto de alterações moleculares tem sido amplamente estudado em pacientes com leucemia mieloide aguda (LMA). Além de alterações estruturais e mutações no DNA, expressão aberrante de genes podem influenciar o curso clínico da doença. Nesse contexto, os membros da família PARP (do inglês, Poly(ADP-ribose) polymerases) (PARP1, PARP2 e PARP3), responsáveis por codificar proteínas capazes de exercer modificações pós-traducionais relacionadas a diversos processos celulares, foram descrito como importantes preditores de prognóstico em pacientes com tumores sólidos, embora pouco se saiba do seu impacto clínico na LMA. Este trabalho teve como objetivo avaliar a expressão dos genes PARP1, PARP2 e PARP3 e seu impacto nos desfechos clínicos de paciente adultos com LMA. Ao todo, 3 coortes independentes foram analisadas (Recife: 81 pacientes, TCGA: 173 pacientes e GSE6891: 245). Na coorte de TCGA e GSE, a expressão de PARP2 e PARP3 foi maior em pacientes com cariótipo complexo (p<0,001) e risco desfavorável (p<0,001). Além disso, a expressão aberrante de PARP2/3 teve impacto direto na sobrevida dos pacientes (PARP2, coortes TCGA (p=0,036) e GSE (p=0,006); PARP3, coortes TCGA (p=0,003) e GSE (p=0,001). A exemplo de tumores sólidos,
    a expressão aberrante de PARP2/3 pode predizer um pior desfecho em pacientes adultos com LMA.



  • Mostrar Abstract
  • A fim de se obter uma melhor estratificação de risco, o impacto de alterações moleculares tem sido amplamente estudado em pacientes com leucemia mieloide aguda (LMA). Além de alterações estruturais e mutações no DNA, expressão aberrante de genes podem influenciar o curso clínico da doença. Nesse contexto, os membros da família PARP (do inglês, Poly(ADP-ribose) polymerases) (PARP1, PARP2 e PARP3), responsáveis por codificar proteínas capazes de exercer modificações pós-traducionais relacionadas a diversos processos celulares, foram descrito como importantes preditores de prognóstico em pacientes com tumores sólidos, embora pouco se saiba do seu impacto clínico na LMA. Este trabalho teve como objetivo avaliar a expressão dos genes PARP1, PARP2 e PARP3 e seu impacto nos desfechos clínicos de paciente adultos com LMA. Ao todo, 3 coortes independentes foram analisadas (Recife: 81 pacientes, TCGA: 173 pacientes e GSE6891: 245). Na coorte de TCGA e GSE, a expressão de PARP2 e PARP3 foi maior em pacientes com cariótipo complexo (p<0,001) e risco desfavorável (p<0,001). Além disso, a expressão aberrante de PARP2/3 teve impacto direto na sobrevida dos pacientes (PARP2, coortes TCGA (p=0,036) e GSE (p=0,006); PARP3, coortes TCGA (p=0,003) e GSE (p=0,001). A exemplo de tumores sólidos,
    a expressão aberrante de PARP2/3 pode predizer um pior desfecho em pacientes adultos com LMA.


2
  • MARIA DA CONCEIÇÃO VIANA INVENÇÃO
  • Construção de antígenos a partir de predição
     de epítopos como estratégia para o
    desenvolvimento de vacina de DNA contra o
    SARS-CoV-2

     

     

  • Orientador : ANTONIO CARLOS DE FREITAS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANTONIO CARLOS DE FREITAS
  • TATIANA RODRIGUES DE MOURA
  • TERCILIO CALSA JUNIOR
  • VALDIR DE QUEIROZ BALBINO
  • Data: 21/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • O rápido agravamento da pandemia da COVID-19 impulsionou o uso de plataformas vacinais de fácil edição. Nesse cenário, é interessante investir em vacinas multiepítopos que exploram todos os grupos de proteínas do vírus e a sua conservação para as variantes emergentes. O presente trabalho objetivou construir antígenos sintéticos multiepítopos de proteínas do SARS-CoV-2, como plataformas utilizadas para construção de vacina de DNA a partir de duas abordagens: epítopos descritos na literatura (I) e epítopos preditos a partir da sequência de referência (II). A abordagem I utilizou epítopos das proteínas S e N, adjuvantes e linkers disponíveis na literatura que foram clonados in silico e verificados os valores de imunogenicidade, conservação e cobertura populacional dos múltiplos epítopos. A construção conteve 15 epítopos, 3 adjuvantes e 5 linkers, tendo os epítopos em sua maioria conservados, com valores de imunogenicidade positivos e o conjunto obteve 90% de cobertura populacional. A abordagem II se baseou na sequência de referência para predizer e analisar epítopos das proteínas estruturais, nsP1, acessórias para identificar aqueles 100% conservados e com os maiores valores de cobertura populacional de cada proteína para compor a segunda construção. Foram preditos entre 420 e 36 epítopos para cada uma das proteínas supracitadas. Após as análises, 38 epítopos compuseram a 2° construção que teve 70% de cobertura
    mundial. Logo, o presente trabalho conseguiu construir antígenos sintéticos que para serem validados como vacina contra COVID-19.



  • Mostrar Abstract
  • O rápido agravamento da pandemia da COVID-19 impulsionou o uso de plataformas vacinais de fácil edição. Nesse cenário, é interessante investir em vacinas multiepítopos que exploram todos os grupos de proteínas do vírus e a sua conservação para as variantes emergentes. O presente trabalho objetivou construir antígenos sintéticos multiepítopos de proteínas do SARS-CoV-2, como plataformas utilizadas para construção de vacina de DNA a partir de duas abordagens: epítopos descritos na literatura (I) e epítopos preditos a partir da sequência de referência (II). A abordagem I utilizou epítopos das proteínas S e N, adjuvantes e linkers disponíveis na literatura que foram clonados in silico e verificados os valores de imunogenicidade, conservação e cobertura populacional dos múltiplos epítopos. A construção conteve 15 epítopos, 3 adjuvantes e 5 linkers, tendo os epítopos em sua maioria conservados, com valores de imunogenicidade positivos e o conjunto obteve 90% de cobertura populacional. A abordagem II se baseou na sequência de referência para predizer e analisar epítopos das proteínas estruturais, nsP1, acessórias para identificar aqueles 100% conservados e com os maiores valores de cobertura populacional de cada proteína para compor a segunda construção. Foram preditos entre 420 e 36 epítopos para cada uma das proteínas supracitadas. Após as análises, 38 epítopos compuseram a 2° construção que teve 70% de cobertura
    mundial. Logo, o presente trabalho conseguiu construir antígenos sintéticos que para serem validados como vacina contra COVID-19.


3
  • GUILHERME SANTANA BARBOSA
  • AVALIAÇÃO FUNCIONAL DE MOTIVOS DA PROTEÍNA DE LIGAÇÃO À POLI-A 1 (PABP1) NA INTERAÇÃO COM PARCEIROS EM Leishmania infantum

  • Orientador : OSVALDO POMPÍLIO DE MELO NETO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • DANIELLE MARIA NASCIMENTO MOURA
  • FABIOLA BARBIERI HOLETZ
  • ISABELLE FREIRE TABOSA VIANA
  • OSVALDO POMPÍLIO DE MELO NETO
  • Data: 25/02/2022

  • Mostrar Resumo
  • Protozoários patogênicos do gênero Leishmania apresentam o controle da sua expressão gênica predominantemente pós-transcricional, onde diferentes proteínas de ligação ao RNA parecem atuar, como a proteína de ligação à cauda poli-A (PABP). Três homólogos de PABP apresentando elementos típicos destas proteínas foram descritos em Leishmania, com uma região N-terminal com quatro domínios de reconhecimento de RNA (RRMs), uma região de ligação e um domínio MLLE C-terminal. Este estudo objetivou melhor compreender a atividade da PABP1, ativa na tradução dos mRNAs e outros processos. A PABP1 associa-se a mRNAs específicos e ao complexo eIF4F constituído por EIF4E4 e EIF4G3. Mutantes nos RRMs 1 e 2, na região de ligação e no domínio MLLE foram obtidos previamente e identificados como importantes para a função da PABP1. Nesse trabalho, mutantes nos RRMs 3 e 4 foram gerados e avaliados quanto ao seu potencial de complementar a ausência da PABP1 nativa em Leishmania infantum, levando a identificação do motivo MLN, no RRM4, como crítico para a atividade da proteína. Para a PABP1 nativa ensaios de co-precipitação seguidos de análise por espectrometria de massa permitiram definir a sua interação com diferentes parceiros. Novos ensaios com as proteínas mutantes definiram os motivos LMW (RRM2), MLN e TGM (MLLE) como essenciais para a co-precipitação com os EIF4G3, EIF4E4 e a quinase CRK3, respectivamente, entre outros. Estes resultados são uma contribuição significativa no entendimento das funções da PABP1


  • Mostrar Abstract
  • Tripanosomatídeos são protozoários flagelados que englobam agentes patogênicos dos gêneros Leishmania e Trypanosoma. Esses organismos exercem um controle da expressão gênica através de eventos predominantemente pós-transcricionais, muitos envolvendo o controle da estabilidade e tradução de RNAs mensageiros (mRNAs). Dentre as diferentes proteínas de ligação ao RNA (RBPs) participantes nesses eventos, a mais relevante deve ser a proteína de ligação à cauda poli-A (PABP). Três de seus homólogos foram identificados em Leishmania, todos estruturados em uma região N-terminal com quatro motivos de reconhecimento ao RNA (RRMs 1 a 4), uma região linker intermediária e um domínio MLLE presente na sua região C-terminal. O primeiro dos homólogos, a PABP1 se mostrou indispensável e fortemente ativa durante a tradução, além de uma associação com mRNAs diferentes dos associados às PABPs 2 e 3. Também foi observada uma forte afinidade da PABP1 para o complexo eIF4F baseado nas subunidades EIF4E4 e EIF4G3, com uma interação inédita identificada entre a PABP1 e o EIF4E4. Isoformas fosforiladas da PABP1 a indica como potencial alvo de processos regulatórios. Portanto, o presente estudo objetiva melhor compreender a atividade da PABP1, avaliando o papel de diferentes regiões desta proteína, incluindo sítios de possíveis interações proteína-proteína, na sua interação com outras proteínas parceiras, como a proteína de ligação a RNA denominada de RBP23. Ele dá continuidade a estudos prévios onde foram gerados mutantes em motivos julgados relevantes nos RRMs 1 e 2, na região linker e no domínio MLLE. Neste trabalho, diferentes construções mutantes nos RRMs 3 e 4 foram geradas por mutagênese sítio-dirigida e avaliadas quanto ao seu potencial de complementação após a deleção das duas cópias dos genes da PABP1 no genoma de Leishmania infantum. Como resultados preliminares, o mutante PABP1MLN, no RRM4,levou a uma diminuição no crescimento celular, e a proteína mutada se mostrou incapaz de complementar a ausência do gene PABP1 endógeno. Para todo o conjunto de mutantes disponíveis, estes foram avaliados em ensaios de imunoprecipitação in vivo, e as amostras obtidas analisadas por espectrometria de massas, visando avaliar cada uma das regiões da proteína frente à interações novas e já estabelecidas. Esse trabalho contribuirá no entendimento acerca da especificidade da PABP1 aos seus mRNAs alvos, bem como a participação de diferentes motivos nas interações estabelecidas por esta na durante a iniciação da tradução de tripanosomatídeos.

4
  • DAYANE DA SILVA SANTOS
  • Perfil fenotípico de resposta ao estresse em linhagens de Liquorilactobacillus vini defectivas para o gene rela

  • Orientador : MARCOS ANTONIO DE MORAIS JUNIOR
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARIA TACIANA CAVALCANTI VIEIRA SOARES
  • ANTONIO CARLOS DE FREITAS
  • EVANDRO LEITE DE SOUZA
  • MARCOS ANTONIO DE MORAIS JUNIOR
  • Data: 04/03/2022

  • Mostrar Resumo
  • A resposta estringe é uma via regulatória caracterizada pela produção da molécula sinalizadora (p)ppGpp, o alarmônio que tem efeito pleiotrópico na resposta a estresse. No entanto, sua função em bactérias lácticas ainda não está bem estabelecida. Liquorilactobacillus vini, é um contaminante da produção de etanol no nordeste brasileiro e modelo de resposta a estresse pelo nosso grupo de pesquisa. Deste modo, o objetivo deste estudo foi determinar o efeito de uma resposta estringente defectiva na linhagem JP 7.8.9 de L. vini em resposta a diferentes formas de estresse. O meio MRS foi utilizado nos cultivos e nos testes de tolerância a diferentes formas de estresse na temperatura padrão de 37°C. Nos cultivos da linhagem mutante foi acrescido a droga azitromicina na concentração final de 5 μg/mL. Foram determinados parâmetros de tolerância a diferentes formas de estresse através da determinação da concentração inibitória mínima (MIC), concentração bactericida mínima (MBC), curvas de crescimento em concentração sub-MIC e indução de tolerância cruzada. Além da estabilidade da parede celular através de curvas de lise. Os agentes estressores estudados foram ácido láctico, ácido acético, pH ácido, ajustado com ácido clorídrico, etanol e cloreto de sódio. A linhagem mutante apresentou um perfil de resposta estresse específico apresentando variações na MIC e MBC a diferentes formas de estresse. Padrão similar de resposta foi observado nos ensaios de tolerância cruzada. O ensaio de lise indicou que parede celular da linhagem mutante é mais frágil do que na linhagem parental Esses dados indicam que o gene relA em L. vini tem um papel central na fisiologia indo além do esperado para um gene de resposta a estresse. 


  • Mostrar Abstract
  • A resposta estringe é uma via regulatória caracterizada pela produção da molécula sinalizadora (p)ppGpp, o alarmônio que tem efeito pleiotrópico na resposta a estresse. No entanto, sua função em bactérias lácticas ainda não está bem estabelecida. Liquorilactobacillus vini, é um contaminante da produção de etanol no nordeste brasileiro e modelo de resposta a estresse pelo nosso grupo de pesquisa. Deste modo, o objetivo deste estudo foi determinar o efeito de uma resposta estringente defectiva na linhagem JP 7.8.9 de L. vini em resposta a diferentes formas de estresse. O meio MRS foi utilizado nos cultivos e nos testes de tolerância a diferentes formas de estresse na temperatura padrão de 37°C. Nos cultivos da linhagem mutante foi acrescido a droga azitromicina na concentração final de 5 μg/mL. Foram determinados parâmetros de tolerância a diferentes formas de estresse através da determinação da concentração inibitória mínima (MIC), concentração bactericida mínima (MBC), curvas de crescimento em concentração sub-MIC e indução de tolerância cruzada. Além da estabilidade da parede celular através de curvas de lise. Os agentes estressores estudados foram ácido láctico, ácido acético, pH ácido, ajustado com ácido clorídrico, etanol e cloreto de sódio. A linhagem mutante apresentou um perfil de resposta estresse específico apresentando variações na MIC e MBC a diferentes formas de estresse. Padrão similar de resposta foi observado nos ensaios de tolerância cruzada. O ensaio de lise indicou que parede celular da linhagem mutante é mais frágil do que na linhagem parental Esses dados indicam que o gene relA em L. vini tem um papel central na fisiologia indo além do esperado para um gene de resposta a estresse. 

5
  • APARECIDA JAYANE SAMPAIO MIRANDA
  • Caracterização genética e patrilinhagens do cromossomo Y no interior de Pernambuco a partir de regiões Y-STRs

  • Orientador : VALDIR DE QUEIROZ BALBINO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • VALDIR DE QUEIROZ BALBINO
  • PAULA SANDRIN GARCIA
  • SIMONE SILVA DOS SANTOS LOPES
  • ROSANE SILVA
  • Data: 12/05/2022

  • Mostrar Resumo
  • Para o Estado de Pernambuco existe uma sub-representação em estudos genético-populacionais com marcadores Y-STRs, bem como no banco de dados mundial YHRD, sabidamente referência para diversas análises. Esse fato, somado à importância antropológica em apresentar detalhes da história populacional local,
    justificam o presente trabalho, que objetivou caracterizar as linhagens paternas e fornecer dados de interesse forense local para uma amostra da população de Pernambuco, por meio de um conjunto de 23 marcadores microssatélites do cromossomo Y (Y-STRs). Para este fim, 172 amostras masculinas oriundas de três mesorregiões do interior do estado foram coletadas e genotipadas utilizando o sistema multiplex PowerPlex ®Y23 (Promega Corporation). Os parâmetros forenses de frequências alélicas (FA), frequências haplotípicas (FH), diversidade gênica (DG), diversidade haplotípica (DH), capacidade de discriminação (CD) e probabilidade de coincidência haplotípica (PCH) foram calculados utilizando o programa Arlequin 3.5.2.2, bem como as comparações de distância genética pelo índice Fst, e a inferência dos haplogrupos foi realizada através da plataforma online Haplogroup predictor – HAPEST. Os dados obtidos para os parâmetros analisados revelarm uma alta diversidade gênica para os
    loci presentes, alta capacidade de discriminar haplótipos entre indivíduos aleatórios na população e baixa probabilidade de coincidir um mesmo haplótipo para dois indivíduos não aparentados, a inferência de haplogrupos baseada em haplótipos dos Y-STRs corroborou com a estrutura de patrilinhagens indicada para os demais estados brasileiros, com predominância daquelas europeias, sendo condizente com a história local de ocupação humana, ao passo que as distâncias genéticas foram menores para populações europeias e americanas, e maiores para as africanas.


  • Mostrar Abstract
  • Existe uma sub-representação do estado de Pernambuco em estudos genético-populacionais com marcadores Y-STRs, bem como no banco de dados mundial YHRD, sabidamente referência para diversas análises. Esse fato, somado à importância antropológica em apresentar detalhes da história popul acional local, justificam o presente trabalho, que objetivou caracterizar as linhagens paternas e fornecer dados de interesse forense local para uma amostra da população de Pernambuco, por meio de um conjunto de 23 marcadores microssatélites do cromossomo Y (Y-STRs). Para este fim, 172 amostras masculinas oriundas de três mesorregiões do interior do estado foram coletadas e genotipadas utilizando o sistema multiplex PowerPlex ®Y23 (Promega Corporation). Os parâmetros forenses de frequências alélicas (FA), frequências haplotípicas (FH); diversidade gênica (DG), diversidade haplotípica (DH), capacidade de discriminação (CD) e probabilidade de coincidência haplotípica (PCH) foram calculados utilizando o programa Arlequin 3.5.1.2, e a inferência dos haplogrupos foi realizada através da plataforma online Haplogroup predictor – HAPEST. Os dados obtidos para os parâmetros analisados evidenciam a eficiência do kit PowerPlex Y23 na fração da população pernambucana para fins de validação forense, revelando uma alta diversidade gênica para os loci presentes, alta capacidade de discriminar haplótipos entre indivíduos aleatórios na população e baixa probabilidade de coincidir um mesmo haplótipo para dois indivíduos não aparentados, e a inferência de haplogrupos baseada em haplótipos dos Y-STRs corroborou com a estrutura de patrilinhagens já indicada para os demais estados brasileiros, sendo condizente com a história local de ocupação humana

6
  • THAYS MARIA COSTA DE LUCENA
  • Avaliação dos níveis de mRNA da Enzima Conversora de Angiotensina (ECA) e Biomarcadores Inflamatórios na Síndrome Metabólica

  • Orientador : JAQUELINE DE AZEVEDO SILVA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • BRUNO DE MELO CARVALHO
  • DINALDO CAVALCANTI DE OLIVEIRA
  • JAQUELINE DE AZEVEDO SILVA
  • PAULA SANDRIN GARCIA
  • Data: 08/07/2022

  • Mostrar Resumo
  • A Síndrome Metabólica (SM) é um conjunto de manifestações clínicas cardio-metabólicas que contribuem diretamente para o risco de doenças cardiovasculares (DCVs). O sistema renina-angiotensina (RAS) é o principal mecanismo de regulação da pressão arterial, mas a atividade excessiva do seu componente, a enzima conversora de angiotensina (ACE), pode ocasionar inflamação crônica e ativar citocinas inflamatórias como IL-1β, IL-6 e IL-10, sendo consideradas biomarcadores na fisiopatologia da SM. Sendo assim, o objetivo desse estudo é avaliar e correlacionar a expressão gênica do ECA e biomarcadores inflamatórios obtidos através do sangue total de indivíduos com SM. Quanto à metodologia foi realizada a expressão relativa dos genes ACE, IL-1β, IL-6 e IL-10 em amostras de sangue total periférico de 133 indivíduos comparando a 24 controles saudáveis por meio da equação 2-ΔΔCq. Para a análise estatística foram realizados os testes de Shapiro-Wilk, Teste T Student e Mann-Whitney. Observamos expressão dos genes ACE (+2,226; p=9,4x10-5), IL-1β (+1,445; p=0,005129), IL-6 (+1,526; p=0,001483) e IL-10 (+1,304; p=1,202x10-6 no grupo de SM em relação aos controles. Indivíduos com lesão aterosclerótica grave obtiveram expressão dos genes ACE (+1,287; p=0,000371), IL-1β (+1,701; p=0,009549), IL-6 (+1,967 vezes; p=0,0004113) e IL-10 (+1,064; p=0,0002406). Nas lesões ateroscleróticas iniciais obteve expressão dos genes ACE (+2,565; p=0,0009058), IL-1β (+1,209; p=0,0487), IL-6 (+1,499; p=0,01411) e IL-10 (+1,586; p= 5,593x10-5). Ao analisar os indivíduos com 2 características clínicas, apenas os genes IL-10 (+1,792; p=0,002583) e IL-6 (-28,0779; p=0,001653) apresentaram significância estatística. Em relação à 1 característica clínica obtiveram dados estatisticamente significativos os genes ACE (+1,252; p=0,01936), IL-6 (-21,0464; p=0,01192) e IL-1β (+1,599; p=0,0002413). Este trabalho indica que a expressão dos genes ACE, IL-1β, IL-6 e IL-10 a partir de amostras de sangue total está associada a condições clínicas da SM e lesões ateroscleróticas e podem se tornar potenciais biomarcadores para prognóstico da SM


  • Mostrar Abstract
  • A Síndrome Metabólica (SM) é um conjunto de manifestações clínicas cardio-metabólicas que contribuem diretamente para o risco de outras doenças crônicas, como Diabetes mellitus tipo 2 (DM2) e doenças cardiovasculares (DCVs). O sistema renina-angiotensina (RAS) é o principal mecanismo de regulação da pressão arterial, mas a atividade excessiva da enzima conversora de angiotensina (ACE), principal componente do RAS, pode ocasionar inflamação crônica, ativando citocinas pró-inflamatórias como IL-1β, IL-6 e TNF-α, sendo consideradas biomarcadores na fisiopatologia da SM. Sendo assim, o objetivo desse estudo é avaliar a expressão gênica do ACE e biomarcadores inflamatórios em pacientes com SM. O presente estudo avaliou a expressão relativa dos genes ACE e IL-6 em amostras de sangue total periférico de 17 indivíduos com SM, comparando a 15 controles saudáveis por meio da equação 2-ΔΔCq. Para a análise estatística foram realizados os testes de Shapiro-Wilk e Teste T Student. Observamos um aumento da expressão dos gene ACE em 2,53 vezes (p = 2,997x10-6) e IL-6 em 1,25 vezes (p = 0,9362) no grupo de pacientes em relação aos controles. Na análise estratificada das condições clínicas, encontramos aumento na expressão do ACE de 1,20 vezes (p = 0,1514) em pacientes obesos comparando aos indivíduos com sobrepeso. Foi observada ainda a diminuição da expressão deste gene de 1,10 vezes (p = 0,7834) e 1,28 vezes (p = 0,5899) na presença das características clínicas DM2 e dislipidemia, respectivamente. Quanto à expressão gênica da IL-6, observou-se aumento dos níveis de mRNA de 2,07 vezes (p = 0,1179) nos indivíduos obesos, enquanto nas características clínicas de DM2 e dislipidemia, houve a diminuição dos níveis de mRNA em 3,57 vezes (p = 0,3501) e 5,55 vezes (p = 0,003), respectivamente. Os resultados demonstram que a ACE e a IL-6, desempenham importantes atividades na fisiopatologia da SM, mas ao observamos as características clínicas estratificadas, estes genes estão intimamente relacionados com a obesidade. Desta forma, sugere-se que o aumento da expressão do ACE está relacionado à desregulação do RAS, e a expressão da IL-6 está envolvida ao desencadeamento da resposta inflamatória, nos indivíduos com SM.

Teses
1
  • JESSICA BARBARA VIEIRA VIANA
  • Modificadores Epigenéticos: Genômica Estrutural e Funcional em Plantas Submetidas a Diferentes Condições Estressantes

  • Orientador : ANA MARIA BENKO ISEPPON
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANA MARIA BENKO ISEPPON
  • EDERSON AKIO KIDO
  • ELISEU BINNECK
  • JOAO PACIFICO BEZERRA NETO
  • ROMMEL THIAGO JUCA RAMOS
  • Data: 08/04/2022

  • Mostrar Resumo
  • Dentre as diversas culturas vegetais mais produzidas no Brasil, destacam-se a uva (Vitis vinifera L.) e o feijão-caupi (Vigna unguiculata L.) com elevados índices de produção anual, apresentando relevante importância social e econômica. Entretanto, a produtividade dessas culturas é frequentemente afetada, devido à ocorrência de estresses. Nesse contexto, as modificações epigenéticas compreendem ampla funcionalidade, sendo os processos de (de) metilação de DNA, (de) metilação das histonas e (de) acetilação das histonas participantes diretos no mecanismo de combate ao estresse (a) biótico. Esses processos são desenvolvidos pelas enzimas metiltransferases (MTases) e demetilases (dMTases) de DNA; metiltransferase (SDGs) e demetilases (JMJs) de histonas; e acetiltransferases (HATs) e desacetilases (HDACs) de histonas. O presente trabalho teve como objetivo analisar essas enzimas mediante abordagens genômica e transcriptômica. Essas enzimas foram analisadas considerando suas características estruturais, distribuição genômica, mecanismos de expansão genômica, conservação entre outras espécies vegetais, além dos padrões de expressão frente a estresse biótico e abiótico. Bibliotecas de RNA-Seq de acessos contrastantes da videira [genótipo resistentes (IAC-572) e suscetível (Red Globe)] so estresse biótico, bem como bibliotecas de RNA-Seq de feijão-caupi sob estresse biótico (injúria mecânica seguida de inoculação viral) e abiótico (desidratação radicular) foram analisadas. As enzimas identificadas no genoma da videira (MTases e dMTases) e do feijão-caupi (SDGs, JMJs, HATs e HDACs) apresentaram, em sua maioria, conservação de suas respectivas estruturas. Além disso, um alto índice de conservação dessas enzimas foi observado nos genomas de diferentes espécies vegetais. Os elementos cis-regulatórios identificados nos promotores foram associados a diferentes TFs que estão intimamente relacionados a resposta vegetal a condições adversas. Os dados de expressão gênica para os acessos contrastantes da videira indicaram que os transcritos induzidos podem auxiliar em uma estratégia molecular no genótipo resistente da videira analisado nesse estudo. Uma vez que, uma maior indução de modificadores epigenéticos foi observada nesse genótipo quando comparado ao genótipo suscetível. Os dados de RNA-Seq do feijão-caupi apontam para uma maior indução de modificadores epigenéticos na resposta a desidratação radicular quando comparada ao ensaio de injúria mecânica seguida de inoculação viral. Em suma, os resultados gerados nesse estudo agregam valor ao entendimento da dinâmica desses modificadores epigenéticos na resposta de vegetais a estresse, evidenciando sua pluralidade estrutural e funcional.


  • Mostrar Abstract
  • A videira (Vitis vinifera L.) apresenta significativa importância social e econômica no Brasil. Entretanto, sua produtividade é frequentemente afetada, devido à ocorrência de estresses. Nesse contexto, as modificações epigenéticas compreendem ampla funcionalidade, sendo os processos de metilação e demetilação do DNA participantes diretos no mecanismo de combate ao estresse biótico. Esses processos são desenvolvidos pelas enzimas metiltransferases (MTases) e demetilases (dMTases), respectiavamente. O presente trabalho objetivou caracterizar e analisar a modulação da expressão dessas enzimas no transcriptoma da videira inoculada com Xanthomonas citri pv. viticola (Xcv). Foram identificadas no transcriptoma em questão seis VvMTases e três VvdMTases, todas apresentando domínios característicos de tais grupos de enzimas. A análise fenética indicou grupos de MTases e dMTAses diversificados, correspondentes às suas respectivas subfamílias, sendo possível confirmar a classificação previamente realizada a partir da identificação dos domínios. Adicionalmente, foram
    identificados no genoma da videira 12 loci codificadores de VvMTases e 3 de VvdMTases. Os promotores das VvMTases associaram-se aos fatores de transcrição AP2-EFR, Dof-type e WRKY, indicando uma ampla funcionalidade, incluindo resposta a estresse. Além disso, um alto índice de conservação dessas enzimas foi encontrado nos membros de diferentes famílias como, por exemplo, Fabaceae e Euphorbiaceae. Para o tempo de 90 minutos, os dados de transcriptômica indicaram expressão constitutiva para VvMTases e VvdMTases ao
    longo de todo ensaio. Essas enzimas com expressão constitutiva devem, portanto, ser potencialmente exploradas quanto à sua participação nos mecanismos de defesa vegetal.


2
  • ALEIDE SANTOS DE MELO LIMA
  • Avaliação do impacto isolado e aditivo de marcadores moleculares no desfecho clínico de pacientes adultos com leucemia mieloide aguda

  • Orientador : ANTONIO ROBERTO LUCENA DE ARAUJO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • FELIPE SALDANHA DE ARAUJO
  • ANTONIO ROBERTO LUCENA DE ARAUJO
  • DOUGLAS RAFAELE ALMEIDA SILVEIRA
  • LORENA LOBO DE FIGUEIREDO PONTES
  • NEIDE SANTOS
  • Data: 29/04/2022

  • Mostrar Resumo
  • Atualmente, a estratificação de risco do grupo European LeukemiaNet (ELN) para leucemia mieloide aguda (LMA) é a mais aplicada na prática clínica, mas alguns autores defendem seu refinamento. Este estudo propõe-se a avaliar o impacto isolado e aditivo de marcadores moleculares no desfecho clínico de pacientes adultos com LMA. Para isso, três coortes foram utilizadas: The Cancer Genome Atlas (TCGA) como coorte de desenho e duas coortes de validação, uma externa disponível publicamente (GEO: GSE6891) e uma interna de pacientes tratados em hospitais brasileiros. Nós demonstramos que as mutações no gene DNMT3A de maneira isolada ou em cooperação com mutações NPM1 e FLT3-ITD impactam de maneira adversa o desfecho de pacientes LMA. A hiperexpressão de ID1 foi um preditor negativo para a sobrevida global (SG) na coorte TCGA e na coorte de validação interna. Nós propomos, também, um índice prognóstico baseado em transcriptoma (IPT) a partir do impacto aditivo da expressão dos genes PDE7BIGF2BP3 e ST6GALNAC4. O IPT foi um fator prognóstico independente para a SG,
    sobrevida livre de doença e de eventos de pacientes com LMA, foi capaz de refinar a classificação ELN2010 e foi validado na coorte externa GSE6891. Entretanto, o IPT não foi validado em uma coorte interna de pacientes da “vida real”. O número de pacientes, o curto tempo de seguimento e as diferentes metodologias de análise de
    expressão gênica podem ter limitado as análises.



  • Mostrar Abstract
  • Atualmente, a estratificação de risco para leucemia mieloide aguda (LMA) proposta pelo grupo European LeukemiaNet (ELN) é a mais aplicada na prática clínica, mas alguns autores defendem seu refinamento. Esse estudo se propõe a desenvolver um índice prognóstico baseado no impacto aditivo de genes no desfecho clínico de pacientes adultos com LMA. Para o desenho do índice, utilizou-se a coorte pública The Cancer Genome Atlas (TCGA) e, para validação, uma coorte externa disponível publicamente (GEO: GSE6891) e uma coorte interna de pacientes tratados em hospitais brasileiros. A classificação ELN2010 foi útil para predizer desfecho clínico nos pacientes brasileiros, embora com frequências de sobrevida inferiores as de países desenvolvidos. Em seguida, propôs-se um índice (IP) a partir da análise de mutações no gene TP53 e hiperexpressão de ID1, entretanto ele não se mostrou uma ferramenta robusta para a estratificação de risco da LMA. A hiperexpressão de ID1 foi um preditor negativo para a sobrevida global (SG) nas coortes TCGA e GSE6891, entretanto não apresentou impacto clínico na coorte Pernambucana. Propôs-se, então um índice prognóstico baseado em transcriptoma (IPT), com três grupos de risco, a partir do impacto aditivo da expressão dos genes PDE7BIGF2BP3 e ST6GALNAC4. O IPT foi um fator prognóstico independente para a SG, sobrevida livre de doença e de eventos de pacientes com LMA e foi capaz de refinar a classificação ELN2010 e foi validado na coorte externa.

3
  • BARBARA NATIELI SILVA PEREIRA
  • Identificação molecular e diversidade genética de espécies de dípteros de interesse forense



  • Orientador : VALDIR DE QUEIROZ BALBINO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • VALDIR DE QUEIROZ BALBINO
  • RITA DE CASSIA DE MOURA
  • MARTIN ALEJANDRO MONTES
  • SILVIA HELENA BAREM RABENHORST
  • SIMAO DIAS DE VASCONCELOS FILHO
  • Data: 12/05/2022

  • Mostrar Resumo
  • Dípteros necrófagos são frequentemente encontrados em locais de crime, sendo úteis, principalmente às formas imaturas, nos processos de estimativa do intervalo pós-morte e de identificação de vítimas e suspeitos. A identificação taxonômica dos espécimes é uma etapa crucial na rotina forense, a qual vem sendo facilitada graças ao uso de técnicas de biologia molecular. Utilizar marcadores moleculares robustos e conhecer a estrutura genética destas espécies é de suma importância para a eficácia das atividades periciais. O presente trabalho objetivou comparar dois marcadores moleculares mitocondriais úteis para a técnica barcode em dípteros de interesse forense e investigar a diversidade genética da espécie Chrysomya albiceps de populações de quatro continentes. Dípteros foram coletados nas dependências dos Institutos de Medicina Legal da Paraíba e Pernambuco e adicionalmente foram utilizadas amostras da coleção entomológica da Universidade de Brasília. A extração do DNA ocorreu utilizando fenol-clorofórmio e Chelex 10%, em seguida foram sequenciadas as regiões COI e CytB dos dípteros, realizada buscas por sequencias homologas no NCBI através de BLASTn e uma análise de distância genética foi executada no software MEGA. Por sua vez, a análise de diversidade genética da espécie C. albiceps ocorreu a partir de sequencias nucleotídicas da região barcode do COI obtidas no NCBI e analisadas nos softwares Mega, DnaSP e Network. Os resultados da identificação de dípteros mostram que a região do CytB proposta como barcode revelou-se mais robusta, apresentado valores de distância genética superiores aos do COI e que a espécie C. albiceps apresenta baixa diversidade genética e ausência de haplótipos exclusivos na América do Sul. Desta forma, concluímos que COI e CytB são boas regiões para a taxonomia molecular, no entanto o CytB é mais robusto e que a espécie C. albiceps possui pouca diversidade no gene COI, não sendo recomendada para analises de deslocamento de cadáveres.




  • Mostrar Abstract
  • Dípteros necrófagos são frequentemente encontrados em locais de crime, seus espécimes, principalmente imaturos, auxiliam desde a estimativa do intervalo pósmorte a identificação de vítimas e suspeitos, em todos os casos a identificação do material biológico periciado é uma etapa crucial a qual vem contando com o auxílio da biologia molecular. Busca por marcadores moleculares robustos e metodologias sensíveis são de suma importância para corroborar na eficácia das atividades periciais. Desta forma, o presente trabalho objetivou comparar dois marcadores moleculares mitocondriais úteis para a técnica barcode em dípteros e criar um protocolo para recuperação de Short tandem repeat (STR) humano presente no conteúdo estomacal de dípteros larvais. Os dípteros foram coletados nas dependências dos Institutos de Medicina Legal da Paraíba e Pernambuco e adicionalmente foram utilizadas amostras da coleção entomológica da Universidade de Brasília. A extração do DNA ocorreu utilizando fenol-clorofórmio e Chelex 10%, em seguida foram sequenciadas as regiões COI e CytB dos dípteros, realizada buscas por sequencias homologas no NCBI através de BLASTn e uma análise de distância genética foi executada no software MEGA. O perfil humano presente no conteúdo estomacal das larvas será amplificado com o PowerPlex® Fusion System kit, analisado no GeneMapper e comparado com perfis de referência. Os resultados da identificação de dípteros mostram que a região do CytB proposta como barcode revelou-se mais robusta, apresentado valores de distância genética superiores a 150% aos do COI. Estes resultados contribuirão na eficiência da taxonomia molecular e proporcionaram celeridade nas atividades periciais.

2021
Dissertações
1
  • LUCAS MATHEUS BARRETO SANTANA
  • Avaliação funcional do polimorfismo TP53 Arg72Pro em linhagens celulares de leucemia mieloide aguda

  • Orientador : ANTONIO ROBERTO LUCENA DE ARAUJO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RAFAEL LIMA GUIMARAES
  • JUAN LUIZ COELHO DA SILVA
  • ANNA JESSICA DUARTE SILVA
  • Data: 29/07/2021

  • Mostrar Resumo
  • Atualmente, alterações cromossômicas estruturais juntamente com mutações somáticas adquiridas são frequentemente identificadas em pacientes com leucemia mieloide aguda (LMA), sendo utilizadas para definir subgrupos distintos de pacientes quanto ao seu prognóstico. Apesar da sua evidente importância, a contribuição de fatores germinativos sempre foi subestimada na patogênese e evolução clonal da LMA. Dentre as diferentes variantes genéticas que são descritas como relevantes no câncer, merece destaque o polimorfismo presente no gene TP53 Arg72Pro (G215C), particularmente por sua frequência e seu papel como um modulador da atividade
    proteica. O presente trabalho tem como objetivo avaliar o papel funcional do polimorfismo
    TP53 Arg72Pro em linhagem celular de LMA. Primeiro foram construídos vetores lentivirais contendo as variantes polimórficas TP53-Arg e TP53- Pro72. Em seguida, estes vetores foram utilizados para infectar as células leucêmicas da linhagem THP-1 (células com expressão nula do gene TP53; TP53 -/- ). Após a transfecção lentiviral e subsequente seleção das células infectadas, estas células foram utilizadas em ensaios de proliferação celular e apoptose. Não foi observada diferença nas taxas de proliferação celular das células leucêmicas THP-1 que expressavam a variante Arg ou Pro72 da proteína p53. No entanto, as células contendo a variante Arg72 foram mais sensíveis a apoptose induzida por citarabina, um quimioterápico frequentemente utilizado da prática clínica. Dessa forma, é
    possível que o polimorfismo
    TP53 Arg72Pro module a atividade da p53 na LMA




  • Mostrar Abstract
  • Atualmente, alterações cromossômicas estruturais juntamente com mutações somáticas adquiridas são frequentemente identificadas em pacientes com leucemia mieloide aguda (LMA), sendo utilizadas para definir subgrupos distintos de pacientes quanto ao seu prognóstico. Apesar de sua evidente importância, a contribuição de fatores hereditários sempre foi subestimada na patogênese e evolução clonal da LMA. Dentre as diferentes variantes genéticas que são descritas como relevantes no câncer, merece destaque o polimorfismo presente no gene TP53 Arg72Pro (G215C), particularmente por sua frequência e seu papel como um modulador da atividade
    proteica. O presente trabalho tem como objetivo avaliar o papel funcional do polimorfismo
    TP53 Arg72Pro em linhagem celular de LMA. Primeiro foram construídos vetores lentivirais contendo as variantes polimórficas TP53-Arg e TP53- Pro72. Em seguida, estes vetores foram utilizados para infectar as células leucêmicas da linhagem THP-1(células knockdown para o gene TP53; TP53 -/-). Após a transfecção lentiviral e subsequente seleção das células infectadas, estas células foram utilizadas em ensaios de proliferação celular e apoptose. Foi observado que as células que continham a variante TP53-Pro72 apresentaram menor taxa de proliferação celular, enquanto que as células contendo a variante TP53-Arg72 foram mais sensíveis a apoptose induzida por citarabina, um quimioterápico frequentemente utilizado da prática clínica. Dessa forma, é possível que o polimorfismo TP53 Arg72Pro module a atividade da proteína p53 na LMA, podendo servir como um possível alvo terapêutico na doença.

2
  • KEYLA VITORIA MARQUES XAVIER
  • Análise genômica dos isolados clínicos de Pseudomonas aeruginosa comportando o Sistema CRISPR/Cas

  • Orientador : TEREZA CRISTINA LEAL BALBINO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RAFAEL LIMA GUIMARAES
  • SAULO RELISON TINTINO
  • ISABELLE FREIRE TABOSA VIANA
  • Data: 30/07/2021

  • Mostrar Resumo
  • Pseudomonas aeruginosa é um patógeno oportunista capaz de infectar pacientes queimados ou imunocomprometidos em hospitais e ambientes de assistência à saúde. Uma das principais causas de infeções hospitalares causadas por P. aeruginosa é devido a sua resistência intrínseca aos antimicrobianos e produção de biofilme. O sistema CRISPR/Cas é definido como um mecanismo de defesa de procariotos contra elementos genéticos móveis (MGEs), composto por um loco CRISPR, formado por sequências repetitivas intercaladas por espaçadores e genes cas. O trabalho teve como objetivo uma análise de isolados de P. aeruginosa comportando o sistema CRISPR/Cas. Dos 12 isolados analisados, 83% abrigam o sistema tipo I-F e 17% o sistema tipo I-E. Apesar de existirem outros tipos de sistema CRISPR em P. aeruginosa, o tipo I-F é o mais encontrado nos isolados. Os espaçadores encontrados para o tipo I-F correspondem a sequências de bacteriófagos e plasmídeos, corroborando com o princípio de funcionamento do sistema CRISPR/Cas. Foi observado a presença de genes anti-CRISPR e profagos inseridos nos genomas desses isolados. A presença dos STs compartilhados entre setores e entre hospitais permitiu traçar uma rota de disseminação desses isolados. Entretanto, a aplicação do loco CRISPR como uma ferramenta molecular para tipagem, se mostrou ineficaz em P. aeruginosa. Nossos resultados fornecem informações sobre a genética básica estrutural do loco CRISPR, o que vem a contribuir com a geração de conhecimentos sobre o sistema CRISPR/Cas em P. aeruginosa.


  • Mostrar Abstract
  •    Pseudomonas aeruginosa é um patógeno oportunista capaz de infectar pacientes queimados ou imunocomprometidos em hospitais e ambientes de assistência à saúde. Uma das principais causas de infeções hospitalares causadas por P. aeruginosa é devido a sua resistência intrínseca aos antimicrobianos e produção de biofilme. O sistema CRISPR/Cas é definido como um mecanismo de defesa de procariotos contra elementos genéticos móveis (MGEs), composto por um loco CRISPR, formado por sequências repetitivas intercaladas por espaçadores e genes cas. O trabalho teve como objetivo uma análise de isolados de P. aeruginosa comportando o sistema CRISPR/Cas. Dos 12 isolados analisados, 83% abrigam o sistema tipo I-F e 17% o sistema tipo I-E. Apesar de existirem outros tipos de sistema CRISPR em P. aeruginosa, o tipo I-F é o mais encontrado nos isolados. Os espaçadores encontrados para o tipo I-F correspondem a sequências de bacteriófagos e plasmídeos, corroborando com o princípio de funcionamento do sistema CRISPR/Cas. Foi observado a presença de genes anti-CRISPR e profagos inseridos nos genomas desses isolados. A presença dos STs compartilhados entre setores e entre hospitais permitiu traçar uma rota de disseminação desses isolados. Entretanto, a aplicação do loco CRISPR como uma ferramenta molecular para tipagem, se mostrou ineficaz em P. aeruginosa. Nossos resultados fornecem informações sobre a genética básica estrutural do loco CRISPR, o que vem a contribuir com a geração de conhecimentos sobre o sistema CRISPR/Cas em P. aeruginosa.

3
  • VINICIUS TORRES GUERRA
  • Co-expressão de genes ligados em Vigna unguiculata (L.) Walp após estímulo de desidratação radicular

     





  • Orientador : EDERSON AKIO KIDO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • EDERSON AKIO KIDO
  • TERCILIO CALSA JUNIOR
  • FLAVIA FIGUEIRA ABURJAILE
  • MAURISRAEL DE MOURA ROCHA
  • Data: 27/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • Em Ciências Agrárias, identificar alelos associados com tolerância a condições de seca será imprescindível para suprir as demandas futuras por alimentos. A natureza complexa dos loci controladores de caráter quantitativo (QTLs) limita a manipulação destes nos programas de melhoramento vegetal. O feijão-caupi (Vigna unguiculata) é uma cultura importante socioeconomicamente, principalmente em países pobres, e tem emergido como um modelo para estudos envolvendo o estresse de seca. O presente trabalho aplicou uma nova proposta para identificar genes candidatos para estudos associativos em feijão-caupi tendo por base a expressão gênica, a ligação física entre genes, e evidências funcionais disponíveis por datamining. Para tanto, unitags HT-SuperSAGE de dois cultivares com respostas contrastantes a seca (tolerante e sensível), cujas raízes foram expostas ao ar (até 150 min.), foram identificadas em transcritos de referência da espécie, e aqueles de co-expressão induzida mapeados em loci consecutivos no genoma foram associados a 79 blocos, dos quais 21 (67 genes) apresentaram evidências funcionais, em estudos com estresses em plantas. Daqueles cujas funções já foram demonstradas por genética reversa, vários seriam potenciais marcadores moleculares funcionais, especialmente blocos com componentes das vias de sinalização por fitohormônios (ARIA, WRKY52 e OPR3) ou envolvendo respostas a estresses (CHS17 e PAL2). Espera-se que a caracterização proposta possa ser útil em programas de melhoramento do feijão-caupi e espécies correlatas, a partir da manipulação dos blocos ou dos genes individuais.




  • Mostrar Abstract
  • Dentro das ciências agrárias, identificar alelos relacionados a produção em condições de seca é imprescindível para suprir a demanda futura por alimentos. Entretanto, a natureza complexa e quantitativa de seus loci controladores (QTLs) limitam a manipulação por programas de melhoramento.Dissecar um QTL a nível
    de genes individuais (QTGs) possibilita aplicação desses na desejada Seleção Assistida por Marcadores (SAM). Porém, a tarefa muitas vezes é desafiadora. O feijão-caupi (
    Vigna unguiculata) é uma cultura que vem emergindo como modelo em estudos acerca da resposta ao estresse de seca devido a sua resiliência
    natural e genoma pequeno. O presente trabalho propiciou a identificação de genes candidatos (GCs) responsivos ao estresse em questão Para isso,
    unitags HT-SuperSAGE geradas a partir de genótipos contrastantes (tolerante e sensível) da espécie, expostos a desidratação radicular (até 150 minutos) e mantidos sob cultivo hidropônico normal (controle negativo), permitiram identificar transcritos associados (BLASTn). Após contagem das tags relativas a cada transcrito, aqueles co-expressos entre os genótipos e mapeados in silico em loci fortemente
    ligados no cromossomo foram selecionados como candidatos. Dos 58 conjuntos alvos, três blocos de
    loci sequenciais, com componentes para: Chalcone synthase (24kpb), Pathogenesis related (30kpb) e um de composição variada (38kpb) estiveram diretamente relacionados com estresse de seca segundo a literatura.
    Esses genes, após devidas validações das expressões (via RT-qPCR), poderão ser úteis em programas de melhoramento de feijão-caupi, bem como de outras leguminosas.


4
  • VALQUIRIA DA SILVA
  • Expressão de Genes das Vias de Sinalização por Fitohormônios em Feijão-caupi Sob Estresse de Desidratação Radicular

     



  • Orientador : EDERSON AKIO KIDO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • EDERSON AKIO KIDO
  • VALDIR DE QUEIROZ BALBINO
  • MARCELO FRANCISCO POMPELLI
  • WILSON JOSÉ DA SILVA JÚNIOR
  • Data: 31/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • O feijão-caupi representa a principal leguminosa cultivada nas regiões Norte e Nordeste, e como as demais  é fortemente afetada pelo déficit hídrico. Frente a tal estresse, os fitohormônios atuam como sinalizadores, promovendo respostas específicas às plantas. O presente trabalho teve como objetivo caracterizar a expressão de genes de V. unguiculata, envolvidos nas vias de sinalização de fitohormônios, após a exposição das raízes ao ar (150 min.). Para tanto, unitags HT-SuperSAGE de feijão-caupi, provenientes de dois cultivares diferentes em resposta à seca, foram associadas (BlastN) a transcritos de feijão-caupi das vias de sinalização por auxina, citocinina giberelina, ácido abscísico, etileno, jasmonato, brassinoesteróides, ácido salicílico e estrigolactonas. Dos 630 transcritos previstos nas vias, 260 foram diferencialmente expressos (DE, p <0,05) após o estímulo aplicado. No perfil PO (cultivar tolerante Pingo de Ouro), transcritos UR (induzidos), DR (reprimidos) e n.s. foram, respectivamente, 146, 35 e 78. No perfil sensível SI (Santo Inácio), estes foram 81, 80 e 99. Fatores de transcrição potencialmente regulando genes cujos transcritos foram UR também foram previstos, assim como os interatomas associados aos transcritos UR das respostas individuais. A partir dos resultados, 17 pares de primers para RT-qPCR foram propostos, visando o desenvolvimento de marcadores funcionais baseados em cDNAs. Os resultados contribuem para uma melhor compreensão das vias de sinalização dos fitohormônios nas respostas do feijão-caupi, face a um estresse de seca, podendo ser úteis aos programas de melhoramento genético, na busca de materiais mais adaptados a este estresse, o qual compromete nossas produções.


  • Mostrar Abstract
  • O feijão-caupi [Vigna unguiculata (L.) Walp] representa a principal leguminosa cultivada nas regiões Norte e Nordeste. No entanto, essa cultura sofre graves perdas às custas de fatores ambientais adversos, incluindo a seca. Quando as plantas enfrentam estresses ambientais, os fitohormônios atuam como transdutores de sinal,
    promovendo respostas específicas às plantas. O presente trabalho teve como objetivo caracterizar a expressão de genes envolvidos nas vias de sinalização de fitohormônios, em
    V. unguiculata, após a exposição das raízes ao ar (150 min.). Para esse fim, unitags SuperSAGE (de 26 pb) de feijão-caupi, provenientes de dois acessos
    diferentes em resposta à seca, foram alinhadas (via BlastN) aos transcritos de feijãocaupi associados a nove vias de sinalização de fitohormônio (auxina, citocinina giberelina, ácido abscísico, etileno, jasmonato, brassinoesteóides, ácido salicílico e estrigolactonas). Dos 625 transcritos relacionados a essas vias, 320 foram
    diferencialmente expressos (DE) após o estímulo aplicado (p <0,05). No perfiltolerante (acesso Pingo de Ouro), os transcritos UR (induzidos), DR (reprimidos) e n.s., ao nível de p <0,05, foram 175, 50 e 95, respectivamente. No perfil sensível (Santo Inácio), esses números foram 132, 130 e 58, respectivamente. Paralelamente,
    uma análise do enriquecimento dos fatores de transcrição (FTs) previu os FTs regulando genes que codificariam os transcritos induzidos (UR) observados nos perfis de resposta ao estímulo. Também foram identificados transcritos com regulação divergente ou convergente entre os acessos, assim como os FTs exclusivos e os
    compartilhados pelos acessos. Os resultados obtidos contribuem para uma melhor compreensão das vias de sinalização do fitohormônio nas respostas de diferentes acessos de feijão caupi após um estímulo de esidratação radicular.


Teses
1
  • PEDRO LUIZ DE FRANCA NETO
  • Análise funcional do gene BAALC em linhagem celular de leucemia promielocítica aguda

  • Orientador : ANTONIO ROBERTO LUCENA DE ARAUJO
  • MEMBROS DA BANCA :
  • EDUARDO MAGALHAES REGO
  • ANTONIO CARLOS DE FREITAS
  • ANTONIO ROBERTO LUCENA DE ARAUJO
  • JUAN LUIZ COELHO DA SILVA
  • RAFAEL FREITAS DE OLIVEIRA FRANCA
  • Data: 06/07/2021

  • Mostrar Resumo
  • A leucemia promielocítica aguda (LPA) é um subtipo distinto de leucemia mielóide aguda (LMA) em aspectos clínicos, morfológicos e genéticos. Sua fisiopatologia encontra-se intimamente ligada a proteína de fusão PML-RARA resultante da translocação recíproca t(15;17) levando ao bloqueio na diferenciação e celular. A doença possui tratamento específico utilizando ácido all-trans retinóico (ATRA) em associação com trióxido de arsênico (ATO) que resulta na degradação da proteína PML/RARA, conduzindo à diferenciação terminal com subsequente apoptose das células leucêmicas. Embora a utilização dessas drogas leve a altas taxas de remissão, as taxas de mortalidade precoce e recaída ainda são consideradas altas. Dessa forma, marcadores moleculares prognósticos figuram com extrema importância para a predição de risco. Neste contexto, a expressão gênica do BAALC (Brain and acute leucemia) foi associado com um pior desfecho clínico. Apesar de ter seu impacto prognóstico esclarecido, ainda se sabe pouco sobre seu papel funcional. Neste estudo, utilizamos as linhagens NB4 e NB4-R2 como alvos de vetores lentivirais para expressar o BAALC e avaliar os processos celulares de proliferação, apoptose e diferenciação celular. Aqui nós mostramos que a hiperexpressão do gene BAALC em linhagens celulares de LPA levou a uma taxa significativamente menor de diferenciação (47%) em 96 horas comparadas a célula controle (88%) (P=0,009). Além disso, aumentou a taxa de proliferação celular tanto em NB4 (MFI ki-67: 48%) quanto em NB4-R2 (MFI ki-67: 81%) frente ao controle. A IC50 foi significativamente menor nas células controle quando tratadas com a associação ATRA concentração fixa (1uM)/ATO (IC50 NB4-pMEG 2,38uM ATO; NB4-BAALC 4,uM ATO). Dessa forma a expressão induzida do BAALC nas linhagens estudadas está associada a um aumento na proliferação e diminuição da diferenciação e parece ter papel na apoptose quando administrado a combinação ATRA/ATO. Porém mais ensaios precisam ser realizados para descrever melhor qual o mecanismo utilizado pela BAALC para impactar nesses processos celulares.


  • Mostrar Abstract
  • A leucemia promielocítica aguda (LPA) é um subtipo distinto de leucemia mielóide aguda (LMA) em aspectos clínicos, morfológicos e genéticos. Sua fisiopatologia encontra-se intimamente ligada a proteína de fusão PML-RARA resultante da translocação recíproca t(15;17) levando ao bloqueio na diferenciação e celular. A doença possui tratamento específico utilizando ácido all-trans retinóico (ATRA) em associação com trióxido de arsênico (ATO) que resulta na degradação da proteína PML/RARA, conduzindo à diferenciação terminal com subsequente apoptose das células leucêmicas. Embora a utilização dessas drogas leve a altas taxas de remissão, as taxas de mortalidade precoce e recaída ainda são consideradas altas. Dessa forma, marcadores moleculares prognósticos figuram com extrema importância para a predição de risco. Neste contexto, a expressão gênica do BAALC
    (Brain and acute leucemia) foi associado com um pior desfecho clínico. Apesar de ter seu impacto prognóstico esclarecido, ainda se sabe pouco sobre seu papel funcional. Neste estudo, utilizamos as linhagens NB4 e NB4-R2 como alvos de vetores lentivirais para expressar o BAALC e avaliar os processos celulares de proliferação, apoptose e diferenciação celular. Aqui nós mostramos que a hiperexpressão do gene BAALC em linhagens celulares de LPA levou a uma taxa significativamente menor de diferenciação (47%) em 96 horas comparadas a célula controle (88%) (P=0,009). Além disso, aumentou a taxa de proliferação celular tanto em NB4 (MFI ki-67: 48%) quanto em NB4-R2 (MFI ki-67: 81%) frente ao controle. A IC50 foi significativamente menor nas células controle quando tratadas com a associação ATRA concentração fixa (1uM)/ATO (IC50 NB4-pMEG 2,38uM ATO; NB4-BAALC 4,uM ATO). Dessa forma a expressão induzida do BAALC nas linhagens estudadas está associada a um aumento na proliferação e diminuição da diferenciação e parece ter papel na apoptose quando administrado a combinação ATRA/ATO. Porém mais ensaios precisam ser realizados para descrever melhor qual o mecanismo utilizado pela BAALC para impactar nesses processos celulares.

2
  • ANA PAULA FERREIRA CAMPOS
  • Avaliação do Perfil Imunogênico Induzido por Vacina de
    DNA E5 multiepítopos como Imunoterapia Contra o Câncer
    do Colo do Útero.


  • Orientador : ANTONIO CARLOS DE FREITAS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANTONIO CARLOS DE FREITAS
  • MARCOS ANTONIO DE MORAIS JUNIOR
  • TERCILIO CALSA JUNIOR
  • JACINTO DA COSTA SILVA NETO
  • ANA PAVLA ALMEIDA DINIZ GURGEL
  • Data: 30/08/2021

  • Mostrar Resumo
  •      O câncer do colo do útero tem como o principal agente etiológico o Papilomavírus Humano (HPV), envolvido em lesões benignas cutâneas e de mucosas. Alguns HPVs apresentam potencial carcinogênico e as lesões associadas
    podem evoluir para o câncer. Atualmente estão disponíveis três vacinas profiláticas aprovadas e comercializadas, e embora contemplem diversos tipos virais, não são capazes de tratar tumores existentes ou que possam vir a se desenvolver em pacientes já infectados. O presente projeto buscou desenvolver estratégia terapêutica para o câncer do colo do útero baseado em vacina de DNA contendo epítopos da oncoproteína E5 do HPV16. Os epítopos de E5 adicionados à estratégia são capazes de induzir a resposta imune celular com perfil de células T citotóxicas. E5 é expressa nas fases iniciais da infecção, tornando-a atrativa para terapias vacinais que visam às fases iniciais da transformação tumoral. Para tal, avaliamos
    in vivo a expressão dos respectivos antígenos e in vitro a partir de esplenócitos dos camundongos imunizados. Analisamos a resposta imune celular adaptativa e de citocinas secretadas por camundongos previamente desafiados com células tumorais C3. Também avaliamos o estresse oxidativo e os níveis toxicológicos induzidos pelo tratamento em modelo animal. Os resultados assinalam a capacidade da vacina proposta em ativar células T citotóxicas e a secreção equilibrada das citocinas Th1, Th2 e Th17. A vacina pVAXE5m foi capaz de associar regressão tumoral associada a bons indicadores toxicológicos.


  • Mostrar Abstract
  • O câncer do colo do útero tem como o principal agente etiológico o Papilomavírus Humano - HPV, com DNA epissomal circular e pequeno, geralmente envolvidos em lesões benignas cutâneas e de mucosas. No entanto, alguns HPVs apresentam potencial carcinogênico e as lesões associadas podem evoluir para o câncer. Atualmente, estão disponíveis três vacinas profiláticas aprovadas e comercializadas, baseadas em partículas semelhantes a vírus, e embora contemplem diversos tipos virais (HPVs 6, 11, 16, 18, 31, 33, 45, 52, 58), não são capazes de tratar tumores existentes ou que possam vir a ser desenvolvidos em pacientes infectados previamente. Por esse motivo, o presente projeto busca desenvolver estratégia terapêutica para o câncer do colo do útero a partir das vacinas de DNA codificantes para os epítopos da oncoproteína E5 do HPV 16. Alguns dos epítopos de E5, adicionados a nossa estratégia vacinal são capazes de induzir a resposta imune celular com perfil de células T citotóxicas, tão necessárias para regressão dos tumores cervicais. Envolvida na progressão, transformação celular, evasão do sistema imune e impedimento da morte por apoptose, a oncoproteína E5 também é expressa nas fases iniciais da infecção, tornando-a atrativa para terapias vacinais que visam às fases iniciais da transformação tumoral. Para tal, avaliamos in vivo a expressão dos respectivos antígenos em fêmeas
    C57black, e
    in vitro a partir de esplenócitos dos camundongos imunizados. Analisamos a resposta imune celular adaptativa (TCD4, TCD8 e TCD16) e decitocinas (IL-2, IL-4, IL-6, IL-10, IL-17 e TNF-α) secretadas por camundongos previamente inoculados com células tumorais C3. Também avaliamos o estresse oxidativo e os níveis toxicológicos induzidos pelo tratamento em modelo animal. Os resultados assinalam a capacidade da construção gênica proposta em induzir regressão de tumores, além de apresentar os melhores resultados entre os grupos avaliados. Os dados sugerem a estratégia E5 multiepítopo como uma possível nova terapia vacinal para tumores induzidos pelo HPV 16.

3
  • JESSICA VITORIA GADELHA DE FREITAS BATISTA
  • Análise da Modulação Clínica da Anemia Falciforme por Variantes no Gene KLOTHO

  • Orientador : MARCOS ANDRE CAVALCANTI BEZERRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARCOS ANDRE CAVALCANTI BEZERRA
  • RAFAEL LIMA GUIMARAES
  • MICHELLY CRISTINY PEREIRA
  • MAGNUN NUELDO NUNES DOS SANTOS
  • JUAN LUIZ COELHO DA SILVA
  • Data: 31/08/2021

  • Mostrar Resumo
  • A anemia falciforme (AF) é marcada pela heterogeneidade fenotípica. Por isso, são realizados estudos que buscam moduladores genéticos da doença. Um dos potenciais moduladores é o KLOTHO (KL), importante na biologia do óxido nítrico e expressão de moléculas de adesão. Neste trabalho, objetivou-se genotipar, por PCR em tempo real, os polimorfismos em KL rs211239, rs685417, rs1207568 e rs9536314 e analisar a associação com as principais complicações da AF: acidente vascular cerebral (AVC), osteonecrose, úlceras de perna, priapismo, síndrome torácica aguda e crises vaso-oclusivas (CVOs). Objetivou-se também avaliar a dosagem da proteína KL solúvel utilizando a metodologia de ELISA em indivíduos com AF com e sem osteonecrose e úlceras de perna e com os diferentes genótipos de rs1207568 e rs9536314. Para análise dos polimorfismos rs211239 e rs685417 foram incluídos 588 indivíduos com AF. KL rs211239 mostrou-se associado com CVOs; rs685417, com AVC, priapismo, número de complicações e com uma menor incidência de priapismo em um menor intervalo de tempo (P < 0,05). KL rs1207568 e rs9536314 foram genotipados para 689 indivíduos e não mostraram associação com as complicações (P > 0,05). A dosagem de KL foi feita em 46 indivíduos e mostrou-se aumentada em indivíduos com osteonecrose e naqueles com o genótipo selvagem (GG) para o polimorfismo rs1207568 (P < 0,05). Percebe-se que KL pode ser um modulador da doença, sendo interessante que mais estudos sejam desenvolvidos para ampliar as investigações.


  • Mostrar Abstract
  • A anemia falciforme (AF) é uma doença que, embora monogênica, é marcada por intensa heterogeneidade fenotípica. Em virtude disso, diversos estudos buscando moduladores genéticos são realizados em todo o mundo. Um dos potenciais moduladores da doença é o gene KLOTHO (KL) que tem funções descritas na biologia do óxido nítrico e expressão de moléculas de adesão. Assim, objetivamos analisar a associação dos polimorfismos rs211239, rs685417, rs1207568 e rs9536314 localizados em KL com as principais complicações da AF: acidente vascular cerebral (AVC), osteonecrose, úlceras de perna, priapismo, síndrome torácica aguda, crises vaso-oclusivas (CVOs) e cardiopatia. Além disso, também foi feita a dosagem da proteína KL solúvel para avaliar diferenças na sua expressão em diferentes grupos. Foram incluídos na pesquisa 689 pacientes acompanhados na fundação HEMOPE. O polimorfismo rs211239 mostrou-se associado com CVOs; rs685417, com AVC, priapismo, número de complicações e com uma menor incidência de priapismo em um menor intervalo de tempo (P < 0,05). Os polimorfismos rs1207568 e rs9536314, por sua vez, não mostraram associação com as complicações analisadas (P > 0,05). A expressão da proteína mostrou-se aumentada em indivíduos com osteonecrose e naqueles com o genótipo selvagem (GG) para o polimorfismo rs1207568 (P < 0,05). Diante disso, percebe-se que KL pode ser um importante modulador da doença, sendo interessante que mais estudos sejam desenvolvidos em diferentes coortes de indivíduos com AF para ampliar as investigações.

4
  • ALANNE RAYSSA DA SILVA MELO
  • Desenvolvimento de vacina de DNA multiepítopo como imunoterapia contra o câncer cervical

  • Orientador : ANTONIO CARLOS DE FREITAS
  • MEMBROS DA BANCA :
  • ANTONIO CARLOS DE FREITAS
  • JACINTO DA COSTA SILVA NETO
  • MARCOS ANTONIO DE MORAIS JUNIOR
  • MATHIAS WELLER
  • TERCILIO CALSA JUNIOR
  • Data: 03/11/2021

  • Mostrar Resumo
  • O câncer cervical é quarta neoplasia mais prevalente em mulheres no mundo. Além disso, os cânceres associados à infecção pelo papilomavírus humano (HPV) incluem desde lesões neoplásicas anogenitais até orofaríngeas. A atividade da proteína E7 produzida por HPV de alto risco é apontada como uma das principais mediadoras da carcinogênese. O presente estudo objetivou desenvolver estratégias terapêuticas contra lesões associadas à infecção pelo HPV-16 através da elicitação de resposta imune contra epítopos imunogênicos da proteína E7 do HPV-16, em modelo pré-clínico. Como adjuvante vacinal foram utilizados o imunomodulador Ii-PADRE e sequências linkers. Quanto a confecção da vacina de DNA, os genes de interesse foram clonados no vetor pVAX. Camundongos C57 black foram desafiados com a linhagem tumoral C3, seguido de imunização em esquema prime-boost homólogo e eletroporação. A avaliação dos efeitos antitumorais foi realizada através da investigação de citocinas presentes no soro e nos tumores, além da pesagem, monitoramento do crescimento, e análise histopatológica dos tumores. Nossos dados não revelaram diferença estatística entre os grupos, porém é possível observar uma tendência para o aumento de citocinas Th1, menor densidade tumoral, e menor pleomorfismo em tumores de animais imunizados com o plasmídeo multi E7 associado ao Ii-PADRE, o que pode indicar um possível potencial imunogênico desta estratégia vacinal para a indução da resposta celular protetiva. Além disso, melhorias na construção vacinal E7 se fazem necessárias para obtenção de uma melhor performance.


  • Mostrar Abstract
  • O câncer cervical é quarta neoplasia mais prevalente em mulheres em todo o mundo. Além disso, sem considerar os tumores de pele não melanoma, o câncer cervical é o primeiro mais incidente na região Norte e o segundo nas regiões Centro-Oeste e Nordeste no Brasil. Os cânceres associados à infecção pelo papilomavírus humano (HPV) incluem desde lesões neoplásicas anogenitais até orofaríngeas. A infecção pelo HPV é principalmente contraída pelo contato sexual, através do qual, microtraumas na mucosa permitem o acesso de partículas virais ao epitélio basal. Devido à alta disseminação de infecções pelo HPV entre indivíduos sexualmente ativos, a proteção contra os cânceres associados ao HPV pela vacinação preventiva ainda é muito restrita. As atividades de proteínas virais E6 e E7 produzidas por HPV de alto risco são apontadas como as principais mediadoras da carcinogênese. O presente estudo objetiva desenvolver estratégias terapêuticas contra lesões associadas à infecção pelo HPV-16, através de elicitação de resposta imune contra epítopos imunogênicos das proteínas E6 e E7 de HPV-16, em modelo pré-clínico. A resposta imune foi incrementada através de associação com o imunomodulador Ii-Padre e sequências linkers, visando à ativação de linfócitos TCD4 e o aumento da apresentação dos antígenos pelo sistema imune, respectivamente. Para confecção da vacina de DNA, os genes de interesse (multi E6, multi E7 e Ii-PADRE) foram clonados em vetor para expressão em célula de mamífero (pVAX) em orientação BamHI/XbaI. Os clones foram confirmados através de PCR, clivagem por enzimas de restrição e sequenciamento de DNA. Além disso, os insertos foram clonados em vetor de expressão bacteriana (pAE)  em orientação BamHI/EcoRI e KpnI/ HindIII, a fim de obter  peptídeos vacinais para imunização dos animais sob regime de prime-boost heterólogo. O desenvolvimento de vacinas de DNA como estratégia terapêutica é um passo crucial para a consolidação de investigação científica, inovação e desenvolvimento tecnológico para o tratamento de doenças de difícil manejo pelos métodos tradicionais, como o câncer.

5
  • ISAURA ISABELLE FONSECA GOMES DA SILVA
  • Avaliação da expressão dos genes MYD88, IRAK3, TRAF6 e NFKB1 e miRNAs regulatórios em monócitos de pacientes com Artrite Reumatoide

     

     

  • Orientador : PAULA SANDRIN GARCIA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JESSICA CATARINE FRUTUOSO DO NASCIMENTO
  • LUCAS ANDRE CAVALCANTI BRANDAO
  • MICHELLY CRISTINY PEREIRA
  • PAULA SANDRIN GARCIA
  • RENATA DOS SANTOS ALMEIDA
  • Data: 13/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • Desregulações em monócitos podem estar relacionadas ao aumento e cronicidade da inflamação e, consequentemente, no desenvolvimento de Artrite Reumatoide (AR) em alguns indivíduos. No entanto, ainda são incipientes os estudos que verificam alterações no perfil genético e epigenético nessas células. O presente
    estudo avaliou a expressão dos genes MYD88, IRAK3, TRAF6 e NFKB1 e miRNAs (miR194-5p, miR124a-3p, miR-9-5p e miR-340-5p) em monócitos de pacientes com AR e controles saudáveis a fim de elucidar o papel destes no desenvolvimento e patogênese da doença e sua relação com a inflamação. Nossos resultados mostraram uma significativa diminuição da expressão do IRAK3 em pacientes comparados aos controles (Fold Change(FC)=-1,63,p=0,054) e em pacientes com alta atividade da doença comparados aos com baixa atividade (FC=-1,78,p=0,030), indicando uma influência deste gene no desenvolvimento e gravidade da AR. Em relação às análises dos miRNAs, os miR194-5p e miR-9-5p foram mais expressos em pacientes tratados com prednisona, indicando um efeito da estratégia de tratamento sobre a modulação desses miRNAs (FC=-2.31;p=0.031; FC=-3.05;p=0.031, respectivamente). Ainda observamos uma super expressão dos genes TRAF6 e NFKB1 concomitante a super expressão dos miR-194-5p, miR-9-5p e mi-340-5p (p<0.001). Finalmente, observamos uma correlação moderada entre o miR-124-3p e IL-6 (r=0,46;p=0,033). Em suma, pôde-se observar uma relação entre a expressão do gene IRAK3 com a AR e um efeito da prednisona sobre a expressão dos miR-194-5p e miR-9-5p. Além disso, os miRNAs parecem ter um papel regulatório nos genes TRAF6 e NFKB1.


  • Mostrar Abstract
  • A Artrite reumatoide (AR) é uma doença autoimune que pode ser desencadeada por fatores genéticos, epigenéticos e ambientais. Muitas células que fazem parte do sistema imune contribuem para a inflamação da AR, principalmente células relacionadas ao sistema imune adaptativo. No entanto, quando se trata de
    células do sistema imune inato poucos estudos têm sido realizados, principalmente em monócitos. No processo da resposta inflamatória diversas cascatas gênicas podem estar envolvidas, e dentre elas, a via do NFkB apresenta-se como umas das vias cruciais, sendo que desregulações nessa cascata de sinalização podem
    exacerbar a inflamação e ser um fator de risco para a patogênese da AR. A via de ativação do NFκB necessita de moléculas adaptadoras como TRAF6, que gera a ativação das subunidades do complexo NFκB. Desregulações na expressão do TRAF6 e NFKB1 são importantes no desencadeamento do processo inflamatório e consequentemente na AR. Sendo assim, o objetivo do nosso estudo foi verificar a expressão destes genes e as alterações epigenéticas que podem estar relacionadas a eles em monócitos de pacientes com AR. Para tanto, foi realizada a predição e seleção de miRNAs com alvos no TRAF6 (miR-124-3p e miR-194-5p) e NFKB1 (miR-9-5p e miR-340-5p), bem como o isolamento de monócitos de 19 pacientes com AR e 18 controles. Nossos dados mostraram que o miR-124-3p regula negativamente o TRAF6 (r=-0.349; p=0.0371), enquanto que o miR-194-5p regula positivamente o gene (r=0.6363; p=0.00003). Ainda, foi observado que ambos miRNAs regulam positivamente o NFKB1 (miR-9-5p: r=0.75 p<0.001; e miR-340-5p: r=0.79; p<0.001). Não foram obervadas diferenças na expressão dos genes e miRNAs em monócitos entre pacientes com AR e controles. Em relação aos
    parâmetros clínicos, apenas o miR-340-5p mostrou uma diferença significativa em 
    relação ao índice de atividade da doença CDAI (r=-0.51; p=0.024), indicando que sua expressão em monócitos pode estar relacionada a patogênese da AR.

6
  • JACKELINE MARIA DA SILVA
  • Aspectos fisiológicos e genéticos do metabolismo de açúcares utilizados como substratos para a produção de bioetanol pela levedura industrial Brettanomyces bruxellensis

  • Orientador : WILL DE BARROS PITA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • JACIANE LUTZ IENCZAK
  • EMMANUEL DAMILANO DUTRA
  • FABRICIO MOTTERAN
  • MARCOS ANTONIO DE MORAIS JUNIOR
  • THIAGO HENRIQUE NAPOLEAO
  • Data: 20/12/2021

  • Mostrar Resumo
  • A capacidade de a levedura Brettanomyces bruxellensis utilizar diferentes fontes de carbono é um dos fatores associados à sua alta adaptação aos ambientes industriais. Assim, o presente trabalho teve como objetivo investigar a potencial aplicação de B. bruxellensis na fermentação alcoólica, avaliando aspectos fisiológicos e genéticos do metabolismo de açúcares utilizados como substratos nesse processo industrial. Para isso, realizamos uma triagem com diferentes isolados de vinho e etanol em sete açúcares industrialmente relevantes. A capacidade de assimilar e fermentar xilose, arabinose e galactose, bem como a influência da glicose no metabolismo dessas fontes de carbono também foi estudada. Nossos resultados mostraram a ampla diversidade de assimilação de açúcares em B. bruxellensis. Adicionalmente, foi observado que o efeito repressor da glicose é menos estrito em linhagens de etanol do que em linhagens de vinho. Em ensaios com xilose e arabinose, ambas as pentoses foram convertidas a biomassa quando em aerobiose. Em limitação de oxigênio, houve produção de etanol a partir de xilose, ao passo que a arabinose não foi utilizada. Análises de expressão gênica mostraram que a glicose não exerceu efeito repressor na linhagem JP19M. Finalmente, foi observado que JP19M é capaz de fermentar galactose e consumir simultaneamente glicose e galactose, apresentando metabolismo respiro-fermentativo. Em conjunto, nossos resultados mostram que a linhagem JP19M apresenta características relevantes para uma possível aplicação
    na produção de etanol a partir açúcares encontrados em hidrolisados lignocelulósicos.


  • Mostrar Abstract
  • A levedura Dekkera bruxellensis tem sido frequentemente relacionada a episódios de contaminação, devido a sua capacidade de competir com Saccharomyces cerevisiae por diferentes substratos. A habilidade de D. bruxellensis em assimilar fontes de carbono não utilizadas por S. cerevisiae é um dos fatores associados à
    sua alta adaptação nos ambientes industriais. O presente trabalho teve como objetivo avaliar os aspectos fisiológicos e genéticos do metabolismo de açúcares utilizados como substratos para a produção de bioetanol por
    D. bruxellensis. Para isso, foi realizada uma triagem para a metabolização de açúcares industrialmente
    relevantes com diferentes isolados de vinho e etanol. Adicionalmente, foi estudada a capacidade de algumas linhagens em fermentar xilose e arabinose, bem como a influência da glicose no metabolismo dessas pentoses e consequente produção de etanol. Isolados de vinho apresentaram maiores taxas de crescimento em galactose
    e os de etanol em celobiose e lactose. Além disso, isolados de etanol foram menos sensíveis a repressão por glicose. Em anaerobiose estrita, os isolados obtiveram altas taxas de crescimento em diferentes açúcares, sem necessidade de suplementação do meio. Os resultados mostram a alta diversidade fenotípica dentro desse grupo quanto a utilização de açúcares. Nos ensaios com xilose e arabinose em aerobiose, essas pentoses foram convertidas preferencialmente a biomassa. Em limitação de oxigênio, o consumo de xilose foi lento com baixa
    produção de etanol, ao passo que a arabinose não foi utilizada. Entretanto, a presença de glicose no meio favoreceu o consumo de xilose nessa condição. Nossos resultados sugerem que a glicose pode fornecer intermediários que auxiliam no metabolismo de xilose. Além disso, os dados relevam que o oxigênio é um fator chave no metabolismo de pentoses em
    D. bruxellensis.

2020
Dissertações
1
  • MARCONDES JOSÉ DE VASCONCELOS COSTA SOBREIRA
  • CARACTERIZAÇÃO GÊNICA E PROTEICA DE CITOCINAS
    INFLAMATÓRIAS EM PACIENTES COM ANEMIA FALCIFORME DURANTE
    E APÓS CRISE VASO-OCLUSIVA


     

  • Orientador : MARCOS ANDRE CAVALCANTI BEZERRA
  • MEMBROS DA BANCA :
  • MARCOS ANDRE CAVALCANTI BEZERRA
  • JAQUELINE DE AZEVEDO SILVA
  • IGOR DE FARIAS DOMINGOS
  • MICHELLY CRISTINY PEREIRA
  • Data: 27/02/2020

  • Mostrar Resumo
  • As crises vaso-oclusivas (CVO) são a principal causa de morbidade nos portadores de anemia falciforme. A produção desbalanceada de citocinas contribui com o progresso da vaso-oclusão, sendo sua caracterização importante para melhor compreensão da fisiopatologia da doença. Desse modo, este trabalho visa descrever o perfil de expressão gênica e proteica das citocinas IL- 1β, IL-6, IL-8 e TNF-α pelos granulócitos polimorfonucleares (PMN) e células mononucleares (CM) nos pacientes durante e após crise vaso-oclusiva. Foram analisados 46 pacientes com anemia falciforme, divididos em controles estáveis e caso, subdivididos em pacientes em crise e pós crise. Foi realizada separação de CM e PMN pela técnica de Ficoll-Hypaque para posterior extração do mRNA, seguida da síntese do cDNA para realização de qPCR pelo sistema TaqMan®. As dosagens séricas foram realizadas pela técnica de ELISA. Os resultados mostraram que apenas os PMN, em ambos os pacientes em crise e pós-crise, apresentaram maior expressão das quatro citocinas quando comparados ao grupo controle (0,0001 ≤ p ≤ 0,0381). Além disso, quando os mesmos pacientes em crise e pós crise foram comparados entre si, somente a IL-6 apresentou-se mais elevada após a crise (p=0,0175) para os PMN, demonstrando que estes são os principais moduladores das CVOs, com alta expressão de IL-6. Somente a IL-8 apresentou dosagem compatível com os limites do kit, estando consideravelmente elevada na crise em comparação com os pacientes controle (P=0,0009).


  • Mostrar Abstract
  • As crises vaso-oclusivas (CVO) são a principal causa de morbidade nos portadores de anemia falciforme. A produção desbalanceada de citocinas contribui com o progresso da vaso-oclusão, sendo sua caracterização importante para melhor compreensão da fisiopatologia da doença. Desse modo, este trabalho visa descrever o perfil de expressão gênica e proteica das citocinas IL- 1β, IL-6, IL-8 e TNF-α pelos granulócitos polimorfonucleares (PMN) e células mononucleares (CM) nos pacientes durante e após crise vaso-oclusiva. Foram analisados 46 pacientes com anemia falciforme, divididos em controles estáveis e caso, subdivididos em pacientes em crise e pós crise. Foi realizada separação de CM e PMN pela técnica de Ficoll-Hypaque para posterior extração do mRNA, seguida da síntese do cDNA para realização de qPCR pelo sistema TaqMan®. As dosagens séricas foram realizadas pela técnica de ELISA. Os resultados mostraram que apenas os PMN, em ambos os pacientes em crise e pós-crise, apresentaram maior expressão das quatro citocinas quando comparados ao grupo controle (0,0001 ≤ p ≤ 0,0381). Além disso, quando os mesmos pacientes em crise e pós crise foram comparados entre si, somente a IL-6 apresentou-se mais elevada após a crise (p=0,0175) para os PMN, demonstrando que estes são os principais moduladores das CVOs, com alta expressão de IL-6. Somente a IL-8 apresentou dosagem compatível com os limites do kit, estando consideravelmente elevada na crise em comparação com os pacientes controle (P=0,0009).

2
  • MARIA CAROLINA DOS SANTOS GUEDES
  • Influência da IL-10 na resposta imunológica de indivíduos vivendo com HIV-1 em terapia antirretroviral

  • Orientador : RAFAEL LIMA GUIMARAES
  • MEMBROS DA BANCA :
  • RAFAEL LIMA GUIMARAES
  • PAULA SANDRIN GARCIA
  • MICHELLY CRISTINY PEREIRA
  • PAULO ROBERTO ELEUTERIO DE SOUZA
  • Data: 11/12/2020

  • Mostrar Resumo
  • A Terapia Antirretroviral objetiva diminuir a carga viral plasmática e, consequentemente, reconstituir as células T CD4+. Entretanto, entre 15 a 30% dos indivíduos que atingem o sucesso virológico, não se recuperam imunologicamente, condição chamada falha imunológica. Alguns fatores são investigados como causa, dentre eles, a baixa produção de linfócitos T CD4+, processo esse influenciado pela atividade de citocinas, como a IL-10. Alterações na expressão e nos níveis plasmáticos da IL-10 podem estar relacionados à ineficiência da recuperação imunológica. Nesse contexto, a presença de polimorfismos na região promotora do gene IL10, pode influenciar nesse processo. Sendo assim, o estudo objetivou avaliar a influência da IL-10 na falha imunológica de indivíduos vivendo com HIV-1 em TARV. A dosagem sérica da IL-10 foi realizada por citometria (CBA), enquanto a genotipagem dos SNPs ocorreu através de sondas Taqman por PCR em Tempo Real. Foi realizado também o ensaio de quantificação relativa da expressão do gene IL10 por meio do Ct comparativo. Como gene de referência utilizou-se o GAPDH. Com relação à dosagem sérica, não houve diferença significativa entre os grupos IR e INR. O mesmo foi encontrado na genotipagem, onde os genótipos mostraram não interferir nos níveis plasmáticos da IL-10. Já no ensaio de expressão, observouse que o gene IL10 está 3,77 vezes mais expresso no grupo INR comparado ao
    IR. Sendo assim, mais avaliações são necessárias para compreensão do processo da falha imunológica



  • Mostrar Abstract
  • A Terapia Antirretroviral objetiva diminuir a carga viral plasmática e, consequentemente, reconstituir as células T CD4+. Entretanto, entre 15 a 30% dos indivíduos que atingem o sucesso virológico, não se recuperam imunologicamente, condição chamada falha imunológica. Alguns fatores são investigados como causa, dentre eles, a baixa produção de linfócitos T CD4+, processo esse influenciado pela atividade de citocinas, como a IL-10. Alterações na expressão e nos níveis plasmáticos da IL-10 podem estar relacionados à ineficiência da recuperação imunológica. Nesse contexto, a presença de polimorfismos na região promotora do gene IL10, pode influenciar nesse processo. Sendo assim, o estudo objetivou avaliar a influência da IL-10 na falha imunológica de indivíduos vivendo com HIV-1 em TARV. A dosagem sérica da IL-10 foi realizada por citometria (CBA), enquanto a genotipagem dos SNPs ocorreu através de sondas Taqman por PCR em Tempo Real. Foi realizado também o ensaio de quantificação relativa da expressão do gene IL10 por meio do Ct comparativo. Como gene de referência utilizou-se o GAPDH. Com relação à dosagem sérica, não houve diferença significativa entre os grupos IR e INR. O mesmo foi encontrado na genotipagem, onde os genótipos mostraram não interferir nos níveis plasmáticos da IL-10. Já no ensaio de expressão, observouse que o gene IL10 está 3,77 vezes mais expresso no grupo INR comparado ao
    IR. Sendo assim, mais avaliações são necessárias para compreensão do processo da falha imunológica


SIGAA | Superintendência de Tecnologia da Informação (STI-UFPE) - (81) 2126-7777 | Copyright © 2006-2022 - UFRN - sigaa02.ufpe.br.sigaa02